Violência, Saúde, meio ambiente e educação são os temas das manchetes

*Sinopse da grande mídia impressa*: Morte de menina Ágatha, crise ambiental, orçamento para a Saúde e contrato de professores universitários são os destaques do noticiário.

O Globo diz em manchete que a morte de Ágatha elevou a resistência ao projeto anticrime de Moro, mais especificamente no item sobre exclusão de ilicitude, que alivia punição a policiais. As capas dos principais jornais tratam do assunto. Sepultamento da criança, no Rio, ocorreu sob muita comoção.

Em Nova York, durante a Cúpula do Clima, setor privado internacional se junta a cientistas no combate à crise ambiental e em defesa da Amazônia, relata a manchete do Valor Econômico. O meio ambiente, a Cúpula do Clima e a Assembleia da ONU, por sinal, estão em todas as capas de jornais e mobiliza comentaristas e especialistas.

A Folha destaca o debate sobre o orçamento mínimo para a Saúde e diz que para chegar ao piso constitucional em 2020 o governo precisa de emendas. No Estadão, a manchete realça proposta do governo que pretende mudar as contrações de professores das federais para CLT.

🖋 Edição: _Sérgio Botêlho_

📃 *Manchetes do dia*:

“Morte de Ágatha eleva resistência a projeto de Moro. Maia defende ‘avaliação cuidadosa’ de proposta que alivia punição a policiais”. Manchete de capa do O Globo”.

“Setor privado apoia ações contra a crise ambiental. Setor privado e cientistas, com apoio da ONU, anunciam ações para combater a crise ambiental e em defesa da Amazônia”. Manchete de capa do Valor Econômico.

“Orçamento mínimo para a Saúde depende do Congresso. Para chegar ao piso constitucional em 2020, governo precisa de emendas”. Manchete de capa da Folha.

“Governo quer mudar contrato de novos professores das federais. Em vez de concurso público, ministro propõe CLT para admissão de servidores”. Manchete de capa do Estadão.

📃 *Editoriais do dia*:

“Incúria ambiental pode custar o sonho da reeleição a Evo Morales. Efeitos dos incêndios na província de Santa Cruz já são evidentes na campanha”. Editorial do O Globo.

“A insensatez contra os royalties do Rio. Lei questionada pelo estado no STF pode resultar em perdas de R$ 68,4 bilhões nos próximos cinco anos”. Editorial do O Globo.

“A importância do senso comum. Só é possível travar um debate racional a respeito das políticas públicas se os dados da realidade forem aceitos por todos os participantes”. Editorial do O Globo.

“Mais parques em São Paulo. Dentre os dez anunciados pela Prefeitura, três estão encaminhados”. Editorial do O Globo.

“Fundeb permanente. Muitos municípios dependem do fundo da educação básica para financiar suas redes de ensino”. Editorial do O Globo.

“Mais turbulência. Operação da PF que mirou líder do governo no Senado eleva desconfiança política”. Editorial da Folha.

“Longe da qualidade. Vagas disparam no ensino a distância; Estado deve zelar pela formação de alunos”. Editorial da Folha.

“Paralisia do Cade exige rápida ação do Senado. O Cade precisa retomar logo suas atividades, mantendo-se como um órgão de Estado com perfil técnico”. Editorial do Valor Econômico.

📃 *Outros destaques*:

“Assassinato de criança cria embate sobre pacote de Moro. Maia pede cautela na análise de projeto que prevê punição mais branda a policial; Moro diz não ver elo entre caso do Rio e proposta”. Na capa do Estadão.

“Comoção e revolta. O enterro de Ágatha foi marcado por protestos. “Não teve tiroteio”, gritava o homem que seria motorista da Kombi onde estava a criança.” Na capa do Estadão.

“Caso Ágatha leva Maia a defender avaliação criteriosa de pacote anticrime, e Moro rebate. Abrandamento da punição a policiais está em projeto de Moro, que também lamentou morte da menina”. Na Folha.

‘A arma que ela gostava era lápis’, diz avô de Ágatha no enterro da menina. Menina de 8 anos morreu após levar um tiro nas costas na última sexta-feira no Complexo do Alemão”. Manchete da hora do O Globo online.

“Mais dois policiais morrem em confronto. Cabo Leandro, de 39 anos, foi baleado na cabeça durante patrulhamento no bairro de Triagem. Já Felipe Brasileiro, de 34, que ficou quatro dias internado, levou um tiro no peito em operação no Alemão”. Na capa do O Globo.

“Taxa de homicídios é maior nas prisões”. Na capa do O Globo.

“‘Não somos o vilão do meio ambiente’, diz Ricardo Salles. Com o Brasil de fora dos discursos de hoje da Cúpula do Clima, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, procura aparar as críticas à política ambiental do governo. Em entrevista ao GLOBO, ele defendeu uma política de desenvolvimento para a Amazônia, segundo ele, sem riscos para a floresta.” Na capa do O Globo.

“65% dos juízes recebem mais do que o teto, diz pesquisa. Contas públicas. Levantamento mostra que, apesar do aperto fiscal, teto é rompido pelos magistrados mesmo depois do fim do pagamento indiscriminado do auxílio-moradia; nova benesse aprovada pelo CNJ garante auxílio-saúde de até 10% dos seus salários”. Na capa do Estadão.

“Alcolumbre vê Congresso na ‘dianteira’. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, avalia que o Congresso, diante da falta de empenho do governo, assumiu protagonismo em temas importantes, como a reforma da Previdência. “Decisões viraram praticamente parlamentaristas’’, disse no “E agora, Brasil?”, evento organizado pelos jornais O GLOBO e “Valor”.” Na capa do O Globo.

“Os testes do novo PGR. Augusto Aras vai reavaliar ações de antecessora contra pautas bolsonaristas”. No O Globo.

“Ministro da AGU atua como consultor informal da bancada evangélica. Mendonça discute com deputados projeto contra a criminalização da homofobia e pautas que envolvem aborto e uso medicinal da maconha”. No O Globo.

“‘Penduricalhos’ sob controle. Projeto de lei que regulamenta o que é ou não ‘penduricalho’ poderia gerar economia de R$ 1,16 bilhão ao ano”. Na capa do Estadão.

“Estados já têm de dar R$ 2 bi para emendas de políticos. Após aprovação do orçamento impositivo pelo Congresso, deputados estaduais replicaram a exigência em 16 unidades federativas; governadores tentam negociar pagamento”. Na capa do Estadão.

“Marta Suplicy em seu apartamento, em SP; ex-ministra defende criação de frente contra o ‘bolsonarismo’. Um ano após deixar MDB e dizer que não disputará mais cargos eletivos, ex-ministra quer se reconectar com esquerda e retoma militância feminista.” Na capa do Estadão.

“5G do Brasil vira alvo de disputa entre EUA e China. Polarização entre EUA e China não deve levar a Anatel a impedir participação da gigante chinesa da disputa pelo 5G no Brasil”. Na capa do Estadão.

“Leilão de 5G corre risco de ficar para 2021. Tecnologia afeta parabólicas, o que pode levar a adiamento”. Na capa do O Globo.

“Tecnologia ganha espaço nas montadoras. Indústria automobilística vai investir quase R$ 40 bi até 2024 para melhorar a qualidade dos veículos e a produtividade das fábricas”. Na capa do Estadão.

“Aplicação perde rentabilidade com Selic menor. Dependendo do valor cobrado por bancos para gerir carteira, fundos de renda fixa podem render menos que caderneta de poupança”. Na capa do O Globo.

“ONU pede a países planos e menos discurso”. Na Folha.

“Agrotóxicos são ameaça a anfíbios no Rio Grande do Sul”. Na Folha.

“ENTREVISTA DA 2ª. Sem dedução do IR, classe média se preocuparia mais com SUS, diz Arminio Fraga”. Na capa da Folha.

“Parada LGBTI+ toma a orla de Copacabana. Em Copacabana, a 24ª Parada do Orgulho LGBTI+ do Rio teve festa e protesto, incluindo um ‘beijaço’ e abertura ao som do Hino Nacional”. Na capa do O Globo.

“Brasileira é campeã mundial de skate. Pamela Rosa leva ouro e mantém liderança na corrida por vaga olímpica. Rayssa Leal, de 11 anos, fica com a prata”. Na capa do O Globo.

“Bachelet diz ter ‘pena’ do Brasil após ataque de Bolsonaro. ‘Me dá pena pelo Brasil’, diz Bachelet após ataque de Bolsonaro”. Na capa do O Globo.

“Trump admite diálogo com líder ucraniano. Nova frente. Democratas se mobilizam para investigar possível abuso de poder, já que presidente teria condicionado apoio militar e econômico dos EUA à Ucrânia, em um telefonema, à investigação do filho de um rival político; Trump diz que não fez nada errado”. Na capa do Estadão.

“Árabes indicam rival de Netanyahu para premiê. Partidos árabes se posicionam contra recondução do atual premiê ao cargo, o que amplia chances de o centrista Gantz chegar ao poder”. Na capa do Estadão.

“Partidos árabes de Israel vão apoiar Gantz. Apoio ao oposicionista é o primeiro de partidos árabes desde 1992; Lieberman volta a defender governo de coalizão”. Na capa do O Globo.

📃 *Colunas e artigos*:

“Tragédia de Ágatha poderia enterrar proposta de Moro que protege policiais. Deputados deveriam homenagear menina morta e jogar fora ideia sobre excludente de ilicitude”. Na coluna de Leandro Colon, na Folha.

“Sob impacto do assassinato de Ághata, deputados agem para derrubar excludente de ilicitude”. Na coluna Painel, da Folha.

“Caso da menina Ágatha: A falsa régua ética que nivela criminosos e policiais. Temos a obrigação de cobrar das polícias postura e respeito aos valores da nossa Constituição”. Na coluna de Renato Sérgio Lima, na Folha.

“Porque a Amazônia é tão importante para o Brasil. Quase todo conhecimento do qual a biotecnologia e a genética vão necessitar será extraído da flora e fauna amazônica. Brasil carece de uma política para ser protagonista na ‘revolução biotecnológica’ e não mero exportador de matérias-primas”. Na coluna de Paulo Feldman, no Valor Econômico.

“Um Prêmio Nobel para o Brasil. Nome do cacique Raoni ganha força na Noruega”. Artigo de Arnaldo Niskier, na Folha.

“‘Capitalismo’ de Salles é faroeste caboclo. Ricardo Salles, ministro do Desmatamento, disse que a preservação da Amazônia exige “soluções capitalistas”, para dinamizar a economia regional e gerar renda para seus 20 milhões de habitantes.” Na coluna de Demétrio Magnoli, no O Globo.

“’Imagine Bolsonaro sendo julgado por ecocídio em Haia’, sugere NYT. ‘Mini-Trump’, brasileiro se tornou ‘garoto-propaganda’ da necessidade de criminalizar a destruição do meio ambiente”. Na coluna de Nelson de Sá, na Folha.

“Bolsonaro subestima Amazônia. Bolsonaro deve falar amanhã em Nova York. É o acontecimento da semana, embora as semanas no Brasil surpreendam com frequência.” Na coluna de Fernando Gabeira, no O Globo.

“Jair vs. Greta. ONU mudou seu foco para a crise climática e brasileiro virou o vilão ideal. Não nos devemos surpreender, portanto, se Bolsonaro proporcionar um novo momento Mahmoud Ahmadinejad. Em 2010, o iraniano, desorientado e isolado, perdeu a compostura a disparou em plena tribuna todo o tipo de ignomínias para uma audiência esvaziada.” Na coluna de Mathias Alencastro, na Folha.

“Biografia revela nuances de Irmã Dulce e pessoas cruciais em sua trajetória. Religiosa gostava de futebol e de dar apelidos, mas foi gestora exigente que construiu obra social com mão de ferro”. Artigo de João Pedro Pitombo, na Folha.

“Uma resposta para Greta. Entramos nessa semana do clima pela porta dos fundos. Participo nesta segunda (23), em Nova York, de uma mesa de debates sobre o meio ambiente, em um evento paralelo à Cúpula do Clima da ONU, que busca acelerar de forma ambiciosa os compromissos do Acordo de Paris para a contenção do aumento da temperatura do planeta.” Artigo de Tabata Amaral, na Folha.

“O Judiciário não pode funcionar como uma gigantesca agência reguladora, sob pena de gerar mais incerteza e conflitos”. Na coluna de Adjacir Reis, no Valor Econômico.

“O medo de morrer também vota. Programa de pesquisas acha conexões entre temor da morte e radicalização”. Na coluna de Vinícius Mota, na Folha.

“Bolsonaro e a ameaça da pequena corrupção. Exposição da grande corrupção favoreceu Bolsonaro; a da pequena poderá fraturar sua base”. Na coluna de Marcus André Melo, na Folha.

“O adulto no recinto é o cheque do Queiroz. Todos os ‘adultos no recinto’ fracassaram na tentativa de moderar Bolsonaro”. Na coluna de Celso Rocha de Barros, na Folha.

“Todos ‘Aruanas’. Ficção é ferramenta para alavancar transformações. “Quem gosta de floresta é índio e celebridade, o povo gosta é de dinheiro, e isso não vai faltar”. Essa frase sai da boca do vilão de “Aruanas” (que, em tupi-guarani, significa sentinelas), no quinto capítulo da série que lançamos no último mês de julho.” Artigo de Estela Renner e Marcos Nisti, diretora e produtor de Cinema.

“Robôs de investimento. Para os aficionados em tecnologia, robôs podem ajudar muito na hora de investir”. Na coluna de Marcia Dessen, na Folha.

“O celular dos pobres. Quem já tem boa conexão à internet às vezes esquece que há bilhões de pessoas no mundo que estão desconectadas ou utilizam celulares velha guarda, que não são nada “smart”.” Na coluna de Ronaldo Lemos, na Folha.

“Forças Armadas do Brasil tentam evitar intervenção na Venezuela. Países da Organização dos Estados Americanos ameaçam reativar tratado que pode resultar em intervenção militar no país”. Na coluna de Mônica Bergamo, na Folha.

“Na polarização, eleitores medianos viram reféns de extremos e tendem erroneamente a atribuir seu desconforto às instituições.” Na coluna de Carlos Pereira, no Estadão.

“Capacidade de lidar melhor com as emoções é ferramenta excelente para tornar vida mais leve. Mesmo com problemas.” Na coluna de Daniel Martins de Barros, na Folha.

📊 *Mercado*: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) reabre nesta segunda-feira, 23, após o final de semana.

⏳ *Destaque histórico*:

Em 23 de setembro de 1973, morre Pablo Neruda, Cônsul do Chile na Espanha e no México, eleito senador em 1945 e embaixador na França, em 1970. O Nobel de Literatura morreu em uma clínica da capital chilena em 23 de setembro de 1973, 12 dias depois do golpe de estado de Augusto Pinochet. No atestado de óbito a causa da morte foi câncer. Em 2017, 16 especialistas internacionais convocados pela Justiça chilena concluíram que Neruda não morreu de câncer.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu