Vaza Jato, Bolsa Família, política e violência são temas nas capas dos jornais

🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞

📰 Birô de Imprensa – Ano 2 – Número 316- A 100 dias do fim do ano de 2019, hoje é domingo, 22 de setembro de 2019, 265º dia do ano.

*Sinopse da grande mídia impressa*: Não há um assunto predominante nas manchetes dos jornais. No entanto, entre os destaques nas capas, morte de uma criança de 8 anos por bala perdida no Rio de Janeiro é matéria comum aos três grandes jornais do país. Na manchete da Folha, nova revelação que emerge dos vazamentos das mensagens entre membros da Lava Jato mostra que donos da Odebrecht foram poupados no acerto de contas financeiro, por delação. Na manchete do O Globo levantamento mostra que número de beneficiários do Bolsa Família cresce em cidades ricas que perderam postos de trabalho. Enfim, na manchete do Estadão, a notícia de que o governo vem se rendendo às indicações políticas para aumentar base.

🖋 Edição: _Sérgio Botêlho_

📃 *Manchetes do dia*:

“Lava Jato poupou donos da Odebrecht por delação. Procuradores cogitaram até obrigar sócios a vender ações, indicam mensagens”. Manchete de capa da Folha.

“Último recurso. Bolsa Família, o novo seguro desemprego. Número de beneficiários cresce em cidades ricas, que perderam postos de trabalho”. Manchete de capa do O Globo.

“Governo se rende às indicações políticas para aumentar base. Metade das nomeações de superintendentes nos Estados foi feita por partidos”. Manchete de capa do Estadão.

📃 *Editoriais do dia*:

“Mau político não cai do céu. Eleitores têm direito de se queixar dos políticos e se desencantar com partidos, mas não devem esperar que um salvador surja para depurar a democracia”. Editorial da Folha.

“Infraestrutura verde. Inaugurado em 2007, o mercado de títulos verdes está em franca expansão”. Editorial da Folha

“Amigos em apuros. Política externa imprudente está se revelando um constrangedor erro de cálculo, que certamente trará prejuízos”. Editorial da Folha.

“Desperdício de dinheiro na Educação. Ensino médio continua em crise, e governo acha que o problema é falta de disciplina”. Editorial do O Globo.

“Êxito na ONU vai depender da competência política de Bolsonaro. Crescem pressões por menos discursos vagos e mais compromissos multilaterais efetivos”. Editorial do O Globo.

“Sinuca ambiental. Atos minam credibilidade de eventual mostra de sensatez de Bolsonaro na ONU”. Editorial da Folha.

“Aposta na confusão. Medidas de Bolsonaro e decisão tomada por Toffoli travam atuação do antigo Coaf”. Editorial da Folha.

📃 *Outros destaques*:

“Morre menina de 8 anos baleada no Alemão. Moradores afirmam que não houve tiroteio e que um único disparo foi feito pela polícia”. Na capa do O Globo.

“Menina é morta com tiro de fuzil no Rio. Agatha Vitória Sales Félix, de 8 anos, foi atingida nas costas durante ação da PM no Complexo do Alemão. A polícia disse que os agentes foram atacados e revidaram, mas a família contesta versão.” Na capa do Estadão.

“Sob Bolsonaro, importação de armas é a maior da história. Com nova regra, 37,3 mil revólveres e pistolas entraram legalmente neste ano”. Na Folha.

“Ághata, 8, é a quinta criança morta em tiroteio no Rio. ‘O único tiro que teve foi o deles’, diz tio de menina morta no Rio. Ágatha Félix, 8, foi atingida nas costas e não resistiu; família nega tiroteio”. Na capa da Folha.

“País volta a ter aumento de acidentes graves. O desligamento de radares nas rodovias federais, promessa do presidente Bolsonaro, começou em março”. Na capa do O Globo.

“Violência encarcerada. Superlotação em presídios, risco nas celas e nas ruas”. Na capa do O Globo.

“Bolsistas do CNPq temem não ter como estudar e onde morar. Mesmo com R$ 80 milhões liberados pelo governo, orçamento está asfixiado”. Na capa da Folha.

“Corte na verba da pesquisa é um risco para a saúde do agronegócio brasileiro. País está em alerta para problemas, mas não estaria preparado financeiramente para uma eventual catástrofe na agropecuária”. Na Folha.

“Servidor ganha espaço nas Assembleias e faz pressão sobre reforma nos estados. Fatia de deputados estaduais que vieram do funcionalismo é até o triplo da registrada na Câmara”. Na capa da Folha.

“’Dublês’ de ministro general assumem articulação política de Bolsonaro. Na prática, Rogério Marinho e Tarcísio Freitas tocam tarefa do ministro da Secretaria de Governo, general Ramos”. Na Folha.

“Fora da agenda, advogado de Flávio se encontra com Bolsonaro no Alvorada. Frederick Wassef não quis falar sobre tema do encontro com o presidente”. Na Folha.

“Luciano Huck intensifica articulação para ser presidenciável em 2022. Apresentador, que quase foi candidato em 2018, acelerou agenda de encontros políticos”. Na Folha.

“CNN chega ao Brasil sob dúvida. Será ou não simpática a Bolsonaro?” Na capa da Folha.

“Reforma de tributos trará 300 mil vagas, aponta estudo”. Na capa do Estadão.

“Garimpos em MT põem em xeque controle sobre mineração”. Na capa da Folha.

“Brasileiro não vai mais aos EUA só atrás de trabalho. Vai empreender. Sonho americano. No ano passado, os Estados Unidos emitiram número recorde para brasileiros de vistos EB-5, documento que dá direito ao Green Card para quem investir pelo menos US$ 500 mil no país; entre as metas, está a criação de dez empregos em dois anos”. Na capa do Estadão.

“‘Vamos lançar nosso banco digital’. Em meio à virada digital da dona da Casas Bahia, Via Varejo estuda também descartar marca Ponto Frio”. Na capa do Estadão.

“Que tal um juiz robô no futebol? Empresas investem em inteligência artificial no futebol. Ideia, por exemplo, é que juiz eletrônico analise imagens e diga se foi falta, lateral, impedimento.” Na capa do Estadão.

📃 *Colunas e artigos*:

“Queda de braço. Os tempos estranhos em que vivemos, no dizer do ministro do Supremo Marco Aurélio Mello, estão transformando o parlamentarismo branco em arma do Congresso contra o presidente da República, que tem uma Compactor cheia de tinta na mão, mas não pode tanto quanto já pôde, mesmo que a legislação não tenha mudado.” Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Arrastão ambiental. Greve Global pelo Clima, o movimento da garotada, foi maximalista em tudo: ambição, propósito, participação, desdobramento”. Na coluna de Dorrit Harazim, no O Globo.

“O Brasil contra o mundo. Bolsonaro já ameaçou tirar o Brasil da ONU. É difícil que ele repita a bravata na terça, mas seu discurso pode agravar o desgaste do país no exterior”. Na coluna de Bernardo Mello Franco, no O Globo.

“Doleiro dos doleiros vai à PF por delação. Dario Messer, o doleiro dos doleiros, preso há um mês e meio pela Lava-Jato, já deixou mais de uma vez sua cela em Bangu 8 em direção à sede da PF no Rio de Janeiro. Lá, deu depoimentos com a intenção de fechar um acordo de delação premiada diretamente com a PF.” Na coluna de Lauro Jardim, no O Globo.

“Bretas negou passaporte a Temer. Negando passaporte a um ex-presidente, Bretas retomou o costume da ditadura que até 1975 fez a mesma coisa com João Goulart.” Na coluna de Elio Gaspari, no O Globo.

“Ainda pode dar certo. Só o presidente é capaz de mudar esse estado de espírito. Cabe a ele decidir como governará e se de fato governará. Se não mudar, esse será conhecido como o desgoverno Bolsonaro.” Na coluna de Ascânio Seleme, no O Globo.

“O Exército não tem partido. Uma portaria do Exército deixa claro que também no ambiente de mídias sociais os militares não podem, no exercício de suas funções, expressar opções político-partidárias. Quem fala em nome de todo o Exército é o comandante.” Na coluna de Ancelmo Gois, no O Globo.

“Há uma espécie de pânico generalizado sobre o desempenho de Bolsonaro na ONU, mas ele pode surpreender.” Na coluna de Eliane Catanhêde, no Estadão.

“Sempre há “a outra volta do parafuso”. No capitalismo, quando muitos lucram com agrotóxicos, surge a opção dos orgânicos.” Na coluna de Leandro Karnal, no O Globo.

“Ainda é difícil para a maior parte dos pais entender que as emoções dos filhos não são bobagens.” Na coluna de Rosely Sayão, no Estadão.

“Reforma política ou magno latrocínio? No regime tirânico o dirigente “despreza as leis da natureza, abusa das pessoas livres como se elas fossem escravas, e dos bens dos governados como dos seus” (Jean Bodin, Os Seis Livros da República, II). Desde longa data levo uma batalha inglória na mídia e em setores acadêmicos, mas sempre termino derrotado pelo equívoco que define certa palavra filosófica. Falo do cinismo.” Artigo de Roberto Romano, professor da Unicamp, no Estadão.

“O programão na fila e a galinha na UTI. Passar a noite numa fila, em busca de senha para um mutirão do emprego, tem sido um dos grandes programas boêmios de São Paulo. Nenhum outro tem atraído tantos milhares de pessoas.” Artigo de Rolf Kuntz, jornalista.

“Maia faz gesto à turma rejeitada pelo Planalto. O gesto de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao conduzir a aprovação do fundo eleitoral na Câmara foi, sobretudo, direcionado aos presidentes dos partidos políticos, turma, até bem pouco tempo, tratada com desdém pelo Planalto. O presidente da Casa não moverá palha daqui em diante, porém. Jair Bolsonaro que se vire para manobrar nessa vaga, espremido entre sua base eleitoral”. Na Coluna do Estadão, no Estadão.

“Na beira do precipício. Veremos quem no Supremo está à altura desse nome e da complexidade do país. Dias Toffoli revela-se um ministro perdido em distrações. Tomara que seja isso, para não ser algo pior. Nunca viu Jair Bolsonaro “atuar em ondas de ódio, pelo contrário”. Continua, até hoje, sem saber de coisas como “vou acabar com os petralhas” e “no meu governo, oposição vai pra cadeia ou pra fora”. Na coluna de Jânio de Freitas, na Folha.

“No telefonema vazado de Dilma só não vale o papel de bobo. Moro suspendeu o grampo às 11h12 do dia 16 e às 13h22 deu-se a conversa fatídica”. Na coluna de Elio Gaspari, na Folha.

“Discurso na ONU vai mostrar se Bolsonaro continuará torrando dinheiro. Investidores e governantes cobram do Brasil mudança no compromisso ambiental”. Na coluna de Bruno Boghossian, na Folha.

“Pequena novidade de boa na economia. Juro baixo deve obrigar poupador a buscar rentabilidade no setor privado”. Na coluna de Vinícius Torres Freire, na Folha.

“Chegou o dia seguinte da Previdência. Não está claro como andará o ajuste fiscal. Como operará o Congresso?” Na coluna de Samuel Pessôa, na Folha.

“Conquista ameaçada. Desleixo e orgulho ameaçam o controle de doenças pelas vacinas”. Na coluna de Hélio Schwartsman, na Folha.

“O futuro imprevisível. Mais difícil de prever o que acontecerá no Brasil é se haverá Brasil para acontecer”. Na coluna de Ruy Castro, na Folha.

“De novo? Economistas recomendam o aumento do investimento público como se fosse aspirina”. Na coluna de Marcos Lisboa, na Folha.

“CGU prepara estudo para endurecer punição a casos de corrupção e nepotismo no governo”. Na coluna Painel, da Folha.

“A ridicularização de Macri. Escracho do presidente ocorre em shows, estádios de futebol e até na igreja”. Na coluna de Sylvia Colombo, na Folha.

📊 *Mercado*: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não abre nos finais de semana.

⏳ *Destaque histórico*: “Em 22 de setembro de 1939, um desfile militar germano-soviético em Brest-Litovsk é realizado para comemorar a invasão bem-sucedida da Polônia”. Na Wikipedia.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu