Tragédia no Rio ocupa as manchetes dos jornais

Primeira Hora – Anexo 6

SINOPSE DE 03 DE SETEMBRO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: FOGO DESTRÓI 200 ANOS DE HISTÓRIA. INCÊNDIO REDUZ O MUSEU NACIONAL A CINZAS. Criado por Dom João VI em 1818, o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, foi completamente destruído na noite de ontem, o que pesquisadores avaliam como uma catástrofe cultural sem precedentes. Era o museu mais antigo do país e considerado uma das mais importantes instituições científicas do Brasil e da América Latina. Uma parte irreparável da História e da Ciência brasileiras se extinguiu nas chamas. Foram perdidos fósseis, múmias e peças da monarquia brasileira. Cientistas denunciavam há anos as péssimas condições e a falta de recursos para manutenção. Bombeiros relataram que faltou água em hidrantes. Funcionários foram para a porta do prédio e, às lágrimas, se desesperaram ao ver o fogo consumir o museu.

Candidatos apoiam novo sistema para Previdência. Dos seis presidenciáveis com melhor desempenho nas pesquisas, quatro defendem o regime de capitalização —no qual o valor da aposentadoria depende da contribuição de cada um. Especialistas alertam, porém, que o modelo deve te relevado custo de transição, e benefício pode ficar aquém do esperado.

Adversários vão ao TSE contra petista na TV. Partido Novo e PSDB ingressam com representações na Justiça Eleitoral contra exposição de petista; ministros do TSE admitem que uso da imagem de ex-presidente em campanhas a deputado pode levar a uma enxurrada de ações nos estados.

Criticar bancos vira tendência na campanha. Sem as doações do setor e com eleitores endividados, presidenciáveis ficam à vontade para atacar os juros altos, a concentração de mercado e até mesmo falar em taxação maior; assessores, no entanto, mantêm encontros com instituições.

‘Abaixa o bacamarte’, diz Marina a eleitora. Candidata posa com mulher vestida de cangaceira e aproveita para se distanciar da apologia às armas.

Novo livro defende o controle de armas e munição para o combate à violência. ‘Segurança pública para virar o jogo’, que será lançado amanhã, discute papel da sociedade no tema.

Com discurso liberal na economia, Amoêdo mira eleitorado de Bolsonaro. Defensor do fim dos privilégios para políticos, candidato do Partido Novo critica adversário do PSL, que está na Câmara há quase 30 anos.

Partidos atrasam repasses, e candidatos reclamam. A pouco mais de um mês para a eleição, legendas só transferiram 34% da verba de R$ 1,7 bilhão do fundo eleitoral. Em meio a queixas de falta de dinheiro para alugar carros e imprimir material, dirigentes das siglas culpam burocracia e diretórios estaduais.

No Rio, retomada do mercado tem ritmo ainda lento. Até o fim deste ano, haverá 120 unidades ocupadas, estima construtora.

Argentina vai reduzir número de ministérios. Governo prevê reduzir gastos em 1 bilhão de pesos. Pacote de medidas, a ser anunciado hoje, deve incluir também impostos sobre exportações agrícolas.

Editorial1: Congresso ainda está devendo a reforma do SUS. Legislativo precisa iniciar a revisão do sistema público de saúde, que atende 175 milhões de brasileiros.

Editorial2: É irracional projeto de lei que libera criação de 400 municípios no país. Um terço das prefeituras não gera receita nem para pagar salários de prefeitos, secretários e vereadores.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Uma tragédia anunciada. Destruído por incêndio, Museu Nacional, no Rio, estava em situação de abandono. Mais antigo centro de ciência do País completou 200 anos em junho. Acervo reunia 20 milhões de itens. Um incêndio destruiu ontem o Museu Nacional, no Rio. Especializado em história natural e mais antiga instituição científica do País, o museu tinha 20 milhões de itens e completou 200 anos em junho, em meio a uma situação de abandono. Entre 2013 e 2018, o orçamento anual da instituição, ligada à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), caiu de R$ 500 mil para R$ 54 mil. “A dúvida não era se algo assim poderia acontecer, mas quando aconteceria. O museu estava apodrecendo”, afirmou Walter Neves, antropólogo que estudou Luzia, o esqueleto mais antigo achado nas Américas, parte do acervo do Museu Nacional.

Onda anticorrupção é o que mais impulsiona Bolsonaro. Perfil. Pesquisas indicam que o principal combustível do bolsonarismo não é o medo da violência, mas o moralismo – que, hoje, se confunde com o antipetismo.

Siglas vão à Justiça contra propaganda do PT com Lula. Estratégia até o dia 11 é insistir no discurso da candidatura de Lula e manter vice como seu ‘representante’ na TV.

Emprego em xeque na era da revolução digital. Trabalho. Sistemas com uso de tecnologias como inteligência artificial põem em xeque o futuro de profissões na próxima década, como atendentes de telemarketing e vendedores de varejo; segundo pesquisa, 14% dos empregos brasileiros podem desaparecer até 20.

ANTT vai revisar tabela de frete, após alta do diesel. Agência divulgou nota após rumores de retomada da greve dos caminhoneiros; apesar de entidades negarem paralisação, postos de MG e PE registraram filas.

Câmara é a menos ‘eficaz’ em 10 anos. Índice de conclusão de projetos desta legislatura será de 5% a 25%, diz estudo.

Argentina deve cortar até 13 de 19 ministérios. Em crise, governo anunciará hoje novas medidas econômicas; imposto sobre exportação agrícola poderá ser mantido, diz imprensa local.

Propostas sobre corrupção são genéricas. Dos 13 candidatos à Presidência da República, 11 apresentaram tópicos sobre o tema; analistas apontam fragilidades nos programas.

Clãs tentam se manter no poder após Lava Jato. Mesmo com pais presos, os filhos de Sergio Cabral e de Eduardo Cunha concorrem a cargos eletivos; ‘Garotinhos’ e ‘Piccianis’ reforçam quadro.

Coluna do Estadão: Governo já recebeu 48 pedidos de quarentena. A quatro meses do fim do governo Michel Temer, secretários e diretores de cargos de confiança já começaram a negociar recolocações no mercado privado. A Comissão de Ética Pública da Presidência aprovou 48 pedidos de quarentena nos últimos quatro meses, número acima da média. Têm direito a receber a remuneração compensatória durante seis meses servidores que tiverem contato com informações confidenciais de repercussão econômica. Durante a quarentena, não poderão exercer atividades em áreas afins às que exerciam no governo.

Coluna do Estadão: O PT acredita ter mais chances de reverter a decisão do TSE que vetou a candidatura do ex-presidente Lula se o recurso no Supremo Tribunal Federal cair nas mãos dos ministros Ricardo Lewandowski ou Marco Aurélio Mello. Em outubro de 2016, o ministro Marco Aurélio liberou o então prefeito afastado de Montes Claros (MG), Ruy Muniz, para deixar a prisão e fazer campanha no 2º turno, contrariando decisão do TRE.

Coluna do Estadão: O presidente Michel Temer vai mandar para o Supremo nos próximos dias manifestação que reforça o Decreto 9.393, que reduziu subsídios dados à indústria de refrigerantes. Ele enfrenta pressão para mudar sua decisão.

Cida Damasco: Não há chance de se acabar com o déficit público num “vapt-vupt”. Em certos momentos, as propostas de campanha dos candidatos à Presidência da República dão a impressão de que será simples recolocar a economia brasileira na trilha do equilíbrio fiscal e, por tabela, do crescimento.

Lúcia Guimarães: A hostilidade a jornalistas é tão antiga quanto a profissão. Ele tinha em casa dezenas de armas e centenas de munições. E prometeu aparecer na redação do jornal Boston Globe para matar os jornalistas. Numa das 14 ligações que fez com ameaças, repetiu o slogan do presidente que tanto admira – “inimigos do povo”. Robert Chain, de 68 anos, não chegou a comprar passagem para atravessar o país e cumprir sua ameaça até a quinta-feira passada, quando a polícia invadiu sua casa em Los Angeles e o levou para frente de um juiz pela acusação de um crime federal.

Editorial1: Um país exausto. A indecorosa lista de falhas desse Estado balofo inclui o colapso da segurança pública e as carências extremas do sistema público de saúde.

Editorial2: Sem ameaça à meta fiscal. Resultados primários melhores do que os de 2017 têm sido registrados pelo governo.

Editorial3: Autonomia de fachada. Dos 5.570 municípios do País, cerca de um terço – 1.872 – não gera receita suficiente nem para pagar os salários de prefeitos, secretários e vereadores. São municípios que nem deveriam existir; só existem porque recebem da União e dos Estados repasses para sustentar a máquina pública. O dado alarmante é fruto de um estudo da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) que tem como base o balanço anual entregue pelas prefeituras à Secretaria do Tesouro Nacional.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo:  Fogo destrói Museu Nacional, no Rio. Instituição, a mais antiga do país, funcionava em palacete bicentenário e abrigava coleções preciosas de várias ciências. No início da noite de domingo (2), chamas atingiram o histórico Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, no Rio, que completou 200 anos e cujo acervo tem 20 milhões de itens; administrado pela UFRJ, que passou por cortes no orçamento, o prédio mostrava sinais de má conservação como fios elétricos expostos.

INSS atrasa decisão sobre 720 mil processos no país. Faltam funcionários e a produtividade é baixa, afirma presidente do órgão. Em ação civil contra o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), a Defensoria Pública da União questiona demora na análise de pedidos de aposentaria além do tempo legal, que é de 45 dias desde a entrega dos documentos até o pagamento inicial. O problema ocorre em todo o país. Hoje, mais de 720 mil pedidos de benefício aguardam há mais de um mês e meio. Em alguns casos, a espera leva um ano. Processos atrasados são quase metade do total de 1,5 milhão que aguardam análise. Segundo a defensoria, entre os motivos para a demora estão a ampliação de canais de pedidos, como INSS digital, e as revisões de benefícios que geram demandas maiores para o INSS — o órgão tem feito pente-fino nos benefícios por incapacidade. O presidente do INSS, Edison Garcia, nega relação entre atraso na análise de pedidos e o processo de revisão. “Tem a ver com falta de funcionários e produtividade baixa por conta de metodologia de trabalho, que queremos mudai’.

Candidatas de esquerda e direita sofrem assédio sexual. Agressões de cunho sexual, piadas machistas e até ameaças de morte fazem parte da rotina de assédio contra candidatas. Sem filtro ideológico, atingem mulheres à esquerda e à direita, entre as 8.892 candidaturas femininas (31%). A candidata Natalie Unterstell recebe nas redes sociais “nude o tempo inteiro”.

TSE nega pedido de Bolsonaro para excluir reportagem. O Tribunal Superior Eleitoral negou pedido de Jair Bolsonaro (PSL) para excluir reportagens da Folha sobre Walderice da Conceição. A assessora foi demitida do gabinete dele depois de o jornal revelar que ela vendia açaí no Rio em horário de trabalho. Cabe recurso.

Bolsonaro, como Le Pen, deseja apenas minar a democracia.

PT estuda recorrer ao STF com base em argumento da ONU.

Painel: Alckmin mantém Bolsonaro sob pressão e mira PT em busca de eleitor antipetista.

Vinicius Mota: Faça como FHC, dê seu palpite eleitoral. Por enquanto, prever o resultado da disputa presidencial é como apostar num cassino.

Celso Rocha de Barros: Haddad vai jogar com a 13. Petista tem posição confortável, mas precisa se mostrar viável contra Bolsonaro.

Leandro Colon: TSE fez gol legítimo ao cassar Lula, mas levou olé na propaganda de TV. Ministros discutiram por trás das cortinas recuo que levou PT a driblar tribunal.

Marcus André Melo: O voto útil e os institutos de pesquisa. As elites partidárias falharam, com os eleitores será diferente?

Davi Depiné: A presunção de inocência frente à prisão processual. Garantias constitucionais deveriam ser rede protetora.

Editorial1: Verborragia perigosa. Campanhas de Bolsonaro e do PT lançam dúvidas sobre a legitimidade das regras do jogo

Editorial2: Falta de planejamento. Gol contra. Futebol continua sofrendo com a falta de visão gerencial de grande parcela de seus dirigentes.

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Mercado de capitais pode acelerar emprego e renda. Um mercado de capitais mais forte no Brasil poderia criar 1,7 milhão de empregos e aumentar em 11,6% a renda per capita do país em cinco anos. As estimativas fazem parte de estudo feito pela consultoria Accenture Strategy para a Anbima e a bolsa de São Paulo.

Macri tenta criar ‘choque de confiança’. O governo de Maurício Macri vai anunciar hoje medidas que visam gerar um choque de confiança política e econômica. Fonte do governo confirmou ao Valor que a corrida ao dólar ocorrida na última quinta-feira foi a gota d’água para “embaralhar as cartas e repartir de novo”.

Franklin Templeton perde US$ 1,23 bi. Um dos maiores investidores globais em renda fixa teve um dos seus principais fundos duramente afetado pela crise dos mercados emergentes desencadeada pelos problemas da Argentina.

Automação. A Ambev investiu nos últimos cinco anos R$ 3,6 bilhões em São Paulo, onde tem cinco fábricas. O objetivo é tornar essas unidades modelos de indústria 4.0, para serem replicados no parque fabril da companhia, que abrange 32 fábricas no país, diz o diretor técnico da empresa, Eduardo Soares.

VLI negocia terminal de grãos no MA. A VLI, empresa de logística ferroviária que tem a Vale como principal acionista, negocia a compra do terminal de grãos da CGG Trading no porto de Itaqui (MA).

No Brasil, Petrochina pode investir em refino. Com a conclusão da compra de 30% da distribuidora pernambucana TT Work, a Petrochina assumiu o comando da área de trading da companhia com a expectativa de que as importações voltarão a ganhar espaço no mercado nacional de combustíveis a partir de 2019.

Cresce no PT pressão para troca de Lula por Haddad. Com o veto do TSE à candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência da República, cresce no partido a ala que defende apressar a substituição dele pelo vice Fernando Haddad ainda nesta semana.

Disney brilha no escurinho do cinema. Durante a crítica temporada de verão, que costuma responder por cerca de 40% das receitas anuais, a bilheteria nos cinemas americanos cresceu 14% na comparação anual, para US$ 4,22 bilhões. Já levando em conta a inflação, foi o melhor verão em cinco anos.

Conjuntura. Economia dá sinais de estagnação, com fraqueza da demanda. Economia brasileira teve um desempenho fraco no segundo trimestre, influenciada especialmente pela greve dos caminhoneiros, mas a perda de dinamismo da atividade antecede a paralisação do fim de maio.

PT decide estratégia para transferir votos de Lula. Cresce no partido a ala que defende a substituição rápida por Haddad ainda nesta semana.

Em Alagoas, Haddad reforça aliança com Renan.

Tiro curto. Se só um prevalecer, Haddad e Alckmin dificilmente perdem o segundo turno.

Alckmin acusa PT de esconder candidatura Haddad. Presidenciável tucano reclamou da propaganda petista que exibiu Lula, no fim de semana, como candidato ao Planalto, apesar da decisão do TSE de barrá-lo.

Tabela de frete sobe o custo mas reduz pressão por greve.

Depois de anúncio da Petrobras de reajuste de 13% para o óleo diesel, ANTT já prepara a publicação de nova.

Ipsos mostra desgaste lento da Lava-Jato. Apoio da população à operação é alto, mas vem caindo gradualmente, conforme série de pesquisa.

Para tucanos, Aécio será o mais votado a deputado em MG. Senador que desistiu de tentar reeleição, depois de delações e da gravação de telefonema com Joesley Batista, tem agenda de campanha com forte apoio de aliados.

Editorial: Falta de respostas de PSDB e PT abre caminho a Bolsonaro. A polarização entre essas duas forças resultará em uma falsa solução.

Deixe uma resposta

Fechar Menu