Tragédia em São Paulo é o destaque do noticiário

SINOPSE DE 02 DE MAIO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Incêndio expõe drama habitacional em SP. Em chamas, prédio desmorona e deixa 44 desaparecidos. Abandonado em 2009, imóvel começou a ser ocupado há cinco anos; moradores contam que pagavam R$ 400 de aluguel a movimento por moradia popular. Um incêndio levou ao desabamento de um prédio de 24 andares no Centro de São Paulo, na madrugada de ontem. Pelo menos 44 pessoas estão desaparecidas. Apresentaram-se aos assistentes sociais 372 sobreviventes, de 146 famílias que viviam no local. Pertencente à União, o edifício, abandonado desde 2009, começou a ser ocupado em 2013. Moradores contam que pagavam aluguel de R$ 400 ao Movimento de Luta Social por Moradia. A tragédia expõe o drama habitacional em São Paulo. A Secretaria Municipal de Habitação estima um déficit de 358 mil moradias na capital paulista. Depois do incêndio, o Ministério Público informou que vai reabrir inquérito que investigava a ocupação e o risco estrutural do imóvel/

Temer é hostilizado e sai às pressas. Com a intenção de dar apoio às famílias das vítimas, o presidente Michel Temer esteve no local da tragédia. Porém, teve que abreviar sua permanência. Depois de ser chamado de “golpista” e ter objetos arremessados contra sua comitiva, o presidente se viu obrigado a bater em retirada, sob a proteção de seguranças/

Merval Pereira: Temer cometeu erros infantis em busca da superação da impopularidade/

STF retoma hoje debate do foro privilegiado. Com o placar indicando oito votos a favor do fim do foro privilegiado para deputados e senadores, o Supremo Tribunal Federal retoma hoje a discussão do tema. Os parlamentares terão foro no STF só para crimes cometidos no exercício do mandato e relacionados à função/

Calote ameaça exportações. O presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, afirmou que, se o governo não aprovar projeto de lei para cobrir a dívida de Venezuela e Moçambique, o banco terá de suspender crédito a exportações. O impacto seria de até US$ 1,5 bilhão/

Desempregado fica 24 horas na fila. No Dia do Trabalho, 30 mil pessoas enfrentaram fila no Engenhão para disputar uma das cinco mil vagas oferecidas. Os primeiros chegaram com 24 horas de antecedência/

Editorial: Tema em discussão. Projeto Segurança Presente. Para salvar vidas. …é bem-vindo o anúncio de que o projeto Segurança Presente, que já funciona na Lagoa, no Aterro do Flamengo, no Méier e no Centro, pode chegar também ao Leblon. Trata-se de uma parceria público-privada que reúne o estado, a prefeitura e a Federação de Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio) para reforçar o policiamento em determinadas áreas da cidade.

 

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: : Prédio com sem-teto desaba e Covas fala em avaliar outros 70. Edifício de 24 andares no centro pegou fogo – Imóvel da União era ocupado por 146 famílias – Há pelo menos um desaparecido – MP reabriu inquérito sobre o local – Prefeito quer pente-fino em ocupações com 3,3 mil pessoas. Um incêndio na madrugada de ontem provocou o desabamento do Edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paiçandu, centro de São Paulo. O imóvel de 24 andares, que pertencia à União, era ocupado por pelo menos 146 famílias de sem-teto. Até a meia-noite e meia, havia oficialmente um desaparecido. Outras 44 pessoas previamente cadastradas pela Prefeitura não tinham sido localizadas. O prefeito Bruno Covas (PSDB) acredita que 3,3 mil pessoas vivam em 70 prédios invadidos, que vão passar por um pente-fino. O presidente Michel Temer foi hostilizado no local. Um inquérito do Ministério Público sobre a segurança do edifício foi reaberto; a investigação havia sido arquivada depois que laudo da Prefeitura de 2016 aferiu que o imóvel não apresentava riscos estruturais/

Depoimento. Fausto Macedo, repórter. ‘Torre levou ao chão capítulo da história da PF’. A torre envidraçada que ruiu levou ao chão uns poucos pertences de uma gente carente de tudo e um capítulo importante da história da Polícia Federal em São Paulo, que pude acompanhar de perto. Por muitos anos, quase diariamente, frequentei o prédio de mais de 20 andares que dominava a esquina da Rio Branco com a Rua Antônio de Godói/

Fim do foro ameaça 48 políticos do Congresso. Pelo menos 12 senadores e 36 deputados com inquéritos abertos no Supremo Tribunal Federal no âmbito da Lava Jato ficariam sujeitos à perda do foro privilegiado, segundo a interpretação da regra em votação na Corte, mostra levantamento feito pelo Estado. A maioria das investigações trata de recebimento de propina, via caixa dois, para políticos que já exerciam mandatos e tentavam a reeleição ou novo cargo no Executivo. É o caso dos senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Gleisi Hoffmann (PT-PR), que negam irregularidades/

Empreiteira deixa de pagar dívida de R$ 1,2 bilhão. A Andrade Gutierrez deixou de pagar na segunda-feira R$ 1,2 bilhão a credores que adquiriram títulos emitidos no exterior. Na semana passada, o Tribunal de Contas da União bloqueou R$ 508 milhões da empresa por suposto superfaturamento em obras na usina de Angra 3. A agência de risco Fitch rebaixou a nota da empreiteira/

Só três presidenciáveis vão a atos do 1º de Maio. Comemorações do 1º de Maio perdem espaço para evento unificado em Curitiba e desabamento no centro da cidade/

Coluna do Estadão: PF avalia mudar a data para ouvir filha de Temer. Após o vazamento da data do depoimento de Maristela, filha do presidente Michel Temer, a Polícia Federal avalia mudar o dia da oitiva. Inicialmente, ela seria ouvida amanhã, 3, mas a diligência pode ocorrer ainda hoje, para afastar a possibilidade de tumulto/

Vera Magalhães: De quem é a responsabilidade? A julgar pelo comportamento das autoridades e dos movimentos de sem-teto, de ninguém/

Editorial1: Para destravar o Brasil. O Brasil tem sido incapaz de correr no pelotão dianteiro dos emergentes e, na última década, até nos pelotões intermediários, como o dos países latino-americanos/

Editorial2: Uma tragédia anunciada. O mínimo que se pode esperar é que a tragédia desta terça sirva de lição, não de mau presságio/

Editorial3: Outro ataque contra petistas. Ainda são obscuras as circunstâncias do ataque a tiros ao acampamento de apoiadores do ex-presidente Lula da Silva em Curitiba, na madrugada de sábado passado, mas parece evidente que se trata de violência de caráter político, inaceitável em uma democracia. Mesmo que tenha sido um ato isolado de algum fanático antipetista, o atentado reforça a impressão de que o clima de confronto ultrapassou a mera retórica virulenta, adentrando o terreno da delinquência e da selvageria.

 

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Desabamento de prédio em SP expõe falta de controle público. Edifício invadido abrigava 150 famílias; investigação de 2015 sobre segurança não recomendou interdição. Um incêndio na madrugada de ontem provocou o desabamento de um edifício de 24 andares invadido no centro de São Paulo. O prédio pertencia à União, já foi sede da Polícia Federal e estava cedido à prefeitura. Ocupado pelo LMD (Luta por Moradia Digna), abrigava 150 famílias, com 400 pessoas. Segundo moradores, o fogo começou depois de uma explosão —a suspeita é relacionada a um botijão. O desabamento ocorreu enquanto um homem que tentava ajudar outras pessoas era resgatado. Ele não foi mais encontrado. No início da noite, 44 cadastrados entre frequentadores do local, que tem alta rotatividade, ainda não haviam sido localizados. O desabamento causou pânico e expôs a falta de controle de órgãos públicos sobre a situação de imóveis invadidos. A segurança do prédio já havia sido questionada em 2015. A Defesa Civil e a Secretaria de Licenciamento avaliaram à época não haver risco que justificasse a interdição/

Propinas de SP a Paulo Preto teriam somado R$ 173 mi. O ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, é acusado por delatores da Odebrecht de ter recebido R$ 173 milhões em propinas só em obras da Prefeitura de São Paulo. O ex-prefeito à época, Gilberto Kassab (PSD), nega irregularidades/

Esquerda precisa fazer autocrítica, diz Noam Chomsky. Referência da esquerda, Noam Chomsky diz que a prisão do ex-presidente Lula é injusta e uma vingança das classes dominantes. Mas, à Folha, o linguista afirma que esquerda e PT precisam fazer autocrítica e entender por que sucumbiram à Corrupção/

Novo presidente terá a menor margem para gastar em 2019. O próximo presidente da República terá no seu primeiro ano a menor margem para despesas em relação ao PIB desde o início da série histórica, em 1997. Gastos não obrigatórios, como em investimentos e custeio da máquina, somarão 3,09% do PIB. “O cenário é praticamente insustentável”, afirma Fabio Klein, especialista em contas públicas/

Editorial1: Relatos do desastre. Evasivas revelam como letargia e irresponsabilidade levaram ao trágico desabamento em SP/

Editorial2: Desacordo sobre o Irã. Se EUA implodirem pacto, abrirão caminho para segmentos ultraconservadores do Irã.

 

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Metade de empresas da bolsa não revela salários e bônus. Passados nove anos desde que as companhias de capital aberto passaram a ser obrigadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a revelar a remuneração de seus diretores e conselheiros, investidores ainda não têm total acesso às informações/

EUA fixam cotas para aço brasileiro. O governo Trump decidiu fixar cotas para produtos siderúrgicos semiacabados exportados pelo Brasil/

O negócio do carimbo. O negócio dos cartórios cresceu 11,7%, para R$ 15,7 bilhões, no ano passado. Paulo Tupinambá Vampré, do 14º Tabelionato em São Paulo, treina equipe para novos serviços/

A agenda de quem cresceu com o Valor. A agenda que se coloca para o Brasil é intensa: da redução da desigualdade social à corrida para participar da economia digital. Eleições com desfecho imprevisível travam reformas e investimentos/

Déficits gêmeos ameaçam a Argentina. Desde janeiro, o banco central argentino queimou 9% das reservas para frear desvalorização do peso frente ao dólar/

Tragédia em São Paulo marca feriado. O desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida na madrugada de ontem, no centro de São Paulo, marcou o feriado 1º de maio, mobilizando políticos, presidenciáveis e candidatos. O presidente Michel Temer foi vaiado e xingado ao visitar o local/

Poluição do ar mata 50 mil por ano no Brasil. A poluição do ar em ambientes externos provoca a morte de mais de 50 mil pessoas por ano no Brasil. Este é um dos grandes desafios da saúde pública no país, segundo novo levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS)/

Brasil. Política fiscal da União em 2017 foi contracionista, mostra estudo. Segundo cálculos de Gabriel Leal de Barros, diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI), para o impulso estrutural das contas da União, houve contração de 0,2% do PIB no ano passado/

Senado deve votar detalhamento de tarifas públicas. Projeto de lei obriga as concessionárias a divulgarem valores cobrados/

Hora da verdade para ‘nossas’ empreiteiras? Flerte com o calote sugere que calvário chegou ao clímax/

Em Curitiba, Wagner e Haddad defendem diálogo com Ciro. Jaques Wagner disse que é possível o partido não ter candidatura própria à Presidência/

Editorial: Estragos de depreciação do dólar são hoje menores. A menos que ocorra um derretimento muito forte do real, arrancadas do dólar hoje preocupam muito menos do que no passado.

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu