Sinopse: reforma da Previdência é tema único das manchetes dos jornais

? *Birô de Imprensa* – Ano 2 – Número 235 – A 181 dias do fim do ano de 2019, *hoje é quarta-feira, 03 de julho de 2019*, 184º dia do ano.

Sinopse dos grandes jornais impressos que circulam nacionalmente

?*Edição*: Sérgio Botêlho

? _*Manchetes do dia*_:

“Impasse sobre os estados deve atrasar votação da reforma. Centrão quer excluir do relatório menção a cobrança de contribuição extra de servidor”. Manchete de capa do O Globo impresso.

“Previdência: presidente da comissão especial não marca data para votar reforma. Se houver acordo, análise do texto pode ocorrer nesta quarta”. Manchete da hora do O Globo online.

“Novo texto da Previdência prevê R$ 1 tri de economia. Relator deixou Estados, municípios e quase todas as reivindicações de policiais fora de seu parecer”. Manchete de capa do Estadão impresso e da hora no online.

“Estados e municípios ficam fora do novo texto da Previdência. Proposta apresentada por relator em comissão especial da Câmara prevê economia de R$1 trilhão em dez anos.” Manchete de capa da Folha.

“Após ser chamado de ‘traidor’, Bolsonaro cede e entra em campo por policiais na reforma”. Manchete da hora da Folha online.

“BNDES acelera a venda de ativos do governo federal. Gestor do Programa Nacional de Desestatização, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai acelerar a venda de ativos nos quais a União tem fatia minoritária”. Manchete de capa do Valor Econômico.

“Sem acordo, inclusão de Estados na reforma da Previdência fica para o plenário. Líderes e governadores não chegaram a entendimento e agora a inclusão vai depender de emendas”. Manchete da hora do Valor Econômico online.

? _*Editoriais do dia*_:

“Mercosul-UE exerce pressão sobre Bolsonaro. Acordo desafia o presidente a rever a intenção de desmontar o sistema de proteção ao meio ambiente”. Editorial do O Globo.

“Bolsonaro e o meio ambiente. Que o presidente trate do tema com seriedade, em favor dos interesses nacionais”. Editorial do Estadão.

“Mudanças de Crivella na equipe ignoram eficiência administrativa. Prefeito cria secretarias para acomodar aliados que o ajudaram a barrar impeachment na Câmara”. Editorial do O Globo.

“Quem precisa de oposição? Deputados do PSL, partido de Jair Bolsonaro, assumiram de vez o papel de porta-vozes dos interesses corporativos dos policiais na reforma da Previdência”. Editorial do Estadão.

“A indústria emperrada. O acumulado em 12 meses ficou estável, isto é, com variação zero, no confronto com os 12 meses anteriores”. Editorial do Estadão.

“Aposta liberal. Colapso do setor público restringe opções para reverter prostração da economia”. Editorial da Folha.

“Trump na terra de Kim. Dinâmica entre os líderes não permite maior otimismo quanto a acordo nuclear”. Editorial da Folha.

“Redução no compulsório deve ter baixo impacto no crédito. Caixa não é problema para os bancos, o que falta é demanda por crédito porque a confiança está baixa e a economia segue parada”. Editorial do Valor Econômico.

? _*Outros destaques de capa*_:

“Refrigerantes. Em troca de apoio da bancada do Amazonas à reforma, governo aumentou de 8% para 10% o benefício fiscal para indústria de refrigerantes na Zona Franca.” Na capa do Estadão.

“Crise reduz o ritmo de investimento em pesquisa. Segundo levantamento da Strategy&, consultoria estratégica da PwC, houve no ano passado uma redução de cinco pontos percentuais no número de empresas instaladas no país cujos investimentos em inovação ficaram acima da média mundial, que é de 4,5% da receita”. Na capa do Valor Econômico.

“Europa sob nova direção. Os líderes europeus surpreenderam ao indicar a atual diretora-gerente do FMI, a francesa Christine Lagarde, para ser a próxima presidente do Banco Central Europeu. Para a presidência da Comissão Europeia foi proposto o nome da alemã Ursula von der Leyen, ministra da Defesa do seu país, também uma escolha inesperada”. Na capa do Valor Econômico.

“França diz não estar pronta para acordo. O governo francês diz não estar preparado para ratificar o acordo entre União Europeia e Mercosul. Maior potência agrícola da Europa, a França é um dos países mais reticentes ao tratado porque teme os efeitos da concorrência externa para o seu agronegócio. A Irlanda também afirmou que vai realizar estudos antes da assinatura.” Na capa do Estadão.

“EUA querem acordo com Mercosul, diz chanceler. Ministro Ernesto Araújo afirmou que acordo Mercosul-UE é o primeiro de uma série, e que já há conversas com os EUA.” Na capa do O Globo.

“Acordo com UE exige reformas, diz secretário. O secretário especial de Comércio Exterior, Marcos Troyjo, disse à Folha que o acordo de livre comércio entre Mercosul e União Européia só terá sucesso se o Brasil fizer suas reformas internas, entre elas a tributária e a previdenciária.” Na capa da Folha.

“Noruega atrela fundo a ação antidesmate. A Noruega informou estar disposta a manter suas doações para o Fundo Amazônia desde que o Brasil garanta que os recursos serão aplicados no uso sustentável da floresta e em ações de combate ao desmatamento. A Noruega contribuiu com R$ 3,18 bilhões dos R$ 3,39 bilhões aplicados no programa, gerido pelo BNDES.” Na capa do Estadão.

“Braskem contesta laudo que levou a bloqueio de R$ 3,7 bi. A Braskem busca uma saída para tentar liberar R$ 3,7 bilhões de seu caixa que foram bloqueados pela Justiça de Alagoas, a pedido do Ministério Público do Estado. A petroquímica contesta o laudo técnico que a acusa ser responsável por danos a moradias em bairros de Maceió, devido à exploração de uma mina de sal-gema”. Na capa do Valor Econômico.

“MP da Liberdade Econômica vai reduzir as obrigações no eSocial. Em acordo com o relator da MP da Liberdade Econômica, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS), que chegou a propor a extinção do eSocial, o governo criou um grupo de trabalho para apresentar uma versão mais enxuta do sistema de informações exigidas dos empregadores”. Na capa do Valor Econômico.

“Condenações por difamar ex-empregados. A Justiça do Trabalho tem condenado empresas ao pagamento de danos morais por fornecer a outros empregadores informações desfavoráveis sobre ex-funcionários, como a causa da demissão ou se foram processadas por eles. Há várias decisões nesse sentido em todas as instâncias”. Na capa do Valor Econômico.

“Juiz nega mérito de ação que censurou ‘Estado’. Ação de Fernando Sarney contra o Estado, que se arrasta há quase 10 anos, foi considerada improcedente pelo juiz Atalá Correia, da 12.ª Vara Cível de Brasília. Com base nessa ação, o jornal foi censurado e impedido de noticiar informações da Operação Boi Barrica.” Na capa do Estadão.

“Empresa que vai construir autódromo é alvo da CVM. A empresa Rio Motorpark, que venceu licitação para construir autódromo do Rio, é investigada pela CVM”. Na capa do O Globo.

“Caso Marielle: polícia tem nova testemunha. Barqueiro disse que homem ligado ao PM reformado Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle Franco, jogou armas no mar.” Na capa do O Globo.

“Arma do caso Marielle pode estar no mar”. Na capa do Estadão.

“Audiência de Moro na Câmara termina em tumulto. A ida do ministro da Justiça, Sérgio Moro, ontem à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara terminou em tumulto. Após quase 8 horas em clima tenso, a audiência foi encerrada quando um deputado da oposição chamou Moro de “corrupto” e “ladrão”. Antes, o ministro já havia se irritado com perguntas e usado de ironia nas respostas. Ele também disse que acompanha como “vítima” investigações de vazamento de supostas mensagens.” Na capa do Estadão.

“Moro reclama de revanchismo e defende Lava-Jato. Ao prestar esclarecimentos na Câmara sobre as mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil, o ministro da Justiça, Sergio Moro, voltou a reclamar de revanchismo e defendeu a Lava-Jato. Ele afirmou que a oposição fala muito do ex-presidente Lula, mas esquece Sérgio Cabral, Eduardo Cunha e Renato Duque.” Na capa do O Globo.

“Moro levanta suspeita sobre invasões a celulares. Atos a favor de ministro mobilizaram menos”. No Valor Econômico.

“Blindado na Câmara, Moro ironiza oposição. Protegido por integrantes da base do governo, que travaram um embate político com membros da oposição, o ministro da Justiça, Sergio Moro, prestou depoimento ontem na Câmara. À vontade, o ex-juiz usou de ironia em ataques a congressistas adversários e voltou a criticar o vazamento de mensagens atribuídas a ele sobre a Lava Jato.” Na capa da Folha.

“Pedidos de asilo de brasileiros nos EUA aumentam. O número de brasileiros que chegam aos Estados Unidos pela fronteira com o México, entregando-se às autoridades e pedindo asilo, tem crescido desde o início deste ano. A taxa de concessão, no entanto, é baixa.” Na capa da Folha.

? _*Colunas e artigos*_:

“Na boa direção. A proposta da reforma da Previdência que sairá da Comissão Especial, se aprovada no plenário, abre caminho para uma futura capitalização do sistema previdenciário, embora o tema não faça parte do texto oficial.” Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“O custo de se tirar estados e cidades. O custo de excluir os estados e municípios da reforma da Previdência pode chegar a R$ 520 bilhões em dez anos. Caso nenhum estado ou município faça a sua reforma, a manutenção das regras atuais impedirá uma economia de R$ 350 bilhões nos sistemas estaduais e de R$ 170 bilhões nos municipais. Ainda assim, a reforma como ficou na sua versão final nessa comissão especial é a mais ampla já feita até agora e representa, segundo calcula o governo, uma economia de R$ 1 trilhão em dez anos.” Na coluna de Miriam Leitão, no O Globo.

“A reforma da Previdência voltou à cifra de R$ 1 trilhão de “economia” em dez anos. Era questão de honra para Paulo Guedes.” Na coluna de Vera Magalhães, no Estadão.

“A derrota política da ausência dos Estados no relatório da reforma da Previdência preocupa governadores, ainda com outras demandas no Congresso. A articulação não teve força para transpor a resistência na etapa que seria mais fácil, o relatório.” Na Coluna do Estadão, no Estadão.

“Fanfarronadas têm um preço. O retumbante Matteo Salvini, ministro do Interior da Itália, aprendeu uma lição. Quando o barco Sea Watch 3 entrou à força no porto de Lampedusa com 40 refugiados líbios, ele anunciou a prisão da capitã Carola Rackete com a teatralidade do radicalismo fanfarrão.” Na coluna de Elio Gaspari, no O Globo.

“Na volta, a má notícia. Ao completar seis meses, o governo Bolsonaro tem razão para comemorar o acordo de livre comércio celebrado entre o Mercosul e a União Europeia, classificando-o de “histórico”. Em junho deste ano, a Amazônia perdeu 762,3km² de floresta, um aumento de 60% em relação ao mesmo mês de 2018. Quer dizer: se aceitar o convite, o presidente francês vai sobrevoar uma área desmatada equivalente a mais de seis Paris — sem ter a mesma vista.” Na coluna de Zuenir Ventura, no O Globo.

“Ao ouvir nas rádios críticas ao Brasil e ao Mercosul, o presidente Emmanuel Macron caiu das nuvens e tropeçou num abacaxi.” Na coluna de Gilles Lapouge, no Estadão.

“No acordo entre Mercosul e UE, sobra para o Brasil a maçã envenenada. País usa agrotóxicos proibidos pelo bloco europeu, e limites aqui são até milhares de vezes maior do que lá”. Na coluna de Fernanda Mena, na Folha.

“Um acordo promissor. Em princípio e no longo prazo, processo {Mercosul-UE} cria uma boa expectativa para todos”. Na coluna de Antônio Delfim Neto, na Folha.

“Mérito e produtividade no setor público. Bônus de eficiência pode servir de paradigma”. Na coluna de Marcos Cintra, na Folha.

“O parto de uma calúnia. Diálogos em nada afetam a imparcialidade de um juiz”. Artigo de Edilson Mougenot Bonfim, procurador do Ministério Público do Estado de São Paulo, doutor em processo penal pela Universidade Complutense de Madrid e fundador da Escola de Altos Estudos em Ciências Criminais, na Folha.

“’Ataque ultrajante’ a Greenwald mostra Moro ‘assustador’. Freedom of the Press Foundation denuncia ‘grosseiro abuso de poder’; comissões de OEA e ONU criticam ‘intimidações’”. Na coluna de Nelson de Sá, na Folha.

“Há povos que gostam de apelidos. Ele pode ser carinhoso, mas, com frequência, é agressivo em tempos de redes sociais.” Na coluna de Leandro Karnal, no Estadão.

“Plantemos Cannabis. Governo Bolsonaro é contra regulamentar o plantio da erva para fins medicinais e científicos”. Na coluna de Fábio Fabrini, na Folha.

“Sem coitadismo. O Rio é calejado de crises e esta é apenas mais uma”. Na coluna de Ruy Castro, na Folha.

? _*Mercado*_: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a terça-feira, 02, em queda de -0,72%, a 100.605 pontos. O dólar terminou o dia em alta de 0,34%, a R$ 3,85, e o euro também em alta de 0,23%, a R$ 4,35.

⏳*_Destaque histórico_*:

“Em 3 de julho de 1883, nasce o escritor checo Franz Kafka. Judeu nascido em Praga, ele não teve nenhum de seus romances publicados enquanto vivo. Kafka é o autor de livros como O Processo e A Metamorfose, que descrevem a ansiedade do homem que vive em um mundo indiferente, incompreensível e hostil.” No portal Terra.

?*_Positivo_*:

“CPI de Brumadinho: relatório pede indiciamento de ex-dirigente da Vale. Tragédia causou centenas de mortes e poluiu o Rio Paraopeba”. Na Agência Brasil.

?*_Negativo_*:

“Após décadas de aumentos graduais, o gelo marinho antártico está agora diminuindo mais rápido que o do Ártico, de acordo com uma nova pesquisa baseada em 40 anos de dados de satélite.” Na CNN.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


    Inscreva-se
    Notifique-me de
    guest
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    View all comments