Sinopse do noticiário: reforma da Previdência e demissão no Planalto são destaques

📰 Birô de Imprensa – Ano 2 – Número 216 – A 200 dias do fim do ano de 2019, hoje é sexta-feira, 14 de junho de 2019, 165º dia do ano.

🖋Edição: Sérgio Botêlho

📃 Manchetes do dia:

“Apesar de concessões, relator mantém pilares da reforma. Samuel Moreira (PSDB-SP) prevê aumento de tributação de bancos para reduzir déficit da Previdência”. Manchete de capa da Folha.

“Relator taxa banco e corta fonte do BNDES. Mesmo com as mudanças feitas na proposta apresentada pelo governo, o relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), divulgou ontem seu parecer com a promessa de obter economia de R$ 1,13 trilhão em dez anos”. Manchete de capa do Valor Econômico.

“Texto da reforma prevê economia de R$ 913 bi e mais taxação de bancos. Relator propõe elevação de tributo sobre lucro de 15% para 20% BNDES perderia recursos de fundo para Previdência Servidores terão regra de transição mais suave”. Manchete de capa do Estadão.

“Em vitória da ala ideológica, Santos Cruz é demitido. Ministro era visto como entrave para pautas mais conservadoras”. Manchete de capa do O Globo.

📃 Editoriais do dia:

“Decretos insensatos. Jair Bolsonaro sofre derrotas ao tentar impor normas sem aval do Congresso”. Editorial da Folha.

“Políticos perdem chance de avançar na reforma. Mais do que discutir estimativas de economia, devem-se analisar as omissões do relatório”. Editorial do O Globo.

“A reforma e seus inimigos. Ao convocar uma ‘greve geral’ contra a reforma da Previdência, os inconformados com a democracia se preparam para fazer o que melhor sabem: bagunça”. Editorial do Estadão.

“Mais Fundeb. Governo emite por fim um sinal auspicioso no campo decisivo do ensino básico”. Editorial da Folha.

“Em eleição cheia de surpresas, Macri agora se une a peronista. As chances de Macri aumentam se a economia der alguns sinais de melhora. A inflação é em qualquer lugar um grande cabo eleitoral”. Editorial do Valor Econômico.

“Governos precisam planejar o futuro com receitas do petróleo. Histórico recente é de grande desperdício, como se viu no Estado do Rio na década passada”. Editorial do O Globo.

“Incertezas entre as fronteiras. Em meio às crises artificiais fabricadas por Trump, é preciso ter clareza sobre a verdadeira crise”. Editorial do Estadão.

“Desastre, o destaque do Brasil. País se destaca no mundo pelo custo social da recessão econômica”. Editorial do Estadão.

📃 Outros destaques:

“Relatório prevê impacto fiscal de R$ 1,13 tri. Corte de despesas e imposto maior sobre lucro de bancos somam R$ 913,4 bilhões. Moreira prevê redistribuição de recursos para compensar alterações negociadas com partidos”. Manchete de capa do Valor Econômico.

“Vendendo a prataria para pagar o almoço. No parecer da reforma, o relator Samuel Moreira (PSDB-SP) extingue a transferência de 40% dos recursos do PIS/Pasep ao BNDES. Ele destina esse dinheiro, até agora usado para financiar investimentos, ao pagamento dos gastos correntes com a Previdência”. Na capa do Valor Econômico.

“Um tiro de morte na proposta de Guedes. A retirada do sistema de capitalização do texto da reforma da Previdência Social é um tiro de morte na proposta da “Nova Previdência”, idealizada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes”. Na capa do Valor Econômico.

“Maia diz que ainda tentará incluir Estados. Estado que o próximo passo é costurar um acordo com governadores, para que Estados e municípios voltem à reforma, e que não há mais folga para “desidratar” a proposta. “O relator foi ao limite. Qualquer mudança será uma sinalização ruim.” Na capa do Estadão.

“‘Se quiserem publicar tudo, publiquem. Não tem problema’. O ministro da Justiça, Sérgio Moro, disse a Fausto Macedo e Ricardo Brandt que não vai se afastar do cargo e que o vazamento de conversas entre ele e os procuradores da Lava Jato é um “ataque às instituições”. O ex-juiz afirmou que não há risco de anulação do processo de Lula”. Na capa do Estadão.

“Bolsonaro quebra silêncio sobre Moro, minimiza mensagens e diz que legado dele não tem preço”. Na Folha.

“Ferroviários desistem de greve em SP; metrô e ônibus vão parar”. Na capa da Folha.

“Bolsonaro substitui Santos Cruz. O presidente Jair Bolsonaro demitiu ontem o ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz. Ele é o terceiro auxiliar do presidente a deixar o cargo após confronto com o grupo do escritor Olavo de Carvalho e o vereador Carlos Bolsonaro”. Na capa do Valor Econômico.

“Santos Cruz sai e general da ativa assume Secretaria de Governo. Secretaria de Governo. Ministro entrou em atrito com ala olavista por controle da Comunicação do governo; Ramos, o substituto, estudou com presidente na escola de cadetes”. Na capa do Estadão.

“Demitido, general divulga carta e deseja sucesso a ‘Bolsonaro e seus familiares’”. Na Folha.

“Presidente do Senado, Alcolumbre lamenta demissão de Santos Cruz: ‘Estava ajudando muito’”. No O Globo.

“Análise: Saída de Santos Cruz demonstra que fritura é o método para demissão no Planalto”. No O Globo.

“Substituto de Santos Cruz é chefe de militar da ativa mais próximo de Bolsonaro”. Na Folha.

“Um general amigo, que reconhece a ditadura e critica radicalismos. Luiz Eduardo Ramos, o novo ministro, é chamado de ‘meu pit bull’ por Bolsonaro pela amizade e lealdade de 46 anos”. No O Globo.

“Amigo de longa data. Substituto é amigo de Bolsonaro desde a escola de cadetes, nos anos 70, e um dos poucos que têm liberdade para aconselhar o presidente. Como outros colegas de Esplanada, serviu no Haiti.” Na capa do Estadão.

“STF impede Bolsonaro de fechar conselhos criados com aval do Congresso”. Na Folha.

“STF conclui votação e criminaliza homofobia. Justiça. Por 8 votos a 3, Corte equiparou discriminação contra homossexuais, transexuais e até heterossexuais identificados pelo agressor como LGBTs a racismo; ministros do STF veem omissão do Congresso. Presidentes da Câmara do Senado criticam”. Na capa do Estadão.

“Por ordem judicial, Bolsonaro pede desculpas à deputada Maria do Rosário”. Na Folha.

“Lava Jato muda tom e destaca chance de mensagens falsificadas”. Na Folha.

“Sob desgaste, Moro diz a Toffoli ter sido vítima de ataque criminoso”. Na Folha.

“Defesa de Lula diz ao STF que diálogos de Moro revelam imparcialidade rompida”. Na Folha.

“Doria defende afastamento de Alckmin do PSDB em meio a apuração de caixa 2”. Na Folha.

“Lei orçamentária deve ter alerta a parlamentar sobre políticas falhas. Ideia é que Congresso tenha mais elementos para decidir sobre futuro de políticas públicas”. No Valor Econômico.

“Promotoria denuncia ex-corregedor de SP preso sob suspeita de receber propina”. Na Folha.

“Zema diz que errou ao prometer que secretários não receberiam salário”. Na Folha.

“Odebrecht já desenhou sua recuperação judicial. Está nas mãos do conselho de administração da Odebrecht a decisão de levar a holding do grupo, conhecida pela sigla ODB, para recuperação judicial na próxima semana”. Na capa do Valor Econômico.

“Netshoes vai escolher hoje seu novo dono. Os acionistas da Netshoes decidem hoje se aceitam a oferta do Magazine Luiza pela compra do controle da empresa, que tem ação cotada na bolsa de Nova York”. Na capa do Valor Econômico.

“Estatais estrangeiras avançam no Brasil. O desenho do setor de infraestrutura no Brasil tem ganhado novo contorno, com a maior presença de estatais estrangeiras em concessões, parcerias público-privadas (PPPs) e obras. Em cinco anos, mais de R$ 120 bilhões foram gastos por essas companhias em aquisições, fusões ou pagamento de outorgas”. Na capa do Valor Econômico.

Oferta de ações deve tirar Caixa do Pan. O Banco Pan fará oferta pública de ações com dois objetivos: aumentar a liquidez dos papéis e dar saída parcial à Caixa, dona de 36,56% do capital total”. Na capa do Valor Econômico.

“Brasil na elite do cinema. Rodrigo Teixeira, produtor de filme vencedor no Festival de Cannes, diz “À Mesa com o Valor” que prêmio não é para agredir governo: “A gente ganhou para mostrar que o dinheiro que o Brasil coloca no cinema gera coisas das quais a gente devia se orgulhar”. Na capa do Valor Econômico.

📃 Colunas e artigos:

“Influência dos filhos incomoda os militares. Maior temor dos militares no governo é perder a credibilidade conquistada nos 30 anos de silêncio e disciplina após a ditadura”. Na coluna de Miriam Leitão, no O Globo.

“Mais uma cicatriz. Ao demitir Santos Cruz, Bolsonaro deu sinais negativos. A principal é de que Olavo de Carvalho anda calado, mas continua forte.” Na coluna de Eliane Catanhêde, no Estadão.

“O tamanho da encrenca. Frequência dos maus hábitos não deve servir de habeas corpus. … se a Justiça considerar que Moro violou dispositivos do CPP, não devemos ter medo de decretar as nulidades cabíveis. Mas é preciso avaliar cuidadosamente a extensão do comprometimento, para anular só aquilo que precisa ser anulado.” Na coluna de Hélio Schwartsman, na Folha.

“Alta capacidade técnica de hacker chama atenção. Se autoridades públicas estão sendo atacadas, precisamos saber por quem e, principalmente, por quê?” Na coluna de Pedro Doria, no O Globo.

“Diálogos não visavam a prejudicar Lula. Moro continua o ministro mais popular do governo, apesar de algumas pesquisas mostrarem queda de popularidade”. Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Supremo age contra covardia política ao criminalizar homofobia. Justiça não pode criar leis, mas deve usar seu poder para garantir direitos”. Na coluna de Bruno Boghossian, na Folha.

“Emendas podam planos liberais de Guedes”. Na coluna de Vinícius Torres Freire, na Folha.

“Ajustes bem-vindos. O relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) —certamente desagradável aos olhos do ministro da Economia, Paulo Guedes — trouxe um punhado de bem-vindas alterações à reforma da Previdência (PEC 06/2019). A mais justa delas foi a revogação da mudança no Benefício de Prestação Continuada (BPC).” Na coluna de Flávia Oliveira, no O Globo.

“A novidade é que, apesar do apoio mal administrado pelo governo, o consenso mínimo a favor da aprovação do projeto parece obtido. O resultado até aqui é promissor. Com algumas desidratações esperadas e outras não, o projeto de reforma da Previdência avançou nesta quinta-feira e foi apresentado pelo relator da Comissão Especial da Câmara, o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).” Na coluna de Celso Ming, no Estadão.

“Dinheiro para a educação, melhorando o Fundeb. Fundo deve atender cidades mais vulneráveis em estados menos pobres”. Na coluna de Claudia Costin, na Folha.

“Para aliados, mesmo subordinado, general Santos Cruz ainda via Bolsonaro como ‘capitão’”. Na coluna Painel, da Folha.

“Contra os missionários da destruição. Perceberam como ‘hackers’ passaram de inimigos a tábuas de salvação?”. Artigo de Reinaldo Azevedo, na Folha.

📊 Mercado: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 0,46%, a 98.774 pontos. O dólar terminou o dia em baixa de -0,23%, a R$ 3,86, e o euro fechou em baixa de -0,46%, a R$ 4,34.

Destaque histórico:

“Em 14 de junho de 1928, nasce Ernesto “Che” Guevara, revolucionário cubano de origem argentina.” No portal Terra.

👍Positivo:

“CNMP, Judiciário e Executivo assinam pacto que garante direitos da criança e do adolescente vítimas de violência”. No site do MPF.

👎Negativo:

“Brasil perde mais de R$ 30 bi por ano por ineficiência em educação, diz ex-cotado ao MEC”. Na BBC Brasil.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu