Sinopse de 17.06.2019 – Saída de Levy do BNDES é o grande destaque da mídia

📰 Birô de Imprensa – Ano 2 – Número 219 – A 197 dias do fim do ano de 2019, hoje é segunda-feira, 17 de junho de 2019, 168º dia do ano.

🖋Edição: Sérgio Botêlho

📃 Manchetes do dia:

“Após ataque de Bolsonaro, Levy deixa o BNDES. Paulo Guedes quer nome com experiência no setor privado para comandar banco estatal”. Manchete de capa do O Globo.

“Atacado, Levy se demite do BNDES. Ministro da Fazenda sob Dilma, executivo foi criticado publicamente por Bolsonaro; é a 1ª baixa na equipe econômica.” Manchete de capa da Folha.

“Levy sai do BNDES e o banco deve ter função redefinida. A “usina de crises” do governo entrou em ação novamente no fim de semana. A bola da vez foi Joaquim Levy, que ocupava a presidência do BNDES”. Manchete de capa do Valor Econômico.

“Sem Levy, BNDES deverá concentrar privatizações. Após ameaça presidencial, executivo pede demissão e equipe econômica avalia mudança no papel do banco”. Manchete de capa do Estadão.

📃 Editoriais do dia:

“O risco de transformar uma vitória em derrota. A proposta do relator tem vários defeitos, mas representa um avanço considerável”. Editorial do Valor Econômico.

“O novo rito para as MPs. Medida Provisória deve ser proposta apenas em caso de “relevância” e “urgência””. Editorial do Estadão.

“A saúde da democracia. Pesquisa indica que os brasileiros apreciam a democracia, mas não a que está em vigor no País, vista como miseravelmente corrompida”. Editorial do Estadão.

“Desinteligência generalizada. Jornalismo que se deixa submeter à balbúrdia irracional das redes sociais não cumpre sua função, que é a de dar aos cidadãos condições de refletir”. Editorial do Estadão.

“O grande leilão. Venda de excedentes de petróleo do pré-sal pode aliviar caixa, mas não é solução”. Editorial da Folha.

“Tormenta argentina. Tabuleiro da disputa pela Presidência da Argentina, em outubro, está armado”. Editorial da Folha.

“Câmara precisa votar lei contra os supersalários. Projeto aprovado no Senado há três anos limita adicionais, para que o teto constitucional seja obedecido”. Editorial do O Globo.

“Decisão mais sensata é concluir a Estação Gávea, da Linha 4 do metrô. Paralisação de obra, ocorrida em 2015, já põe em risco a segurança de prédios vizinhos, como o da PUC”. Editorial do O Globo.

📃 Outros destaques de capa:

“Maia diz que nova crise não afeta reforma. Ex-ministro da Fazenda afirma que Levy foi demitido por um impulso do presidente e que isso causa insegurança no mercado”. Na capa do O Globo.

“Bolsonaro intensifica fritura de auxiliares às vésperas da ida de Moro ao Congresso. ”. Na capa da Folha.

Relembre os que deixaram o governo após método de fritura por Bolsonaro. Levy, Vélez e Bebianno já foram vítimas de críticas públicas feitas pelo presidente”. Na Folha.

“Crises em série. O Congresso e o mercado receberam mal, como mais um sinal de instabilidade no governo, a saída de Joaquim Levy”. Na capa do Estadão.

“Leis propostas não consideram dados técnicos. Governo não apresenta dados técnicos para alterar leis de trânsito e de acesso a armas”. Na capa do O Globo.

“Governo estuda imposto menor para celular e computador. Presidente Jair Bolsonaro diz no Twitter que governo estuda cortar a taxa de importação de telefones celulares e computadores de 16% para 4%”. Na capa do Estadão.

“Prazo para corte de juros divide ex-diretores do BC. Luiz Fernando Figueiredo diz que é hora de cortar taxa; Mesquita quer esperar reforma”. Na capa do Estadão.

“Cresce número de brasileiros reincidentes na inadimplência. Dívidas em atraso. Porcentual de consumidores, entre os inadimplentes, que já havia limpado o nome e voltaram a dever na praça subiu de 24,9% para 27% entre janeiro e maio de 2018 e o mesmo período deste ano, segundo serviços de proteção ao crédito”. Na capa do Estadão.

“Queda nas vendas segura os preços dos smartphones”. Na capa da Folha.

“Bolsonaro ataca tomada de três pinos. Diante dos números decepcionantes da economia, o governo resolveu se mexer: prepara norma para revogar o uso compulsório da tomada de três pinos”. Na capa do Valor Econômico.

“Investimento das capitais cai 55%. Os investimentos das prefeituras das capitais brasileiras estão 55% abaixo dos realizados quatro anos atrás. Dados levantados pelo Valor em 23 capitais indicam que, no primeiro quadrimestre, os investimentos dessas cidades somaram R$ 1,22 bilhão, em comparação com R$ 2,69 bilhões em igual período de 2015”. Na capa do Valor Econômico.

“Odebrecht formaliza recuperação. A ODB, holding do grupo Odebrecht, deve formalizar nesta segunda-feira o pedido de recuperação judicial, com dívidas de R$ 80 bilhões. Trata-se da maior recuperação judicial já pedida no Brasil, superior à homologada no começo de 2018 pela Oi, que renegociou dívidas de R$ 64 bilhões”. Na capa do Valor Econômico.

“Amil trava disputa com hospitais. A operadora de planos de saúde Amil está sob pressão de sua controladora, a UnitedHealth Group, para enxugar custos e ter lucros. Para isso, a operadora trava queda de braço com prestadores de serviço, em especial os hospitais”. Na capa do Valor Econômico.

“Desafios. O grupo Ultra fez mudanças “dentro de casa” para retomar o crescimento. Mas “o maior desafio é a economia brasileira deslanchar”, diz Frederico Curado, CEO do grupo há dois anos”. Na capa do Valor Econômico.

“Inquérito apura cabide de emprego no Sebrae paulista”. Na capa da Folha.

“Entrevista da 2ª: Kasper Rorsted. Renda do futebol não segue gênero, mas o mercado”. Na capa da Folha.

“Polícia apura se morte de marido de deputada foi encomendada. Marido da deputada Flordelis é executado”. Na capa do O Globo.

“Bloco jogado de passarela no Maracanã mata homem. Vítima trabalhava com aplicativo de transporte, e passageira conseguiu controlar o carro, no Maracanã. Polícia apura o caso”. Na capa do O Globo.

“40 milhões sem luz na Argentina e no Uruguai. Apagão deixa Argentina e Uruguai sem luz evira desafio para Macri nas urnas”. Na capa do O Globo.

“Argentina e Uruguai têm 11 horas de apagão. Falha também deixou paraguaios sem energia ontem; apagão foi ‘sem precedentes’, segundo presidente Mauricio Macri”. Na capa do Estadão.

“Após protestos, Hong Kong pede desculpas. Pressão. Manifestantes exigem arquivamento, não apenas a suspensão, do polêmico projeto de lei que permitiria extradições para a China; comunidade empresarial teme que a reforma prejudique a imagem internacional e a atratividade do centro financeiro”. Na capa do Estadão.

📃 Colunas e artigos:

“Perda do domínio político do presidente em relação ao Legislativo é o que pode vir a fragilizar a democracia brasileira.” Na coluna de Carlos Pereira, no Estadão.

“Escolha de Levy teve vício na origem. Com Guedes, problemas já começaram em março. O seu sucessor assume uma batata quente, principalmente com o avanço silencioso da CPI do BNDES no Congresso. Terá pela frente a resistência dos funcionários. Cobiçado por muitos, o posto nos últimos tempos mais parece uma cadeira elétrica.” Na coluna de Adriana Fernandes, no Estadão.

“Bolsonaro é um dos beneficiários do caso Moro. O retorno do status quo que mercou a campanha favorece o presidente, que se afirma como liderança antipetista e antissistema. Recrudesce, intensamente, a polarização”. Na coluna de Marcus Melo, no Estadão.

“A confiança presidencial. Bolsonaro disse não confiar 100% em Moro. Pelo histórico recente, Moro é quem não deveria confiar 100% no patrão”. Na coluna de Leandro Colon, na Folha.

“Efeitos políticos do vazamento. Oposição perde, PT e Bolsonaro se beneficiam; Moro perde como magistrado, ganha como político”. Na coluna de Marcus André Melo, na Folha.

“Lula e a Lava Jato. Opiniões sobre culpa ou inocência de Lula voltam à estaca zero. A condenação de Lula no caso do tríplex deve ser anulada.” Na coluna de Celso Rocha de Barros, na Folha.

“’Usina de crises’ de Bolsonaro chega ao exterior. Além de greve e das quedas de Levy e Santos Cruz, ‘terremoto político com revelações em andamento’ sobre Moro”. Na coluna de Nelson de Sá, na Folha.

“Guedes acelera o bonde do Tigrão. Ministro rosna contra a Câmara, trucida assessor ferido e vende terreno na Lua, mas não assusta Congresso”. Na coluna de Vinícius Mota, na Folha.

“Governadores do NE querem retomar contrato com organização do Mais Médicos”. Na coluna Painel, da Folha.

“Viver, na era digital, é muito perigoso. Se um hacker invade telefone de autoridades, o que não pode fazer com pessoas que não se preocupam com segurança?”. Na coluna de Fernando Gabeira, no O Globo.

“É grave o ato de criminalizar a verdade. “As pessoas têm visões diferentes do que seja melhor para o Brasil”. Não são “inimigos da pátria” as pessoas que acham melhor para o Brasil distinguir a Justiça do justiçamento e o juiz do justiceiro. Concorda, Barroso?”. Na coluna de Demétrio Magnoli, no O Globo.

“Como perder a razão. Fale com qualquer pessoa na rua, aposto que ela estará coberta de razão. Então a questão não é saber quem tem razão. Todos temos. A questão é saber se ainda há uma saída para essa confusão em que nos metemos.” Na coluna de Fernanda Young, no O Globo.

“Governo não consegue reduzir a percepção de risco, mesmo com a reforma da Previdência.” Na coluna de Rafael Cortez, no Estadão.

“Clóvis Rossi sabia fazer críticas e reconhecer acertos”. Artigo de Celso Amorim, na Folha.

📃 Mais notícias:

“Levy já tem seus planos; BNDES, ainda não. Demissão não resolve os problemas da instituição no curto, médio e longo prazos”. No Valor Econômico.

“Ex-presidente liderava discussão interna sobre tamanho necessário da instituição”. No Valor Econômico.

“Banco deve perder até R$ 20 bi com envio do PIS/Pasep para Previdência”. No Valor Econômico.

“Cresce desconforto com associação do Exército ao governo Bolsonaro. Nomeação de general da ativa Luiz Eduardo Ramos para a Secretaria de Governo aumenta a dificuldade do Exército de dissociar sua imagem do governo Bolsonaro”. No Valor Econômico.

“Ministro {Osmar Terra} leva Jucá em voo e provoca ira de bolsonaristas. Presidente do MDB, que trabalhou contra eleição de Bolsonaro, viajou em avião da FAB”. No Valor Econômico.

“Tarifa sobre vinho em acordo com Europa opõe Onyx a Paulo Guedes. Ligado a produtoes de vinho do Rio Grande do Sul, ministro da Casa Civil resiste à ideia do livre-mercado”. No Valor Econômico.

“Fazendeiros são presos no PA sob suspeita de matar sindicalista bolsonarista”. Na Folha.

“Dentista vê negada ação de reconhecimento como filho adotivo de Chico Xavier”. Na Folha.

📊 Mercado: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) reabre nesta segunda-feira, 17, após o fim de semana.

Destaque histórico:

“Em 17 de junho de 1972, a sede do Partido Democrata, no edifício Watergate, em Washington, foi invadida para a colocação de microfones a mando do presidente dos EUA, Richard Nixon. Ele disputava a reeleição. Meses depois, repórteres do The Washington Post descobriram o envolvimento do presidente provocando a sua renúncia.” No portal Terra.

👍Positivo:

“Álcool, cigarro e soja contrabandeados ganham utilidade no PR. Universidades dão nova a itens apreendidos pela Receita”. Na Agência Folha.

👎Negativo:

“Esposa do premiê de Israel admite ter usado dinheiro público para pagar refeições de luxo. Sara Netanyahu gastou US$ 100 mil porque não tinha cozinheiro na residência oficial.” No G1.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu