Sinopse 12.08.2019: governo, STF, dívida judicial e BNDES são alvos das manchetes

𝗦𝗶𝗻𝗼𝗽𝘀𝗲 𝗱𝗮 𝗴𝗿𝗮𝗻𝗱𝗲 𝗺𝗶𝗱𝗶𝗮 𝗶𝗺𝗽𝗿𝗲𝘀𝘀𝗮:

🖋 Edição: Sérgio Botêlho

📃 Manchetes do dia:

“Governo quer terceirizar benefícios do INSS. Pagamentos que somam R$ 130 bi por ano, como auxílio-doença e de acidente de trabalho, seriam feitos por seguradoras. Alíquota para empresas deve cair”. Manchete de capa do O Globo impresso.

“STF arquiva todos os processos de suspeição contra sí. Em 111 ações contra ministros desde 1998, nenhuma foi a plenário; corte violou regimento, aponta estudo da FGV”. Manchete de capa da Folha impressa.

“Guedes age para evitar que dívida judicial de Estados afete União. Governos vão ao STF por linha de crédito para quitar precatórios; somados, valores chegam a R$ 113,5 bi”. Manchete de capa do Estadão impresso.

“BNDES vai assumir mais risco em crédito e liquidez. O novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, quer que a instituição assuma mais risco em operações de crédito”. Manchete de capa do Valor Econômico impresso.

📃 Editoriais do dia:

“Rede de mentiras. O presidente e seus apoiadores radicais não sabem debater no mundo dos fatos. Optam pela ilusão de que a permanente construção da fantasia lhes bastará para impor a versão oficial sem contradita”. Editorial do Estadão.

“Parceria com o Japão. Acordo estimulará o intercâmbio com um país de grande influência no desenvolvimento de tecnologia”. Editorial do Estadão.

“Os problemas da MP 881. Liberdade Econômica repete erro de tratar de temas discrepantes num único texto normativo”. Editorial do Estadão.

“Mercosul precisa harmonizar acordos com Europa e EUA. O avanço europeu surpreendeu os Estados Unidos, e cabe ao Brasil e à Argentina administrar os interesses”. Editorial do O Globo.

“Aumento de recursos públicos para os partidos contraria o bom senso. É como se as legendas houvessem incluído no orçamento o caixa 2 que tiveram em eleições passadas”. Editorial do O Globo.

“Bolsonaro em dados. Atual governo não é o único responsável por piora em indicadores, mas está por se provar”. Editorial da Folha.

“Usos e abusos da terra. O governo brasileiro não cessa de lançar combustível contra o meio ambiente”. Editorial da Folha.

“Previdência permite que país opere com juros mais baixos. Quedas adicionais dos juros estruturais dependerão da continuidade das reformas”. Editorial do Valor Econômico.

📃 Outros destaques:

“Governo vende almoço por jantar’. Entrevista: Bruno Dantas, ministro do TCU. Relator das contas do primeiro ano do governo Bolsonaro diz que bloqueio no Orçamento pode afetar serviços e alerta para a falta de planejamento nos cortes de gastos.” Na capa do Estadão.

“Presidente assume o controle da comunicação. Objetivo é ser o protagonista, sem coadjuvantes como o vice ou ministros, e usar declarações espontâneas para pautar o noticiário.” Na capa do O Globo.

“Planalto traça estratégias para eleições municipais. Grupo de ministros palacianos passou a trabalhar de olho nas eleições municipais de 2020 e em possível campanha de Bolsonaro em 2022. Entre as medidas, estão viagens mais frequentes do presidente a locais governados pela oposição e liberação de emendas a prefeituras.” Na capa do Estadão.

“Gilmar prevê MP de balanços judicializada. O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), considera que “muito provavelmente” a Corte julgará a legalidade da medida provisória editada pelo presidente Jair Bolsonaro que desobriga empresas de capital aberto de publicar demonstrações financeiras em jornais”. Na capa do Valor Econômico.

“Ministério da Economia estuda reforma sindical”. Na capa do Estadão.

“Bolsonaro diz que País não precisa de fundo alemão. Ao comentar a suspensão no envio de recursos do governo da Alemanha para projetos de conservação ambiental e de combate ao desmatamento na Amazônia, Bolsonaro disse ontem que “o Brasil não precisa” do dinheiro e sugeriu que o governo alemão “faça bom uso”.” Na capa do Estadão.

“‘Esquerdista’. Bolsonaro compartilha ataque a Deltan Dallagnol”. Na capa do O Globo.

“Quanto menos Bolsonaro falar, melhor para a reforma. ENTREVISTA DA 2a. : Tasso Jereissati. Para Tasso Jereissati (PSDB-CE), falas e ações do presidente, como indicar filho embaixador nos EUA, podem atrapalhar debate da Previdência no Senado. Relator da reforma, ele diz que prioridade é incluir estados e municípios; capitalização pode voltar à mesa.” Na capa da Folha.

“Sem apoio interno, favorito à PGR elogia presidente. Tido como favorito ao cargo de procurador-geral da República, Augusto Aras fez aceno ao presidente e afirma estar disposto a montar uma equipe conservadora”. Na capa da Folha.

“TJ-SP lucra milhões com atraso na liberação de precatórios. O Tribunal de Justiça de São Paulo lucra milhões com atrasos no pagamento de precatórios. Retidos por meses ou até anos, os recursos depositados rendem 0,28% ao mês à corte. O tribunal diz ser necessário checar alguns dados, pois os processos são antigos, e atribui a demora ao acúmulo de casos. Para o CNJ, a prática é inconstitucional.” Na capa da Folha.

“Agências reguladoras temem esvaziamento. Após ataques, Bolsonaro poderá indicar até o fim do ano nove nomes para cargos de direção nos órgãos. Diretores de agências reguladoras temem um esvaziamento dos órgãos após os ataques do presidente Jair Bolsonaro. Como resposta, planejam investir em comunicação e em estreitar relações com os ministérios. Até o fim deste ano, o presidente poderá indicar nomes para nove cargos em seis agências.” Na capa do O Globo.

“Aeroporto congestionado. Mudança dos pontos de táxi para área do desembarque e abertura de espaço para nova empresa causam transtornos para passageiros de Congonhas. Falta de licitação também provocou acusação de favorecimento.” Na capa do Estadão.

“MPs lideram criação de cargos por assembleias. Mais de um terço dos cargos criados nos Estados em 2019 serão ocupados por integrantes dos Ministérios Públicos. Das 1.357 funções abertas por projetos das assembleias, 500 são ligadas a Promotorias. Entidade de promotores defende ampliação dos quadros.” Na capa do Estadão.

“Economia do São Francisco volta a crescer após seca. O volume do reservatório de Sobradinho (BA), o maior do rio São Francisco, passou de 1,8%, no auge da seca, para 42,7%. A recuperação da barragem impulsiona a produção de frutas, peixes e vinhos na região, após cenário de estagnação”. Na capa da Folha.

“Desertor: Militar que fugiu da Venezuela narra rotina de medo”. Na capa do O Globo.

“Na Argentina, Macri sai em desvantagem. Em prévias das eleições de outubro, o presidente Macri ficou atrás do kirchnerista Alberto Fernández, segundo a boca de urna.” Na capa do O Globo.

“Kirchnerista vence primárias e complica reeleição de Macri. O candidato kirchnerista à presidência da Argentina, Alberto Fernández, obteve 47% dos votos nas primárias para a eleição de outubro, 15 pontos a mais do que o presidente, Mauricio Macri. Com participação de 75% dos eleitores, a prévia evidencia dificuldades que Macri terá à frente.” Na capa do Estadão.

“Pesquisa dá vitória da oposição nas prévias argentinas. Boca de urna põe chapa de Alberto Fernández, com Cristina Kirchner como vice, à frente da de Maurício Macri. Dados oficiais das primárias para definir concorrentes à Presidência só sairiam após mais de 10% da apuração”. Na capa da Folha.

“Presidente do Paraguai depõe sobre Itaipu”. Na capa do Estadão.

“China avança no mercado argentino. O Brasil está perto de perder para a China a supremacia no mercado argentino. Os chineses já detêm 17,7% das importações do país: só 3,3 pontos percentuais os separam da liderança brasileira”. Na capa do Valor Econômico.

“BCs garantirão ‘pouso suave’, diz banqueiro. Não há crise iminente no mundo e os bancos centrais dos maiores mercados, ao reduzirem as taxas de juros, devem assegurar um “soft landing” (pouso suave) de suas economias. Esta é a visão de John Waldron, presidente e chefe de operações do Goldman Sachs, um dos maiores bancos de investimento do mundo”. Na capa do Valor Econômico.

“Áreas contaminadas colocam população em risco. A Lagoa Azul, em Tanguá, atrai visitantes que ignoram que ali houve intensa extração de metal, o que pode ser um risco à saúde dos banhistas, segundo especialistas. A qualidade da água nunca foi analisada. Em Caxias, 4 mil pessoas vivem em terreno tomado por pó de broca. Resíduos da CSN atingem a periferia de Volta Redonda.” Na capa do O Globo.

“Descubra se fazer cocô dia sim, dia não é bom para a saúde”. Na capa da Folha.

“Mais sete pódios no último dia do Pan. Uma das apostas do Brasil para a Olimpíada de Tóquio, em 2020, a judoca Mayra Aguiar levou o ouro na categoria até 78 kg. O País teve seu melhor desempenho na história do Pan, com o segundo lugar no quadro geral de medalhas, atrás dos EUA.” Na capa do Estadão.

“Brasil bate recorde no Pan. A caminho de Tóquio. A menos de um ano para o início da Olimpíada de Tóquio, o Brasil mostrou que sua preparação está no caminho certo ao encerrar a participação no Pan-Americano de Lima com o melhor desempenho da história. Classificou nove modalidades para os Jogos e conquistou 171 medalhas, sendo 55 de ouro. Pela primeira vez desde São Paulo-1963, o país termina em segundo lugar no quadro de medalhas, só atrás dos Estados Unidos.” Na capa do O Globo.

📃 Colunas e artigos:

“Deve-se divulgar informação de interesse público. A origem da informação não tira dos veículos de imprensa e dos jornalistas o direito de publicá-la. Mais do que isso, de posse de informação de interesse público, o jornalista tem o dever ético de publicá-la. É disso que trata a atividade da imprensa, goste-se ou não. Artigo assinado por Eugênio Bucci e Tais Gasparian, jornalista e professor da ECA-USP e advogada e sócia do escritório Rodrigues Barbosa, Mac Dowell de Figueiredo, Gasparian-Advogados, respectivamente.

“Atores sociais e instituições têm funcionado como freio e contrapeso aos excessos presidenciais.” Na coluna de Carlos Pereira, no Estadão.

“Já se prevê uma disputa mais acirrada em torno da reforma tributária do que a que cercou a da Previdência.” Na coluna de Cida Damasco, no Estadão.

“O clima da resistência. O projeto amazônico de Bolsonaro, que parece ter ressonância nas Forças Armadas, pode nos conduzir a um isolamento internacional, boicote de nossos produtos, uma derrota política e econômica.” Na coluna de Fernando Gabeira, no O Globo.

📊 Mercado: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) reabre nesta segunda-feira, 11, após o final de semana.

Destaque histórico:

“Em 12 de agosto de 1962, o The Rolling Stones faz sua primeira apresentação, no Marquee Club de Londres”. No portal O Sul.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu