Sinopse 07.08.2019: aprovação do texto base da reforma da Previdência, em segundo turno, na Câmara, é o destaque

📰 Birô de Imprensa – Ano 2 – Número 270- A 146 dias do fim do ano de 2019, hoje é quarta-feira, 07 de agosto de 2019, 219º dia do ano.

Sinopse da grande mídia impressa:

🖋 Edição: Sérgio Botêlho

📃 Manchetes do dia:

“Câmara aprova texto-base da reforma em 2º turno. Placar foi de 370 votos a favor e 124 contra, 62 votos acima dos 308 necessários para a PEC.” Manchete de capa do O Globo impresso.

“Câmara aprova em segundo turno texto da Previdência. Deputados analisam, hoje, pontos específicos da proposta; por aprovação, governo reserva R$3bilhões para emendas”. Manchete de capa da Folha impressa.

“Sob pressão do agronegócio, governo tenta mudar imagem. Para setor, retórica ambiental de Bolsonaro é prejudicial; Planalto fará campanha internacional a partir de setembro”. Manchete de capa do Estadão impresso.

“Atvos, da Odebrecht, pede perdão de 46% em dívida. Segunda maior empresa sucroalcooleira do país, a Atvos, companhia do Grupo Odebrecht, pediu à Justiça corte de 46% no valor de sua dívida com bancos e fornecedores”. Manchete de cada do Valor Econômico impresso.

📃 Editoriais do dia:

“O desserviço que Bolsonaro presta ao meio ambiente. Além de acenar com o relaxamento de controles, presidente vulnerabiliza o país ao atrair boicotes às exportações”. Editorial do O Globo.

“O difícil convívio do autoritarismo com a liberdade de imprensa. Bolsonaro usa medida provisória para alterar lei que sancionara, a fim de atacar o jornal ‘Valor’”. Editorial do O Globo.

“Susto global. Em resposta a Trump, China desvaloriza moeda; disputa ameaça a economia mundial”. Editorial da Folha.

“Tensão elétrica. Brasil e Paraguai ainda não encerraram polêmica em torno da energia de Itaipu”. Editorial da Folha.

“Com MP, Bolsonaro tenta intimidar a imprensa. A palavra está novamente com o Congresso, que tem a oportunidade de reafirmar o entendimento anterior como a melhor solução para a questão”. Editorial do Valor Econômico.

“Extremismo nas redes sociais. Enquanto no Brasil o problema se limita, por ora, aos que transformaram as redes em terra de ninguém, nos EUA e na Europa os fanáticos passaram à ação real”. Editorial do Estadão.

“A inovação em involução. País segue na direção oposta no diz respeito à meta sobre a industrialização inclusiva e sustentável”. Editorial do Estadão.

“Corte de juros e risco externo. Excluída a hipótese de catástrofe, o Brasil tem condições de suportar instabilidade”. Editorial do Estadão.

📃 Outros destaques:

“Previdência é aprovada em 2º turno na Câmara. Previdência. Por 370 votos a favor e 124 contrários, PEC é aprovada e mantém economia prevista de R$ 933,5 bi em dez anos; destaques devem ser votados hoje, antes de a proposta seguir para o Senado, onde conclusão é esperada entre 20 e 30 de setembro”. Na capa do Estadão.

“’PEC paralela’ inclui Estados na reforma. Os governadores fecharam acordo para a inclusão dos Estados e municípios na reforma da Previdência. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), sinalizou aos governadores que a Casa poderá aprovar a “PEC paralela” em aproximadamente 15 dias após sua apresentação”. Na capa do Valor Econômico.

“Governo tira de jornais publicação de balanços. Bolsonaro diz que medida é uma ‘retribuição’ à imprensa; Maia e ANJ criticam decisão”. Na capa do Estadão.

“MP altera regras de publicação de balanços na mídia. O presidente Jair Bolsonaro editou medida provisória desobrigando empresas de publicar seus balanços em jornal de circulação nacional. A medida contraria lei sancionada pelo próprio Bolsonaro em abril.” Na capa do O Globo.

“Bolsonaro retira balanço de jornais e provoca imprensa. Jair Bolsonaro assinou medida provisória que permite a empresas de capital aberto publicar balanços nos sites da CVM ou do Diário Oficial no lugar de anúncios em impressos. “Retribui parte daquilo que a grande mídia me atacou”, declarou, em tom de provocação”. Na capa da Folha.

“Bolsonaro baixa nova MP e provoca jornais. O presidente Jair Bolsonaro baixou medida provisória para alterar lei que ele sancionou em abril e que fora debatida por quatro anos pelo Congresso. Pela MP, as sociedades anônimas ficam desobrigadas de publicar seus balanços em jornais de grande circulação, obrigatoriedade que só terminaria em 2022”. Na capa do Valor Econômico.

“Por 6 votos a 4, o Conselho Superior do Ministério Público Federal barrou ontem a indicação do procurador Ailton Benedito para uma cadeira na Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos.” Na capa do Estadão.

“Nome do governo para Comissão de Desaparecidos é rejeitado. O Conselho Superior do Ministério Público Federal vetou, por seis votos a quatro, o nome do procurador da República Ailton Benedito, indicado pelo governo Bolsonaro, para a Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos.” Na capa do O Globo.

“Bolsonaro questiona tempo que Anvisa leva para liberar remédios. Presidente criticou poder das agências reguladoras em inauguração de fábrica de uma indústria farmacêutica.” Na capa do O Globo.

“Presidente insinua que Anvisa vende facilidades. Em inauguração de uma farmacêutica em Itapira (SP), Jair Bolsonaro questionou suposta demora da Anvisa para registrar medicamentos. “Será excesso de zelo ou estão procurando criar dificuldade para vender facilidade?” Ele disse não ter sido eleito para legalizar drogas, em possível referência ao debate sobre uso medicinal de maconha”. Na capa da Folha.

“Inpe vai informar Presidência antes em ‘situações muito ruins’. Diretor interino do instituto, Darcton Policarpo Damião disse que Bolsonaro terá informes sobre desmatamento em primeira mão.” Na capa do O Globo.

“Desmate na Amazônia no mês de julho cresce 278%. O desmatamento na Amazônia em julho teve crescimento de 278% em relação ao mesmo mês do ano passado. Em junho, a alta havia sido de 88%. Os dados são do Deter, sistema do Inpe cujos números, criticados pelo governo de Jair Bolsonaro, abriram uma crise que culminou na exoneração do diretor do instituto na última sexta (2)”. Na capa da Folha.

“Bolsonaro enfrenta metamorfose e adota medidas que antes condenava”. Na Folha.

“Livro detalha como tribunal absolveu Bolsonaro e condenou a imprensa”. Na Folha.

““Quase metade do Senado apoia PEC que impediria indicação de Eduardo Bolsonaro como embaixador”. Na Folha.

“Supremo veta extradição de empresário turco. Precedente. Em votação unânime, magistrados consideraram não haver garantias de que o empresário Ali Sipahi, naturalizado brasileiro e morador de SP, onde ficou preso 32 dias, seria submetido a julgamento justo e imparcial pelas autoridades da Turquia”. Na capa do Estadão.

“Supremo nega extradição de turco acusado por Erdogan de terrorismo”. Na capa da Folha.

“Lava Jato cogitou rastrear Gilmar, indicam diálogos. A Lava Jato discutiu coletar dados sobre o ministro Gilmar Mendes, do Supremo, para tentar afastá-lo de processos e até pedir seu impeachment, segundo o jornal El País, com base em mensagens obtidas pelo site The Intercept. Gilmar cobrou providências à Procuradoria.” Na capa da Folha.

“Gilmar reage a Deltan e pede providências à Procuradoria”. Na Folha.

“Deltan se queixou de Dodge por falta de confronto com Gilmar, mostram mensagens”. Na Folha.

“Justiça não deve seguir ritmo da mídia sobre mensagens da Lava Jato, diz juiz”. Na Folha.

“Dodge recorre de decisão de Moraes que suspendeu fiscalizações da Receita.” Na Folha.

“Debate na PGR sobre desmilitarizar polícia irrita bolsonaristas e procuradores”. Na Folha.

“Cotado à PGR figura como advogado no mesmo tribunal que atua pelo Ministério Público”. Na Folha.

“Petrobras cancela contrato com presidente da OAB. A Petrobras encaminhou ontem uma carta ao escritório de advocacia do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, comunicando o cancelamento do contrato que mantinha com ele. O escritório atuava em causas trabalhistas e, em 2018, venceu uma causa estimada em R$ 5 bilhões. Santa Cruz afirmou que entrará na Justiça com ação para reparação de danos.” Na capa da Folha.

“Fundo estuda fim da marca Walmart no País.Não pegou. Um ano após comprar rede no Brasil, fundo vai reduzir portfólio de marcas, converter hipermercados em atacarejos e trabalhar para reabrir e-commerce; no meio do caminho, tentou comprar o Grupo Pão de Açúcar no Brasil, mas acordo não foi adiante”. Na capa do Estadão.

“Saúde busca vacina contra sarampo no mercado externo. Saúde. Até 31 de julho, foram confirmados 967 casos no Estado de São Paulo. Primeira dose do imunizante costuma ser dada para bebês de 1 ano, mas o ministério recomenda proteger crianças já aos 6 meses se forem viajar para cidades com registros da doença”. Na capa do Estadão.

“Polícia apura se ouro roubado foi para China. Balanço atualizado aponta 770 kg de carga levada; mentor tem ficha criminal extensa”. Na capa do Estadão.

“Menores que mataram foram libertados no Rio. Justiça solta 542 jovens, entre eles acusados de mortes e estupros”. Na capa do O Globo.

“Bandido veterano comandou roubo de ouro em Cumbica. Segundo delegado, idealizador do assalto, conhecido como ‘Velho’, tem 58 anos e extensa lista de passagens pela polícia”. Na capa do O Globo.

“Brasil proíbe a entrada de funcionários de Maduro. Depois de novas medidas dos EUA, Brasil vetará funcionários de Maduro”. Na capa do O Globo.

“China descarta guerra cambial, e Bolsas nos EUA e no Brasil sobem. Wall Street tem primeira alta em sete pregões. No Brasil, B3 sobe 2,06%. Banco Popular chinês diz que acusação de Trump de que país manipula moeda trará ‘graves prejuízos para a ordem financeira internacional e causará caos no mercado financeiro’”. Na capa do O Globo.

“BC chinês segura câmbio e atenua tensões globais. Depois da turbulência de segunda-feira, provocada pela desvalorização do yuan chinês, os mercados globais tiveram ontem um dia de trégua. As bolsas americanas se recuperaram parcialmente e a bolsa de São Paulo teve alta de 1,9%”. Na capa do Valor Econômico.

“Presidente do Paraguai sabia de acordo ‘lesivo’ sobre Itaipu. Conversas vazadas revelam que Mario Abdo Benítez pediu segredo sobre ata assinada com Brasil e sugerem pressões de Brasília”. Na capa do O Globo.

“Líder do Paraguai sabia de prejuízo em acordo de Itaipu. Mario Abdo Benítez sabia que o acordo com o Brasil sobre Itaipu era prejudicial ao Paraguai, segundo mensagens divulgadas pelo jornal ABC Color. O presidente pediu silêncio a um subordinado sobre o tema. O pacto foi cancelado, e a oposição pediu impeachment de Abdo.” Na capa do O Globo.

“A Trump Bolsonaro disse ser contra ação militar na Venezuela. Diálogo reservado entre líderes de EUA e Brasil ocorreu em junho em reunião bilateral na cúpula do G20, no Japão” Na capa da Folha.

“Imagina o prazer que tive de falar com Macron e Merkel, ironiza Bolsonaro”. Na Folha.

“FBI investigará ataque a festival na Califórnia como caso de terrorismo doméstico”. Na Folha.

📃 Colunas e artigos:

“Um tostão furado de fumo podre. O que Bolsonaro diz nada vale no minuto seguinte, seja por ignorância ou esperteza”. Na coluna de José Nêumanne, no Estadão.

“’Austericídio’? Esse é um termo politicamente esperto, mas que não combina com os fatos”. Artigo de Fabio Giambiagi, no Estadão.

“China de olho no etanol. Com o objetivo de melhorar a qualidade do ar, a China estuda a adição de 10% de etanol na gasolina vendida no país. O potencial de negócios foi discutido pelo secretário da Agricultura de SP com autoridades chinesas.” Na coluna Direto da Fonte, com Sônia Racy.

“Para não dar gás eleitoral a Bolsonaro, parlamentares querem impor resistência a planos como a venda da Eletrobrás.” Na coluna de Vera Magalhães, no Estadão.

“Com foco no PIB de 2020, investidores ficarão mais sensíveis neste segundo semestre aos indicadores econômicos.” Na coluna de Fábio Alves, no Estadão.

“Popularidade é a única saída para Moro. O anão que mora debaixo da mesa presidencial no gabinete do Palácio do Planalto ouviu dizer que o presidente Jair Bolsonaro está caindo na pilha de assessores, nem sempre oficiais, que já tratam o ministro Sergio Moro como um fardo político. Até o momento, no entanto, o presidente continua achando que Moro é um bom ativo político.” Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Com Itaipu, país se mete em encrenca vulgar. O repórter José Casado disse tudo: “Sob Bolsonaro, (Itaipu) virou fonte de convulsão na outra margem do Rio Paraná.” A maior hidrelétrica do continente nasceu de um litígio e, graças a meio século de costuras diplomáticas, virou uma proeza binacional. Em poucos meses de conversas impróprias, voluntarismos e tráfico de influência, o Brasil viu-se metido num escândalo.” Na coluna de Elio Gaspari, no O Globo.

“A Federação é uma união indivisível. O presidente da República tem que zelar pela unidade da Federação. Não pode discriminar um ente federado por razões políticas e ideológicas. Os estados são autônomos e seus governadores são eleitos pelo povo, portanto, têm legitimidade.” Na coluna de Miriam Leitão, no O Globo.

“Freud explica. Assim como Merval, acho que Bolsonaro não dispõe de superego, ou seja, não tem autocrítica ou o que, em bom português, se chama de desconfiômetro. Ego ele tem até avantajado; alter ego, pelo menos três, os filhos políticos; mas no seu sistema psíquico inexiste aquela instância que Freud classificou como a responsável por reprimir ou domar os instintos primitivos.” Na coluna de Zuenir Ventura, no O Globo.

“Cala boca não morreu. A censura acabou, mas esqueceram de avisar ao governador do Rio. Wilson Witzel está em campanha para melar um debate com o antropólogo Luiz Eduardo Soares. Motivo: não concorda com a tese de seu novo livro. Como o título indica, “Desmilitarizar” (Boitempo, 296 págs.) empunha a bandeira da desmilitarização da polícia.” Na coluna de Bernardo Mello Franco, no O Globo.

“Cardápio filosófico. Igualitarismo, suficientarismo e prioritarismo são opções no combate à desigualdade”. Na coluna de Hélio Schwartsman, na Folha.

“Bolsonaro trata o governo como uma ferramenta política pessoal. Presidente avacalha a República ao usar o poder em retaliações e favorecimentos”. Na coluna de Bruno Boghossian, na Folha.

“Petrobras cancela contrato com presidente da OAB. Bolsonaro abriu guerra contra advogado e disse saber como o pai dele tinha desaparecido na ditadura militar”. Na coluna de Mônica Bergamo, na Folha.

“Consenso ou caos. Presidente Bolsonaro entender que pode muito, mas não tudo”. Na coluna de Antônio Delfin Neto, na Folha.

“Novas mensagens selam indisposição do Supremo com Dallagnol e ampliam pressão sobre Ministério Público”. Na coluna Painel, da Folha.

📊 Mercado: A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a terça-feira, 06, em alta de 2,06%, a 102.164 pontos. O dólar terminou o dia em baixa de -0,05%, a R$ 3,95, e o euro em alta de 0,11%, a R$ 4,43.

Destaque histórico:

“Em 07 de agosto de 1815, Napoleão Bonaparte, derrotado pelos aliados, embarca rumo ao exílio na Ilha de Santa Elena.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu