Economia e eleição 2018 são os temas em destaque nas manchetes dos jornais

Primeira Hora – Anexo 6

Economia e eleição 2018 são os temas em destaque nas manchetes dos jornais. Lula recua de ação no STF; estados perdem recursos por conta de recessão; decisão sobre PIS/Cofins anima empresas

SINOPSE NACIONAL DE 07 DE AGOSTO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Lula recua de recurso ao STF que pedia liberdade. Petista quer evitar que Corte discuta a questão de sua elegibilidade/

‘ É fácil dizer que tem corrupção no Congresso’, afirma Alvaro Dias. Candidato à Presidência pelo Podemos, o senador Alvaro Dias diz que há corrupção no Congresso porque do outro lado da rua está o “corruptor”, o presidente da República, e afirma que o Parlamento dança de acordo com a música que o chefe do Executivo toca/

Vice de Bolsonaro ataca herança de índios e africanos

No RS, vice de Bolsonaro afirma que povo gosta de ‘mártires, líderes populistas e dos macunaímas’; ‘caldinho de cultura’. O general da reserva Antonio Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro, disseque o brasileiro herdou a “indolência” do índio e a “malandragem” do africano. A afirmação foi feita em sua primeira aparição pública de campanha, em Caxias do Sul( RS ). Ele disse que não vê racismo na declaração/

Aborto. Religiosos encerram audiência pública no Supremo. Dois lados da questão. Ontem, manifestantes foram à Praça dos Três Poderes, em frente ao Supremo, para demonstrações contra e a favor da descriminalização do aborto no Brasil, a ser votada pelos ministros/

Rio tem quase um assalto por hora no transporte público. Nos trens, usuários enfrentam tiroteios; nos ônibus, recorde de roubos/

Nova regra para financiar imóveis pode ser antecipada. Com a boa recepção do mercado à medida, governo estuda antecipar vigência da nova regra desa quedo FGTS para compra de imóveis, que entraria em vigor só em 2019/

PT do Rio faz aliança com PCdoB na disputa estadual. Com isso, petista Marcia Tiburi passa a ter o segundo maior tempo de propaganda eleitoral na TV e no rádio/

PT usou cláusula de barreira para pressionar PCdoB. Partido do ex-presidente Lula ameaçou romper coligações com comunistas em chapas para deputado em estados como o Rio/

Marina apela contra polarização PT-PSDB. Candidata diz que partidos deixaram ‘população de lado, como se ela fosse apenas um detalhe’/

Acordo com centrão força apoio de Alckmin a Collor. Tucanos terão vice na chapa de ex-presidente, que já foi chamado de ‘indigno’ por ex-governador; decisão racha PSDB em Alagoas/

‘Querem resolver a eleição em celas’, ataca Ciro. Ao lado de Kátia Abreu, presidenciável é lançado e faz ataques à articulação do PT e de Lula que o afastou do PSB; ele diz que o ex-presidente petista agiu ‘por medo’ porque sua pré-candidatura vai ‘reinterpretar o que é ser progressista no Brasil’/

Merval Pereira: Indefinição do PT dá relevância à escolha de vices. A definição dos vices ganhou dimensão maior nesta corrida presidencial devido à indefinição do PT, que pretendia manter em segredo seu plano B o mais possível, a fim de não oficializar o impedimento do ex- presidente Lula antes de a Justiça Eleitoral se pronunciar/

José Casado: Da cadeia, Lula implodiu a esquerda. Semanas depois de anunciar sua transcendência da condição humana para a sublimidade de “uma ideia”, Lula recaiu na vida mundana. Da prisão, comandou o PT numa proeza: implodiu o agrupamento autodenominado de esquerda. É aposta de alto risco. O resultado só será mensurável na apuração da noite de domingo, 7 de outubro. Até lá, contam- se os sobreviventes/

Míriam Leitão: O risco da proposta de Ciro para a dívida. Até as eleições de 2002, o PT jogava a culpa dos problemas brasileiros na dívida pública. Essa bandeira, agora, foi levantada pelo candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes. A dívida é de fato alta e virou um problema, mas o caminho de reduzila é a penosa trilha do ajuste fiscal. Qualquer outra forma tem o potencial de criar muita perturbação na economia. E há soluções realmente perigosas/

Carlos Andreazza: Criminalizar a política esvazia o diálogo. Não há razão para otimismo. Nada indica —nema legitimidade de um presidente eleito com 60 milhões devotos—que o Brasil será melhora partir de janei rode 2019. Os motivos para esse pessimismo são inúmeros. Todos derivam da criminalização da atividade política — da ascensão influente do discurso oportunista segundo o qual a política é o problema/

Editorial1: Convenções têm suspense, sem maiores surpresas. PT retarda anúncio do vice, numa história ainda longe do fim, enquanto demais partidos seguem roteiro/

Editorial2: Reação a ‘ atentado’ na Venezuela traz de volta tempos de Chávez. Analistas duvidam de versão oficial e veem em suposto ato terrorista repetição de uma velha estratégia.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Recessão tira dos Estados R$ 278 bilhões em receitas. Mesmo com a crise econômica, 16 dos 27 governadores concorrem à reeleição, maior número em 12 anos/

Brasileiros, segundo o general Mourão. Em declaração feita ontem em Caxias do Sul (RS), o general Hamilton Mourão, candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), ligou indígenas à “indolência” e africanos à “malandragem”/

Caixa tem a receber R$ 21 bi de empréstimos de alto risco. A Caixa tem R$ 21,4 bilhões a receber de empréstimos a Estados e municípios sem aval do Tesouro. O valor equivale a dois terços do que o banco tinha com governadores e prefeitos no 1.º trimestre. Para o Ministério Público, essas operações de crédito são inconstitucionais e de alto risco/

Sanção dos EUA força empresas a deixar o Irã. Com a reativação de sanções dos EUA ao Irã a partir de hoje, empresas europeias começam a sair do país, assumindo prejuízos bilionários. O governo Trump pode punir quem mantiver relações comerciais com iranianos/

Em busca de trabalho. Uma multidão concentrou-se desde a madrugada de ontem, no Anhangabaú, centro da capital, em busca de trabalho. Foram atendidos 1,8 mil candidatos às 4 mil vagas oferecidas por 26 empresas no Mutirão do Emprego/

PF barra entrada de venezuelanos em Roraima. A PF fechou a fronteira com a Venezuela, após o juiz federal Helder Girão Barreto, de Roraima, suspender a entrada de venezuelanos. A ministra do STF Rosa Weber negou pedido do Estado, feito em abril, para fechar a fronteira/

Andrade renegocia dívida de US$ 345 mil/

‘Haddad está em estágio probatório’, diz Gleisi. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse, em entrevista ao Estado, que o ex-presidente Lula afirmou que Fernando Haddad, seu vice, está em “estágio probatório”. Segundo ela, Lula mandou um aviso: “O candidato sou eu”. A defesa do ex-presidente desistiu do processo no STF que discutiria seu pedido de liberdade e, possivelmente, sua condição para disputar a Presidência. Com isso, os advogados evitam que o Supremo discuta a inelegibilidade de Lula antes do Tribunal Superior Eleitoral/

Coluna do Estadão: Candidatos vão fechar cerco a Jair Bolsonaro. A expectativa de que o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) iria se desidratar com o avanço da campanha ainda não se confirmou e tem forçado seus adversários a arregaçar as mangas. Aliados de Henrique Meirelles (MDB) compartilham vídeos nos quais destacam falas polêmicas de Bolsonaro, como “mulheres devem ganhar menos do que os homens porque engravidam”, e situações de descontrole, como quando o deputado ofende a petista Maria do Rosário, cena reproduzida no vídeo. O adversário Geraldo Alckmin (PSDB) também vai mirar Bolsonaro/

Coluna do Estadão: As campanhas avaliam que uma vaga no segundo turno é do candidato do PT, que tem eleitorado cativo. Por isso, deflagram a briga pela outra. Nos vídeos, Bolsonaro será vendido como “aventura”/

Coluna do Estadão: O presidente do PSB, Carlos Siqueira, decidiu cancelar a convenção que lançou Márcio Lacerda (PSB) ao governo mineiro e isolá-lo na legenda. Siqueira nega articulação para expulsar Lacerda da sigla, mas garante que não permitirá que ele dispute o Palácio da Liberdade/

Coluna do Estadão: A Procuradoria no DF abriu inquérito para apurar três contratos do Senado de R$ 6,5 milhões. Um é para o aluguel de 43 veículos, entre ambulâncias, caminhões e furgões. Outro, para duas viaturas e duas caminhonetes para a Polícia Legislativa. O aluguel de cada uma sai, em média, R$ 5,7 mil por mês.. A investigação virou inquérito porque o Senado não respondeu aos dois ofícios nos quais a PRDF pede informações. Um é de janeiro e outro de julho. O Senado diz não ter sido notificado/

Editorial1: A ‘viagem lisérgica’ do PT. O PT, dirigido da cadeia por seu chefão, tem e não tem candidato à Presidência. Ou melhor, tem dois candidatos – e uma candidata a vice que é sem ser/

Editorial2: Uma economia subnutrida. Um avanço firme da construção poderia reforçar emprego e demanda de insumos/

Editorial3: O lucro da Petrobrás. Com lucro líquido de R$ 10,1 bilhões no segundo trimestre, o maior para o período desde 2011, e de R$ 17 bilhões no primeiro semestre deste ano, a Petrobrás mostra ao País e, sobretudo, aos seus acionistas a eficácia da severa política de recuperação financeira e operacional colocada em prática em maio de 2016, logo após o afastamento do grupo que a administração lulopetista impusera em sua gestão.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Lula desiste de soltura para evitar debate sobre eleição. Presidenciável do PT quer impedir que candidatura seja discutida no STF/

No Congresso, PSDB e Centrão votam junto, e com Temer/

Demanda por robô cresce na indústria, mas adoção é baixa/

Marcelo Coelho: Religiosos falam de aborto no Supremo/

Hélio Schwartsman: O sujeito indeterminado do PT. Quem ou o que está impedindo Lula de concorrer?/

Bruno Boghossian: Ciro tenta reagir a isolamento e acena a eleitor ‘não lulista’. Candidato faz ataques ao ex-presidente e busca discurso de outsider na esquerda/

Nabil Bonduki: A força do PT está mais nas urnas do que nas ruas. É lógica e previsível a demorada decisão que selou a chapa Lula-Haddad e Manuela/

Painel: PT é avisado do risco de a indicação de Haddad minar pedido de registro de Lula/

Lula retira pedido de soltura no STF para impedir discussão sobre elegibilidade/

Manuela interrompe arrecadação para pré-campanha e já fala como candidata a vice/

Marina Silva diz que Alckmin, Bolsonaro, Lula e Meirelles representam extremos/

Rosa Weber decide que Venezuelano pode entrar em Roraima/

Editorial1: Mais uma ditadura. Governo de Ortega na Nicarágua deixa para trás, como a Venezuela, princípios da democracia/

Editorial2: Justiça e misericórdia. Catecismo da Igreja Católica passou a tratar a pena de morte como inadmissível.

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Empresas já relatam ganhos com decisão sobre PIS/Cofins. Grandes empresas começam a registrar ganhos com a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, decidida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2017/

Receita da ECT cresce onde há concorrência. As mesmas mudanças tecnológicas e de costumes que deixaram a troca de cartas à beira da extinção fazem o comércio eletrônico crescer geometricamente. Nesse cenário, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) acaba de dar uma guinada emblemática/

Paz aumenta o desmatamento na Colômbia. O processo de paz colombiano teve forte impacto nas florestas do país. Os dados mais recentes indicam que o desmatamento está aumentando desde a assinatura dos acordos de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as Farc, no fim de 2016/

Voos internacionais. Enquanto sindicalistas temem a perda de empregos com o acordo entre Boeing e Embraer, fornecedores da empresa brasileira buscam certificação para atuar nos mercados aeroespacial e de defesa internacionais. “Temos que aproveitar essa oportunidade”, diz Marco Antonio Raupp/

Calor europeu afeta produção da agricultura. Calor extremo em deixado rastros devastadores em vários países e o setor de agronegócios é um dos que mais têm sofrido. No mercado de commodities agrícolas, o maior prejudicado tem sido o trigo/

Malandragem é legado dos negros, diz Mourão. Em seu primeiro compromisso público como candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), o general da reserva Antonio Hamilton Mourão (PRTB) afirmou, durante evento em Caxias do Sul (RS), que o brasileiro herdou a “indolência” dos índios e a “malandragem” dos negros/

Haddad, uma costura trabalhosa no PT. O ex-prefeito Fernando Haddad foi escolhido para ser vice de Lula, na chapa do PT que disputará a eleição presidencial, por ser visto pelo ex-presidente como aquele que possui as melhores condições de expressar seu pensamento fora da prisão. Dentro do partido, a escolha exigiu uma costura trabalhosa/

Investimento vai crescer no máximo 4%. O aumento das incertezas internas e externas nos últimos meses consolidou a avaliação de que o investimento terá uma alta moderada em 2018, na casa de 3,5% a 4%, contribuindo para que a economia tenha uma expansão modesta, de 1,5% ou menos/

Conjuntura. País tem mais um ano frustrado no investimento. Projeções iniciais de alta da formação bruta de capital fixo sofrem cortes expressivos mesmo após queda de 30% durante a crise/

Eleições. Indefinição persiste em Minas Gerais. Anastasia e Fernando Pimentel conseguem construir polarização, mas há desacertos no MDB e no PSB/

Acordo com caminhoneiros pode ser aprovado. Entre os quatro projetos na pauta dos deputados estão duas medidas provisórias que foram fruto do acordo entre o governo federal e o movimento de caminhoneiros/

Editorial: Industria se recupera, mas projeções não melhoram. Ainda influencia negativamente esse quadro a anemia do mercado de trabalho, apoiado no emprego informal, que não sustenta um consumo vigoroso.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu