Saúde e eleição são os temas em destaque nas manchetes dos jornais

Saúde e eleição são os temas em destaque nas manchetes dos jornais. Revogada norma do ANS sobre coparticipação e franquia nos planos de saúde; informação à população é prejudicada pela lei eleitoral.

SINOPSE NACIONAL DE 31 DE JULHO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: ANS revoga limite de 40% para planos de coparticipação e franquia. Resolução, que estava suspensa por liminar do STF, foi muito criticada. Agência anuncia que vai reabrir o debate/

Governo mantém desconto no diesel até o fim do ano. Novo decreto vai regulamentar subvenção de R$ 0,30 ao preço do litro do combustível, estendendo medida acertada com caminhoneiros em maio para pôr fim à greve. Moreira pede à Petrobras para suspender manutenção de plataforma/

MPF vai reabrir investigações sobre morte de Vladimir Herzog. O Ministério Público Federal em São Paul ovai reabrira investigação sobre a morte do jornalista Vladimir Herzog, em 1975, durante a ditadura militar. Essaéa primeira medida do Estado brasileiro para cumprira sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) que condenou o Brasil, no início do mês, por jamais ter esclarecido as condições nas quais Herzog morreu/

Nunca um vice foi tão difícil. Nomes cogitados por Alckmin e Marina recusam sondagens/

Fato fake. Pesquisa com deputado do PSL em 1º em todos os estados é falsa. Mensagem alcançou grande circulação nas redes nas últimas semanas/

Merval Pereira: Lula candidato é questão jurídica, e não política. O próximo governador jogará o destino da sua administração no enfrentamento de corporações conectadas com a Alerj/

José Casado: MDB é antítese da renovação na política. Milionário e aposentado, Henrique Meirelles prepara sua maior aposta, a candidatura presidencial pelo MDB. O investimento pessoal previsto é de R$ 35 milhões, mas pode dobrar na campanha, hoje aprisionada na lanterna das pesquisas/

Bernardo Mello Franco: Temer faz pedido aos candidatos. Presidente quer que os candidatos parem de criticá-lo. Mais fácil contar com o coelho da Páscoa em outubro/

Miriam Leitão: PT já esqueceu que governou o país por 13 anos. O PT nesta eleição tem muitos dilemas. O mais importante, claro, é saber quem será candidato e em que momento o partido sairá do processo de negação para encarar a realidade/

Ancelmo Gois: Até vira-lata está emigrando para Portugal. a fuga de brasileiros para o exterior tem rendido dinheiro extra às clínicas veterinárias do Rio. Uma delas, na Tijuca, está se especializando no processo emigração de bichinhos de estimação. Somente em 2018, fez mais de 200 atendimentos. Ela cuida da parte inicial do processo, que inclui implante de chip, exames de sangue e vacina antirrábica/

Combate ao trabalho escravo fica sob ameaça por falta de estrutura. Problemas de gestão no Ministério do Trabalho, cujo funcionamento foi abalado por denúncias de corrupção, dificultam até a compra de passagens/

Marcos Palmeira: ‘Não é o momento’, diz ator sobre chapa com Marina/

Bolsonaro diz que não tem ‘plano B’ para a economia sem seu orientador/

Alckmin irá à convenção do DEM, principal parceiro no centrão/

Editorial1: No RJ candidatos precisam saber do desafio da crise. O próximo governador jogará o destino da sua administração no enfrentamento de corporações conectadas com a Alerj/

Editorial2: Pacote de medidas para presídios mira em facções criminosas. Algo precisa ser feito para barrar o poder de chefões do tráfico que, mesmo presos, impõem o terror a todo o país.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: ANS recua e revoga nova cobrança em plano de saúde. Coparticipação de 40% do cliente nos custos de procedimentos é cancelada; OAB vê ‘vitória da sociedade’/

Produto do Brasil é 30% mais caro que o de outros países. Custo País. Juros altos, burocracia e carga tributária estão entre os fatores que tiram a competitividade da indústria brasileira em relação a países como EUA e Alemanha, mostra estudo da Abimaq; recuperação do setor passa por política de Estado, diz asso/

Mudanças no STF entram na agenda das eleições. Judiciário. Presidenciáveis propõem alterar indicações para o Supremo, duração do mandato e até número de ministros; PECs no Congresso também questionam regras/

‘Vaquinha’ para eleição não chega a 1% do teto permitido. Soma das arrecadações virtuais dos principais presidenciáveis chega a R$ 957 mil; limite de gasto este ano é de R$ 105 mi nos dois turnos/

Interior já enfrenta racionamento; nível de represa cai. Abastecimento. Transposição do Jaguari foi uma das principais obras pós-crise hídrica; no domingo, foi a 1.ª vez que o sistema ficou em alerta desde junho de 2016. Sabesp descarta racionamento até o 2º semestre de 2019, mas já faz apelo por economia/

Novo decreto deve manter desconto de R$ 0,46 ao litro do diesel até dezembro. Valor é o mesmo da medida baixada para negociar fim da greve dos caminhoneiros/

Agentes espionam voos e passageiros nos EUA. Críticas. Programa usa registros de viagens e outras informações para identificar passageiros que possam ser alvo de checagem adicional; pessoas que suam ostensivamente ou vão com frequência ao banheiro no avião entram na mira preferencial da vigilância/

Coluna do Estadão: Para ter apoio, PT rifa candidatos ao Senado. Para garantir apoio a seu candidato na eleição presidencial, o PT está abrindo mão de lançar concorrentes na disputa ao Senado em vários Estados. No Maranhão, o partido rifou a candidatura própria para apoiar os nomes escolhidos pelo governador Flávio Dino (PCdoB). Não vai indicar nem os suplentes. Com isso, o PT vai completar 12 anos sem lançar candidato no Estado. No Ceará, a sigla desistiu de tentar reeleger José Pimentel, o que irá ajudar Eunício Oliveira (MDB). “As consequências serão históricas e percebidas a partir de 2019”, lamentou o petista/

Coluna do Estadão: O presidenciável Henrique Meirelles fez um apelo aos dirigentes do MDB para que aprovem sua candidatura: “O MDB sempre foi protagonista da história”/

Candidato do PSL. ‘Não houve golpe militar em 64’, afirma Bolsonaro no ‘Roda Viva’/

‘Não tenho plano B para Paulo Guedes’, admite Bolsonaro/

Bloco PSDB e Centrão. ACM Neto diz que vice de Alckmin pode sair nesta quarta-feira/

Pré-candidato. Meirelles diz que MDB tem condições de vencer eleição com chapa pura/

Pré-candidatos prometem dar prioridade à reforma da Previdência

Clima. Chove em São Paulo pela 1ª vez em 46 dias e temperatura deve cair/

Ásia. Terremoto na Indonésia deixa turistas presos e mata 16 pessoas/

Presidente do STF. Cármen é contra reajuste a ministros do STF/

Ana Carla Abrão: A genial proposta de Fernando Haddad de tributar o spread bancário levaria à redução dos volumes de crédito/

Gonçalo Junior: Neymar não poderia ter escolhido meio mais inadequado do que um comercial para dizer que quer mudar sua imagem/

Editorial1: O ralo do dinheiro público. O buraco da Previdência Social continua engolindo facilmente o dinheiro juntado pelo governo em seu esforço de economizar e arrecadar/

Editorial2: As eleições e o Ministério Público. Raquel Dodge anunciou forte atuação do MP na aplicação da Lei da Ficha Limpa/

Editorial3: Acordo Mercosul-Japão. O setor privado quer tornar mais fluentes as relações entre o Mercosul e o Japão. Com esse objetivo, representantes das indústrias brasileiras e japonesas concluíram uma proposta mais completa para o início das negociações de um acordo de parceria econômica (EPA, na sigla em inglês) entre o bloco do Cone Sul e o Japão. Essa parceria vem sendo discutida desde o segundo semestre de 2015 por membros da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e do Keidanren, a principal entidade representativa do setor privado japonês, que, na ocasião, apresentaram um roteiro para as negociações. Na reunião do Comitê de Cooperação Econômica Brasil-Japão realizada há pouco em Tóquio, as duas entidades empresariais aprofundaram os pontos principais do roteiro apresentado há três anos.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Lei eleitoral reduz serviços de informações à população. Em SP, notícias sobre metrô, trens metropolitanos e bombeiros foram todas reduzidas em páginas oficiais; público reclama/

Plano de Saúde não poderá mais cobrar 40% de coparticipação. Após críticas, a Agência Nacional de Saúde Suplementar derrubou resolução/

Investigação sobre morte de Vladimir Herzog é reaberta. O Ministério Público reabriu as investigações sobre a morte do jornalista Vladimir Herzog.  O caso foi retomado após a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenar o Brasil, no começo do mês, por não investigar e punir o crime ocorrido em 1975, durante a ditadura militar/

Bolsonaro diz que as eleições deste ano estão ‘sob suspeição’/

‘É triste’, afirma o príncipe Joãozinho sobre primo ser vice de Bolsonaro/

Purismo nacional de Marina se torna pragmatismo nos estados. Purismo nacional de Marina se torna pragmatismo nos estados. Candidata critica velha política, mas o seu partido está junto a siglas como DEM e PSC/

Mônica Bergamo: TSE deve impedir que Lula apareça como candidato na TV/

Rejeição a Doria na capital será mote da campanha de França/

Hélio Schwartsman: Descristianização. À medida que a eleição se aproxima, a raiva tende a decantar e outros fatores ganham mais peso/

Bruno Boghossian: PT defende ‘golpistas’ e abraça oligarquias para sobreviver. Sigla mergulha na incoerência eleitoral e se alia a velhos caciques do Nordeste/

Sem aliança, PT e PSB negociam pacto de neutralidade/

Painel: Militantes do PT prometem iniciar greve de fome em frente ao STF/

Alckmin diz que alianças são criticadas por quem não conseguiu e representam confiança/

Queixa de congressistas americanos sobre Lula é distorcida, diz embaixador/

Em lista suja, Odebrecht leva R$ 5 bilhões da Petrobras. Empresa foi vetada em novas licitações, mas teve negócios já firmados mantidos mesmo após a Operação Lava Jato/

Editorial1: Aborto em pauta. Revisão de normas deveria passar pelo exame do Congresso e por consulta popular/

Editorial2: Breve alívio. Recuperação em nada altera a árdua tarefa a cargo do futuro governo.

Deixe uma resposta

Fechar Menu