Sindicatos, ruralistas, delação JBS e economia são os destaques das manchetes dos jornais

Primeira Hora – Anexo 6

Sindicatos, ruralistas, delação JBS e economia são os destaques das manchetes dos jornais.Sindicatos provocam guerra judicial em nome da contribuição sindical; 15,5 bilhões a setor rural são barrados pelo governo; ex-procurador Miller, do caso JBS, é denunciado pelo Ministério Público Federal; no setor elétrico, governo busca acerto; caem os investimentos diretos no país.

SINOPSE NACIONAL DE 26 DE JUNHO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS  :

Manchete e destaques do jornal O Globo : Contribuição sindical vira alvo de batalha judicial. Ações triplicam e chegam a 15,5 mil com mudanças na lei trabalhista. Sindicatos tentam manter cobrança, e trabalhadores buscam garantir isenção. A contribuição sindical virou alvo de uma batalha judicial entre trabalhadores e sindicatos após a reforma trabalhista torná-la facultativa, em novembro. Entre dezembro e maio, foram impetradas 15.551 ações sobre o imposto, praticamente o triplo de um ano antes. O avanço foi particularmente forte em março, mês em que a cobrança do valor era feita antes da mudança da lei: o número de processos passou de seis mil, em movimento liderado pelos sindicatos, que tentam garantir o recolhimento. Já os trabalhadores querem fazer valer a nova lei. O STF julgará na quinta-feira 19 ações a favor da obrigatoriedade da contribuição/

PR dá sinal verde para aliança com Bolsonaro. Pré-candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro disse que recebeu do PR, um dos principais alvos da Lava-Jato, sinal verde para uma coligação. Confirmada, a chapa elevaria em 7 vezes o tempo de TV do presidenciável, que aguarda só o sim do senador Magno Malta para ser seu vice/

Joesley e Miller são denunciados. O ex-procurador Marcelo Miller, “que serviu a dois senhores”, e Joesley Batista, da JBS, foram denunciados no DF por corrupção no acerto da delação do empresário/

Fachin manda ao plenário recurso de Lula. Julgamento só deve ocorrer em agosto; pedido de domiciliar dividiu advogados/

Moro envia caso de Beto Richa para a Justiça Eleitoral. Juiz diz ver, no entanto, ‘indícios’ de ‘possível crime de corrupção’ do ex-governador/

Mariana: acordo prevê fim de ação. A Samarco e suas sócias, Vale e BHP, assinaram acordo que prevê extinção da ação que pedia a criação de um fundo de R$ 20 bilhões para sanar danos causados pelo desastre/

Judiciário no Rio pode ter reajuste. A Alerj desengavetou, em ano eleitoral, projeto que concede reajuste de 5% apenas a servidores do Judiciário. O Ministério da Fazenda diz que aumento viola acordo de ajuda federal/

Post do Senado gera polêmica. O Senado tirou de rede social post no qual dizia que maconha provoca morte. Startup do Brasil concluiu fórmula de remédio à base de Cannabis/

Lydia Medeiros: Poder em jogo. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse a líderes partidários que não vai instalar a “CPI das Delações”. A investigação foi proposta pelo PT e teve o apoio de 190 deputados, de todos os partidos. Previa a apuração da “possibilidade de manipulação das colaborações premiadas, e possibilidade do envolvimento de agentes públicos”. Na prática, mais uma tentativa de anular processos da Lava-Jato/

Editorial1: Baixa cobertura de vacinas é ameaça para o país. A queda na procura por imunização traz a possibilidade grave da volta de doenças já erradicadas, e por isso Estado e sociedade precisam de mobilizar/

Editorial2: Vitória de Erdogan aumenta incertezas no Ocidente. Presidente turco é reeleito com amplos poderes e maioria no Parlamento, reforçando uma Turquia mais próxima de Putin em meio a atritos com a UE.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo : Governo barra benefício de R$ 15,5 bilhões a ruralistas. Equipe econômica alega não haver recursos para bancar renegociação de dívidas aprovada pelo Congresso. O governo reagiu às investidas do Congresso e decidiu cortar R$ 15,5 bilhões em benefícios que haviam sido aprovados pelos parlamentares ao setor agrícola. A equipe econômica diz que falta dinheiro para bancar o programa, que previa a renegociação de dívidas de pequenos produtores rurais com descontos de até 95% no saldo devedor, diferença que seria bancada pelo Tesouro Nacional. Medida provisória foi editada para reduzir os abatimentos e restringir o alcance da repactuação dos débitos. O projeto original contemplaria produtores de todo o Brasil e teria custo de R$ 17,1 bilhões só em 2018. Sem dinheiro em caixa, o governo já havia determinado aos bancos públicos que não efetuassem nenhuma repactuação com os produtores rurais. O deputado Afonso Florence (PT-BA) disse que a bancada pode questionar a constitucionalidade da medida do governo/

Fachin deixa decisão sobre recurso de Lula para o plenário. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, decidiu ontem à noite submeter ao plenário da Corte um novo recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que um pedido de liberdade do petista seja analisado pelo tribunal. Agora, caberá à presidente Cármen Lúcia definir a data do julgamento. Condenado pela Lava Jato, Lula está preso em Curitiba desde 7 de abril/

Relator acumula reveses na 2ª Turma. Relator da Lava Jato no STF, Edson Fachin já foi derrotado na 2ª Turma em 13 de 30 votações importantes para a operação. O mais recente revés foi a absolvição da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR)/

MPF denuncia Marcello Miller e Joesley por corrupção. O ex-procurador Marcello Miller e o empresário Joesley Batista foram denunciados pelo MPF por corrupção. Segundo a denúncia, Miller orientou delação enquanto integrava o Ministério Público. O documento cita promessa de pagamento indevido de R$ 700 mil da J&F para o ex-procurador. O ex-diretor jurídico da J&F Francisco Assis e Silva e a advogada Esther Flesch também foram acusados/

Comissão aprova ‘lei do agrotóxico’ mais branda. Comissão Especial da Câmara aprovou ontem, por 18 votos a 9, relatório defendido pela bancada ruralista que flexibiliza o registro de agrotóxicos no País. Texto segue para o plenário da Câmara/

Samarco fecha novo acordo sobre Mariana/

Greve de caminhoneiros afetou as exportações/

Alckmin limita verba a candidatos a governo do PSDB. Decisão reserva 30% do teto de gastos às campanhas; aliados de Doria reclamam/

Busca por eleição na internet é a maior desde 2004. Levantamento mostra aumento de 66,7% em pesquisas sobre tema no primeiro semestre deste ano, na comparação com 2014 e 2016/

Coluna do Estadão: Após janela partidária, Maia quer rever cargos. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tenta costurar um acordo para redistribuir o número de assessores na Casa e beneficiar partidos que cresceram com o troca-troca partidário. De acordo com o projeto, siglas que perderam deputados sofrerão redução de cargos. Essas vagas vão migrar para os partidos que ganharam nomes. Se aprovada a redistribuição, a liderança do PP passa de 85 cargos para 116 e a do DEM, de 66 para 85. O PROS e o PSL, do presidenciável Jair Bolsonaro, de 25 para 37 cada um, e o Podemos sobe de 37 para 55/

Coluna do Estadão: Líderes de DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade conhecem, em almoço em Brasília hoje, os resultados da pesquisa qualitativa do Instituto GPP para medir o potencial dos pré-candidatos ao Planalto. Em uma das simulações, o apresentador José Datena (DEM) é colocado como vice em eventual chapa com Rodrigo Maia. Nesse cenário, eles ultrapassam o adversário Geraldo Alckmin (PSDB)/

Coluna do Estadão: Sinais trocados. A deputados, o presidente Michel Temer tece elogios ao ex-ministro Henrique Meirelles e defende ser importante para o fortalecimento do MDB lançá-lo na disputa ao Planalto. Na quinta passada, Temer jantou com Aécio Neves e Rodrigo Maia para falar sobre a possibilidade de união do Centro/

Coluna do Estadão: A decisão da Segunda Turma do STF de absolver a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, em uma ação penal da Lava Jato não surpreendeu Curitiba. Quem trabalha nas investigações concorda que o caso carecia de “prova de corroboração suficiente das declarações dos delatores”. Mas a aposta é de que a petista não escapa de outro processo em que é investigada: o chamado caso Consist. A prova documental seria mais robusta, segundo envolvidos nas investigações da Lava Jato em Curitiba/

Eliane Cantanhêde: Dois fantasmas rondam Lula: Antonio Palocci e Marcos Valério. Eles sabem das coisas/

Editorial1: Prosperidade com armadilhas. Relatório do BIS alerta que, dez anos depois do estouro da última grande crise financeira, a economia mundial prospera, mas é preciso evitar riscos importantes. (PÁG. A3)

Editorial2: Derrota de Lula, vitória do País. Decisões judiciais são sinal alentador de vitalidade do País/

Editorial3: Avanço sobre o espaço público. O decreto do prefeito Bruno Covas que, regulamentando lei aprovada pela Câmara Municipal, proíbe que portões ou cancelas automáticos invadam a calçada, ao fechar ou abrir, traz de volta uma discussão da maior importância para os paulistanos, que vai muito além desse caso específico: a do avanço de particulares sobre o espaço público.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo : Procurador envolvido no caso JBS é denunciado. Marcello Miller e o empresário Joesley Batista são acusados pelo Ministério Público de corrupção. O Ministério Público Federal denunciou o ex-procurador Marcello Miller e os delatores Joesley Batista e Francisco de Assis, da JBS, sob acusação de corrupção. A denúncia afirma que Joesley e Assis ofereceram vantagens indevidas a Miller, aproveitando-se de sua participação no grupo de trabalho da Lava Jato. A intenção era conseguir um bom acordo de colaboração com a Procuradoria- Geral da República, à época comandada por Rodrigo Janot, que envolveria imunidade para se livrarem dos crimes que cometeram. Segundo a acusação, uma fatura de R$ 700 mil emitida por escritório de advocacia contratado pela JBS mostra que, ilicitamente, o ex-procurador receberia pelas horas trabalhadas para os delatores quando ainda estava no Ministério Público. A colaboração, que implicou o presidente Michel Temer e gerou a mais grave crise política do governo, deu imunidade a sete executivos, entre eles Joesley. A Justiça Federal do Distrito Federal decidirá se eles se tomarão réus. As defesas dos acusados sustentam a inocência deles/

Em meio a disputa global, China vê Brasil como aliado estratégico. A crise brasileira e a guerra comercial com os EUA não abalaram planos de investimento de chineses no Brasil. A disputa pode até reforçar a entrada de recursos, que no ano passado somou US$ 10,6 bilhões. Para analistas, o país atrai por sua dimensão continental sem entraves políticos, de fronteira ou de supremacia/

Corregedoria de SP investiga venda de comida em prisões. O órgão apura possível fraude em licitações de compra de alimentos e equipamentos para presídios paulistas. A suspeita é que empresas e combinaram lances para influenciar pregões eletrônicos. O valor negociado nos leilões investigados passa de R$2 milhões/

Avança na Câmara uso mais amplo de agrotóxico. Comissão da Câmara aprovou relatório que derruba restrições à utilização dos produtos, incluindo os mais perigosos. O texto irá ao plenário/

Acordo inclui vítimas do desastre em Mariana. Samarco, Vale e BHP concordaram que os afetados pela tragédia ambiental participem das decisões sobre os programas de recuperação/

Painel: Defesa de Joesley quer que Fachin leve para o STF investigação sobre delação. Procuradoria denuncia Joesley e Miller sob acusação de corrupção passiva e ativa/

Após recurso de Lula ser arquivado, juristas assinam carta pela presunção da inocência/

Fator Temer isola MDB em articulações para o Planalto/

Bolsonaro diz que participará de todos os debates e levará propostas/

Bruno Boghossian: Doria não ameaça, mas aliados farejam poder longe de Alckmin. Em trama vazia para trocar candidato, políticos desgastados evidenciam atoleiro. Michel Temer (MDB), o presidente mais impopular em 30 anos, desdenha da candidatura de Geraldo Alckmin ao Planalto. Aécio Neves (PSDB), réu no STF, alimenta questionamentos sobre as chances do colega tucano. Rodrigo Maia (DEM), com 1% nas pesquisas, acha improvável uma vitória do ex-governador/

Editorial1: Causa contra o erário. Pleitos trabalhistas ameaçam os cofres de Serpro e Petrobras, empresas do Tesouro Nacional/

Editorial2: Pelo telefone. Aparelho está no fulcro do serviço TelessaúdeRS, para acelerar diagnósticos e tratamentos.

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico : Governo busca acerto de contas no setor elétrico. O governo está concluindo proposta para tentar resolver batalha jurídica entre as geradoras de energia hidrelétrica e a União. A disputa diz respeito ao chamado “risco hidrológico”, isto é, aos fatores que impedem as geradoras de entregar energia na quantidade prometida devido a eventos não controlados por elas/

Advogados veem chance de Petrobras vencer no STF. Juristas ouvidos pelo Valor acreditam que a Petrobras tem grande chance de conseguir rediscutir – e reverter – no Supremo Tribunal Federal a decisão do Tribunal Superior do Trabalho, da semana passada, que condenou a estatal a pagar aproximadamente R$ 17 bilhões a 51 mil empregados e ex-empregados/

Em reforma. A crise econômica, que atingiu duramente o crédito corporativo, reforçou o processo de mudanças no atendimento do Itaú BBA a grandes e médias companhias. A gestão passou a se basear mais em portfólios e ferramentas de análise de dados, afirma André Rodrigues/

Estatal tenta mudar plano de previdência. A Petrobras vai propor a migração voluntária dos participantes do atual plano de benefício definido da Petros, fundo de pensão dos funcionários da estatal, para a modalidade de contribuição definida, apurou o Valor/

MP cancela renegociação no Pronaf. Para evitar impacto no Orçamento da União, o governo editou ontem medida provisória que, na prática, cancela renegociação de dívidas contraídas por agricultores familiares com financiamento do Pronaf, incluída na Lei nº 13.606, que criou o ‘Refis do Funrural’/

TCU pode aprovar hoje troca de área em portos. O plenário do Tribunal de Contas da União poderá autorizar hoje mudanças de áreas dos terminais portuários. Prevista no polêmico Decreto dos Portos, a troca foi vetada pela área técnica do TCU, mas há chances de os ministros, em uma avaliação diferente, darem aval para a realocação dos terminais/

Acordo travado, apesar de oferta à UE. O Mercosul ofereceu à União Europeia (UE) uma cota para entrada de carros europeus com tarifa 50% menor que a atual, pelo período de sete anos, conforme o Valor apurou/

Infraestrutura Proposta tenta ‘fechar conta’ do setor elétrico. Uma das ideias em estudo é destinar às empresas de distribuição parte do fundo hoje usado para conter a tarifa final de energia/

Déficit dobra custo da energia desde 2012. Sozinho, BC não será capaz de conter o dólar. Autoridade monetária não tem poupado munição para segurar o avanço da cotação da moeda americana/

DEM oferece Presidência, vice ou Senado a Datena. Partido pretende anunciar a decisão de apresentador na quinta-feira/

Editorial: Nova lei de recuperação judicial empaca no Congresso. Receita passou à frente dos demais credores e tornou-se um dos principais beneficiários das mudanças.

Manchete e submanchetes do jornal Diário Comércio, Indústria e Serviços (DCI) : Investimentos diretos caem quase R$ 20 bi em 12 meses. Setor externo. Investimentos diretos no país (IDP) acumularam US$ 61,8 bilhões nos últimos 12 meses até maio. Este montante foi menor em relação aos R$ 80,5 bilhões registrados em igual período de 2017/

Combustíveis em debate. Medidas para reduzir custo dividem o setor. Medidas propostas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para ampliar a concorrência e reduzir os preços de combustíveis causam discordâncias no setor. Uma possibilidade é a venda direta de etanol aos postos pelos produtores/

Mercado financeiro recua mais e prevê 1,55% para o PIB neste ano. As previsões do mercado financeiro para o crescimento econômico deste ano se aproximaram de 1,5%, mostrou o relatório Focus divulgado ontem pelo Banco Central (BC)/

Dragagem impede uso de hidrovias para escoamento da produção. Com mais de 42 mil quilômetros de rios navegáveis, o Brasil aproveita muito mal o modal para escoamento de produtos. Segundo um levantamento da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), a falta de dragagem é o principal motivo para o baixo desenvolvimento do modal/

E – c o m m e rc e paulista cresce 4,4% no 1º tri/

Comissão inclui Ibama e Anvisa em novos registros. Em reunião tumultuada com ofensas entre parlamentares, a comissão especial da Câmara que analisa mudanças na lei sobre agrotóxicos acatou, ontem, pedido da indústria química e reincluiu Ibama e Anvisa no registro de produtos/

Editorial: Bancos centrais tentam equilíbrio. Com a economia global dando sinais de aquecimento contínuo, embora moderado, terá chegado a hora de os bancos centrais ficarem mais prudentes para evitar os riscos inflacionários? O Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês) divulgou no final de semana seu relatório anual e chegou à conclusão de que a maior parte das economias desenvolvidas e emergentes está hoje mais protegida de crises do que na década de 90 e que uma atuação mais equilibrada das autoridades monetárias é necessária.

Deixe uma resposta

Fechar Menu