Reação de Maia a críticas de Guedes é o tema que predomina nas manchetes

📰 Birô de Imprensa – Ano 2 – Número 217 – A 199 dias do fim do ano de 2019, hoje é sábado, 15 de junho de 2019, 166º dia do ano.

🖋Edição: Sérgio Botêlho

📃 Manchetes do dia:

“Guedes critica, Maia reage: ‘Governo é usina de crises’. Exclusão do regime de capitalização irrita o ministro da Economia”. Manchete de capa do O Globo.

“Guedes ataca texto de relator; governo fabrica crises, diz Maia. ‘Abortaram a Nova Previdência’, disse ministro; ‘Se dependesse do governo, teríamos 50 votos’, rebateu deputado”. Manchete de capa do Estadão.

“Guedes critica relatório, e Maia cita ‘usina de crises’. Ministro reclama de alterações feitas pelos deputados em texto da Previdência”. Manchete de capa da Folha.

📃 Editoriais do dia:

“Desinformação e má-fé. Ensino superior público é caro, mas isso não permite que as universidades públicas sejam acusadas de improdutivas.” Editorial do Estadão.

“Economia ladeira abaixo. …a equipe econômica terá de se mostrar mais preocupada com o desemprego e a estagnação. Quanto ao presidente Bolsonaro, parece, como sempre, bem pouco interessado nesse tipo de assunto.” Editorial do Estadão.

“A formalização do apoio dos EUA ao ingresso do Brasil na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) dá tração à candidatura do País. Com a eventual entrada, cruzaremos muitas pontes no mercado internacional. Mas antes é preciso construí-las.” Editorial do Estadão.

“Hackers e a ameaça ao estado de direito. Há um submundo digital que consegue se manter anônimo ao invadir privacidades”. Editorial do O Globo.

“Vivendo em perigo. Demissão de general e ataque de Paulo Guedes mostram gosto por acirrar tensões”. Editorial da Folha.

“Fraqueza global. Já não se pode descartar um cenário de piora mais aguda na economia”. Editorial da Folha.

“Criminalização da homofobia ganha relevância no cenário atual. Estima-se que, a cada dois dias, uma pessoa da população LGBTI é assassinada no Brasil”. Editorial do O Globo.

📃 Outros destaques de capa:

“Bastidores. Aviso por telefone. Ao saber das críticas, Maia ligou para Guedes, informa José Fucs: “Vou ter de defender o Congresso”. “Então defenda”, respondeu o ministro.” Na capa do Estadão.

“‘Fui até o limite do possível’. Relator diz que foi ao limite para construir maioria e que abriu mão no texto de pontos que defendia, como a capitalização”. Na capa do Estadão.

“Greve contra reforma tem efeito limitado. Protesto. Paralisação contra reforma da Previdência teve atos em todo o País, mas, para analistas, não deve ter impacto na votação da proposta; na capital paulista, 53 escolas particulares foram afetadas. Em todo o Estado, 23 pessoas foram detidas pela Polícia”. Na capa do Estadão.

“Violência marca dia de paralisação nas principais capitais”. Na capa da Folha.

“Greve afeta transportes e escolas públicas; Rio registra confrontos. Manifestantes protestam contra a reforma da Previdência e cortes na Educação, além de fazer críticas ao governo. Rio e São Paulo registram confrontos no fim do dia, com 17 pessoas detidas. Já em Porto Alegre, houve 51 prisões”. Na capa do O Globo.

“Clóvis Rossi, decano da redação da Folha, morre aos 76 anos em São Paulo”. Na capa da Folha.

“Clóvis Rossi. 1943 – 2019. Jornalista respeitado internacionalmente, Clóvis Rossi passou por diversos veículos de comunicação do País. Ele foi editor-chefe do Estado e, desde 1980, trabalhava no jornal Folha de S. Paulo.”. Na capa do Estadão.

“Obituário. Clóvis Rossi, um repórter sem fronteiras, aos 76. Veterano do jornalismo internacional cobriu golpes e eleições; seu texto era uma garantia de clareza”. Na capa do O Globo.

“André Midani. 1932 – 2019. Midani. Com apetite por música, tornou-se amigo dos grandes. Nascido na Síria, Midani chegou ao Brasil em 1955. Como executivo e produtor musical, passou por diversas gravadoras e ajudou a moldar o mercado da música brasileira das últimas décadas. O produtor cultural André Midani morreu na noite de quintafeira, 13, no Rio de Janeiro, aos 86 anos.” Na capa do Estadão.

“André Midani, produtor da MPB, morre aos 86”. Na capa da Folha.

Obituário. André Midani, produtor cultural que moldou a indústria do disco, aos 86”. Na capa do O Globo.

“’Foi descuido’, afirma Moro sobre pistas no caso Lula”. Na capa da Folha.

“Moro orientou MPF a rebater defesa de Lula, diz site. Ministro afirma que mensagens podem ter sido adulteradas”. Na capa do O Globo.

“Moro fica no governo e na fila do STF, diz presidente. Jair Bolsonaro afirmou que é “zero” a possibilidade de demitir Sérgio Moro após o vazamento de supostas conversas com procuradores da Lava Jato. O presidente disse que mantém a promessa de indicá-lo para o STF.” Na capa do Estadão.

“Juiz sugeriu nota ao MPF, diz site. Segundo novos trechos de supostos diálogos divulgados pelo The Intercept, o juiz Sérgio Moro teria pedido a procuradores da Lava Jato que rebatessem ataques feitos pela defesa do ex-presidente Lula.” Na capa do Estadão.

“Bolsonaro demite terceiro general em uma semana. Executivo. Após afastar Santos Cruz (Secretaria de Governo) e Franklimberg de Freitas (Funai), presidente exonera Juarez Cunha, dos Correios, por criticar privatização da estatal”. Na capa do Estadão.

“Bolsonaro demitirá presidente ‘sindicalista’ dos Correios. Bolsonaro anuncia demissão nos Correios; 2º escalão já tem 17 baixas”. Na capa do O Globo.

“Presidente dos Correios é demitido em café da manhã”. Na capa da Folha.

“Pesquisadores consideram que Ciência no país piorou. O contingenciamento ministerial, o corte de bolsas de estudo, a fuga de cérebros, a polêmica do ‘marxismo cultural’: acadêmicos refletem sobre suas preocupações”. Na capa do O Globo.

“‘Jogador incompetente’. Secretário de Assuntos Fundiários faz críticas a Franklimberg de Freitas e afirma que cacique Raoni ‘é uma farsa’”. Na capa do Estadão.

“Magazine Luiza compra Netshoes por R$ 450 mi. Pressa. Sem dinheiro e com medo de o Cade demorar a aprovar o negócio, mais de 90% dos acionistas da varejista online optaram pela proposta da rede; para eles, não haveria tempo para avaliar nova oferta da Centauro, que chegou a quase R$ 500 milhões”. Na capa do Estadão.

“MP acaba com prazo de cadastro ambiental rural. Novo texto elimina prazo para proprietário fazer Cadastro Ambiental Rural (CAR)”. Na capa do Estadão.

“Juiz absolve Adélio, mas manda interná-lo. Considerado inimputável por doença, agressor de Bolsonaro permanecerá no presídio de Campo Grande por ‘prazo indeterminado’; presidente vai recorrer”. Na capa do Estadão.

“Inimputável, Adélio Bispo é absolvido, mas ficará preso”. Na capa da Folha.

“Absolvido, Adélio ficará internado. Autor de facada em Bolsonaro durante as eleições de 2018 sofre de transtorno delirante, segundo pareceres médicos, e não pode ser punido criminalmente, diz sentença; Presidente afirma que vai recorrer da decisão”. Na capa do O Globo.

“De branco, Brasil abre Copa América com vaias. Philippe Coutinho comemora o primeiro de seus dois gols na vitória por 3 X 0 sobre a Bolívia; seleção encontrou dificuldades e chegou a ser vaiada no Morumbi”. Texto-legenda na capa da Folha.

“Um novo Machado de Assis, de volta às origens. Às vésperas dos 180 anos de seu nascimento, o mais importante escritor brasileiro passa por um processo de revisão de imagem, tanto racial quanto social, que já faz diferença em sala de aula, dizem educadores.” Na capa do O Globo.

“Vidigal sofre com violência e Niemeyer interditada. Interdição da Niemeyer e volta dos tiroteios mudam a vida na comunidade”. Na capa do O Globo.

“Turcos se blindam em meio a pedidos de extradição”. Na capa da Folha.

“Trump diz que vídeo comprova ação do Irã, que nega ataque a navio. EUA alegam que vídeo aponta culpa do Irã em explosões em navios; Teerã nega”. Na capa do O Globo.

Colunas e artigos:

“Maia sobe o tom. A discussão pública do ministro da Economia, Paulo Guedes, com o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, a respeito da reforma da Previdência é mais um reflexo do protagonismo do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF) no atual momento político do país.” Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Um ministro contra o aborto. Lobby do funcionalismo garante privilégios e reduz economia da reforma da Previdência. Goste ou não o ministro, com ou sem concessões obscenas a corporações, o relatório apresentado por Moreira descarta sumariamente a capitalização dos sonhos de Guedes. Neste caso, também muito justo.” Na coluna de Julianna Sofia, na Folha.

“Os apuros do Super-Homem. A balança desregulada do ministro Sergio Moro”. Na coluna de Alvaro Costa e Silva, na Folha.

“Como coibir a ação delituosa de ‘heróis’? Tudo leva a crer que controles não estejam funcionando como deveriam”. Na coluna semanal de Fernando Haddad, na Folha.

“Ataque de Guedes queima pontes com Congresso e compromete planos pós-Previdência”. Na coluna Painel, da Folha.

“Não é sobre Lula ou Moro. A corrupção do sistema de Justiça não reprime a corrupção política”. Na coluna de Demétrio Magnoli, na Folha.

📃 Mais notícias:

“Moro distorce leis ao se explicar sobre conversa com Deltan, dizem especialistas”. Na Folha.

“Conversas sobre Odebrecht sugerem que Moro e Deltan ignoraram limites da lei”. Na Folha.

“Em entrevista a jornal, Moro nega conluio com Lava Jato e diz que não deixará governo”. Na Folha.

“Moro sugeriu a força-tarefa ação contra ‘showzinho’ da defesa de Lula, diz site”. Na Folha.

“Lula tem derrotas em série em pedidos de suspeição de juízes da Lava Jato”. Na Folha.

“Bolsonaro diz ‘não ver maldade’ nos diálogos de Moro com Deltan Dallagnol”. Na Folha.

“Bolsonaro diz que saída de Santos Cruz constrange, mas ‘separação foi amigável’”. Na Folha.

“Sem Santos Cruz, governo Bolsonaro deve mudar articulação política”. Na Folha.

“Eclético, repórter Clóvis Rossi se tornou analista da política brasileira e internacional”. Na Folha.

“Meu amigo Grandão andava muito triste com a doença sem cura do país”. Na Folha.

📊 Mercado: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a sexta-feira, 14, em queda de -0,74%, a 98.040 pontos. O dólar terminou o dia em alta de 1,14%, a R$ 3,90, e o euro também em alta de 0,53%, a R$ 4,37.

Destaque histórico:

“No dia 15 de junho de 1932, explode a Guerra do Chaco, entre Bolívia e Paraguai. A causa do conflito foi a descoberta de petróleo no sopé dos Andes. No final da guerra, em 1935, o Paraguai havia conquistado dois terços do território em disputa. Porém, o país pagou um alto custo econômico pela vitória, ficando muito endividado.” No portal Terra.

👍Positivo:

“Parlamento do Mercosul realiza seminário sobre Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”. Na Agência Câmara.

👎Negativo:

“Dólar tem maior alta em 1 mês com ajuste local; volatilidade dispara”. Na Agência Reuters.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu