Previdência, queimadas, STF, dólar e FGTS são destaques nas manchetes

📰 Birô de Imprensa – Ano 2 – Número 291- A 125 dias do fim do ano de 2019, hoje é quarta-feira, 28 de agosto de 2019, 240º dia do ano.

*Sinopse da grande mídia impressa*:

🖋 Edição: _Sérgio Botêlho_

📃 *Manchetes do dia*:

“Tasso muda pontos da reforma, e economia deve chegar a R$ 993 bi. Alterações entram em PEC paralela. Texto deve ser votado em 10 de outubro”. Manchete de capa do O Globo.

“Bolsonaro foca terras indígenas em reunião sobre queimadas. Governadores da Amazônia Legal querem que a União aceite ajuda do G7, mas presidente exige desculpas de Macron”. Manchete da edição nacional da Folha.

“Pela primeira vez Supremo anula sentença de Moro na Lava Jato. Corte invalida condenação de ex-presidente da Petrobras; para força-tarefa, decisão pode afetar maioria dos processos”. Manchete de capa da edição paulista da Folha.

“BC quebra tabu e reduz reserva para sustentar real. Preocupado com a desvalorização do real em relação ao dólar, a terceira moeda que mais perdeu valor neste ano quando comparada à de outros mercados emergentes, o Banco Central usou as reservas do país para conter a variação do câmbio”. Manchete de capa do Valor Econômico.

“Governo quer acabar com multa extra de 10% do FGTS. Cobrança rescisória adicional é paga pelas empresas e soma R$ 5,4 bi por ano; medida pode aliviar Orçamento”. Manchete de capa do Estadão.

📃 *Editoriais do dia*:

“Recriação da CPMF merece um debate profundo. Congresso deve discutir não só a conveniência política da medida, mas eventuais compensações”. Editorial do O Globo.

“Esquerda se divide na aprovação do acordo com EUA para Alcântara. PCdoB, PSB e PDT votam com governo para viabilizar pacto que se arrasta há décadas e isolam o PT”. Editorial do O Globo.

“Desespero com as contas. O governo federal batalha para fechar o ano sem aumentar o buraco de suas contas. A ideia é catar dinheiro onde for possível, mas está difícil”. Editorial do Estadão.

“A distribuição da renda do trabalho. Em 2017 os 10% mais bem pagos entre os trabalhadores receberam 48,9% de toda a renda do trabalho, enquanto os 10% mais pobres receberam apenas 0,1%”. Editorial do Estadão.

“A degradação da Presidência. Faria bem ao presidente Jair Bolsonaro aprender a ter modos no exercício do cargo”. Editorial do Estadão.

“A razão calcinada. Em vez de conter, Bolsonaro alimenta espetáculo de desinformação sobre Amazônia”. Editorial da Folha.

“Calote federativo. Aval federal a atrasos no pagamento de precatórios estimula desajuste fiscal”. Editorial da Folha.

“Guinadas de Trump sobre a China atormentam investidores. Confiando em seus instintos de negociador, Trump tornou-se delirantemente errático”. Editorial do Valor Econômico.

📃 *Outros destaques*:

“Supremo anula pena da Lava Jato a Bendine. Segunda Turma da Corte vê cerceamento de defesa e derruba condenação de Bendine”. Na capa do Estadão.

“STF anula uma condenação de Moro pela primeira vez. Na primeira sentença do ex-juiz revista pelo Supremo na Lava-Jato, ministros da Segunda Turma acolhem argumento do ex-presidente da Petrobras sobre prazo para defesa; para força-tarefa, decisão pode afetar todas as sentenças na operação”. Na capa do O Globo.

“Áreas de pasto avançam na Reserva Chico Mendes. Unidade é a que tem o maior número de focos de incêndio no Acre”. Na capa do O Globo.

“Decreto deve proibir as queimadas. Diante da crise com os incêndios na Amazônia, o governo pretende baixar decreto para proibir o uso do fogo em todo o território nacional durante o período seco neste ano”. Na capa do Valor Econômico.

“Procuradoria pede à PF proteção para os índios Xikrins”. Na capa da Folha.

“’Discussão com Macron não agrega nada’, diz governador do Pará”. Na capa da Folha.

“Chomsky defende união da esquerda em torno da crise na Amazônia”. Na capa da Folha.

“Para Bolsonaro, terras indígenas impedem progresso. ‘O índio não faz lobby, não fala a nossa língua e consegue hoje em dia ter 14% do território nacional’, sustenta o presidente. Governadores da Amazônia Legal se dividiram sobre benefícios de demarcações”. Na capa do O Globo.

“Presidente critica demarcações. Ambiente. Em reunião com governadores da Região Amazônica, ele indagou quanto do território de cada Estado está ‘inviabilizado’ por terras protegidas e criticou políticas de outros governos: ‘Se eu demarcar, pode ter certeza de que o fogo acaba em cinco meses”. Na capa do Estadão.

“Conservadores ligados à Igreja atacam Sínodo. Abaixo-assinado com 20 mil assinaturas repete argumento do governo ao falar em ‘inaceitável’ atentado à ‘soberania’”. Na capa do Estadão.

“Bolsonaro e Moro falam em ‘rede de intrigas’. Presidente e ministro têm reunião fora das agendas; titular da Justiça quebra silêncio, fala em ‘reveses’ e diz que governo está comprometido com o combate à corrupção”. Na capa do Estadão.

“Cai a R$ 30 bilhões o investimento público em 2020”. Na capa da Folha.

“Dólar, Bolsa e risco voltam a patamar pré-Previdência”. Na capa da Folha.

“BC faz leilão de surpresa e segura dólar em R$ 4,157. Autarquia promove leilão no mercado à vista, vendendo reservas, o que não ocorria desde 2009. Moeda americana sobe 0,5%, a R$ 4,15. Salto ocorre após Campos Neto afirmar que desvalorização do real estava ‘dentro do padrão’”. Na capa do O Globo.

“BC intervém para conter alta do dólar. Após o dólar chegar a superar R$ 4,19 ontem, alguns analistas começaram a perguntar se o Banco Central seguirá reduzindo a taxa Selic ou se na próxima reunião do Copom, marcada para os dias 17 e 18 de setembro, o corte de juros poderá ficar aquém do esperado pelo mercado, de 0,50 ponto porcentual.” Na capa do Estadão.

“Tasso faz alterações na reforma da Previdência. Relator da reforma da Previdência no Senado Federal, Tasso Jereissati (PSDB-CE) propôs uma série de alterações à proposta aprovada pela Câmara dos Deputados, tanto em relação às receitas quanto às despesas”. Na capa do Valor Econômico.

“Com mudanças, relator da Previdência prevê economia de 1 tri”. Na capa da Folha.

“Relator da reforma no Senado muda texto; economia pode cair. Apesar de retirar alterações em regras de benefícios que diminuem economia da Previdência, Jereissati propõe medidas para aumentar receita”. Na capa do Estadão.

“Economia mundial rumo à ‘japonização”. Investidores temem que a economia mundial esteja sucumbindo a um fenômeno apelidado de “japonização”. O termo descreve os quase 30 anos de luta do país contra a deflação e o crescimento anêmico”. Na capa do Valor Econômico.

“França pode tentar bloquear acordo até 2022. É com esse cenário que trabalham diferentes fontes na Europa que conhecem Macron, negociações comerciais, o tamanho da irritação francesa com Bolsonaro e a dimensão da “onda verde” na cena política europeia”. No Valor Econômico.

“Militares deviam ter se desculpado, afirma Genoíno”. Na capa da Folha.

“Em 10 anos, acidente de moto causa invalidez em 2,5 milhões”. Na capa da Folha.

“Gastos com diárias de viagens disparam na PM do Rio. Em cinco meses, PMs já fizeram 126 viagens para outros estados e o exterior”. Na capa do O Globo.

“Bruno Covas demite grupo que reprovou contas do Teatro Municipal”. Na capa da Folha.

“PSL lança Joice Hasselmann para Prefeitura. Líder do governo no Congresso foi citada como pré-candidata da sigla à Prefeitura; partido do presidente já tem nomes no Rio e em Curitiba”. Na capa do Estadão.

“Proposta de juiz sem rosto para julgar facções avança na Câmara”. Na capa da Folha.

“Antes do visto obrigatório, a fuga de venezuelanos para o Equador. Mais de 13 mil deixaram a Colômbia rumo ao país vizinho só no último fim de semana, antes que medida entrasse em vigor”. Na capa do O Globo.

“CNPq pode suspender pagamento de 80 mil bolsas em setembro”. Na capa do O Globo.

“Mudança na rodoviária. “Uber de ônibus” e o fim das passagens de papel chegam para facilitar a vida dos viajantes.” Na capa do Estadão.

📃 *Colunas e artigos*:

“Bolsonaro usa fogo como cavalo de troia para pauta antiambiental. Presidente explora Amazônia em campanha contra áreas protegidas e terras indígenas”. Na coluna de Bruno Boghossian, na Folha.

“Eleito para bater boca. O ‘kkkkk’ de Bolsonaro é perfeitamente aplicável a quem quer transformar o país num galinheiro”. Na coluna de Ruy Castro, na Folha.

“Reforma tributária. Regimes tributários, mesmo os mais virtuosos no momento da instalação, sofrem a natural evolução da sociedade”. Na coluna de Antônio Delfim Neto, na Folha.

“Anulação de sentença de Moro no STF surpreende até ministros que defendem freio na Lava Jato”. Na coluna Painel, da Folha.

“Decisão pró-Bendine é controversa. Até a defesa do ex-presidente Lula já anunciou que fará uma revisão dos processos para ver se pode se beneficiar”. Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Até chineses evitam risco ambiental. Importador chinês quer produtos com sustentabilidade. Retórica contra o meio ambiente e de crítica às terras indígenas pode ter impacto no agro”. Na coluna de Miriam Leitão, no O Globo.

“Bolsonaro não está sozinho. A Amazônia continua em chamas, mas Jair Bolsonaro conseguiu mostrar que não está sozinho. Na reunião de ontem, a maioria dos governadores da região deixou claro que também está se lixando para a floresta.” Na coluna de Bernardo Mello Franco, no O Globo.

“Falta liderança para agregar. A quantidade de incêndios na Amazônia entre os meses de janeiro e agosto cresceu mais de 80% em 2019, quando comparada com 2018. Houve anos piores, mas ainda estamos no início da estação do fogo, e os próximos meses são de alto risco.” Artigo de Tasso Azevedo, no O Globo.

“De [email protected] para Bolsonaro. Repito-lhe o conselho que o presidente Médici deu aos oficiais que queriam me depor quando tirei o general Sylvio Frota do Ministério do Exército: “Põe água na cabeça. Põe água para esfriar a cabeça.” Cordialmente, Ernesto Geisel.” Na coluna de Elio Gaspari, no O Globo.

“Discutindo a relação. Desde a Guerra da Lagosta, em 1962, quando atribuíram ao general De Gaulle a frase “o Brasil não é um país sério”, que ele não pronunciou, as relações entre seus presidentes não estiveram tão desgastadas. As queimadas na Amazônia chamuscaram Macron e Bolsonaro.” Na coluna de Zuenir Ventura, no O Globo.

“O planeta é uma enorme máquina de reciclagem. Sobras de um ser vivo são alimento de outros, nada entra, nada sai.” Na coluna de Fernando Reinach, no Estadão.

“Ao focar a exploração de terras indígenas, Bolsonaro deixa certo que pauta pessoal está acima das questões de Estado.” Na coluna de Vera Magalhães, no Estadão.

“Planalto quer melhorar imagem no exterior. Por entender que as embaixadas do Brasil permanecem “aparelhadas” pelos governos anteriores, o Planalto puxou para si a missão de melhorar a imagem de Jair Bolsonaro no exterior.” Na Coluna do Estadão, no Estadão.

📊 *Mercado*: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a terça-feira, 27, em alta de 0,88%, a 97.276 pontos. O dólar terminou o dia em alta de 0,51%, a R$4,16 . O euro fechou em alta de 0,31%, a R$4,60.

⏳ *Destaque histórico*:

“Em 28 de agosto de 1992, o processo de impeachment de Fernando Collor é aprovado pela Câmara dos Deputados. O primeiro governo eleito por voto direto desde 1960 durou de 15 de março de 1990 a 2 de outubro de 1992. O processo ocorreu após acusações de corrupção e da mobilização da sociedade.” No portal Terra.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu