Café da manhã reunindo instituições, inimputabilidade de Adélio e morte de cantor popular são outros destaques da grande mídia

Afora as manchetes, outros três fatos são destaques do noticiário da grande mídia impressa: café da manhã, promovido pelo governo, reunindo Bolsonaro, Maia, Alcolumbre e Toffoli; conclusão da Justiça de que Adélio é inimputável e cumprirá possível pena em manicômio judiciário; enfim, o desastre que matou cantor popular.

“Bolsonaro recebe Maia, Alcolumbre e Toffoli após atos. Alvo de protestos no domingo, presidente da Câmara será recebido com Davi Alcoloumbre e Dias Toffoli. De acordo com líderes partidários, os atos não devem influenciar a pauta do Congresso.” Na capa do O Globo.

“Bolsonaro tenta aproximação com Maia e STF. Alertado de que as manifestações de domingo causaram mal-estar com Legislativo e Judiciário, Jair Bolsonaro convidou o deputado Rodrigo Maia, o senador Davi Alcolumbre e o ministro Dias Toffoli (STF) para um café da manhã. A ideia é propor um ‘pacto pelo Brasil’”. Na capa do Estadão.

“Presidente promove encontro para propor pacto de Poderes. Depois de estimular os atos no domingo (26) e de classificá-los como históricos, Jair Bolsonaro (PSL) convidou os presidentes de Câmara, Senado e STF para um café da manhã no Palácio da Alvorada. Quer viabilizar um pacto entre os Poderes.” Na capa da Folha.

“Justiça conclui que Adélio é inimputável. Laudos médicos e de peritos apontam ‘delírio persistente’ em esfaqueador de Bolsonaro; em caso de condenação em ação penal, agressor terá de cumprir pena em um manicômio judiciário”. Na capa do O Globo.

“Homem que esfaqueou Bolsonaro é inimputável”. Na capa do Estadão.

“Juiz considera autor de facada inimputável. Ao fim de processo, pena deverá ser substituída por medida de internação em manicômio judiciário”. No Valor Econômico.

“Gabriel Diniz, do hit ‘Jenifer’, morre em acidente aéreol. Cantor de 28 anos morreu em um acidente aéreo em região de manguezal de Porto do Mato, na divisa entre Sergipe e Bahia. Gabriel Diniz estava em um monomotor que saiu de Salvador com destino ajo-ão Pessoa. A aeronave não tinha autorização para fazer táxi aéreo.” Na capa da Folha.

“Morre cantor Gabriel Diniz. Autor de Jenifer estava em avião que caiu”. Na capa do Estadão.

“Avião que levava Gabriel Diniz não poderia voar como táxi-aéreo. Morto ontem aos 28 anos em acidente em Sergipe, cantor criado na Paraíba vinha consolidando sua carreira desde a adolescência e aproveitava a popularidade de ‘Jenifer’, maior sucesso do último verão”. Na capa do O Globo.

 

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu