Indicação do novo procurador geral e fuga de investidores são destaques das manchetes

_Sinopse da grande mídia impressa_:

Indicação do futuro chefe do Ministério Público Federal, por Bolsonaro, é o tema que se destaca nas manchetes dos jornais. Abordagens levantam pontos críticos da decisão como o desprezo à lista tríplice, gerando descontentamento entre os procuradores, alinhamento do indicado com o governo, e as posições divergentes do novo procurador com relação à Lava Jato.

Já o Valor Econômico veicula, em manchete, matéria que questiona a retórica agressiva do governo com relação a temas sensíveis, como o meio ambiente, e os reflexos negativos dessas posições que, juntamente com o PIB ‘travado’ afastam os investidores estrangeiros.

🖋 Edição: _Sérgio Botêlho_

📃 *Manchetes do dia*:

“Bolsonaro despreza lista e indica Augusto Aras à PGR. Procuradores criticam decisão de ignorar os 3 nomes preferidos pela categoria”. Manchete de capa da Folha.

“Aras na PGR contraria Moro, MPF e apoiadores de Bolsonaro. Presidente ignora lista tríplice para indicar Augusto Aras, crítico dos ‘métodos personalistas’ da Lava Jato”. Manchete de capa do Estadão.

“Sucessão no Ministério Público. Bolsonaro escolhe nome fora da listra tríplice para PGR. Augusto Aras se alinhou a posições do governo nos últimos meses para conquistar a indicação”. Manchete de capa do O Globo.

“Retórica agressiva e PIB travado afastam investidor. O baixo crescimento da economia brasileira e a retórica contundente do governo em temas sensíveis, como o ambiente, podem afastar investidores estrangeiros que antes planejavam entrar em projetos de infraestrutura, concessões ou privatizações, opinam especialistas”.

📃 *Editoriais do dia*:

“Moro resiste. Apesar de desgaste, ministro mantém aprovação e o nome no tabuleiro político”. Editorial da Folha.

“Reino partido. Parlamento britânico impõe derrotas a Boris Johnson nas tratativas do brexit”. Editorial da Folha.

“Longe do desfecho, Brexit estimula o caos político. Um Brexit sem acordo não é o final da história, mas o começo. Todas as relações terão de ser definidas de um jeito ou de outro e não há dúvida de que a parte mais fraca é o Reino Unido”. Editorial do Valor Econômico.

“Novo acerto em novo recuo. Ao recuar da intenção de mexer no teto de gastos, Jair Bolsonaro repetiu um quase ritual. Mudar de ideia é elogiável, mas mais prudente é pensar antes de falar”. Editorial do Estadão.

“Luta pela liberdade. Será muito difícil conter o desejo latente da população de Hong Kong por liberdade e democracia”. Editorial do Estadão.

“A política e as redes sociais. Desafio da democracia é fazer com que essa incrível reunião de vozes seja de fato diálogo”. Editorial do Estadão.

“Mudar teto de gastos é retrocesso, com alto risco. Resultado político seria jogar pela janela todo o esforço de ajuste fiscal realizado nos últimos anos”. Editorial do O Globo.

“Cidade precisa de um plano para reduzir impacto das chuvas. Rio voltou a sofrer transtornos, embora índices pluviométricos tenham sido moderados”. Editorial do O Globo.

📃 *Outros destaques*:

“Destravar obras, a missão de Aras. Augusto Aras, indicado ontem pelo presidente Jair Bolsonaro para o comando da Procuradoria-Geral da República (PGR), pretende deixar uma marca em sua gestão: o destravamento burocrático de grandes projetos de infraestrutura”. Na capa do Valor Econômico.

“Presidente veta 36 pontos da lei de abuso de autoridade. Ao prever reação negativa de seus seguidores, presidente disse que, se quisesse ‘fazer média’ com o Congresso, teria sancionado tudo”. Na capa do O Globo.

“Presidente veta 19 dos 44 pontos da Lei de Abuso. Extensão das restrições ao projeto aprovado na Câmara é criticada por parlamentares, que articulam derrubada de parte dos pontos”. Na capa do Estadão.

“Guedes zomba de Brigitte Macron: ‘É feia mesmo’. Declaração foi feita em evento com empresários. Mais tarde, ministério divulgou nota com pedido de desculpas, ressaltando não ter havido qualquer intenção de ofensa. Especialistas criticam ‘ruído’ e consideram comentário inadequado”. Na capa do O Globo.

“’Ela é feia mesmo’, diz Guedes sobre mulher do presidente francês”. Na capa da Folha.

“MP: Queiroz agiu para blindar Flávio. Fabrício Queiroz demitiu ex-mulher de miliciano do gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro na Alerj para evitar vinculação do criminoso com o então deputado estadual, apontam conversas obtidas pelo MP do Rio”. Na capa do O Globo.

“Planalto recua sobre o fim do teto de gastos. Bolsonaro volta atrás, e governo estuda cortar despesas obrigatórias”. Na capa do O Globo.

“Planalto desiste de mexer na lei do teto. Em conversa com o presidente, o ministro Paulo Guedes acertou que negociará com o Congresso uma forma de destravar mecanismos previstos na regra do teto de gastos, como a suspensão de reajuste a servidores, para reduzir despesas obrigatórias”. Na capa do Estadão.

“Medidas de exceção para conter gastos. Permitir que o governo, por um prazo de dois anos, possa reajustar o salário mínimo, os benefícios previdenciários, assistenciais e os salários dos servidores em percentual abaixo da inflação é uma das medidas de ajuste fiscal que estão sendo discutidas pelo grupo informal de especialistas da Câmara”. Na capa do Valor Econômico.

“Guedes estuda medidas para combater o desemprego”. Na capa da Folha.

“Saque do FGTS pode afetar investimentos. As novas regras de saque do FGTS propostas pelo governo devem dar um impulso de curto prazo à atividade econômica, mas podem comprometer a capacidade de investimento do fundo, fonte de recursos para projetos de habitação, infraestrutura e saneamento”. Na capa do Valor Econômico.

“MP deve ativar os títulos do agronegócio. O mercado de títulos de dívida do agronegócio, como os certificados de recebíveis (CRA), deve ganhar novo impulso neste ano com a “MP do Agro””. Na capa do Valor Econômico.

“Combate ao fogo na Amazônia terá R$ 1 bilhão da Lava-Jato. Governo e PGR decidem destinar R$ 1 bi da Lava-Jato para Amazônia”. Na capa do O Globo.

“Multa da corrupção na Petrobrás vai combater queimada. PGR, Câmara e Planalto fecharam acordo para destinar recursos de multas; Raquel Dodge diz que verba ajudará a prevenir queimadas”. Na capa do Estadão.

“Governo trava 38% do orçamento do INPE para monitorar queimadas”. Na capa da Folha.

“Vale ‘duela’ em Londres por US$ 1,2 bi. A BSGR, do magnata israelense Beny Steinmetz, e a Vale enfrentam-se em tribunal de Londres por causa de indenização de US$ 1,25 bilhão. A BSGR foi condenada a pagar esse valor em abril por uma corte de arbitragem que a considerou culpada de falsidade ideológica, em um processo que envolveu propinas”. Na capa do Valor Econômico.

“Ouro, um negócio que mistura o legal e o ilegal. Considerado um investimento seguro e de grande liquidez, o ouro negociado como ativo financeiro no Brasil tem sua origem questionada por integrantes da Polícia Federal, do Ministério Público, do Banco Central e da Agência Nacional de Mineração (ANM)”. Na capa do Valor Econômico.

“Rio. Metrô fecha buracos onde enterrou R$ 1 bi. Estado decide aterrar o buraco da estação da Gávea do metrô, hoje inundado”. Na capa do O Globo.

“Crivella manda recolher livro em quadrinhos. Obra em quadrinhos mostra relacionamento entre dois personagens jovens; em vídeo, Crivella diz que medida foi tomada para proteger as crianças da cidade. Organizadores afirmam que evento dá voz a todos os públicos”. Na capa do O Globo.

“Apreendido menor suspeito de matar chinês”. Na capa do O Globo.

“Mortes de adolescentes não acompanham queda de homicídios em São Paulo.” Na capa da Folha.

“Barra mais isolada. Estrada no Parque da Tijuca desaba”. Na capa do O Globo.

“São Paulo. Motoristas paralisam terminais de ônibus e prometem greve geral hoje. Rodízio será suspenso e metrô deverá ter operação reforçada; Justiça do Trabalho determina 70% da frota em circulação nos horários de pico”. Na capa do Estadão.

“Prédios superam casas em área construída em São Paulo”. Na capa da Folha.

“Separados pelo brexit. Irmão de Boris Johnson deixa Ministério da Educação”. Na capa do O Globo.

“Brasil e Argentina terão livre-comércio de veículos em 2029. Detalhes da negociação estão sendo fechados, mas fontes informaram que os termos preveem aumento imediato da cota exportada sem tarifa pelos brasileiros; os dois países queriam o pacto fechado antes de o acordo UE-Mercosul entrar em vigor”. Na capa do Estadão.

📃 *Colunas e artigos*:

“Aparelhamento na Procuradoria. Augusto Aras fez de tudo para agradar Jair Bolsonaro. Nos últimos meses, o subprocurador repetiu o discurso do presidente contra os direitos humanos, o ambientalismo e o fantasma da “ideologia de gênero”. Foi premiado coma indicação para comandara Procuradoria-Geral da República.” Na coluna de Bernardo Mello Franco, no O Globo.

“Movimento de Dodge definiu escolha na PGR. O presidente não gostou das nomeações antecipadas por ela para preencher cargos de chefia em procuradorias regionais que só serão ocupados a partir do mês que vem. Aras já sinalizou a seus aliados que pode rever as nomeações feitas por Dodge.” Na Coluna do Estadão, no Estadão.

“Bolsonaro escolheu procurador que se curvou à sua agenda. Aras deu sinais de submissão ao presidente; lava-jatistas temem blindagem à família”. Na coluna de Bruno Boghossian, na Folha.

“Criticada no MPF, indicação de Aras agrada Congresso e Judiciário; subprocurador traça romaria no Senado”. Na coluna Painel, da Folha.

“As guerras de Bolsonaro geram perplexidade no presente e dúvidas quanto ao futuro do País. Aonde isso vai nos levar?” Na coluna de Eliane Catanhêde, no Estadão.

“Valeu a pena eleger Bolsonaro? Não é mau governo nem desgoverno: é antigoverno”. Na coluna de Bruno Bimbi, na Folha.

“Isso passa. Trump e Bolsonaro são fenômenos novos, mas suas sociedades podem torná-los passageiros”. Artigo de Fernando Gabeira, no Estadão.

“Entre Moro e Bolsonaro, escolho a Constituição. Sob o pretexto de caçar corruptos contingentes, escolheu-se a corrupção permanente”. Na coluna de Reinaldo Azevedo, na Folha.

“Não há saída fácil para o problema dos juros negativos no mercado internacional. E não há ideia clara sobre o que fazer.” Na coluna de Celso Ming, no Estadão.

“A Amazônia não é só nossa… Em suma: nossa Amazônia é nossa, mas não é só nossa! Seremos cúmplices de um crime anunciado pela ciência e denunciado pela ONU”. Artigo de Flávio Tavares, jornalista e escritor, no Estadão.

“Se o teto cair, será licença para gastar. Idas e vindas sobre o teto de gastos mostram que Bolsonaro não tem convicção alguma sobre a questão-chave que divide hoje o seu governo”. Na coluna de Miriam Leitão.

“Receita melhora e asfixia de gastos deve diminuir um pouco, diz governo. Para economistas do governo, crise do teto passou e arrecadação começa a melhorar”. Na coluna de Vinícius Torres Freire, na Folha.

“Perdemos todos. Há melancolia em enxergar na comunidade que se defende e sobrevive no precário, entre alimentos doados, verduras cultivadas, água escassa, remédios vencidos, o destino de um país. “Bacurau” escancara o Brasil da indiferença, da brutalidade, do oportunismo, da injustiça.” Na coluna de Flávia Oliveira, no O Globo.

“Para vencer a crise de aprendizagem no Brasil. Melhores sistemas educacionais do mundo já definiram seus currículos”. Na coluna de Cláudia Costin, na Folha.

“Escolas cívico-militares: erro, viés ou o quê? Não há evidências do impacto da militarização no ensino público”. Na coluna de Priscila Cruz, na Folha.

“Presidente pensou no país ao decidir vetos. Lei de abuso ficará mais equilibrada que a apresentada, mas governo terá que negociar muito para preservar seus vetos”. Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Riscos de uma aposta crucial. É preciso dar condições para que agências reguladoras zelem pelo cumprimento dos contratos de concessão”. Na coluna de Rogério Furquim Werneck, no O Globo.

“As dores do atraso. Sairia muito mais barato bancar uma família real do que uma república imperial à brasileira.” Na coluna de Nelson Motta, no O Globo.

📊 *Mercado*: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a quinta-feira, 05, em alta de 1,04%, a 102.252 pontos. O dólar terminou o dia em alta de 0,12%, a R$4,11. O euro fechou em queda de -0,09%, a R$4,52.

⏳ *Destaque histórico*:

Em 06 de setembro de 1997, ocorre em Londres o funeral de Diana, Princesa de Gales. Bem mais de um milhão de pessoas se alinharam nas ruas e 2 ½ bilhões assistiram ao redor do mundo na televisão.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu