Orçamento, Defesa, Economia, NAV, Caixa, censura são os motes das manchetes

🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞

📰 Birô de Imprensa – Ano 2 – Número 329- A 87 dias do fim do ano de 2019, hoje é sábado, 05 de outubro de 2019, 278º dia do ano.

*Sinopse da grande mídia impressa*: Em manchete, O Globo reproduz opinião de analistas sobre rigidez das despesas no Orçamento 2020. No Estadão, a manchete expõe o conflito entre o Ministério da Economia e o Ministério da Defesa (o primeiro, contra, e o segundo, a favor), sobre a criação da nova estatal NAV Brasil-Serviços de Navegação Aérea. Folha revela que a Caixa Econômica criou sistema de censura prévia a projetos culturais.

🖋 Edição: _Sérgio Botêlho_

📃 *Manchetes do dia*:

“Orçamento de 2020 tem quase R$ 1 trilhão em gastos indexados. Analistas alertam para rigidez das despesas, o que dificulta ajuste das contas e limite investimentos”. Manchete de capa do O Globo.

“Estatal aprovada no Congresso opõe Defesa à Economia. Militares apoiam criação da NAV, para atuar no setor aéreo; MP vai a sanção de Bolsonaro”. Manchete de capa do Estadão.

“Caixa cria sistema de censura prévia a projetos culturais. Relatórios de seleção devem informar posicionamento político e conduta de artistas em redes sociais”. Manchete de capa da Folha.

📃 *Editoriais do dia*:

“Receita cassa voz de contribuinte em comitê. Apenas representantes da Fazenda darão a palavra final sobre conflitos tributários”. Editorial do O Globo.

“Equador testa a opção por uma política econômica mais liberal. Lenín Moreno enfrenta distúrbios ao promover guinada nas relações com os servidores e o setor privado”. Editorial do O Globo.

“A delação no STF. Seja qual for a decisão do STF a respeito dos efeitos do cerceamento de defesa dos réus delatados, é mais que hora de o Congresso rever e aprimorar a legislação sobre delação premiada”. Editorial do Estadão.

“Anistia generosa. Mais uma vez os templos religiosos, por pressão do numeroso grupo de vereadores evangélicos, estão entre os anistiados entre imóveis em situação irregular”. Editorial do Estadão.

“O PIB requer mais estímulo. Brasil aplica pouco em investimentos produtivos e nem esse pouco foi mantido em agosto, segundo o Ipea”. Editorial do Estadão.

“Esperando Guedes. Com diretrizes corretas e boa equipe, titular da Economia tarda em decisões”. Editorial da Folha.

“Sonhos de cidade. São Paulo mira zeladoria, quando deveria buscar transformações mais arrojadas”. Editorial da Folha.

📃 *Outros destaques*:

“MEC estuda punição por nota baixa no Enade. Hoje, exame criado para avaliar cursos não traz vantagens nem desvantagens para quem faz; presidente do Inep adianta que ideia é incluir, no próximo edital, uma regra que permita a divulgação da faixa de nota do estudante que participou”. Na capa do Estadão.

“Famílias gastam mais com dívidas e impostos. Pesquisa do IBGE sobre orçamento familiar 2017-2018 mostra que gastos chegaram a 11,7% ante 10,7% do levantamento anterior”. Na capa do Estadão.

“Famílias empobrecem em 9 anos, aponta IBGE”. Na capa da Folha.

“Odebrecht recua de acusação contra Lula. Marcelo Odebrecht aponta contradições em depoimentos do pai e de Palocci em ação”. Na capa do Estadão.

“É ‘injusto’ condenar Lula sem esclarecer contradições, diz Marcelo Odebrecht. Afirmações foram feitas em depoimento sobre processo por corrupção passiva em obras da empreiteira Odebrecht em Angola”. Na Folha.

“Bolsonaro faz crítica a plano do STF de validar mensagens vazadas”. Na capa da Folha.

“Fala de Janot incitou ataque de procurador a juíza”. Na capa da Folha.

“Registros põem em xeque versão de Janot sobre crime planejado. Viagem do ex-procurador levanta dúvidas sobre plano de matar ministro”. Na capa do O Globo.

“Covas negocia para Russomano ser seu vice para 2020”. Na capa da Folha.

“União dará recursos extra a município que bater meta de vacinação”. Na capa da Folha.

“Ministro do Turismo é denunciado em MG. Para Procuradoria, Marcelo Álvaro Antônio foi o principal beneficiado do desvio de R$ 192 mil do fundo eleitoral; Bolsonaro ‘aguardará o desenrolar do processo’, diz porta-voz”. Na capa do Estadão.

“Ministro do Turismo é denunciado por caso de laranjas”. Na capa da Folha.

“Denunciado pelo MP, ministro do Turismo fica. MP acusa ministro do Turismo por desvios no PSL, mas Bolsonaro o preserva no cargo”. Na capa do O Globo.

“Novo decreto abre brecha para compra de fuzil. Ao revogar proibição para armas longas, texto editado por Bolsonaro pode liberar a cidadão comum posse de modelos semiautomáticos com potência e calibre permitidos, como o AR-15 fabricado pela Colt. Planalto nega permissão”. Na capa do O Globo.

“Novo marco legal. Bolsonaro sanciona lei que permitirá mais investimentos das teles”. Na capa do O Globo.

“Transporte pesa mais no bolso do brasileiro que comida. Pela primeira vez, famílias têm despesa maior com passagens, compra de veículo e combustível, mostra pesquisa do IBGE”. Na capa do O Globo.

“Igrejas disputam vagas em conselho tutelar. Universal e Igreja Católica estimulam participação; grupos críticos temem que candidatos tratem problema social como questão de fé”. Na capa do Estadão.

“Racha ideológico marca eleição de conselhos tutelares”. Na capa da Folha.

“Só 3% dos cursos em particulares têm nota máxima”. Na capa da Folha.

“Rio. Polícia sabia do risco de confronto, mas não agiu. Polícias Civil e Militar sabiam que confronto no Complexo da Pedreira estava prestes a explodir”. Na capa do O Globo.

“Caso Ucrânia. Troca de mensagem entre diplomatas agrava a situação de Trump”. Na capa do O Globo.

📃 *Colunas e artigos*:

“Weintraub prepara projeto para autorregulação de faculdades, que tiraria qualquer valor do Enade.” Na coluna de Renata Cafardo, no Estadão.

“Senado e Câmara correm o risco de pôr a perder parte da boa imagem que construíram ao longo deste ano.” Na coluna de João Domingos, no Estadão.

“Em 1970 havia aproximadamente 10 bilhões de passarinhos no Canadá e nos Estados Unidos. Hoje, são 7 bilhões. Nos damos conta de que a biodiversidade está desaparecendo quando um animal relativamente grande se extingue.” Na coluna de Fernando Reinach, no Estadão.

“A disputa por espaço político-eleitoral entre o governador João Doria e o presidente Jair Bolsonaro terá o primeiro teste de fogo daqui a um ano, mais especificamente na eleição para prefeito de São Paulo. Pesquisa da XP/Ipespe mediu nesta semana o quanto o apoio dos “padrinhos” aos candidatos terá impacto na campanha: 29% apontaram o presidente com o maior potencial de transferir votos; o governador foi indicado por 20%, e o ex-presidente Lula, preso em Curitiba, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, por 23% dos entrevistados.” Na Coluna do Estadão, no Estadão.

“Legalização sem escalas. É preciso avançar para isolar as moléculas de interesse da maconha. É ruim a confusão entre o direito ao uso recreativo de drogas e as propriedades terapêuticas que elas possam apresentar”. Na coluna de Hélio Schwartsman, na Folha.

“Fruto podre. Bolsonaro agora anuncia que manterá no cargo o ministro denunciado”. Na coluna de Julianna Sofia, na Folha.

“Mutretas imobiliárias. Crivella quer revogar Corredor Cultural para construir edifícios de 20 andares no Centro”. Na coluna de Alvaro Costa e Silva.

“Lula. Não dá mais para esconder que a Lava Jato tem uma banda podre”. Artigo de Fernando Haddad, aos sábados, na Folha.

“Artistas se organizam para judicializar medidas de governo Bolsonaro na área cultural”. Na coluna Painel, da Folha.

“O Ministério Político. Constituição de 1988 criou um poder sem controle externo e sem limites jurisdicionais”. Na coluna de Demétrio Magnoli, na Folha.

“Na China, mais Confúcio e menos Marx. Nos 70 anos do regime, Partido Comunista abandonou devaneios sobre paraíso vermelho”. Na coluna de Jaime Spitzcovsky, na Folha.

“É difícil ser mulher, mãe e atleta. Mulheres que mudam o mundo. Esse é o título de Shelly-Ann e Allyson Felix”. Na coluna de Katia Rubio, na Folha.

“Recuo de Bolsonaro em indicações da Anac pode atrasar concessão de aeroportos”. Na coluna Painel S/A, na Folha.

“Justiça retira tornozeleiras de Joesley e Wesley Batista. Os dois estavam sendo monitorados eletronicamente há quase dois anos”. Na coluna de Mônica Bergamo, na Folha.

“Jogo político já se move de olho em 2022”. Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Incerteza global é má notícia para o Brasil”. Na coluna de Miriam Leitão, no O Globo.

“Intoxicação por fumaça. Mortes trágicas causadas por incêndio em hospital privado no Rio de Janeiro deveriam reorientar investimentos e práticas assistenciais.” Na coluna de Ligia Bahia, no O Globo.

“A tragédia dos fuzis. O projétil de arma de fogo (PAF) é a principal causa dos homicídios no Brasil. O sangramento que ele ocasiona é responsável pela maioria das mortes, e as infecções, a segunda causa.” Artigo de Alfredo Guarischi, médico, no O Globo.

“Amanhã será outro dia. Às vezes eles aparecem atirando, intimidando, matando, como tigres enfurecidos. Podem, porém, chegar de mansinho, deslizando sem fazer barulho, como cobras. São os milicianos.” Na coluna de Daniel Aarão Reis, no O Globo.

📊 *Mercado*: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a sexta-feira, 04, em alta de 1,02%, a 102.551 pontos. O dólar terminou o dia em queda de -0,81%, a R$4,06 .

⏳ *Destaque histórico*:

“Em 05 de outubro de 1988, em sessão solene no Congresso Nacional, o deputado Ulisses Guimarães promulga a nova constituição brasileira, a sexta do regime republicano.” Na Barsa.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu