Leilões, homicídios e vagas são os destaques das manchetes

🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞 🗞

📰 Birô de Imprensa – Ano 2 – Número 288- A 128 dias do fim do ano de 2019, hoje é domingo, 25 de agosto de 2019, 237º dia do ano.

*Sinopse da grande mídia impressa*:

🖋 Edição: _Sérgio Botêlho_

📃 *Manchetes do dia*:

“Maioria de leilões ficará para o fim do governo Bolsonaro. Modelo de concessões em infraestrutura sofre resistência de ministros do TCU”. Manchete de capa da Folha de São Paulo.

“Taxa de homicídios cai em 21 estados e no DF. Inteligência, integração policial e trégua entre facções contribuíram para queda. Ações específicas de governos estaduais e fatores independentes de políticas públicas, como a trégua entre as duas maiores facções criminosas no país, são as principais razões para a redução no número de assassinatos desde 2018”. Manchete de capa do O Globo.

“Mesmo com diploma, trabalhador aceita vaga menos qualificada. Dos 17,6 milhões com ensino superior no mercado, 5,2 milhões estão nessa situação”. Manchete de capa do Estadão.

📃 *Editoriais do dia*:

“A defesa da soberania nacional. Em oito meses, Bolsonaro conseguiu arruinar a reputação do Brasil em uma das poucas áreas nas quais o País se destacava de maneira razoavelmente positiva”. Editorial do Estadão.

“Proteção das crianças e da lei. O reconhecimento da constitucionalidade do ECA é de grande importância nos tempos atuais”. Editorial do Estadão.

“Manipulação da realidade. STF acertou ao reconhecer a competência da Justiça Eleitoral para julgar crime comum que tem conexão com crime eleitoral”. Editorial do Estadão.

“É essencial avançar no saneamento. Investimento necessário supera em muito orçamento estatal, e parceria com setor privado é a alternativa”. Editorial do O Globo.

“Manobra na Câmara objetiva mudar a lei para inibir a delação premiada. Esquerda quer alterar legislação que permitiu investigar corrupção pluripartidária na era petista”. Editorial do O Globo.

📃 *Outros destaques*:

Força Nacional também será enviada à Amazônia. Começou ontem, por Rondônia, a operação militar de combate às queimadas na Amazônia, e outros cinco estados já tiveram ações autorizadas. Serão desbloqueados R$ 28 milhões e enviados às áreas agentes da Força Nacional, para reforçar a fiscalização contra o desmatamento. O presidente Bolsonaro afirmou que a situação “está indo para a normalidade”.” Na capa do O Globo.

“‘Fogo veio de uma vez. É um pavor’. Índios do sul do Amazonas, como Antônio Tenharin, achavam até sexta-feira que estavam livres do fogo que virou tema mundial. Agora, estão dentro da catástrofe. ‘Olha o que fizeram’”. Na capa do Estadão.

Setor agro fez Bolsonaro mudar o tom”. Na capa do O Globo.

Altamira: três fiscais e 2 mil focos de fogo”. Na capa do O Globo.

“Falta de ação ambiental pode tirar bilhões da Amazônia. Além do Fundo Amazônia, paralisado após as críticas da gestão Jair Bolsonaro, outros convênios, condicionados à eficácia da preservação da floresta, podem fazer governos estaduais e municípios perderem verba. Mecanismo de mitigação regido pelo Acordo de Paris também está sob risco.” Na capa da Folha.

“Desmatamento interessa apenas a poucas pessoas. Entrevista : Walter Schalka. O presidente da fabricante de celulose Suzano diz que o potencial de uso da Amazônia como prestação de serviço ambiental é desperdiçado. Para ele, o governo não incentiva o desmate, mas não o coíbe como deveria.” Na capa da Folha.

“Líderes europeus defendem manter acordo do Mercosul. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse ser contra usar o acordo com o Mercosul como forma de punir o Brasil pelo aumento do desmatamento. Alemanha e Espanha adotaram a mesma linha, ao contrário de Ernmanuel Macron.” Na capa da Folha.

“Macron fica isolado contra UE-Mercosul”. Na capa do O Globo.

“STF arquiva 67% das ações ligadas à Odebrecht. Lava Jato. Dos 80 procedimentos resultantes da colaboração da empreiteira e que permaneceram na Corte, 54 foram encerrados; escassez de provas é motivo mais comum”. Na capa do Estadão.

“‘Críticas que recebo têm muito machismo’. Tabata Amaral rebate ataques por voto pró-Previdência e diz já ter recebido ‘convites informais’ para deixar PDT”. Na capa do Estadão.

Lucro voltou, mas incerteza ainda mina investimentos. Grandes empresas do país chegaram a 2019 com dinheiro para investir, após longo período de recessão e estagnação, mas enfrentam novos obstáculos. Empresários avaliam quais projetos tocar ou se devem fazer contratações diante das incertezas geradas pela guerra comercial entre EUA e China e das crises políticas no governo Bolsonaro.” Na capa do O Globo.

“Executivos fora do mundo digital perdem emprego. Segundo pesquisa, 80% dos altos executivos têm dificuldades com demandas digitais”. Na capa do Estadão.

“Receita e PF temem prejuízo às investigações. Ameaças de intervenção de Bolsonaro geram mal-estar em órgãos como Receita, Coaf e Polícia Federal, que temem prejuízo às operações de combate à corrupção como a Lava-Jato, Zelotes e Greenfield. Categorias que antes viam com simpatia o presidente se mobilizam para conter as interferências.” Na capa do O Globo.

“Uruguai tem falta de maconha legal e deve ajustar lei. Especialista diz que empresas produtoras preferem vender cannabis para o exterior, pois no país se paga muito pouco”. Na capa do Estadão.

“Há diferenças com Bolsonaro, mas o respeito, afirma Evo. O presidente da Bolívia, Evo Morales, que esteve na posse de Jair Bolsonaro, negou aproximação com o colega brasileiro. Ele afirmou a Sylvia Colombo — que o acompanhou em viagem no jato presidencial — haver “uma diferença ideológica importante” entre eles, mas que o respeita. Evo criticou a flexibilização de armas. “A Bolívia nunca fará isso.” Na capa da Folha.

📃 *Colunas e artigos*:

“Educatecas tiram estímulo a jovens alunos”. Na coluna de Elio Gaspari, no O Globo.

“Defesa do meio ambiente não dá voto”. Na coluna de Dorrit Harazim, no O Globo.

“A fake news do presidente Bolsonaro. O presidente Jair Bolsonaro insiste na fake news de que eu teria recebido R$ 375 mil por uma única palestra paga pelo Senac. Colocou ontem no seu twitter a falsa informação e, numa entrevista coletiva, desafiou os jornalistas a publicarem sua ‘denúncia’. Na verdade, não recebi esse total, pois o programa foi interrompido, e acabei dando 13 palestras, que foram noticiadas nos jornais locais. O projeto previa 15 palestras em diversas cidades do Estado do Rio, analisando as perspectivas políticas e econômicas naquele ano de eleições municipais”. Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Para recuperar imagem, só há um método. Pessoas que tinham o mesmo sonho civilizatório venceram a escravidão, a ditadura, a hiperinflação. Será assim na proteção da Amazônia”. Na coluna de Miriam Leitão, no O Globo.

“Papa vai engrossar luta pela Amazônia. Pelo menos até outubro, a política ambiental de Jair Bolsonaro estará sob pesada artilharia, e não só porque o período de queimadas da Amazônia vai até esse mês. Além disso, entre 6 e 27 de outubro será realizado o chamado “Sínodo da Amazônia”, convocado pelo Papa Francisco, que, dia desses, fez um apelo a líderes mundiais para “salvar a floresta amazônica”. Na coluna de Ancelmo Gois, no O Globo.

“Índios podem gerar outra crise. O governo Bolsonaro estimulou o avanço das queimadas na Amazônia. Agora a ofensiva contra as terras indígenas pode criar outra crise internacional”. Na coluna de Bernardo Mello Franco, no O Globo.

“Com erros e retrocessos, Bolsonaro pode virar o cabo eleitoral da volta da esquerda.” Na coluna de Eliane Catanhêde, no Estadão.

“O governo Jair Bolsonaro pode até enxergar uma conspiração internacional interessada em nos tomar a Amazônia, mas partiu dele um conjunto de erros que permitiu que a crise ambiental ganhasse o mundo e expusesse o Brasil a riscos concretos para seus negócios, sua imagem e acordos dos quais é signatário.” Na coluna de Vera Magalhães, no Estadão.

“A insensatez não é um bom ambiente para mudança do modelo econômico.” Artigo de Gustavo Franco, no Estadão.

“Ele não tem moral’. Citada por Bolsonaro, ex-prostituta Bruna Surfistinha critica fala sobre Ancine”. Na coluna de Monica Bergamo, na Folha.

“Bolsonaro testa seu poder ao provocar choque com a Lava Jato. Interferências frustram Moro e Deltan, mas bolsonarismo nunca ligou para corrupção”. Na coluna de Bruno Boghossian, na Folha.

“Sem fundo. Governo Bolsonaro está rifando o futuro da Amazônia”. Artigo semanal de Marina Silva, na Folha

📊 *Mercado*: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) não abre nos finais de semana.

⏳ *Destaque histórico*:

Em 25 de agosto de 1825, o Uruguai se proclama independente do Império do Brasil.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu