Judicidário, economia e eleição 2018 são os destaques da mídia

SINOPSE DE 31 DE AGOSTO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: STF autoriza empresas a terceirizar todas as atividades. Setor produtivo crê que decisão põe fim à insegurança jurídica, enquanto sindicatos veem risco de precarização do trabalho. Por 7 votos a 4, o STF decidiu que as empresas podem contratar trabalhadores terceirizados, inclusive, para a atividade-fim. A determinação deve encerrar mais de 4 mil ações impetradas antes da reforma trabalhista, em vigor desde novembro e que já permitia a terceirização nas demais atividades. O setor produtivo saudou a decisão, por ela acabar com a insegurança jurídica e pelo potencial de impulsionar a economia. A resolução, no entanto, foi criticada por sindicatos, que veem risco de precarização dos direitos trabalhistas.

4,8 milhões desistem de buscar vaga. Número de brasileiros que desistiram de buscar trabalho em julho, de 4,8 milhões, é o maior desde 2012.

TSE pode decidir caso Lula. O Tribunal Superior Eleitoral, em sessão extraordinária hoje, pode decidir se autoriza ou não que o ex-presidente Lula participe da campanha eleitoral na TV e se aceita ou recusa o registro de sua candidatura à Presidência.

Adversários amplificam ofensiva contra Bolsonaro. Alvo de ataques de Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e Henrique Meirelles, Jair Bolsonaro disse que é “o candidato a ser batido”.

Marina: ‘Hoje estou bem calçada, após a Lava-Jato’. A candidata da Rede, Marina Silva, disse no Jornal Nacional que, se eleita, fará governo de transição, combatendo a corrupção.

Desempenho no ensino médio é insuficiente. Sete em cada dez alunos do ensino médio brasileiro obtiveram os piores conceitos em português e matemática nas provas do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), segundo o MEC. O ministro Rossieli Soares afirmou que essa etapa da educação está “no fundo do poço”.

Cunhado admite ter assessorado Alckmin, mas nega caixa dois. Adhemar Ribeiro afirma que, em 2010, agendou reuniões entre o candidato e empresários nas quais se pediram doações.

Crise se agrava, e Argentina eleva taxa de juros a 60%. Em reação à maior desvalorização do peso desde 2002, o Banco Central argentino elevou os juros para 60%, além de injetar US$ 330 milhões no mercado. A movimentação ocorreu um dia depois de o governo Macri pedir antecipação de recursos ao FMI. Analistas advertem para o risco de uma profunda recessão.

Míriam Leitão: Guardia: isentar IR até 5 salários custaria R$ 60 bi.

Merval Pereira: Livro propõe alternativa ao populismo.

Bernardo Mello Franco: O TSE nunca teve tanta pressa.

Nelson Motta: Eleições são o apogeu da era da mentira.

Editorial1: Temer reforça o espírito de casta no setor público. Aumento para servidores contrasta com situação pré-falimentar da maioria dos estados e municípios.

Editorial2: Crescimento de favelas no Rio reflete inércia do poder público. Estudo do IPP mostra que, em apenas um ano, expansão correspondeu a um Borel.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Dólar dispara. Ensino piora. Campanha esquenta. Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB) vão abrir as inserções no rádio e na TV com ataques velados a Jair Bolsonaro (PSL). Enquanto isso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve julgar hoje, em sessão extraordinária, a situação eleitoral do ex-presidente Lula, condenado e preso na Lava Jato. O caso teria provocado divisões internas na Corte.

Dólar dispara. O agravamento da crise na Argentina, que elevou os juros em 15 pontos, para 60%, e a tensão com a corrida eleitoral no Brasil fizeram o dólar chegar a R$ 4,21, à tarde. O Banco Central brasileiro interveio e a moeda americana terminou cotada a R$ 4,15.

Ensino piora. Alunos do ensino médio de escolas públicas e privadas sabem menos hoje do que em 1997. Sete em cada dez estudantes desta fase tiveram desempenho insuficiente em Português e Matemática em avaliação do MEC. O fundamental, por outro lado, vem melhorando.

STF autoriza terceirização irrestrita. Por 7 votos a 4, o STF liberou ontem a terceirização de todos os tipos de atividades, incluindo as chamadas atividades-fim. A medida vale para processos antigos e deve destravar 4 mil ações trabalhistas que estão paradas na Justiça.

Desemprego cai, mas desalento bate recorde.

Eliane Cantanhêde: Com o início da propaganda eleitoral gratuita, vão-se os senhores e senhoras elegantes e entram os digladiadores.

Elena Landau: Uma coisa é certa. Privatizar leva tempo. Não é possível usar a venda de ativos como bala de prata político- eleitoral.

Coluna do Estadão: Pimentel e Dilma travam queda de braço em MG. A chapa do PT em Minas está em pé de guerra. A campanha de Dilma Rousseff acusa a do governador Fernando Pimentel de ter errado ao indicar o deputado federal Miguel Corrêa para disputar ao lado dela a eleição ao Senado. Além de não agregar votos, dizem, Corrêa ainda envolveu o partido num escândalo. Ele é dono de duas empresas acusadas de fazer propaganda eleitoral irregular nas redes sociais. “Pimentel erra demais”, diz um dilmista. O time do governador devolve: “Ela e o povo dela deveriam ter ajudado a escolher um nome melhor”.

Coluna do Estadão: A campanha do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) que começa a rodar amanhã na TV vai responsabilizar Dilma Rousseff e Michel Temer pelos problemas que o País está enfrentando.

Editorial1: Quem paga essa conta. Para cobrir o aumento dos gastos do Judiciário e do custo da folha de pessoal do Executivo, programas sociais e investimentos terão de sofrer cortes.

Editorial2: Dilma não pode ser esquecida. Nenhum candidato abordou até agora o terrível legado das gestões lulopetistas.

Editorial3: Kirchnerismo passado a limpo. Quase 3 anos após seu 2º mandato, ex-presidente argentina se vê acossada por esqueletos que começam a sair dos seus armários.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: STF chancela a terceirização irrestrita de toda atividade. Decisão, por 7 votos a 4, sinaliza que tribunal não deve estabelecer barreiras a esse tipo de contrato. Por 7 votos a 4, o Supremo Tribunal Federal decidiu ontem que a terceirização de qualquer atividade de trabalho é constitucional. Com o resultado, decorrente do julgamento de dois processos, o STF não deve pôr barreiras à lei da terceirização. Há ações no tribunal que questionam a constitucionalidade do texto. Até então, a jurisprudência da Justiça trabalhista proibia terceirização da atividade-fim e permitia contratação só para atividades-meio. Empresários alegavam que a definição dos tipos de atividade provocava confusão, inclusive jurídica. Votaram pela terceirização irrestrita Cármen Lúcia, Celso de Mello, Gilmar Mendes, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux. Marco Aurélio, EdsonFaehin, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski foram contra. Os ministros extrapolaram as questões constitucionais sobre o tema e citaram reflexos na economia. “Com a proibição da terceirização, teríamos a possibilidade de as empresas deixarem de criar postos de trabalho”, disse a presidente do STF, Cármen Lúcia. Rosa Weber discordou. Para ela, o desenvolvimento econômico, não a terceirização, estimula o emprego. A decisão prevê que a contratante seja responsável caso a fornecedora da mão de obra não cumpra com pagamento de direitos trabalhistas e previdenciários. O posicionamento do STF põe fim a impasse jurídico de quase 4.000 processos sobre o tema.

Crise argentina afeta real, e BC intervém para segurar dólar. A disparada do dólar para R$ 4,21 forçou o Banco Central a agir para conter o impacto da crise na Argentina sobre o real. O peso, moeda argentina, teve forte desvalorização ontem. O BC ofertou lote extra de US$ 1,5 bilhão para contratos de venda futura de dólar. A instituição disse que o objetivo era assegurar o bom funcionamento do mercado cambial. O dólar desacelerou e fechou a R$ 4 ,145.

Painel: ‘Vivo as angústias do Brasil’, diz Barroso antes de julgar Lula.

Mônica Bergamo: Veto do TSE deve antecipar substituição por Haddad no PT.

Reinaldo Azevedo: Uma caçada irracional à política e aos políticos está em curso

Internet: Voluntários de Marina Silva mantêm ‘fábrica de memes’. Candidata justifica apoio a Aécio na eleição de 2014 e critica centrão.

Redes Sociais. Empresa do caso de tuítes pagos atuou para 4 partidos em 2016.

Matemática do ensino médio piorou em 15 redes estaduais. Apenas quatro estados conseguiram avanço expressivo de aprendizagem no ensino médio, em português e matemática, nos últimos 11 anos. Segundo dados do Sistema de Avaliação da Educação Básica, o quadro é de estagnação em níveis baixos. Em matemática, 15 redes tiveram queda. Já em língua portuguesa, cinco registraram baixa de 2007 a 2017. Na média, os alunos aprendiam mais há 11 anos do que agora. O ensino médio é o maior gargalo da educação básica brasileira.

Justiça rejeita denúncia contra reitor da UFSC. A juíza Simone Fortes, da ia Vara Federal de Florianópolis, rejeitou denúncia contra o reitor e um chefe de gabinete da Universidade Federal de Santa Catarina por suposta ofensa a delegada da Polícia Federal. Eles foram indiciados após evento com crítica a ação policial.

Livro citado por Bolsonaro quer proteger, diz autora. Acho que o pequeno Jair teria adorado que seus pais tivessem lhe dado de presente Aparelho Sexual e Cia; em vez gritar com ele: ‘Jair! Se você se masturbar, vai para o inferno!”’, afirma a francesa Hélène Bruller, coautora do livro infanto-juvenil citado pelo candidato do PSL.

Bruno Boghossian: Quem for eleito vai encontrar o gabinete fechado. Ao liberar aumento para os juizes e o funcionalismo, Michel Temer praticamente abriu mão de governar até a chegada do próximo inquilino. Abdicou da responsabilidade de um presidente. A conta ficará pendurada.

Editorial1: Destruição do futuro. Demandas corporativas avançam e dificultam a trajetória de ajuste das contas do governo.

Editorial2: Sufoco argentino. Situação financeira do país se revelou mais frágil do que o imaginado.

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Peso desaba e Argentina volta ao FMI. A Argentina viveu ontem mais um dia dramático, com desvalorização de 15% do peso em relação ao dólar e elevação da taxa de juros de 45% para 60% ao ano. O ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, deve ir a Washington na segunda-feira, para pedir nova ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI).

DEM ameaça longo domínio dos tucanos em Goiás. O PSDB vê ameaçado, após 20 anos, seu comando no governo de Goiás, bastião mais longevo do partido no país, ao lado de São Paulo. Com o desgaste da gestão Marconi Perillo, o senador Ronaldo Caiado (DEM) ganhou espaço com um discurso de mudança e combate à corrupção e lidera as pesquisas eleitorais

As prioridades de economistas para 2019. Para 83% de 50 dos mais renomados economistas consultados pelo Valor, a primeira medida que deveria ser levada adiante pelo futuro governo em seus cem dias iniciais é a reforma da Previdência.

General Dutra teme colapso de Boa Vista. Encarregado de chefiar a operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em Roraima, o general Gustavo Henrique Dutra alertou ontem que a capital, Boa Vista, pode “entrar em colapso” em fevereiro caso o processo de interiorização de venezuelanos não seja acelerado nos próximos meses.

TCU vai avaliar prorrogação da Malha Paulista. A Agência Nacional de Transportes Terrestres aprovou a prorrogação antecipada, por mais 30 anos, da concessão da Malha Paulista – ferrovia que liga Santa Fé do Sul (SP), na divisa com o Mato Grosso do Sul, até o Porto de Santos -, administrada pela Rumo. Agora, a concessão vai até 2058.

Jornada nas estrelas. Dois jovens chefs brasileiros, Felipe Bronze, no Rio, e Ivan Ralston, em São Paulo, sobem na classificação do “Guia Michelin” e se equiparam a Alex Atala. “À Mesa com o ‘Valor'”, contam suas experiências, a começar por estágios em restaurantes japoneses no exterior no período de formação.

Qualidade do ensino público piora. Nas escolas públicas brasileiras, o aluno continua a aprender pouco e mal. É o que mostram dados do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb) de 2017, divulgados ontem.

Brasil. Educação Escola pública piora em português e matemática. Índice que inclui ensino privado tem leve melhora em 2017, mas aponta nível médio estagnado desde 2009. AM e RR são os mais desiguais. ES, RS, GO, MG e PR mostram melhores desempenhos.

Preço do diesel na refinaria sobe hoje, e mercado estima alta de 10% a 13%. Com o aumento, os preços do litro de diesel vendido nas refinarias da Petrobras devem se aproximar daqueles praticados antes do congelamento dos preços, durante a greve dos caminhoneiros.

Crédito está estagnado à espera das eleições. Expansão da oferta de financiamentos é crucial para o crescimento econômico.

Recomendação de comitê da ONU será mote da defesa de Lula no TSE. Se não houver decisão do tribunal hoje, PT estará liberado para apresentar ex-presidente como candidato oficial do partido.

Alckmin deve estrear com ataque.

O jogo de empate entre a TV e as redes sociais. Incerteza é inédita e impacto de horário eleitoral é incerto.

Eleições Marina promete fazer um governo de transição. Ex-senadora diz que duvida que seu governo, caso seja eleita, será alvo de sabotagens.

“Sou o candidato a ser batido”, diz Bolsonaro no RS.

Nas ruas, Alckmin esbarra nos bolsonaristas convictos.

Alvaro Dias atacará Lula na TV.

Eleições Bolsonaro no 2º turno é hipótese real, dizem Haddad e Requião. Senador {Requião} do MDB disse abriu partido para Meirelles, mas que não receberá o presidenciável.

Apoio a Alckmin foi um erro enorme, diz Caiado.

Perillo nacionaliza discurso, mas vive dificuldade local.

Comércio. Trump quer novas tarifas à China na semana que vem. Presidente americano avalia a adoção de sobretaxa sobre US$ 200 bi em produtos importados da China. Decisão seria uma escalada grave na guerra comercial.

Editorial: Temer ignora crise fiscal e dá reajuste aos servidores. As consequências deste gesto irresponsável ainda não foram inteiramente calculadas, mas são graves.

Deixe uma resposta

Fechar Menu