Infidelidade política: novidade essa!

Sérgio Botêlho – Se há uma coisa que não vai ser fácil no pleito deste ano, dos planos estaduais ao federal, é a tal da unidade política. Mesmo com a perspectiva de uma eleição nacionalizada, as misturas entre partidos, isolados ou misturados em coligações – e, mesmo, no interior das próprias siglas – vai ser a tônica.

Com exceção do PT nacional, que parece estar inteiramente unido em favor da candidatura de Lula, os demais não estão nem aí para essa tal de unidade. Para a maioria das agremiações partidárias o que vai valer acima de tudo é a realidade enfrentada por cada um dos seus, não raramente por sobre o todo.

Falar em Lula, em Pernambuco e na Paraíba a campanha do ex-presidente vai provocar situações nem tão usuais, assim, em campanhas políticas, com pouca coisa a ser feita pelo candidato que precisa muito de apoios para se eleger, pois a peleja não vai ser fácil.

Falo das campanhas a serem empreendidas pelo governador João Azevedo, na Paraíba, pelo PSB, e da deputada federal Marília Arraes, pelo Solidariedade, portanto em partidos que apoiarão Lula, nacionalmente, mas que estão fora das coligações consideradas por Lula, nos estados.

Dessa forma, nem João Azevedo nem Marília Arraes pretendem largar a bandeira da candidatura petista nacional nem com toda a pressão do mundo sobre eles. E nem Lula tem como impedir que os dois façam campanha em seu favor nos dois estados.

Por coincidência, tanto Azevedo quanto Marília lideram as pesquisas de opinião pública em seus estados e, por conseguinte, têm valor político-eleitoral bem interessante para a campanha de Lula, havemos de concordar!

E vai ser assim no pleito deste ano, de Norte a Sul do país, onde outros exemplos certamente vão florescer. E quem quiser enfrentar o pleito é bom que vá se acostumando com o fato, buscando tirar proveito dele, velho conhecido, aliás, da política brasileira.

Anistia

Pense numa anistia errada essa concedida pelo Congresso aos partidos que não cumpriram a destinação mínima de recursos às candidaturas femininas e de negros em 2020, conforme acertadamente definido, naquele ano, pelo Supremo Tribunal Federal. Um incentivo ao desrespeito à legislação inclusiva no universo político.

Desistência

O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, atualmente na equipe de secretários do governo paulista, já decidiu que não vai concorrer ao pleito deste ano para a Câmara dos Deputados. Vai mesmo investir na campanha à reeleição do novo governador de São Paulo, Rodrigo Garcia. Maia vai continuar no União Brasil.

Contra a censura

Apropriadamente, a Justiça Federal no Rio de Janeiro suspendeu nesta terça-feira decisão do Ministério da Justiça determinando que o filme ‘Como se tornar o pior aluno da escola’ fosse retirado das plataformas de streaming. O Ministério da Justiça alegava que o filme incentivava a pedofilia, argumento negado pelos diretores e produtores do filme.

Comissões parlamentares

Fundamentais para o funcionamento da Câmara dos Deputados, as comissões parlamentares, que formam as células de tudo o quanto se debate e vota no parlamento, ainda não estão formadas, em pleno abril. Mas, hoje, quarta-feira, 06, os líderes partidários começam a discutir a formação dessas comissões. O gatilho foi o fim do período de transferências partidárias, já que a distribuição das mesas dirigentes dessas comissões depende do número de parlamentares de cada partido.

You may also like

Inscreva-se
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments