Alta do diesel e greve dos caminhoneiros estão destacados nas manchetes dos jornais

Alta do diesel e greve dos caminhoneiros estão destacados nas manchetes dos jornais. Proposta do governo prevê extinção de imposto Cide para o diesel; caminhoneiros não aceitam e decidem continuar
Primeira Hora – Anexo 6

Alta do diesel e greve dos caminhoneiros estão destacados nas manchetes dos jornais. Proposta do governo prevê extinção de imposto Cide para o diesel; caminhoneiros não aceitam e decidem continuar greve.

SINOPSE DE 23 DE MAIO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Governo elevará impostos para baixar preço do diesel. Sob pressão de caminhoneiros, Fazenda faz acordo que onera 56 setores. Ameaça de desabastecimento prejudica empresas. Rio pode ter menos ônibus em circulação. Em acordo costurado às pressas com o Congresso, sob pressão da greve dos caminhoneiros, a equipe econômica do governo aceitou zerar a Cide (tributo sobre combustíveis) do diesel. Como compensação, exigiu a aprovação do projeto que acaba com a desoneração da folha de pagamento de 53 setores, neste ano, e de 56, no total, até 2021. Na prática, trocou um único tributo com impacto restrito sobre o preço do diesel — representa R$ 0,05 de cada litro — por um aumento da carga tributária do setor produtivo. O segundo dia da paralisação dos caminhoneiros prejudicou empresas e setores de transportes e alimentos. No Rio, há risco de redução do número de ônibus em circulação/

Justiça manda prender Azeredo. O Tribunal de Justiça mineiro decretou a prisão do ex-governador de Minas e ex-presidente do PSDB Eduardo Azeredo, condenado a 20 anos e um mês por peculato e lavagem de dinheiro no caso do mensalão tucano. Por unanimidade, a 5ª Câmara Criminal negou o recurso de Azeredo, que aguarda análise de um habeas corpus no STJ e pode ser preso a qualquer momento/

Temer desiste e lança Meirelles. Pressionado pelo MDB a desistir da reeleição, o presidente Temer anunciou apoio à pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles. “Que você, queira Deus, seja o único candidato do centro”, disse Temer/

PT discute indicação de vice para rodar país em nome de Lula. Governadores vão apresentar proposta em reunião com Gleisi/

TSE determina uso de 30% do fundo eleitoral com candidatas. Regra que garante participação feminina já vale para esta eleição/

Recuo em MP afeta Eletrobras. Com a desistência do Congresso de votar a Medida Provisória 814, que trata da privatização das seis distribuidoras da Eletrobras no Nordeste e no Norte e de outras mudanças no setor elétrico, estatal pode amargar conta de R$ 16,6 bilhões/

Maduro reage e expulsa diplomatas americanos. União Europeia estuda novas punições ao país por eleições ‘sem cumprir as normas internacionais mínimas’/

Editorial1: A insanidade de se repetir o mesmo erro nos combustíveis. Espera-se que a palavra do governo de que não intervirá nos preços seja mantida, porque a realidade tarifária tem a ver com a própria modernização da estatal/

Editorial2: Combater narcomilícia da Rocinha é essencial.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Governo zera Cide no diesel, mas protesto deve continuar. Caminhoneiros dizem que preço do combustível deve cair apenas R$ 0,05; setores sentem desabastecimento. Governo e Congresso anunciaram ontem acordo para baixar o preço do óleo diesel, em meio aos protestos de caminhoneiros que fecharam estradas em todo o País. A solução encontrada é zerar a cobrança da Cide, tarifa que incide sobre o combustível. A isenção deve provocar perda de R$ 2,5 bilhões para o governo. Como compensação, o Congresso aprovaria projeto que acaba com a desoneração da folha de pagamento para alguns setores, o que renderia R$ 3 bilhões. Mesmo com esse anúncio, a associação de caminhoneiros que coordena os protestos fala em manter as paralisações. O argumento é de que a Cide representa 1% dos 27% de tributos, o que reduziria o preço do diesel em apenas R$ 0,05. Ontem, alguns setores começaram a ser prejudicados pelo desabastecimento. Sem componentes, montadoras de veículos pararam a produção. O acesso aos portos está prejudicado. Também já há dificuldades no escoamento da safra de soja/

Eunício: rota de colisão com o Planalto. O presidente do Senado, Eunício Oliveira, criticou ontem a pré-candidatura à Presidência de Henrique Meirelles, disse que não sai do MDB e que Michel Temer é “um filiado como outro qualquer”. Ele ainda atacou a política de preço dos combustíveis de Pedro Parente, da Petrobrás. “Entre os ‘Parentes’ e os consumidores, fico com os consumidores.”/

Foto- legenda: Temer lança Meirelles. Michel Temer anunciou oficialmente ontem que não vai concorrer à Presidência e lançou a pré-candidatura do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles. Pelo menos nove diretórios do partido são contra. O presidente disse que quem não concordar em assumir a campanha deve deixar a sigla/

Chavismo faz ameaça a quem não foi votar, diz servidor. Associações de trabalhadores ligadas à oposição denunciaram ameaças de punição do governo venezuelano a servidores públicos que não foram votar domingo, informa o enviado Rodrigo Cavalheiro. Líderes opositores impedidos pela Justiça de concorrer chamaram a população a não participar. Maduro obteve 68% dos votos. A abstenção foi de 52%/

Justiça nega recurso e decreta prisão de Azeredo. A Justiça de Minas Gerais expediu ontem mandado de prisão contra o ex-governador de Minas e ex-presidente nacional do PSDB Eduardo Azeredo. Ele foi condenado em segunda instância a 20 anos e um mês de prisão por peculato e lavagem de dinheiro no caso conhecido como mensalão mineiro. Azeredo não havia sido preso até a 0h30 de hoje/

Áudio indica pressão na Funai para favorecer empresa. Conversas gravadas entre setembro e outubro do ano passado indicam tentativa do diretor de administração da Funai, Francisco José Nunes Ferreira, de direcionar compras da entidade. Nos áudios, ele liga os pedidos a parlamentares que teriam relação com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, e com o presidente do MDB, senador Romero Jucá. Todos negam/

TJ mantém anulação de júris do Carandiru/

STF condena Maluf por omitir doação/

Vera Magalhães: Jair Bolsonaro é um candidato em fase de modulação do discurso e das ideias. E parece desconfortável na nova pele/

Editorial1: Os passos da política. Não basta se apresentar na cena política como novidade para alcançar sucesso nas urnas. Há um longo e árduo caminho para conquistar o eleitorado/

Editorial2: O BC preferiu a credibilidade. Ata mostra que, ao manter juros em 6,5%, Copom optou por proteger a credibilidade/

Editorial3: A moto na tragédia do trânsito. Aumento de 23% do número de mortos em acidentes de trânsito em 2017, em comparação com 2016, faz novamente soar o sinal de alarme para esse problema, que há muito se tornou uma das tragédias nacionais. Isso se explica pela forte recessão dos últimos anos, que reduziu a venda de veículos, e pela opção por motocicletas, mais baratas e acessíveis a grande número de pessoas que tiveram sua renda reduzida.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Justiça manda prender o tucano Eduardo Azeredo. Ex-governador foi condenado no mensalão do PSDB; defesa crê em habeas corpus. O Tribunal de Justiça de Minas seguiu entendimento do Supremo, que autoriza cumprimento da pena após condenação em 2ª instância, e ordenou a prisão de Eduardo Azeredo, do PSDB. O ex-governador do estado teve negado seu último recurso, confirmando a condenação a 20 anos e 1 mês por peculato e lavagem de dinheiro no esquema conhecido como mensalão tucano. O mandado de prisão foi enviado à Polícia Civil para que pudesse ser cumprido. À noite, policiais saíram em busca de Azeredo. Havia a expectativa de que ele se entregasse ainda ontem. A defesa aguarda julgamento de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça para tentar evitar a prisão e anular a condenação. Ainda cabem outros recursos no STJ e no STF/

Governo negocia para desonerar diesel. O governo anunciou ontem que vai zerar tributo sobre o diesel só depois que o Congresso aprovar a reoneração da folha de pagamento. Sem a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico, de R$ 0,05 por litro), há uma redução da base de cálculo do diesel. A medida é uma resposta a caminhoneiros, que pararam rodovias do país contra a alta do combustível p e lo segundo dia/

Ministra do TCU quer Libra fora do Porto de Santos até 2020/

Justiça não é vermelha, nem azul, diz Alckmin sobre Azeredo/

Temer desiste de candidatura e anuncia Meirelles pelo MDB/

Manifesto por união do centro mobiliza acadêmicos e políticos/

Elio Gaspari: OAB, que se mete em tudo, pode ter caixa-preta aberta. O Tribunal de Contas da União quer abrir o cofre da Ordem dos Advogados do Brasil, que se mete em tudo e preserva a eleição indireta. Estima-se que a entidade movimente por ano R$ 1,3 bilhão/

Alexandre Schwartsman: Discussão sobre combustíveis revela fragilidade do ambiente institucional. Regras existem para dar previsibilidade, e não apenas econômica, para quem vive em sociedade/

Hélio Schwartsman: Só informação não basta. Ideia da Anvisa de melhorar a rotulagem de alimentos é mais complexa do que parece/

Bruno Boghossian: Acordo com Valdemar pode dar musculatura a campanha de Bolsonaro. Militar aceita jogar com cartas da política tradicional para obter apoio do PR/

Temer desiste e anuncia Meirelles como pré-candidato. O presidente Michel Temer (MDB) anunciou sua desistência de concorrer a um novo mandato e lançou o ex-ministro Henrique Meirelles (Fazenda) como pré-candidato do partido na eleição de outubro. “Digo sem errar que o Meirelles é o melhor entre os melhores.”/

Venezuela expulsa diplomata americano. A decisão do regime de Nicolás Maduro é uma reação às sanções impostas pelos EUA ao país após eleição. O ditador afirmou que “a Venezuela deve ser respeitada”/

Editorial1: Debate envenenado. Projeto procura reduzir tempo para registro de agrotóxicos, mas parece imprudente/

Editorial2: Água na fervura. BC resolveu intervir com mais vigor para combater os excessos especulativos.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.