Governança, violência, Lava Jato e economia são os destaques das manchetes dos jornais

_SINOPSE DE 23 DE AGOSTO DE 2018_ Edição: Sérgio Botêlho  *_JORNAIS_*: *Manchete e destaques do jornal O Globo*:  Alerj põe em risco socorro ao Rio. Pezão recorre ao STF
Primeira Hora – Anexo 6

_SINOPSE DE 23 DE AGOSTO DE 2018_

Edição: Sérgio Botêlho 

*_JORNAIS_*:

*Manchete e destaques do jornal O Globo*:  Alerj põe em risco socorro ao Rio. Pezão recorre ao STF contra aumento, que é vedado por lei. A Assembleia Legislativa colocou em xeque o socorro financeiro da União ao Rio, ao derrubar o veto do governador Luiz Fernando Pezão ao reajuste de 5% sobre os salários dos servidores da Justiça, do Ministério Público e da Defensoria Pública. O Regime de Recuperação Fiscal, que permite ao estado suspender por três anos o pagamento de R$ 30 bilhões em dívidas com a União, veda a concessão de aumentos na folha, a não ser quando acompanhados de cortes no Orçamento de valor equivalente. Só para a previdência estadual, o impacto do aumento de 5% seria de R$ 77 milhões anuais. Pezão vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal para tentar barrar o reajuste/

Eleitor despreza alianças e cria ‘frankensteins’. Votos para presidente e governador, em Rio e SP, levam a fenômenos como Bolsomário e Ludoria. Dados da última pesquisa do Ibope mostram que o eleitor não se importa com alianças políticas para definir os votos para presidente e governador, levando à formação de quatro fenômenos, no Rio e em São Paulo: Bolsomário, Garolula, Ludoria e Bolsodoria. Analistas atribuem situação à fraqueza dos partidos/

Dólar alto deixa indústria em compasso de espera. Com a moeda americana acima de R$ 4 e as incertezas em relação à corrida presidencial, as empresas estão segurando planos de investimentos e a abertura de vagas. No mercado de ações,o dólar valorizado impulsionou a compra de papéis de empresas brasileiras, como Ibovespa fechando em alta de 2,29%/

Bolsonaro está à frente de Marina entre evangélicos/

Bolsonaro pode não ir mais a debates com adversários, anuncia partido/

Campanha de deputado federal sustenta que eventos se transformaram em uma ‘farsa’

Merval Pereira: Transferência de votos a Haddad será decisiva/

Míriam Leitão: Intervencionismo e criatividade no plano de Ciro/

Editorial1: tragédia do sistema socioeducativo. Taxa de mortes de adolescentes infratores nos abrigos de todo o país já supera a dos presídios/

Editorial2: Crise turca reforça importância de reformas no Brasil e em emergentes. Disputa política entre Trump e Erdogan gera instabilidade nos mercados mundiais.

*Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo*: 27% dos investigados na Lava Jato declaram patrimônio menor. De 77 políticos envolvidos na operação e que tentam a reeleição, 21 registraram redução do valor dos bens; na outra ponta, 44 informaram aumento de patrimônio. Levantamento feito pelo Estado com base nos dados informados pelos candidatos ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostra que, de 77 políticos que figuram como investigados na Lava Jato e tentam novo mandato, 21 registraram redução do valor total de seus bens em relação a eleições anteriores. Destes, oito informaram queda de mais da metade das cifras declaradas. Na outra ponta, 44 políticos declararam aumento de patrimônio, sendo que quase a metade apresentou valores nominais pelo menos 50% maiores. Em 12 casos, não houve variação. Foram considerados apenas valores nominais. As explicações para ampliação ou queda nos valores dos bens declarados são diversas e incluem crise econômica, recebimento de herança, venda de imóveis, divórcio e dívida por empréstimo bancário. Para a Receita Federal, movimentações significativas no patrimônio podem ser indício de irregularidades/

Doações para campanha. Henrique Meirelles (MDB) doou R$ 20 milhões para a própria campanha, maior repasse de pessoas físicas até agora. Seu partido é o que mais registrou movimentações financeiras, com R$ 230,9 milhões/

Câmara cassa mandato de Maluf. A Mesa Diretora da Câmara cassou ontem, por unanimidade, o mandato do deputado Paulo Maluf (PP-SP). Não cabe mais recurso. Ele foi condenado pelo STF, em 2017, a 7 anos, 9 meses e 10 dias de prisão por lavagem de dinheiro quando esteve à frente da Prefeitura de SP, entre 1993 e 1996, e cumpre prisão domiciliar. A defesa deve questionar a decisão no Supremo/

Coluna do Estadão. Decisão da ONU sobre Lula não vale nem como recomendação/

Ex-presidente. Inelegibilidade de Lula ‘não enseja dúvida’, avalia força-tarefa da Lava Jato/

Ampliação dos saques do PIS/Pasep dá alento à economia. A ampliação dos saques do PIS/Pasep deu fôlego à economia em julho, com a expectativa de um aquecimento no consumo puxando até um aumento da produção industrial. Cerca de 23 milhões de pessoas têm direito a sacar R$ 17,3 bilhões até 28 de setembro. Mas a sustentabilidade do crescimento é considerada incerta por causa do cenário eleitoral/

País cria 47,3 mil vagas em julho. O País criou 47,3 mil empregos com carteira assinada em julho, um resultado que surpreendeu analistas. É o melhor número para o mês em seis anos. O agronegócio liderou as contratações/

Crise em Roraima divide ‘cidades-irmãs’. Apenas uma rodovia separa Pacaraima, em Roraima, de Santa Elena de Uairén, na Venezuela. Ali, o trânsito é livre e a chegada de imigrantes do país vizinho divide os moradores da cidade brasileira, relata Felipe Resk/

Joesley terá de pagar R$ 300 mil a Temer/

Cade aumenta a vigilância a bancos/

William Waack: O preço a pagar por partidos fracos e sem plataformas verdadeiramente “políticas” são a dúvida e a imprevisibilidade/

Celso Ming: A solução não é acabar com as agências reguladoras, mas reconduzi- las ao cumprimento de sua verdadeira função/

Editorial1: Mistificação. Era mesmo necessário que alguém da estatura de FHC, reconhecido internacionalmente, viesse a público manifestar seu repúdio mais veemente contra essa campanha de desinformação e má-fé da máquina lulopetista/

Editorial2: Um cartel na pauta do STF. O tabelamento do frete rodoviário, uma violação das normas da concorrência, será discutido em audiência pública no STF/

Editorial3: O trabalho intermitente. Essa inovação está se revelando fundamental para a adequação do mercado de trabalho à realidade de determinadas áreas.

*Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo*: Apoio à presença do Exército no Rio cai 17 pontos em 10 meses. Tropas ainda são defendidas por 66%, diz pesquisa datafolha; intervenção federal registra 3ª morte de militar. A aprovação dos cariocas à presença do Exército nas ruas do Rio de Janeiro tem diminuído nos últimos meses, aponta pesquisa Datafolha. De março para cá, caiu de 76% para 66% o índice dos favoráveis à convocação dos militares para combater a violência. Em outubro de 2017, o apoio era de 83%. Os contrários são 27% agora — cinco meses atrás, eram 20%. A margem de erro da pesquisa é é de quatro pontos. O Exército está nas ruas do Rio desde julho de 2017, quando, diante da crise de segurança, o presidente Michel Temer deu poder de polícia aos militares no estado. A partir de fevereiro, coma nomeação do general Braga Netto como interventor, polícias, bombeiros e prisões ficaram sob comando federal. Nesta semana, três militares morreram a pós operação em favelas cariocas — dois na segunda (20) eu montem. Para pela mente a essa situação, o país tem destruído em massa armas apreendidas: 818 por dia/

Lula tem 60% em PE, sua terra natal; Bolsonaro lidera no DF em todos os cenários/

Campanha de Bolsonaro reavalia participação em debates. Ele é líder nas pesquisas sem Lula; presidente do PSL afirma que o formato dos confrontos nivela os candidatos por baixo/

Por unanimidade, mandato de Maluf é cassado na Câmara. A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados cassou o mandato do deputado Paulo Maluf (PP-SP), atualmente em prisão domiciliar. A ação já havia sido determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin. A defesa de Maluf diz que a decisão cabe ao plenário/

Ex-dirigente da CBF, Marin é condenado a 4 anos de prisão/

Editorial1: Lugar-comum. Datafolha mostra que intenções de votos brancos e nulos superam as de Doria e Skaf/

Editorial2: Violência na fronteira. Agressões contra venezuelanos envergonham o país, que tem larga tradição de receber imigrantes.

*Manchete e destaques do jornal Valor Econômico*: Custo do ‘frete de retorno’ preocupa o setor agrícola. Demanda antiga de transportadoras e motoristas, o pagamento do “frete de retorno”, quando os caminhões voltam para sua origem vazios, é hoje uma das principais preocupações do setor agrícola/

BP diz que pré-sal é de ‘baixo custo’. O presidente da BP Energy do Brasil, Adriano Bastos, afirmou que a exploração do pré-sal brasileiro se transformou em “low cost” (baixo custo) e se tornou competitiva em função da redução dos custos e maior conhecimento da geologia

Sem Lula, Marina é a preferida no Nordeste. Região onde o ex-presidente Lula teve suas maiores votações, o Nordeste foge do padrão do restante do país também na eleição deste ano. Os cruzamentos da pesquisa do instituto Datafolha mostram que, sem o ex-presidente, Marina Silva (Rede) lidera as intenções de voto na região

Imigração vira tema central em Roraima. A crise provocada pela imigração em massa de venezuelanos virou tema central das eleições em Roraima, com impacto direto sobre os dois grupos antagônicos na política local

Situação está pior que em 2002, diz Arminio. Para o economista Arminio Fraga, o Brasil enfrenta mais riscos de turbulência nos mercados na eleição presidencial deste ano do que em 2002, quando a liderança de Lula nas pesquisas fez o dólar disparar, criando dúvidas sobre o pagamento da dívida externa e provocando alta da inflação/

Concentração estrangeira no setor elétrico. O setor elétrico brasileiro registrou mais de 15 operações de fusões e aquisições desde 2016, que somaram quase R$ 86,2 bilhões em valor de empresa. Desse total, 95,2% – R$ 80,5 bilhões – foram aquisições em que a companhia compradora era de origem internacional/

Marco Aurélio afirma que Bolsonaro corre risco se eleito na condição de réu. Deputado já responde a outras duas ações penais no Supremo/

Para Alckmin, deputado perde no 2º turno/

Tarso defende Haddad e prega união da esquerda/

Eleições TSE coíbe pedido de voto dentro de templos. Deputado federal eleito por Minas Gerais foi cassado por ter participado de ato político durante culto/

Mesa da Câmara cassa mandato de Maluf. Defesa contesta decisão e afirma que a prerrogativa de declarar a perda de mandato deveria ser do plenário/

Crise aprisionou eleitor junto com Lula. No mapa da largada, o bandeirante é o mais perdido/

Processos contra aliados de Temer vão para 10ª Vara. Casos passarão às mãos do juiz Vallisney de Souza Oliveira/

Editorial Pesquisas ressaltam baixa previsibilidade das eleições. Lula (ou seu indicado do PT) e Bolsonaro criam uma polarização que resultará em baixa governabilidade, seja quem for o vencedor da disputa.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.