Fundo Eleitoral, PGR, servidores, orçamento e mercado são os temas

Sinopse da grande mídia impressa:

🖋 Edição: Sérgio Botêlho

📃 Manchetes do dia:

“Na contramão. Com mais 48%, Fundo Eleitoral terá R$2,5 bi na corrida de 2020. PT e PSL serão os partidos mais beneficiados, com R$ 250 milhões cada um.” Manchete de capa do O Globo.

“Raquel Dodge antecipa nomeações e ‘engessa’ sucessor na PGR. Aristides Junqueira diz que Bolsonaro pode incorrer em crime de responsabilidade; ministro da Secretaria-Geral discorda”. Manchete da hora do O Globo online.

“Governo quer facilitar corte de gastos com servidores. Objetivo é ampliar as possibilidades de redução da jornada e dos salários para evitar paralisação da máquina pública”. Manchete de cada do Estadão.

“Orçamento para 2020 prevê cortes em programas sociais. Proposta tem Minha Casa Minha Vida R$1,9 bi menor e Bolsa Família sem correção”. Manchete de capa da Folha.

“Empresas se preparam para ofertas de ações de R$25 bi”. Manchete de capa do Valor Econômico.

📃 Editoriais do dia:

“Insatisfação consolidada. Pesquisa consolida os sentimentos de desconfiança e decepção de parcela crescente da população brasileira em relação ao desempenho do governo de Jair Bolsonaro”. Editorial do Estadão.

“Cautela, depois da boa surpresa. Confederação Nacional da Indústria avaliou como sinal positivo desempenho do PIB, puxado pela expansão de 0,7% da produção industrial”. Editorial do Estadão.

“Crimes na Amazônia. Há muito a esclarecer na questão dos incêndios. Repressão precisa ser implacável com organizações criminosas”. Editorial do Estadão.

“Combate às milícias é vital para reduzir violência. Polícia Civil e Ministério Público dizem que grupos paramilitares matam mais que o tráfico no Rio”. Editorial do O Globo.

“Incêndios expõem fiasco ambiental e afetam campanha de Evo Morales. Descontrole do fogo nas zonas de expansão de culturas e pecuária fez crescer número de protestos”. Editorial do O Globo.

“O arrocho de 2020. Projeto de Orçamento para o próximo ano aprofunda ajuste de má qualidade”. Editorial da Folha.

“Apatia paulistana. Esvaziamento de lideranças políticas torna indefinida disputa pela prefeitura”. Editorial da Folha.

“Argentina mergulha em mais uma crise de endividamento. O pêndulo parece ter voltado à posição inicial – uma crise gigantesca e o peronismo como uma falsa saída”. Editorial do Valor Econômico.

📃 Outros destaques:

“Ministérios perderão até 58% da verba. Apenas 7 de 31 órgãos do governo escapam da redução de gastos. Maior corte é na pasta do Turismo. Investimentos em rodovias e prevenção e controle de incêndios em áreas florestais também caem na comparação com 2019”. Na capa do O Globo.

“Ambiente fica só com 0,001% das emendas para Amazônia”. Na capa do Estadão.

“Maia aposta em agenda ambiental. Diante da crise dos incêndios na Amazônia, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e a bancada ruralista criaram uma agenda ambiental positiva e pararela à do governo Bolsonaro para se contrapor, no Congresso, às críticas da comunidade internacional ao aumento do desmatamento”. Na capa do Valor Econômico.

“Maia e ruralistas articulam agenda ambiental paralela. Tom de confronto adotado por Bolsonaro desagrada deputados que representam agronegócio”. No Valor Econômico.

“Guedes volta à carga com nova CPMF e carteira. A equipe de Paulo Gudes (Economia) está nos ajustes finais de um projeto que cria imposto similar à CPMF e outro sobre a chamada carteira verde e amarela”. Na capa da Folha.

“MEC bloqueia verba e corte afeta 11,8 mil bolsas. O MEC bloqueou mais 5.613 bolsas de pós-graduação da Capes. Ao todo, já foram cortadas 11.811. Se não houver descontingenciamento, nenhum novo pesquisador será aceito este ano.” Na capa do Estadão.

“‘Discussões no Sínodo dos bispos têm viés político’. Eduardo Villas Bôas, assessor do GSI e ex-comandante do Exército”. Na capa do Estadão.

“Corte de bolsas ameaça pesquisa científica no país. Crise financeira do CNPq pode paralisar pesquisas avançadas”. Na capa do O Globo.

“Reprovação a Bolsonaro chega a 38%. Pesquisa Datafolha aponta também que presidente continua como o mais mal avaliado no cargo em um primeiro mandato. Maioria dos entrevistados discorda de suas declarações públicas”. Na capa do O Globo.

“MEC suprime bolsas e não irá financiar nenhum novo pesquisador neste ano”. Na capa da Folha.

“Mais pobres puxam alta na reprovação a Bolsonaro”. Na capa da Folha.

“Você acredita em Papai Noel?, diz Bolsonaro após Datafolha apontar alta em sua reprovação”. Na Folha.

“Se eleição fosse hoje, Haddad venceria Bolsonaro por 42% a 36%, indica Datafolha”. Na Folha.

“Bolsonaro deve anunciar hoje vetos a projeto sobre abuso de autoridade. Solução pode indispor governo federal com opinião pública ou Congresso”. No Valor Econômico.

“Plano de partido único do centro, com PSDB, DEM e PSD, enfrenta resistência”. Na Folha.

“Lançada frente democrática brasileira. Representantes de 16 partidos declararam adesão ao movimento “Direitos Já”, que teve o apoio de Noam Chomsky”. No Valor Econômico.

“Amigos e políticos se despedem do ex-governador Alberto Goldman em enterro”. Na Folha.

“Maioria discorda de frases de Bolsonaro sobre Nordeste, filhos e cocô, diz Datafolha”. Na Folha.

“Mesmo com crise fiscal, Bolsonaro aumenta gasto com desfile de Sete de Setembro”. Na Folha.

“Memorial em prédio que foi centro de tortura em MG terá mais 3 anos de atraso”. Na Folha.

“Procuradoria denuncia coronel que ameaçou ministros do STF em vídeo”. Na Folha.

“Família de Adélio carrega estigma da facada e só tem notícias dele pela TV”. Na Folha.

“Equipe prepara a defesa de uma nova CPMF. Governo defende que tributo sobre transação bancária pesaria menos para empresa”. Na capa do O Globo.

“Maia cobra entrega de proposta do governo para reforma tributária. Deputado voltou a criticar a volta da CPMF”. No Valor Econômico.

“CAOA compra fábrica da Ford. Grupo deve usar instalações de São Bernardo do Campo, no ABC, para produzir automóveis de uma fábrica chinesa”. Na capa do Estadão.

“Caoa está perto de assumir a fábrica da Ford. O governo do Estado de São Paulo deve se apresentar hoje à tarde como o salvador de uma fábrica fadada a ser mais um galpão vazio no ABC. O governador João Doria (PSDB) agendou o anúncio de uma solução para a fábrica da Ford em São Bernardo, que a empresa decidiu fechar”. Na capa do Valor Econômico.

“De vento em popa. O maior escoamento de grãos pelo Norte do país neste ano deve garantir o avanço da Hidrovias do Brasil, que também atua na bacia Paraguai-Paraná, no Sul. “Com boas perspectivas neste 2º semestre [em especial com a exportação de milho], o Ebitda deve alcançar R$ 500 milhões”, diz Fabio Schettino”. Na capa do Valor Econômico.

“Pedida apuração sobre Domingos Brazão no Caso Marielle. Para Raquel Dodge, é preciso apurar indício de participação de conselheiro do TCE no crime”. Na capa do O Globo.

“Contra adiamento do Brexit, Boris Johnson pressiona deputados. Johnson dá ultimato a deputados sobre o Brexit”. Na capa do O Globo.

“FMI virou fardo pesado para Macri. Passados 15 meses, o gigantesco pacote de US$ 50 bilhões oferecido pelo FMI à Argentina se tornou um fardo pesado nas costas do presidente Mauricio Macri”. Na capa do Valor Econômico.

“Prefeito fecha a prefeitura e pede falência de Bento, no RN. A população de Bento Fernandes, município com 5,5 mil habitantes no interior do Rio Grande do Norte, presenciou uma cena inusitada na quinta-feira. O prefeito, Junior Marques (MDB), em um ato público, anunciou que o município faliu e que a prefeitura iria fechar as portas por tempo indeterminado”. Na capa do Valor Econômico.

📃 Colunas e artigos:

“Bolsonaro e Amazônia: ruim para os negócios. Melhor faria se mobilizasse governos e Congresso num projeto para a região”. Na coluna de José Casado, no O Globo.

“Três sofismas e um funeral. Mais pobres serão os primeiros a sofrerem com as secas, as queimadas, o empobrecimento do solo, as enchentes”. Artigo de Cláudio Frischtak, no O Globo.

“Indulto poderia beneficiar até milicianos. Indulto nos termos em que pode ser concedido por Bolsonaro atingirá qualquer policial, mesmo miliciano”. Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Economia não vai socorrer Bolsonaro. Presidente Bolsonaro perdeu popularidade, e a economia não virá em seu socorro, porque a situação não é de melhora a curto prazo”. Na coluna de Miriam Leitão, no O Globo.

“Contra o centro. Temos aí, triste figura, o ex-Moro. Quem duvida de um ex-Guedes? A pergunta tem fundamento na constatação de que, para além da aversão a figuras que possam rivalizar com o protagonismo do líder carismático, o bolsonarismo, força autoritária, tem constituição incompatível com a democracia liberal”. Na coluna de Carlos Andreazza, no O Globo.

“O presidente que encolheu. A estratégia de radicalização pode agitar as redes, mas não ajuda Bolsonaro com o mundo real. Para 55%, o presidente não se comporta à altura do cargo que ocupa”. Na coluna de Bernardo Mello Franco, no O Globo.

“Educação como motor de uma nova história. Só a ação política republicano-democrática e equilibrada pode promovê-la e incentivá-la”. Artigo de Paulo Hartung, no Estadão.

“Reformas para o bem comum. Em clima de insegurança jurídica, quem se arriscaria a criar postos de trabalho pela nova lei?”. Artigo de Ives Gandra Martins Filho, no Estadão.

“Em vez de brigar com dados e ouvir só áulicos, o presidente deveria se cercar de políticos experientes e com bom senso.” Na coluna de Eliane Catanhêde, no Estadão.

“O salário mínimo é fundamentalmente uma política previdenciária, mais do que uma política de mercado de trabalho”. Na coluna de Pedro Fernando Nery, no Estadão.

“DEM mira ‘espólio’ da esquerda no Nordeste. Nas primeiras eleições municipais após o fim da era PT-MDB na Presidência, o DEM investirá politicamente para ficar com o “espólio” da esquerda no Nordeste.” Na Coluna do Estadão, no Estadão.

“ Com apoio do MDB de Santa Catarina e do Paraná, o Rio Grande do Sul lançou movimento pela renovação nacional do partido. Simone Tebet (MS) prestigiou o evento”. Na Coluna do Estadão, no Estadão.

“Em busca de um culpado. De quem é a culpa pela crise dos opioides? A predileção americana por decidir tudo nos tribunais parece ter chegado a uma conclusão. Laboratórios que produzem os analgésicos que deflagraram a epidemia estão sendo processados por estados, condados e municípios. … se a meta é só encontrar um bode expiatório, condenar os laboratórios funciona bem. Se o propósito, porém, for aprender algo com os erros e evitar crises semelhantes no futuro, então há muito mais roupa suja para ser lavada –e não apenas nos tribunais.” Na coluna de Hélio Schwartsman, na Folha.

“Datafolha mostra que Bolsonaro, por ora, é o presidente da conversa fiada. Só 19% dizem confiar plenamente naquilo que é dito pelo atual chefe do Executivo”. Na coluna de Ranier Bragon, na Folha.

“Mente que não sente. Bolsonaro incorporou o coronel Pantaleão, personagem de Chico Anysio”. Na coluna de Alvaro Costa e Silva, na Folha.

“Polarização assimétrica. Defensores da polarização alegam que ódio e mentira se concentram no outro lado”. Na coluna de Pablo Ortellado, na Folha.

“Amazônia: por que fazer um sínodo? Igreja deve alertar sobre a exploração irracional. Trata-se de acontecimento com repercussões e indicações para a vida e a missão da Igreja Católica, fortalecendo-a ainda mais no anúncio do Evangelho, na promoção da vida.” Artigo de Dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidente da CNBB.

“A Lava Jato vive, mas dentro da lei. Decisão do Supremo não joga a favor dos corruptos”. Artigo de Alberto Zacharias Toron, na Folha.

“Com Bolsonaro em baixa, políticos do NE preveem eleição municipal arrasadora para o PSL”. Na coluna Painel, da Folha.

“Afasta de mim esses cálices. Ou surge uma alternativa a PT e Bolsonaro, ou oscilaremos entre o ódio e o medo”. Na coluna de Joel Pinheiro da Fonseca, na Folha.

“Em documentário, MBL apresenta suas origens e pega leve em mea culpa. Movimento Brasil Livre lança documentário ‘Não Vai Ter Golpe’ para narrar sua visão sobre impeachment de Dilma”. Na coluna de Carolina Linhares, na Folha.

“CPI pede milhares de dados à USP. Comissão da Assembleia Legislativa de SP quebra sigilo bancário da instituição e deve requisitar relação de pesquisas acadêmicas”. Na coluna de Mônica Bergamo, na Folha.

📊 Mercado: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a segunda-feira, 02, em queda de -0,50%, a 100.626 pontos. O dólar terminou a segunda-feira, 02, em alta de 1,09 %, a R$4,18, maior valor desde setembro de 2018. O euro fechou em alta de 0,68 %, a R$4,58.

Destaque histórico:

“Em 03 de setembro de 1783 termina a Guerra da Independência dos Estados Unidos com a assinatura do Tratado de Paris pelos Estados Unidos e o Reino da Grã-Bretanha”.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu