TCU reduz em R$400 milhões custo de ferrovia no Centro Oeste

Alterações na metodologia reduziram o custo da construção da Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico) em R$ 400 milhões. Essa é uma das conclusões a que o Tribunal de Contas da União (TCU) chegou após auditoria que fiscalizou o projeto de construção da Fico. A obra será construída entre Mara Rosa, no Estado do Goiás, e Água Boa, no Estado do Mato Grosso.

O trecho, com aproximadamente 383 km de extensão, está listado como prioritário no Plano Nacional de Logística. Conforme o projeto, deve transportar predominantemente insumos e produtos do agronegócio e de mineração da região Centro-Oeste.

O empreendimento será o primeiro a utilizar o mecanismo de investimento cruzado. Dessa maneira, permitindo usar parte do valor de outorga de outras concessões na construção de novas ferrovias, com investimento privado. Precipuamente, foi esse o caso da renovação antecipada dos contratos de concessão das estradas de ferro Vitória a Minas e Carajás. Ambas as concessões administradas pela Vale, cujos valores de outorga serão parcialmente utilizados na construção da Fico.

Irregularidades sanadas

Trabalhos anteriores do Tribunal detectaram irregularidades que foram sanadas na versão atual do projeto. Principalmente, com alterações no plano logístico condizentes ao contexto de construção da obra. Como resultado do aperfeiçoamento do projeto, feito pelo Ministério da Infraestrutura e pela Valec a partir das orientações do TCU, o orçamento passou de cerca de R$ 3,17 bilhões para R$ 2,77 bilhões.

Para o relator do processo, ministro Bruno Dantas, “com as alterações na metodologia adotada, o custo de construção da superestrutura apresentou significativa redução em relação ao projeto anterior, o que reflete ganhos de escala e eficiência em razão da adequação metodológica”.

O novo projeto da ferrovia no Centro Oeste detalhou os serviços de elaboração no projeto executivo, supervisão e controle de obras. Ainda assim, o TCU constatou imprecisões remanescentes, de cerca de 11% do valor total da Fico, e emitiu nova recomendação.

(Com informações do TCU)

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Inscreva-se
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments