Eleições 2018, planos de governo futuro, indiciamento de Temer, são alguns das destaques do noticiário

_SINOPSE DE 17 DE OUTUBRO DE 2018_

Edição: Sérgio Botêlho 

*_JORNAIS_*:

*Manchete e destaques do jornal O Globo*: PGR vai se opor a projeto de Bolsonaro para segurança. Mortes causadas por PMs seriam declaradas em legítima defesa, sem investigação. A proposta do presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, de aplicar de forma automática o princípio da legítima defesa (em termos técnicos, excludente de ilicitude) a policiais militares que matem em serviço, sem que haja investigação da ocorrência, deve provocar o primeiro embate de seu governo, se for eleito, com a Procuradoria-Geral da República. Defendida em visita do candidato à sede do Bope, na segunda-feira, a proposta prevê retomar projeto de lei apresentado por Bolsonaro à Câmara no ano passado. “Qualquer um pode dizer que é legítima defesa, mas, para comprovar, é preciso investigar”, diz a subprocuradora-geral da República Luiza Frischeisen.

Ruralistas vão sugerir nome para Agricultura ao PSL. A bancada ruralista está selecionando dois ou três nomes para apresentar ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, para possivelmente ocupar o Ministério da Agricultura. Se confirmada, uma nomeação desse tipo descumpriria promessa de campanha dele de não aceitar indicações de políticos.

PF indicia Temer e filha por corrupção e lavagem de dinheiro. O presidente Michel Temer e sua filha Maristela foram indiciados pela Polícia Federal sob acusação de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa, após o fim do inquérito sobre pagamento de propina a políticos em troca de benefícios a empresas portuárias. Procurado, Temer não se manifestou.

PT agora nega busca por ‘frente democrática’. Um dia após os ataques do senador eleito Cid Gomes (PDT-CE), e sem conseguir novos apoios, o PT negou ontem que tenha tentado formar uma “frente democrática”. “Que frente?”, disse Jaques Wagner, encarregado da negociação. Cid afirmou que não se arrepende de críticas.

ELIO GASPARI: Bolsonaro tem mais de Duterte do que de Trump.

MERVAL PEREIRA: Os eleitores já foram para onde queriam ir.

MÍRIAM LEITÃO: PT prefere a narrativa a encarar erros.

BERNARDO MELLO FRANCO: Fala de Cid vira arma de Bolsonaro.

Chineses terão 20% de refinaria no Comperj. A Petrobras fez uma parceria com uma subsidiária da petroleira chinesa CNPC para concluir as obras da refinaria do Comperj. Com isso, os chineses terão 20% do projeto, num investimento estimado por especialistas em US$ 3,5 bilhões. As obras do Comperj foram suspensas em 2015, após as denúncias da Lava-Jato, e a Petrobras já havia retomado a construção da unidade de gás. A refinaria, porém, é um projeto maior, que deve gerar 8 mil empregos em Itaboraí.

*Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo*: Bolsonaro quer setor privado em projetos de infraestrutura. Ideia é expandir ferrovias, rodovias e aeroportos com poucos recursos públicos. Caso Jair Bolsonaro (PSL) seja eleito, sua equipe planeja um pacote para destravar projetos de infraestrutura. Os planos incluem a possibilidade de renovação antecipada de contratos em curso e relicitação dos que apresentam problemas. A base do plano é expandir ferrovias, rodovias e aeroportos principalmente com recursos privados. O BNDES poderá financiar a fase de construção, segundo Paulo Coutinho, economista que supervisiona propostas para infraestrutura do PSL. “Objetivo é não colocar mais dinheiro do governo. O limite é o que está hoje no Orçamento”, disse. A discussão de propostas ainda está em fase inicial, mas a estratégia geral do programa de um eventual governo do PSL inclui a tentativa de aumentar a segurança jurídica para atrair investimento privado com a reorganização da gestão dos órgãos públicos de licenciamento, regulação e controle. (ECONOMIA / PÁGS. B1 e B3)

Críticas de Cid ampliam isolamento do PT no 2º turno. As críticas do senador eleito Cid Gomes (PDT-CE) – irmão de Ciro Gomes – ao PT expuseram o mal-estar na esquerda e ampliaram o isolamento do candidato Fernando Haddad neste segundo turno. Cid disse que o PT deveria fazer autocrítica e assumir que fez “muita besteira” para não “perder feio”. A fala foi levada ao ar na propaganda eleitoral de Jair Bolsonaro.

PT replica propostas. Haddad levou políticas desenvolvidas por ele em São Paulo para seu plano de governo, como redução da velocidade na cidade e expansão de ciclovias.

PF indicia Temer e pede a prisão do coronel Lima. A PF indiciou o presidente Michel Temer, sua filha Maristela, o coronel reformado da PM João Baptista Lima Filho e mais oito pessoas no inquérito que apura favorecimento a empresas do setor portuário na edição de decreto de 2017. A PF pediu ao STF a prisão preventiva de 4 indiciados, incluindo o coronel Lima. A defesa de Temer afirmou que não teve acesso ao relatório.

Ameaças ao TSE. Pedido de investigação foi feito após a presidente Rosa Weber ter recebido mensagem que dizia que haverá protestos se urnas forem fraudadas.

Eleito, general lança filho de Bolsonaro para presidir Câmara. Coordenador das candidaturas dos militares das Forças Armadas e deputado eleito pelo PSL-SP, o general Roberto Sebastião Peternelli Júnior defendeu que o partido indique Eduardo Bolsonaro (SP) para a presidência da Câmara. Deputado eleito pelo PSL-RN, o general Eliéser Girão Monteiro Filho defendeu impeachment e prisão de ministros do STF que libertaram políticos. (POLÍTICA / PÁG. A8)

Candidato do PSL promete extraditar Cesare Battisti. Jair Bolsonaro afirmou em um tuíte que, se eleito, vai extraditar o ex-ativista italiano Cesare Battisti, asilado no Brasil após ser condenado à prisão perpétua na Itália. A defesa de Battisti respondeu que Bolsonaro não poderá expulsá-lo “se for respeitar o Judiciário”.

Vera Magalhães: A razão primordial pela qual aliados defendem que Bolsonaro não vá a debates é de natureza estratégica, como ele admitiu.

Editorial1: A longevidade do real. O Plano Real demonstrou que a estabilidade monetária só é possível se a dívida pública estiver sob controle de fato – e não escamoteada por truques contábeis.

Editorial2: Pior do que em 2015. Números mostram que, em lugar do ajuste estrutural das finanças estaduais, ocorreu o agravamento do problema.

*Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo*: Ataque de Cid Gomes põe em xeque frente contra Bolsonaro. Para tentar reduzir a desvantagem de Haddad, campanha do PT investirá no eleitorado mais pobre e em evangélicos. Com o fracasso na articulação de uma frente pluripartidária em apoio a Fernando Haddad, a campanha do PT ao Planalto admite ajustes para tentar ampliar as alianças. A ordem é investir no eleitorado mais pobre e em grupos de evangélicos, juristas, artistas e intelectuais. O ato é reflexo da preocupação em conter o avanço de Jair Bolsonaro (PSL) — segundo pesquisa, a distância é de 18 pontos. Anteontem, duro discurso de Cid Gomes (PDT), irmão de Ciro Gomes, contra o PT pôs em xeque o plano de arco democrático para contrapor o deputado. Haddad esperava formar frente com atores políticos importantes, como Ciro e Marina Silva (Rede). Também tentou apoio do ex- presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e do ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, mas as tratativas não avançaram. (Eleições 2018 A4)

Campanha de deputado tem divergência em tema energético. Temas de política energética, como o preço dos combustíveis, privatizações e o papel das estatais, têm causado embates dentro da campanha do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Executivos do setor reunidos em evento no Rio demonstraram dúvidas com relação ao programa do candidato.

Governo avança em leilão de usinas no Nordeste que pode elevar conta de luz.

Marcelo Coelho: Será que repúdio a um extremista fere o apartidarismo? Como manter o apartidarismo do jornal? Significa tratar os candidatos como igualmente descompromissados com a democracia? E dizer “elenão e o outro também não”? Será que significa “tortura pode ser”?

Doria e França têm planos genéricos de combate ao crime. A questão do crime organizado perpassa as propostas dos candidatos ao governo paulista. Sem definir ações, João Doria (PSDB)se ancora na redução de mortes, e Márcio França (PSB), em ampliar integração entre as polícias.

Eleições 2018. Militar não será maioria em governo Bolsonaro, diz presidente do PSL.

Voto Bolsodoria esbarra no Major Olímpio, que vê o PSDB como inimigo.

Alexandre Schwartsman: Promessa de programa liberal ilude mercado.

Venezuela afirma ter repatriado 6.389 que viviam no Brasil.

*Manchetes do jornal Valor Econômico*

Stone ignora eleição e atrai Buffett para IPO bilionário. A empresa de meios de pagamento Stone ignorou alertas de bancos sobre o risco de fazer uma oferta inicial de ações (IPO) em plena turbulência eleitoral e, ao que tudo indica, pode ser bem-sucedida. Um grupo de nomes de peso, incluindo o bilionário investidor americano Warren Buffett, está entrando na operação.

Senado rejeita privatização de distribuidora da Eletrobras. O plenário do Senado rejeitou ontem, por 34 votos a 18, o projeto de lei que liberava a venda de distribuidoras da Eletrobras, considerado prioritário na reta final do atual governo.

PF indicia Temer por corrupção e mais dois crimes. A Polícia Federal conclui o inquérito sobre suposto favorecimento ilegal a empresas do setor portuário pelo presidente Michel Temer e sua filha Maristela. Outras nove pessoas foram indiciadas. No caso de Temer, as investigações apontam indícios de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Em defesa dos negócios. “O que a China precisa é o que o Brasil tem; o que o Brasil precisa é o que a China tem”. O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, espera que, se eleito, Jair Bolsonaro valorize as relações Brasil-China.

Maconha já movimenta bilhões no Canadá. A partir de hoje, o Canadá tornou-se o maior país do mundo em que o uso da maconha é legal. Companhias dessa área já valem mais que empresas tradicionais de outros ramos.

Um ‘balcão único’ para o licenciamento. Encarregado do plano de governo de Jair Bolsonaro (PSL) para a área de logística, Fábio Abrahão, sócio da butique de negócios Infra Partners, defende a criação de um “balcão único” que faça a ponte entre investidores e órgãos envolvidos na liberação de obras.

PT desiste da ideia de uma frente ampla. Diante do fracasso da tentativa de formar uma frente democrática ampla que trouxesse nomes políticos de peso, o principal investimento do PT, a partir de agora, será na busca de apoio entre artistas, cientistas, religiosos, educadores e intelectuais.

Editorial: Aquecimento desafia o ritmo da agenda ambiental. Impedir o avanço do desmatamento da Amazônia e estabelecer uma convivência amigável com a floresta, as principais contribuições do Brasil, ainda são desafios longe da superação.

Deixe uma resposta

Fechar Menu