Eleições 2018, economia, violência, revelações da CIA e Dia das Mães são os destaques dos jornais

SINOPSE DE 13 DE MAIO DE 2018 Edição: Sérgio Botêlho  JORNAIS: Manchete e destaques do jornal O Globo: Eleições 2018. Presidenciáveis evitam discutir a Previdência. Pré-candidatos fogem de temas

SINOPSE DE 13 DE MAIO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Eleições 2018. Presidenciáveis evitam discutir a Previdência. Pré-candidatos fogem de temas polêmicos como fixação de idade mínima. Para economista Fábio Giambiagi, respostas vagas impedem eleitor de ter clareza sobre possível reforma em 2019/

Contas públicas podem deixar país ingovernável, afirma Marcelo Caetano. Reforma de Temer teria prazo de só dez anos, diz secretário da Previdência/

Tráfico atua em imóveis ocupados. Traficantes que dominam favelas instalaram pontos de venda de drogas dentro de prédios e casarões que são alvo de ocupações na região central do Rio, tirando proveito da boa localização dos imóveis/

Tentativa de fraude. DPVAT nega R$1 bi de pagamentos. O segundo DPVAT, de acidentes de trânsito, teve mais de 175 mil pagamentos indevidos, no total de R$ 994 milhões, negados em 2017/

Dia das Mães. Saindo do vermelho. Projeto-piloto de curso por mensagens de celular, criado pela CVM, ensina 20 mães de Dona Marta, Mangueira e Maré a se organizarem financeiramente/

Ruth de Aquino. Indulto ou insulto. Quem há de aceitar como justa a saída de Suzane von Richthofen e Anna Carolina Jatobá, do presídio de Temembé, no Dia das Mães?

Casamento real. Meghan, princesa com opinião.

Coaf apura operações financeiras de Romário. Movimentações bancárias e patrimônio milionário da irmã do senador viram alvo do Conselho/

PT diz que não desistirá da candidatura do ex-presidente. Para Gleisi, abrir mão de Lula seria fazer ‘o jogo dos seus algozes’/

Marina quer atrair eleitores de Lula e Joaquim/

Elio Gaspari: A CIA achou que Geisel dominaria a ‘tigrada’. Para as vivandeiras e napoleões de hospício de hoje, o documento da CIA ensina que na ditadura praticaram-se crimes e aquilo que pretendia ser ordem era uma enorme bagunça/

Ascânio Seleme: Quando histórias de roubos já não comovem mais. Ou como os brasileiros se dão conta de que só há um caminho em direção ao futuro/

Primeiro senador condenado à prisão escapa de cumprir a pena. Ivo Cassol, de Rondônia, recorre há cinco anos contra condenação do STF/

Supremo foi severo em caso de deputado preso. Natan Donadon, também de Rondônia, cumpriu pena na Papuda/

Multados, mensaleiros dão calote na Justiça. Julgamento do escândalo de 2005 terminou há quatro anos, e dez dos 24 condenados ainda estão devendo/

Advogados alegam que indulto contempla a pena em dinheiro. Relator das execuções penais, Barroso vê privilégio aos inadimplentes/

Ações da Lava-Jato já mobilizam 55 países. A cada três dias, um pedido de informações é feito entre nações e territórios, de Andorra a Gibraltar/

Editorial: Herança maldita que se perpetua. Veio a redemocratização, a estabilização da economia, com o Plano Real, e o “déficit habitacional” continuou sendo um termo que se eterniza na lista de heranças malditas de décadas.

 

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Ciclo do DEM com PSDB está no fim, diz Rodrigo Maia. Presidente da Câmara e pré-candidato afirma que seu partido quer buscar novo polo, sem tucanos e MDB/

Safra de soja mira dianteira mundial. Volume colhido deve atingir 116,9 milhões de toneladas e País pode, na próxima safra, se tornar pela 1ª vez o maior produtor mundial/

‘É preciso dar uma geral no RH do governo’ diz Arminio Fraga economista e ex-presidente do BC. O ex-presidente do BC Arminio Fraga disse, em entrevista, que o Estado precisa de uma reforma que inclua a adoção de metas e de sistemas de avaliação de servidores. “É fundamental que os que trabalham no governo sejam avaliados.”/

Trânsito matou 23% mais no ano passado. Violência. De cada quatro acidentes registrados no Brasil, três envolvem motocicletas, aponta pesquisa exclusiva do DPVAT; segundo levantamento, custo de óbitos e de casos de invalidez permanente na economia foi de quase R$ 200 bilhões no ano passado/

Impasse com Daniel Dantas trava Belo Monte. Infraestrutura. Segunda linha de transmissão da hidrelétrica, a cargo da chinesa State Grid, tem prazo de conclusão previsto para dezembro de 2019, mas é alvo de disputa judicial porque seu traçado corta quatro propriedades do dono do banco Opportunity/

EI assume ataque que deixou 2 mortos em Paris. Agressor foi morto a tiros por policiais; Ministério Público Antiterrorismo da capital francesa anunciou a abertura de uma investigação/

PM mãe de aluno mata ladrão na porta da escola. A policial participava de evento de Dia das Mães em Suzano, quando viu a abordagem do criminoso e deu 3 tiros; ele morreu após ser socorrido/

O voo solo do ex-tucano. Álvaro Dias (Podemos) é cortejado por siglas do campo ideológico insatisfeitas com PSDB e MDB/

Desistência não esfria cobiça por ‘outsiders’. Partidos tradicionais ainda apostam na força de não políticos para aumentar as chances nas urnas/

‘Dúvida joaquiniana’ atormenta decisão de Datena sobre Senado. Apresentador é opção do DEM para eleições em SP; no Rio de Janeiro, Bernardinho será ‘embaixador’ do Novo/

Vera Magalhães: Ideias fora de lugar. Nitidez na economia é crucial nesta eleição, para que não se repita o desastre de Dilma/

Eliane Cantanhêde: Não há “meio ditador”, mas Geisel foi um ditador que operou pelo fim da ditadura e se empenhou pela abertura/

Coluna do Estadão: Planalto deve manter parte da equipe de Lula. O ministro Joaquim de Lima (Secretaria-Geral da Presidência) tem em mãos dois estudos que tratam da redução da estrutura a que Luiz Inácio Lula da Silva tem direito como ex-presidente da República. Nos dois casos, o petista mantém assessores mesmo enquanto estiver preso, mas em menor número. O primeiro parecer reduz de oito para quatro o efetivo de servidores destacados para atender Lula. O segundo assegura ao ex-presidente o direito de continuar apenas com dois funcionários que ajudariam nas tarefas do Instituto Lula/

Editorial1: Em compasso de espera. Neste ano, tudo parece estar suspenso. Não é possível antecipar nenhum cenário, qualquer que seja o vencedor da disputa pela Presidência da República/

Editorial2: Os abusos do Ministério Público. Não é de hoje que, arvorando-se em consciência moral da Nação, promotores e procuradores vão contra o que julgam ir contra suas convicções/

Editorial3: Argentina, primeira baixa. O Brasil é o menos vulnerável à instabilidade internacional, mas tem de se preparar para um quadro menos benigno.

 

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Zona Franca dá incentivo a beneficiário do Bolsa Família. TCU indica que empresas simulam vendas ao polo e ganham isenção fiscal indevida/

Dia das Mães. Mulheres se unem contra obstáculos da fase pós-parto/

Perfeição para mãe é impossível/

Pesquisa indica que produção científica cai após maternidade/

Empresária Luiza Trajano fala sobre a culpa ao criar filhos. ‘Se tiveram má criação, foi porque você trabalhou’/

Centro paulistano ganha gente, mas falta revitalização. Centro de SP é repovoado aos poucos, mas patina em ações de revitalização. Região tem oferta de transportes e cultura e lançamentos imobiliários/

“Fake News entra no currículo para testar o senso crítico dos vestibulandos/

Em Cannes, marcha com 82 mulheres por igualdade entre os gêneros/

Nos 130 anos da Lei Áurea, Lilia Schwarcz escreve que não há motivo para celebrar/

Sem dinheiro, Minas distribui ambulâncias e parcela salários. Governo de MG reconhece que a crise é real e enfrenta oposição na Assembleia/

Elio Gaspari: História do Brasil ainda é escrita pelos Estados Unidos. A CIA achou que Geisel dominaria a ‘tigrada’. O general sabia que havia uma matança, autorizou que continuasse e os americanos acharam que ele a controlaria/

Bruno Boghossian: Prestação de contas à Justiça vem em parcelas suaves para o PSDB. Em 4 dias, inquérito contra Alckmin é congelado e operador tucano ganha liberdade/

Jânio de Freitas: Em boa hora. Teor do documento da CIA não muda só os papéis alardeados dos ditadores. Ter alguém como Bolsonaro recebendo o maior apoio para exercer a Presidência, segundo as pesquisas sem Lula, dá a mais concentrada resposta às perguntas sobre o indescritível desastre brasileiro. Apoio a alguém sem preparo, retrógrado, com bens acumulados sem explicação e defensor da ditadura em suas piores violências, enquanto sondagens mostram também tais apoiadores indignados com as sucessivas exibições das roubalheiras engravatadas, da ferocidade em sandálias e da degradação na política/

Mônica Bergamo: ‘Não se chama Lava Jato, mas o esporte está sendo passado a limpo’, diz Galvão. Rumo à sua 12ª Copa, o narrador diz que não recebe ordem para bajular Neymar/

Vinícius Torres Freire: O chuchu Alckmin, de picolé a fritura. Para políticos do centrão, ex-governador é apenas opção de última instância/

Marcelo Leite: Pantanal ameaçado. WWF mapeia alto risco ecológico em cabeceiras dos rios da planície alagável/

Argentinos correr para dolarizar suas economias/

Após tragédia, tucano desafia Renan em Alagoas. Deputado estadual Rodrigo Cunha, filho de deputada federal morta em 1998 a mando de seu suplente, tentará vaga no Senado/

Palanque fashion começa a agitar palanque eleitoral/

Painel: Toffoli sinaliza que não pauta prisão em segunda instância, aposta do PT para Lula/

Odebrecht abastecia setor de propinas com caixa dois de venda de imóveis, diz delator. Segundo ex-diretor, empresa aceitava que pagamento de até 30% de propriedades de alto padrão fosse sem registro/

Popular e de difícil controle, WhatsApp mira notícias falsas. Com 120 milhões de usuários no Brasil, serviço planeja reduzir conteúdo indesejado/

Editorial: Reformar o STF. Supremo acumulou poderes e tarefas em excesso, o que acentua problemas como a falta de prazos.

 

 

.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.