Eleição 2018 é o tema dominante nas manchetes dos jornais

Primeira Hora – Anexo 6

SINOPSE NACIONAL DE 06 DE SETEMBRO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Bolsonaro mantém a liderança, e disputa pelo 2º lugar se acirra. Marina, Ciro e Alckmin estão em empate técnico; Haddad aparece com 6%.

Inquérito da PF vê indícios de corrupção de Temer. Relatório enviado ao STF imputa crimes a Moreira, Padilha e Skaf; presidente, que nega as acusações, teria recebido R$ 1,4 milhão de propina por meio do coronel João Baptista Lima.

MP de São Paulo denuncia Alckmin por improbidade. Na ação, promotor pede cassação de direitos políticos de tucano; ex-governador defende julgamento rápido do caso.

PT vai ao Supremo contra decisão do TSE sobre Lula. Mesmo com apelação, partido já prepara ato, na semana que vem, em Curitiba, para apresentação de Haddad como substituto do ex-presidente na chapa petista; no Twitter, Gleisi Hoffmann nega que entrada de ex-prefeito na disputa já esteja definida.

Garotinho teme prisão, mas reafirma candidatura. Condenado em segunda instância por formação de quadrilha, ex-governador diz ser alvo de motivações políticas e não jurídicas. Ele admite temer uma nova prisão.

Brasil tem potencial único de petróleo e gás natural. Seminário organizado pelo Globo e IBP discute as perspectivas futuras do setor de óleo e gás e sugere que país transforme as reservas em riqueza para a população.

“Brasil deve usar as reservas de petróleo para tirar as pessoas da pobreza”. Segundo o diretor-geral da ANP, a demora na abertura do pré-sal a um número maior de companhias provocou, em dez anos, a perda de bilhões de reais em participações governamentais e tributos.

Melhoria do ambiente de negócios é vital para o crescimento do setor. As mudanças começaram com a Lei 13.365/2016, que revogou a obrigatoriedade de participação da Petrobras em todos os projetos, mas o licenciamento ambiental ainda é um desafio.

Inglaterra acusa russos por ataque contra ex-espião. Reino Unido aponta dois suspeitos no ataque a ex-espião russo no país.

Trump contesta livro, mas caça quem vazou informação. Funcionário afirma que grupo dentro do governo jurou bloquear as ‘piores inclinações’ do presidente para ‘preservar as instituições democráticas’; chefe de Estado denuncia ‘covardia’ e publica no Twitter: ‘TRAIÇÃO’.

Desafio de gestão. As saídas para a modernização. Especialistas e gestores recomendam diversificar receitas e modernizar gestão para vencer o desafio da escassez de recursos em museus. Em nota, o Banco Mundial nega ter feito exigência para financiar o Museu Nacional e diz que tentou realizar doações à instituição, sem êxito.

Merval Pereira: Última cartada. A realidade deve se impor nos próximos dias, e a máquina propagandística do PT terá que carregar Haddad ao segundo turno. Por enquanto, essa confusão toda não o tem beneficiado. Ele cresceu dentro da margem de erro na pesquisa do Ibope divulgada ontem, e Ciro é quem mais ganhou o espólio do lulismo órfão de seu líder. Com isso, empatou com Marina, enquanto Alckmin moveu-se pouco, dentro da margem de erro. Marina manteve sua posição, mas foi a única que não cresceu, o que acende uma luz amarela.

Ascânio Seleme: Um país sem manutenção. O incêndio do Museu Nacional prova que o Brasil é mesmo um país improvisado. Nada aqui, com algumas raras exceções que confirmam a regra, funciona de acordo com o combinado. Em qualquer esfera em que um ente público estiver envolvido, vai estar faltando alguma coisa. E em todas, não se encontrarão cuidado, capricho, carinho e, sobretudo, faltará manutenção.

Carlos Alberto Sardenberg: Jornalistas, não robôs. Para que precisamos de jornalistas? Sei que muita gente responde com outra pergunta: precisamos? Mas o fato é que não há como escapar dos jornalistas. Alguém precisa contar o que está acontecendo e o que as pessoas estão achando disso tudo. De maneira que vale a questão: como a imprensa, como nós, jornalistas, exercemos esse papel indispensável, especialmente num momento eleitoral. Façam as perguntas e deixem a gente falar —é o que diriam os candidatos se fossem sinceros.

Editorial1: Museus precisam de autonomia na administração. Universidade pública não é o melhor organismo para abrigar uma instituição com carências históricas.

Editorial2: Celebrado como vitória, Nafta 2 é ruim para trabalhador dos EUA. Negociação com Canadá ameaça implodir tratado comercial que está prestes a completar 25 anos.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Bolsonaro mantém liderança; Ciro sobe e empata com Marina, diz Ibope. Pesquisa mostra candidato do PSL com 22%; pedetista cresce 3 pontos, tem 12%, e está numericamente empatado com candidata da Rede.

Bolsonaro perde para Ciro, Marina e Alckmin no segundo turno, diz Ibope.

Análise. Pesquisa mostra sucessão imprevisível e emocionante. A nova pesquisa Ibope sobre a sucessão presidencial, a primeira realizada após as entrevistas dos principais candidatos ao Jornal Nacional e ao começo do horário eleitoral gratuito, mostra que a disputa ficou ainda mais imprevisível e emocionante. Em que pese a liderança de Jair Bolsonaro (PSL) um pouco acima dos 20% das intenções de voto, sua alta rejeição (44%), a maior entre os candidatos ao Palácio do Planalto, dificulta sua competitividade num eventual segundo turno. Prova disso é o fato de Bolsonaro perder para praticamente todos seus concorrentes. No melhor cenário, estaria tecnicamente empatado com Fernando Haddad (PT), numericamente à frente do petista.

STF deve discutir registro de Lula. Petista entrou com recursos contra derrota no TSE. O pedido que está com Edson Fachin busca afastar os efeitos da condenação no caso do triplex e, assim, recolocar Lula na eleição. A petição com Celso de Mello contesta decisão do plenário.

Brasil terá projeto para vítimas de abusos. Igreja Católica. Grupo que busca soluções eclesiais para trabalhar casos de abuso se reúne hoje no Vaticano com Francisco e uma das ideias é criar um canal de comunicação com denunciantes; assunto pode ser discutido na próxima assembleia da CNBB.

MPE acusa Alckmin de improbidade no caso Odebrecht. Segundo Ministério Público de São Paulo, ex-governador se beneficiou de pagamento de R$ 7,8 milhões da Odebrecht via caixa 2; ele nega.

Investidores retiram US$ 9,8 bi do País em agosto. Fluxo cambial. Saída de capital registrada em agosto foi a maior desde março, quando investidores tiraram US$ 10,5 bi depois que a reforma da Previdência foi engavetada; para economistas, movimento deve se intensificar até a escolha do novo presidente.

Arquivo Nacional não tem estrutura anti-incêndio. Desde o início de 2017, há um laudo que aponta precariedade para enfrentar o fogo; local abriga a Lei Áurea e os autos da Inconfidência.

Sabatina. Candidatos à Presidência. ‘Governo quebrado não resolve nada’. Em evento Estadão-Faap, Henrique Meirelles (MDB) defende teto de gastos e diz que, ‘se promessas resolvessem, o Brasil seria uma maravilha’.

Governo reajusta tabela de fretes em 5%.

Trump quer tornar lei de difamação mais dura. ‘Invenções’. Jornalista Bob Woodward retrata Casa Branca como ‘casa de loucos’ nas mãos de um líder raivoso e desequilibrado, cujos assessores tentam evitar que ele leve o país a uma guerra; presidente tenta desacreditar relato.

Coluna do Estadão: Para vencer, Bolsonaro propõe voto em branco. A campanha de Jair Bolsonaro (PSL) quer sensibilizar os eleitores para que decidam a eleição já no primeiro turno. Como mostrou a pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo, o capitão reformado não consegue derrotar a maioria dos seus adversários num eventual segundo turno. A exceção é o cenário contra o PT, quando registra 36% ante 37% de Fernando Haddad. Para sensibilizar os eleitores, os aliados de Bolsonaro vão defender que quem não vota nele deve optar por branco e nulo, o que reduz o número de votos necessários para elegê-lo já na primeira fase.

Coluna do Estadão: A campanha de Geraldo Alckmin comemorou o vídeo em que Michel Temer ataca diretamente o candidato rebatendo críticas ao seu governo. Dizem que ajuda a reforçar a estratégia de dissociar a imagem dos dois. A artilharia não vai parar por aí. Hoje, Temer vai publicar novos vídeos lembrando que o PSDB apoiou o seu governo até outro dia e que o partido ainda ocupa o Ministério das Relações Exteriores; além de rebater críticas do candidato petista Fernando Haddad ao desemprego.

Coluna do Estadão: O presidenciável Ciro Gomes (PDT) aposta que herdará os votos de Lula. Sua lógica é que o ex-presidente começou a construir Dilma em 2007, após se reeleger, e não será em dez dias que fará Haddad.

William Waack: ‘Chamado à razão’. Nenhum dos oficiais de alta patente com os quais conversei antecipa tranquilidade e estabilidade pela frente. A coluna é dedicada ao que pensam os militares sobre o momento político. Condensei mais de dezena de longas conversas recentes com oficiais de alta patente das três armas, quase todos da ativa, incluindo dois comandantes. Oficiais generais não manifestam qualquer disposição para a tal “intervenção” militar.

Zeina Latif: Casamento de conveniência? O que Paulo Guedes propõe não é um programa de governo. E suas propostas são inviáveis do ponto de vista econômico. Bolsonaro expõe divergências com seu guru e fiador, o economista Paulo Guedes. É notável a divergência entre os discursos de Jair Bolsonaro e Paulo Guedes.

Editorial1: Segue a farra dos privilégios. Boa parte dos R$ 306,40 bilhões em benefícios fiscais que o governo vai conceder em 2019 irá para os cofres e bolsos de quem menos precisa de favores oficiais.

Editorial2: Os números trágicos da educação. Ideb e Saeb mostram que o Brasil continua perdendo a corrida educacional.

Editorial3: A infraestrutura necessária. A solução dos problemas da infraestrutura de transporte e a criação das condições para que as diferentes modalidades se tornem mais eficientes, de modo a reduzir os custos de produção e aumentar a competitividade do Brasil, exigiriam um investimento mínimo de R$ 1,7 trilhão em mais de 2,6 mil projetos essenciais.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: MDB sacrifica seu candidato e aposta em PT e Bolsonaro. Partido de Temer prioriza desempenho nos estados e põe máquina atrás de rivais; Meirelles diz esperar pesquisas. Dirigentes do MDB já não acreditam na viabilidade de Henrique Meirelles na disputa pelo Planalto e decidiram apostar a estrutura do partido nos estados em candidaturas como a do PT e a de Jair Bolsonaro (PSL). A partir da próxima semana, o alvo passa a ser eleger governadores e uma bancada grande no Congresso. O movimento ganhou força na cúpula do MDB, principalmente no Nordeste, região em que o ex-presidente Lula (PT) concentra 59% do eleitorado. Dos 13 candidatos a governador pelo partido, ao menos 4 já utilizaram sua imagem em campanhas. No Sul, bandeiras conservadoras e do agronegócio levam a sigla a Bolsonaro. Com várias alas e caciques regionais, o MDB já abandonou candidatos. “Temos expectativa de reação que possa ser captada não com pesquisas de agora, mas no fim da próxima semana”, disse Meirelles.

Sem Lula na disputa pelo Planalto, deputado lidera com 22%, afirma Ibope.

Recursos para obras na UFRJ caem e 90% ficam no papel. Sufocada por altos custos, a UFRJ, responsável pelo Museu Nacional no Rio, não usou nem 10% do valor previsto para obras e instalações no ano passado. Se em 2014 eram previstos R$ 28,9 milhões, em 2017 a quantia caiu para R$ 3,s milhões, e a maior parte ficou no papel. O governo Temer avalia desvincular o museu da universidade .

Alckmin tenta censurar no TSE pesquisa do Datafolha. Levantamento foi registrado no tribunal na terça-feira (4).

Bolsonaro chuta Pixuleco em ato no DF. Candidato do PSL exibiu e chutou boneco crítico ao ex-presidente Lula em Ceilândia, durante discurso em que manteve a esquerda como alvo.

Em novo gesto ao eleitorado feminino, Alckmin vai levar Ana Amélia à TV.

Em vídeos, Temer ataca Alckmin e vincula tucano.

Polícia Federal conclui que Temer recebeu propinas da Odebrecht.

Janio de Freitas: Museu Nacional simboliza o Brasil que vemos e que será visto.

Daniela Lima: Bolsonaro resolveu testar os limites da fidelidade de seu eleitorado.

Editorial1: Bizarras ordenações. Detalhismo suscita questões a respeito do que é permitido fazer na propaganda partidária.

Editorial2: América cindida. Processo de escolha para Suprema Corte vem se contaminando pela polarização partidária.

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Lucro semestral de estatais cresce 136%, para R$ 37,2 bi. O lucro das empresas estatais federais chegou a R$ 37,2 bilhões no primeiro semestre, alta de 136% em relação ao mesmo período do ano passado. A Petrobras respondeu por 46% do total.

Lojista poderá dar recebível a vários bancos. O Banco Central quer acabar com a exclusividade dos bancos nas operações de financiamento de lojistas que usam recebíveis de cartões de crédito como garantia.

Crise incentiva ‘terceira via’ na Argentina. Um sentimento de desilusão quanto ao futuro próximo da Argentina é terreno fértil para uma terceira grande força eleitoral: nem a reeleição do presidente Mauricio Macri, debilitado pela crise, nem a volta de Cristina Kirchner, afetada pelo escândalo de propinas.

Em direção ao futuro. A Volvo fez no Brasil as primeiras vendas de caminhões autônomos do mundo, que já operam nos canaviais da Usaçucar, no Paraná. O negócio é passo importante para o futuro da montadora, que além de vender os veículos, fabricados no Brasil, prestará serviços, diz Wilson Lirmann.

O primeiro submarino vai ao mar. Iniciado há 20 anos, o Programa de Desenvolvimento de Submarinos da Marinha (Prosub) vai lançar ao mar, em 12 de dezembro, o primeiro dos quatro submarinos convencionais previstos no acordo de cooperação firmado com a França, em 2008. A expectativa é que os demais fiquem prontos em 2020, 2021 e 2022.

Ibope traz 3 candidatos embolados no 2º lugar. Pesquisa Ibope divulgada ontem à noite pela “TV Globo” e por “O Estado de S. Paulo” mostra Bolsonaro (PSL) com 22% das intenções de voto. Com margem de erro de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, a pesquisa traz Marina, Alckmin e Ciro tecnicamente empatados.

Contas públicas. Lucro de estatais cresce, e Tesouro recebe R$ 5,7 bi. Projeção indica que Tesouro Nacional deve receber R$ 7,9 bilhões das empresas estatais este ano

Mais de R$ 100 bi ficaram fora do Orçamento. Ficaram fora do cálculo oficial a arrecadação com o leilão do petróleo excedente dos campos da cessão onerosa à Petrobras.

Crise de emergentes afeta país, mas eleição é o grande evento, diz Guardia. Ministro da Fazenda afirma ter convicção de que se o Brasil se afastar das reformas será muito difícil o país continuar a crescer

O caos, a farda e a toga na aliança de Bolsonaro. Aliados do PSL radicalizam por vitória no 1º turno.

Plenário do STF deve julgar pedido de Lula para validar decisão da ONU. Previsão dos ministros é a de que a decisão do TSE será mantida.

PT deve anunciar Haddad no dia 11.

PF atribui a Temer crime de corrupção e lavagem. PF acusa do mesmo delito os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco.

Eleições MP-SP apresenta ação contra Alckmin.

Desilusão cresce na Argentina e país já debate o pós-Macri. Sentimento de desilusão na Argentina é visto como um terreno fértil para o aparecimento de uma terceira grande força nas eleições presidenciais de 2019

EUA têm déficit recorde com China e Europa. Déficit comercial dos EUA tem maior alta em três anos, de 9,5% no mês, com saldos negativos recordes com a China e a União Europeia.

Artigo no ‘NYT’ revela resistência interna a Trump. Um alto funcionário da Casa Branca revela como alguns membros da administração federal agem silenciosamente para minimizar o que acreditam ser ações potencialmente perigosas do presidente Donald Trump

China acumula risco em investimento global. A China acumulou US$ 369,5 bilhões em “ativos problemáticos” entre 2005 e junho deste ano em projetos e financiamentos, como os relacionados à sua Iniciativa do Cinturão e da Rota.

Editorial: Recessão e inflação alta dominam a cena argentina. Macri não conseguiu se desvencilhar da “herança maldita” de Cristina Kirchner, o que ainda pode arruinar suas chances de continuar na Casa Rosada.

Deixe uma resposta

Fechar Menu