Eleição 2018 é o tema das manchetes dos jornais

Primeira Hora – Anexo 6

_SINOPSE NACIONAL DE 18 DE AGOSTO DE 2018_

Edição: Sérgio Botêlho 

*_JORNAIS_*:

*Manchete e destaques do jornal O Globo*: Candidatos vão ao Nordeste em busca de eleitores de Lula. Se petista for barrado, 10 milhões de simpatizantes na região dizem não ter um nome à Presidência/

Confronto entre Marina e Bolsonaro marca debate entre presidenciáveis. Em encontro promovido por Rede TV e Isto é, líderes das pesquisas sem Lula têm o primeiro enfrentamento da campanha/

Análise: Candidatos mais à vontade, mas sem ideias novas/

Bolsonaro confere ‘cola’ na própria mão antes de fazer pergunta a Marina. No penúltimo bloco do debate, candidato do PSL verificou anotações com dizeres ‘pesquisa’, armas’ e ‘Lula’/

Merval Pereira: Cidadãos estão mais abertos ao autoritarismo. Estudos mostram que os cidadãos, e não apenas aqui, estão cada vez mais abertos a soluções autoritárias/

Míriam Leitão: Eleito herdará desafio do desemprego. No começo de 2012, quando o indicador mais amplo de mercado de trabalho, que une o desemprego, o desalento, e a subutilização da mão de obra, começou a ser medido, a taxa total era de 20,9%. Agora é 24,6%. Naquela época, a economia não estava em recessão. Há um problema mais profundo que desafia o país a ter melhor entendimento do fenômeno. O desemprego é uma espécie de índice síntese dos erros que o país tem cometido em várias áreas e não comporta simplificações/

Lígia Bahia: Direito à saúde não está na pauta de governantes. Direitos de saúde são intrinsecamente polêmicos. Para começar, não é possível assegurar saúde perfeita a ninguém. Contingências biológicas e da vida tornam todos vulneráveis a doenças, independentemente do quanto se possa gastar com tratamento. Em segundo lugar, o direito a um bom nível de saúde não é a mesma coisa que uma boa assistência à saúde/

Desocupação nos estados cresce até 160% em 4 anos. Rio é o mais grave. Desocupação piorou em todo o país. Rio é o caso mais grave/

Vingança por mala perdida leva a pousos de emergência na América do Sul. Nove aviões em Argentina, Chile e Peru precisaram fazer pousos de emergência, após alertas falsos; homem é detido/

Barroso deve concentrar pedidos para barrar candidatura de Lula/

Justiça apreende Porsche de Romário avaliado em R$ 350 mil/

Ministro das Relações Exteriores diz que Justiça Eleitoral, e não ONU, decide sobre candidatura de Lula. Itamaraty informou que documento de comitê é apenas recomendação/

Vidraça eleitoral, MDB já reuniu ‘estilingues’ que hoje o atacam. Paes tenta se afastar do partido de Cabral e adversários citam a aliança, mas quase todos já estiveram ligados à legenda/

Câmara: renovação deve ser a menor desde 1990. Levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) mostra que quase 80% dos atuais deputados são candidatos à reeleição e estima que a maioria conseguirá novo mandato, reduzindo espaço para novatos/

Marcelo Adnet: A democrática falência do Rio Depois de ignorar a discussão em torno da desigualdade, a cidade partida se expandiu e se transformou no estado partido/

Cunha diz que filha ‘dará mais trabalho’ do que ele. Preso no Paraná, ex-presidente da Câmara publica carta no Facebook em que fala sobre Danielle, candidata a deputada federal. No mesmo texto, faz críticas a Lula e chama Dilma de ‘poste sem luz’/

Artistas lançam campanha para STF permitir os showmícios. Caso está com Luiz Fux; proposta é de que não haja remuneração pelo ato/

Editorial1: Eleição depende de desfecho rápido no caso de Lula. A decisão sobre o registro da candidatura não pode, porém, deixar de seguir os ritos previstos/

Editorial2: País precisa criar estratégias para ampliar os índices de vacinação. Baixa cobertura aumenta risco de reaparecimento de doenças que já tinham sido erradicadas.

*Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo*: Bolsonaro é pressionado sobre economia e direito de mulheres. No segundo debate presidencial, candidato do PSL vira um dos alvos e tem confronto com Marina Silva (Rede)/

Para Câmara, despesa alta veda reajuste para o STF. Segundo Consultoria de Orçamento da Câmara, elevar despesas além do permitido veta aprovação de aumento de salários/

Barroso já tem sete ações contra Lula. O TSE começou ontem a encaminhar ao ministro Luís Roberto Barroso os recursos contra o registro de candidatura do ex-presidente Lula. Já são sete ações/

Temer desiste de concessões de ferrovias e aeroportos. Infraestrutura. Segundo ministro dos Transportes, plano agora é encaminhar os projetos de forma a torná-los ‘irreversíveis’, para serem concedidos em 2019; entre as estradas, a única que tem chance de sair ainda este ano é a Rodovia de Integração do Sul/

Petrobrás ataca plano da ANP para diesel. Petroleira e Cade afirmam que proposta do governo para reduzir o preço do combustível pode levar ao desabastecimento e à cartelização/

Vera Magalhães: Candidatos estavam cheios de dedos com Jair Bolsonaro. Marina Silva o contrapôs sobre salários de mulheres e armas. Ele ficou desconcertado/

Alckmin planeja dar superpoder à Fazenda. Programa. Documento da campanha tucana projeta uma superpasta econômica, que vai centralizar os gastos do governo; texto propõe usar recursos do FAT na área social/

Candidata da Rede aproveita resposta ruim do militar da reserva. Marina pode ter encontrado brecha na fortaleza de Bolsonaro. Candidata da Rede aproveitou resposta ruim do militar da reserva para se comunicar com o eleitorado feminino, maioria no País/

Bolsonaro ‘cola’, mas não funciona. Jair Bolsonaro até tentou se prevenir ao ir encarar Marina Silva durante o debate da Rede TV. O candidato do PSL foi flagrado com uma “cola” na mão, onde se viu escrito “pesquisa, armas, Lula”, provavelmente indicando o caminho que queria seguir nas perguntas para a candidata do Rede. Não deu muito certo. Acabou tomando uma “invertida” de Marina, que aproveitou para dar uma bronca no deputado sobre sua posição sobre igualdade salarial e armamento da população/

Embate com Bolsonaro. ‘Existem aqueles que subestimam as mulheres’, diz Marina/

Representação feminina é menor no PSL e no DEM. Sigla de Bolsonaro, que tem o maior número de candidaturas, e Democratas ocupam a última posição na participação de mulheres/

Mulheres são ‘esquecidas’ em programas. Concorrendo em quatro chapas como vice-presidente e em duas como cabeça de chapa, as mulheres não ganharam o mesmo espaço nos programas de governo dos candidatos ao Planalto. Os programas de Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL), por exemplo, dedicam poucas ou nenhuma linha para ações voltadas ao público feminino, de acordo com os documentos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE)/

Julgamento do registro de Lula pelo plenário do TSE pode ficar para setembro/

Meirelles vai ao TSE contra coligação de tucano. O presidenciável Henrique Meirelles (MDB) disse ontem que a decisão de questionar, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a aliança de partidos que dá apoio a Geraldo Alckmin (PSDB) foi tomada em respeito à lei e para evitar “o jeitinho”. O tucano, por sua vez, disse que há uma “preocupação” de adversários com sua coligação e defendeu a chapa/

João Domingos: A eleição capturada. …o PT conseguiu vencer uma guerra difícil, que é a guerra da comunicação. Quem a vence sempre está em vantagem quando a disputa é política. O processo, a prisão, a Justiça, tudo foi instrumentalizado por Lula e pelo PT/

Colômbia teme crise na migração de venezuelanos. Dificuldade. Colombianos temem que exigência de passaporte para cruzar fronteira equatoriana deixe presos quase metade dos 3 mil venezuelanos que tentam fazer a travessia diariamente; mais de 1 milhão de imigrantes da Venezuela entraram no país em 16 meses/

Rio apura uso de crianças por traficantes. Em ação na favela, militares viram ruas fechadas por pula-pulas e camas elásticas/

Brasil precisa vacinar 9 milhões de crianças. Saúde. Campanha nacional chega ao Dia D, faltando imunizar 9 milhões de crianças do público-alvo; segundo especialistas, é preciso pensar em novas estratégias para alcançar as famílias. Ministério da Saúde afirma que ainda é cedo para analisar os números/

Ibope mostra Sartori líder no Sul e Caiado na frente em GO/

PGR pede ao Supremo que José Dirceu volte à prisão/

França intensifica o combate à corrupção. As obrigações impostas pela Lei Sapin II chegam para adaptar a cultura de negócios franceses à nova realidade do compliance mundial/

Câncer de próstata é um dos problemas mais comuns após os 50. Andropausa também é muito frequente nessa faixa etária. Prevenção é o melhor remédio: saiba como se cuidar para chegar à velhice com saúde/

Tecnologia vira aliada no controle financeiro. Por mais eficiência, redução de custos e otimização de resultados, empreendedores buscam modernização da gestão contábil/

Coluna do Estadão: Candidatos escondem partidos em santinhos. Apesar da determinação do TSE, candidatos estão escondendo a legenda à qual pertencem nos santinhos e vídeos divulgados nas redes sociais e em grupos de WhatsApp. A Coluna localizou peças publicitárias dos presidenciáveis Henrique Meirelles (MDB), Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro (PSL) que omitem as informações. O TSE determina que a propaganda, “qualquer que seja sua forma ou modalidade, mencionará sempre a legenda”. Na majoritária, é preciso incluir o nome da coligação e os partidos que a compõem/

Coluna do Estadão: No MDB de Michel Temer, até mesmo o presidente da sigla, Romero Jucá, omite a informação sobre seu partido em santinho enviado por WhatsApp quinta. Renan Calheiros não só oculta o MDB, como exibe imagens ao lado de Lula, presidenciável do PT/

Coluna do Estadão: Os advogados de Meirelles entendem que só precisam informar o partido do candidato nas peças passíveis de impulsionamento. A equipe de Alckmin disse que a sigla estará nas imagens de perfil de todas as redes sociais a partir de hoje. A assessoria de Jucá informa que o senador divulgou por engano uma imagem prévia. Os candidatos Ciro Gomes, Renan Calheiros e Jair Bolsonaro não responderam ao contato/

Coluna do Estadão: A recomendação do Comitê de Direitos Humanos da ONU para que o Brasil permita a candidatura de Lula foi motivo de ironia no Supremo. Um ministro “lamentou” a sugestão não alcançar também Paulo Maluf/

Editorial1: As condições para o superávit. A reversão de déficit para superávit primário só ocorrerá, na melhor hipótese, em 2022. E essa hipótese considera novas regras previdenciárias em 2020/

Editorial2: Uma tragédia nacional. A cada divulgação de estatísticas sobre a criminalidade fica mais evidente a piora constante do País nesse setor/

Editorial3: Quando a Justiça não é isenta. Numa iniciativa polêmica, o titular da 1.ª Vara da Fazenda Pública de Araraquara, João Baptista Galhardo, acolheu o pedido de ingresso do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) como amicus curiae numa ação de indenização por dano moral impetrada contra o juiz José Roberto Bernardi Liberal, da Vara de Execuções Penais. Juntamente com a Fazenda Pública, esse magistrado vem sendo processado por um operador de máquinas que o acusa de ter tomado uma decisão absurda. Apesar de o operador de máquinas já ter cumprido pena privativa de liberdade por um delito que cometeu, o juiz da Vara de Execuções Penais o obrigou a cumpri-la pela segunda vez, tendo, por esse motivo, permanecido ilegalmente na cadeia por mais de dez meses.

*Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo*: Aliança de Alckmin com centrão não se reflete nos estados. Siglas que apoiam tucano se dividem em coligações regionais que sustentam Lula, Bolsonaro, Marina, Ciro, Meirelles e Alvaro Dias. A aliança de Geraldo Alekmin com os partidos do centrão (DEM, PR SD, PR e PRB), mais PTB, PSD e PPS, não se refletiu em endosso nos estados. Dos 216 diretórios dessas siglas, apenas 96 estarão em palanques que apoiam o tucano à Presidência. Nos demais casos, os aliados de Alckmin darão apoio a Lula (PT), Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT), Alvaro Dias (Podemos) e Henrique Meirelles (MDB). O mais fiel a Alckmin é o DEM (22 estados), e o menos, o PR (nove)/

A infidelidade dos aliados de Alckmin é maior na região Nordeste. Na Bahia e no Piauí, por exemplo, o PP apoiará O PT/

Cenário eleitoral e tensão no exterior elevam dólar e derrubam Bolsa/

O que Temer fez de positivo em seu governo? Pablo Ortellado: Quase nada, o estrago de sua gestão foi grande/Leandro Narloch: Tentou arrumar a casa, mas Janot não deixou/

EUA tentam agilizar a deportação de imigrantes ilegais. O secretário de Justiça dos EUA, Jeff Sessions, emitiu ordem para acelerar a saída de imigrantes ilegais e disse que o julgamento dos casos só poderia ser adiado após comprovação de “uma boa causa”/

Moradia para sem-teto em SP atrasa, e prédios estão fechados ou invadidos. A reforma de nove prédios e um terreno, medida para a falta de moradia em São Paulo, emperrou. Os locais estão fechados ou foram invadidos. A gestão Bruno Covas (PSDB) diz que repasse federal de R$ 50 milhões não chegou, mas que fará as obras mesmo sem a verba/

Uso de adrenalina durante parada cardíaca pode prejudicar o cérebro. Estudo feito com 8.000 pessoas no Reino Unido sobre o uso de adrenalina no tratamento de paradas cardíacas fora do hospital mostrou que, apesar de salvar vidas, não é incomum que a injeção da substância seja acompanhada de incapacitação neurológica/

Oscar Vilhena Vieira: Ataque a direitos humanos é reação à democracia. O maior respeito a mulheres, negros, indígenas ou LGBTs gera ressentimento naqueles que se veem ameaçados por essa nova sociedade, mais plural e inclusiva. O que está em disputa na eleição é se queremos o fortalecimento da democracia/

Eleições 2018. Bolsonaro e Marina se enfrentam em questão sobre mulher no debate dos presidenciáveis/

Ministro do TSE Sérgio Banhos rejeitou o pedido de participação de Lula no programa/

Metade dos aliados de Alckmin apoiará outros candidatos nos estados. Partidos se dividem em coligações regionais que sustentam Lula, Ciro, Alvaro Dias, Marina Silva, Meirelles e Bolsonaro/

Demétrio Magnoli: Caso de Lula prova que é preciso revogar a Lei da Ficha Limpa/

Bolsonaro diz que críticos de seu plano de governo são analfabetos/

Marina Silva ignora reforma trabalhista em diretrizes/

Pior do que desigualdade no Brasil é a pobreza, diz Amoedo. Para o candidato, que declarou patrimônio de R$ 425 mi, riqueza é indicador de capacidade/

Aliados de França usam prefeituras para fazer campanha/

Mônica Bergamo: Recluso, Serra se abala com notícias que envolvem a filha com contas na Suíça. Depósitos somam R$ 1,78 milhão/

Navegação costeira ganha espaço para transporte de carga. Cabotagem teve alta de 13% após tabelamento do frete rodoviário/

Da Argentina e do Uruguai. Novas regras devem baratear compra de energia pelo Brasil. Medida permite substituir geração térmica por energia dos vizinhos e baratear a conta/

Privacidade. EUA querem acessar mensagens criptografadas do Facebook. Procuradoria investiga venda de dados de reconhecimento facial/

Militares rejeitam renovar intervenção após dezembro. Para ministro Jungman, ausência federal em 2019 fará falta à segurança pública do estado/

Painel: Supremo tende a ignorar documento de comissão da ONU favorável a Lula/

Editorial1: Ponto de equilíbrio. Supremo acerta ao fixar limites rigorosos para delações premiadas

Editorial2: Presidente minguante. Horacio Cartes incorreu em práticas que recriminava quando candidato.

*Manchete e destaques do jornal Valor Econômico*: Incerteza com exterior e política local faz Ibovespa zerar ganhos do ano. Exterior traz alívio, mas não reverte alta do dólar/

EUA e China preparam plano para resolver briga comercial até novembro/

S&P e Moody’s rebaixam a Turquia e citam efeitos de colapso da Lira/

Ausente, PT se torna foco de debate entre presidenciáveis na Rede TV!/

Até então bastante poupado, Bolsonaro conseguia ficar em sua zona de conforto ao responder a perguntas de candidatos e jornalistas. Só Marina, ao encurralar Bolsonaro, aproveitou formato de ringue.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu