Eleição 2018 é o grande tema das manchetes dos jornais

SINOPSE NACIONAL DE 12 DE SETEMBRO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Após 17 recursos à Justiça, PT lança Haddad. Ex-prefeito de São Paulo assume o posto de cabeça de chapa no dia em que se esgotou prazo dado pelo TSE. Em Curitiba. Haddad discursa, ao lado da vice Manuela D’Ávila e da ex-presidente Dilma Rousseff, no anúncio de sua candidatura à Presidência, em frente à sede da Polícia Federal, onde Lula está preso.

Apelo de 2002 à pacificação do país foi abandonado. O tom em defesa da pacificação do país, que marcou a Carta ao Povo Brasileiro escrita por Lula em 2002, ficou de lado no documento de mesmo nome lido ontem no ato para lançar Fernando Haddad como seu substituto na disputa pela Presidência da República. Há 16 anos, o objetivo era tranquilizar o mercado financeiro, que temia a política econômica a ser implantada com uma vitória do petista, e mostrar que o partido se comprometia a seguir os pilares econômicos implantados no Plano Real.

Marina diz ver Lula como corrupto e desafia petistas. Candidata vê Lula como corrupto e provoca Haddad. Primeira entrevistada na série de sabatinas com os candidatos à Presidência organizada por O Globo, Valor Econômico e revista Época, Marina Silva (Rede) disse considerar Lula corrupto e desafiou o PT a explicar, na campanha, o desemprego. Hoje é a vez de Ciro Gomes (PDT) ser sabatinado.

No Ibope, Bolsonaro lidera com 26%. Bolsonaro tem 26% das intenções de voto; Ciro, Marina, Alckmin e Haddad aparecem tecnicamente empatados.

Ex-governador Beto Richa, do PSDB, é preso. Tucano é investigado pelo MP por irregularidades em licitação de estradas rurais; segundo inquérito, gravação mostra que acusado tratou de repasses ilegais com delator. Candidato à Presidência, Alckmin diz que prisão fragiliza PSDB.

Denúncia contra Bolsonaro é arquivada pelo STF. Por 3 votos a 2, Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal entendeu que deputado estava protegido pela liberdade de expressão e pela imunidade parlamentar. Ministro Alexandre de Moraes desempatou julgamento a favor do presidenciável.

Paes nega caixa dois e diz que governo de Pezão ‘é muito ruim’. Ex-prefeito nega ligação com desvios apurados na Lava-Jato, diz que governo Pezão é ‘muito ruim’ e afirma que novo ‘círculo virtuoso’ depende da política de segurança.

Fome avança no mundo, e situação é grave na Venezuela. Conflitos, crises e clima levam 821 milhões de pessoas à desnutrição.

Prorrogadas cotas nas universidades por mais dez anos. Projeto aprovado pela Assembleia Legislativa estende o benefício também aos quilombolas e autoriza os estudantes a acumular a bolsa permanência com a de iniciação científica; percentual de vagas reservado aos cotistas não muda.

Chilena ainda busca parentes detidos em 1976. Ainda ativista aos 93 anos, Ana González quer saber paradeiro de marido, 2 filhos e nora.

Freddo fecha fábrica de sorvete em Buenos Aires. Para se tornar mais competitiva, empresa, que tem 150 lojas em oito países, vai terceirizar a produção e rever seu modelo de negócios. As lojas próprias serão convertidas em franquias.

Elio Gaspari: Haddad é tão pesado quanto o foi Dilma. Fernando Haddad tem pouco mais de um mês para mostrar que não é o “Andrade”. Sua unção aconteceu aos 45 minutos do segundo tempo, quando a vitimização de Lula já tinha rendido tudo o que podia render. É até provável que o PT tenha perdido uma semana de propaganda ao esticar desnecessariamente a corda.

Miriam Leitão: Haddad: tutelado a partir de uma cela em Curitiba. Terminou ontem o ato que todos sabiam como iria acabar. O ex-prefeito Fernando Haddad foi anunciado como candidato do PT à Presidência da República para, se vencer, exercer o poder em nome de Lula e com o Lula.

Bernardo Mello Franco: Petista tem o maior potencial para subir. A eleição presidencial costuma lembrar uma maratona. Os candidatos mais precavidos largam com quatro anos de antecedência. Cruzam o país, disputam convenções, constroem alianças. Quando a torcida se dá conta, já venceram a maior parte do percurso. Para Fernando Haddad, a campanha será uma corrida de tiro curto. A partir de hoje, ele terá apenas 25 dias para se apresentar ao eleitor. Sua vantagem está nas sapatilhas. Elas têm o retrato de Lula, o Usain Bolt das últimas eleições brasileiras.

Editorial1: Lula mais uma vez impõe sua vontade ao PT. Ao retardar a definição de Haddad como vice, ex-presidente testa capacidade de transferir votos.

Editorial2: Conspiração entre dissidentes e EUA para derrubar Maduro é erro. Para ser superada, crise da Venezuela deve ser tratada via diálogo e mediação regional.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Bolsonaro sobe e chega a 26%; disputa por 2° lugar segue embolada. Candidato do PSL cresceu 4 pontos após o ataque, aponta Ibope; Ciro (PDT), Marina (Rede), Alckmin (PSDB) e Haddad (PT) estão tecnicamente empatados. Levantamento do Ibope divulgado ontem mostra que Jair Bolsonaro (PSL) subiu quatro pontos nas intenções de voto para a Presidência, após o ataque que sofreu em Juiz de Fora (MG), há seis dias. Bolsonaro mantém a liderança, agora com 26%. Na pesquisa anterior, de 5 de setembro, ele tinha 22%. Na sequência, aparecem Ciro Gomes (PDT), com 11% – oscilação de um ponto para baixo -, e Marina Silva (Rede), que caiu três pontos e aparece com 9%. Geraldo Alckmin (PSDB) tem 9%, mesmo porcentual da pesquisa anterior. Oficializado ontem como candidato do PT, Fernando Haddad oscilou dois pontos para cima e registrou 8% das citações no cenário estimulado – quando os nomes dos candidatos são apresentados ao eleitor. Os entrevistadores do Ibope foram a campo entre sábado e segunda-feira, período que coincidiu com aumento da exposição de Bolsonaro e com pouco mais de uma semana de horário eleitoral.

Bolsonaro se livra de denúncia de racismo. A Primeira Turma do STF rejeitou ontem, por 3 votos a 2, denúncia de racismo contra Bolsonaro, apresentada pela PGR. O deputado era acusado de se manifestar de modo negativo e discriminatório sobre quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs.

Rodrigo Prando: TV dará fôlego para Alckmin? Marina conseguirá reagir? Ciro voltará a crescer? Haddad terá tempo? As respostas são provisórias.

Vera Magalhães: Com Bolsonaro consolidado e Haddad em ascensão, antecipou-se a pregação do voto útil nas campanhas que podem ir ao 2° turno.

Márcia Cavaliari Nunes: Número de eleitores que não mencionam nenhum candidato na pergunta espontânea mostra que o cenário ainda está em aberto.

‘Servidores tem de dar sua cota’. Os Economistas das Eleições. José Márcio Camargo (Henrique Meirelles – MDB). Coordenador do programa econômico de Henrique Meirelles (MDB), José Márcio Camargo disse, na Sabatina Estadão/FGV/lbre, que a prioridade é aprovar a reforma da Previdência e defendeu o congelamento do salário do funcionalismo. “Eles têm média (salarial) muito acima da média dos trabalhadores.”

Empatados, adversários vão à luta. Ciro Gomes (PDT) faz caminhada em Taboão da Serra (SP); Marina Silva (Rede) visita associação e encontra eleitores em Botafogo, no Rio; Geraldo Alckmin (PSDB) visita clube de metalúrgicos em Osasco (SP) e Fernando Haddad (PT) participa de reunião do partido em Curitiba (PR): os quatro estão tecnicamente empatados em segundo lugar.

Dólar e Bolsa têm reação negativa. O mercado financeiro reagiu mal às mais recentes pesquisas de intenção de votos, que contrariam as expectativas de enfraquecimento da esquerda após o ataque a Jair Bolsonaro (PSL), há seis dias. O avanço de candidatos cujas propostas destoam de pautas reformistas e liberais levou o dólar a fechar o dia em alta de 1,77%, a R$ 4,15. A Bolsa recuou 2,33%, aos 74.656 pontos. Foi a maior queda desde 11 de julho.

Palocci: Lula pedia vantagens a empresas. Antonio Palocci disse ao MPF que o ex-presidente Lula interferia nos investimentos dos fundos de pensão de estatais, com o pedido de vantagens a empresas.

Candidato, tucano Beto Richa é preso. Ex-governador do PR e candidato do PSDB ao Senado, Richa foi alvo de fase da Lava Jato que investiga esquema de propinas. Mulher e irmão também foram presos.

Coluna do Estadão: Temer busca imagens de Afif para rebatê-lo. O presidente Michel Temer determinou à segurança do Planalto que levante imagens do presidente do Sebrae, Afif Domingos, entrando pela garagem do palácio na segunda, 11. O governo quer rebater versão de Afif, que disse ter sido surpreendido com a decisão de que o Sebrae dará R$ 200 milhões para financiar a criação da Agência Brasileira de Museus. As imagens mostrariam Afif se dirigindo à reunião na Casa Civil, com Eliseu Padilha, quando foi informado que patrocinaria o novo órgão, querendo ou não. Ministros dizem que não se opôs a ajudar.

Coluna do Estadão: Afif disse à Coluna que Padilha ligou para ele na quinta, 6, às 21h30, dizendo que havia uma “determinação” para destinar a verba. Ele diz ter ido ao Planalto para se reunir com técnicos, mas que deixou o encontro ao perceber que era um monólogo.

Museus do Rio têm 30 dias para apresentar laudos.

Editorial1: O candidato postiço. Ao apresentar um candidato explicitamente postiço, o PT está a dizer a seu eleitor que, se Fernando Haddad for eleito, o Brasil será governado de fato não pelo ex-prefeito de SP, mas sim pelo seu líder encarcerado

Editorial2: Sofrimento dos paulistanos. Espera para atendimento de serviços pelo 156 é de, em média, 196 dias.

Editorial3: O agro punido na grande safra. Governo tem criado problemas para o agronegócio e insegurança para toda a economia.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Candidato, Haddad tentará em 26 dias herdar votos de Lula. Petista preso em Curitiba pede em carta que seus eleitores escolham o ex-prefeito de SR hoje com 9% no Datafolha. Preso em Curitiba há mais de cinco meses, o ex-presidente Lula autorizou a oficialização de Fernando Haddad em seu lugar como candidato do PT à Presidência. O aval ocorreu em carta lida por Luiz Eduardo Greenhalgh, advogado e fundador do partido, em frente à sede da Polícia Federal. “De hoje em diante, Haddad será Lula para milhões de brasileiros”, escreveu. No texto, Lula pediu aos seus eleitores que optem pelo ex-prefeito de São Paulo. Haddad disse em pronunciamento sentir a dor dos que “não vão poder votar em quem queriam que subisse a rampa do Planalto” e pediu apoio da militância para uma “tarefa monumental”. Em menos de um mês, ele buscará herdar o espólio de Lula, que chegou a ter 39% das intenções de voto. Haddad tem hoje 9%, segundo pesquisa Datafolha feita na segunda (10). Está empatado tecnicamente, em segundo lugar, com Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB). Jair Bolsonaro (PSL) lidera com 24%. Em sua última disputa, em 2016, Haddad tentou se reeleger em São Paulo e perdeu no 1° turno para o tucano João Doria.

Alckmin diz ser único antipetista entre candidatos. Em entrevista à Folha, UOL e SBT, Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que a ida de Jair Bolsonaro ao segundo turno é “passaporte para a volta do PT”. Seus principais opositores, incluindo o candidato do PSL, têm ligação com o PT, disse.

Ex-governador Beto Richa é preso em operação no PR. Operação do Ministério Público do Paraná prendeu Beto Richa (PSDB), ex-governador do estado e candidato ao Senado,por suspeita de fraude em licitação de obras. Sua defesa diz que, por ser em período eleitoral, a prisão é “oportunismo”.

Painel: Haddad conteve choro e comemorou unidade do PT antes de substituir Lula.

Mônica Bergamo: Corregedoria vai investigar ações contra candidatos.

Análise. Alcance de Ciro pode frear potencial de Haddad.

Eleitores veem TV como principal fonte de informação sobre candidatos.

Por 3 a 2, STF rejeita denúncia de racismo contra Bolsonaro.

Dólar vai a R$ 4,16 e Bolsa cai 2,3% após pesquisa eleitoral. Investidores reagiram negativamente à pesquisa Datafolha que indicou chances de candidatos de esquerda disputarem o segundo turno da eleição contra Jair Bolsonaro (PSL) e derrotá-lo. A Bolsa brasileira recuou mais de 2%, na contramão dos principais índices nos Estados Unidos, e o dólar subiu 1,5%, a R$ 4,16, após três pregões consecutivos de queda.

Editorial1: Imprudência fardada. Declarações confusas de Villas Bôas em nada contribuem para o apaziguamento dos ânimos

Editorial2: Maduro e a conspiração. Destituição à força apenas agravaria o caos institucional fomentado pelo chavismo.

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Mercado se prepara para disputa entre ‘radicais’. A menos de um mês para a eleição, ganha força, aos poucos, o cenário mais temido pelo mercado financeiro. Mesmo considerando que o alto índice de indecisos nas pesquisas abre espaço para reviravoltas nesse quadro, o mercado já se prepara para lidar com uma disputa entre dois radicais.

A luta interna do candidato Haddad no PT. Oficializado como candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad terá que agir rapidamente para montar um núcleo de campanha em que possa confiar.

O diagnóstico dos problemas do país está feito. O que é essencial para o próximo presidente é eleger prioridades e colocar o fundamental à frente do urgente, afirma Horácio Piva, da Klabin

Marina endurece críticas para conter sangria. No dia seguinte à pesquisa Datafolha que mostrou queda das intenções de voto em sua candidatura presidencial, Marina Silva (Rede) foi contundente nas críticas. Disse, por exemplo, que o atentado contra Jair Bolsonaro desmoralizou a proposta do candidato do PSL de liberar a posse de armas.

Excedente da cessão onerosa fica para 2019. O governo desistiu de leiloar neste ano o excedente da cessão onerosa no pré-sal. A ideia agora é tomar providências para que o futuro presidente possa realizar o leilão, caso queira, no primeiro semestre de 2019. Não há mais tempo para organizar a venda até dezembro.

Lagarde teme um “choque” nos países emergentes. A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, advertiu que a escalada da guerra comercial entre EUA e China poderá causar um “choque” nos mercados emergentes.

Minerva eleva o capital em R$ 1 bi e fará IPO no Chile. A Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, anunciou ontem que fará aumento de capital superior a R$ 1 bilhão na B3. Procurada pelo Valor, também confirmou os planos de abertura de capital de suas operações internacionais na bolsa do Chile.

Eleições. Na porta da PF, Haddad se lança com homenagem a Lula. Ex-prefeito foi escolhido “conforme ele determinou”, disse Gleisi, referindo-se a Lula.

Desafio maior é levar PT para o segundo turno.

Resistências internas começaram em 2012.

Eleições PRTB quer Mourão no lugar de Bolsonaro. Reunião de militares e partido em Brasília define que vice deve ter mais protagonismo.

Empresário tentou levar deputado para o Sírio.

Supremo arquiva inquérito contra Kátia Abreu. Para ministros, acusações tinham como base apenas relatos de colaboradores sem provas.

Ex-governador Beto Richa é preso no Paraná e fragiliza PSDB. Tucano foi alvo do Ministério Público e de nova fase da Lava-Jato e de ação do MP local.

Para Alckmin, petista fez ‘uma enganação’.

Ciro afirma que Haddad foi um “vice de araque”.

Queda nas pesquisas faz Marina subir o tom.

Candidata critica adversários, minimiza resultados de levantamentos e diz que vai andar mais pelo país.

Editorial: ‘Esqueletos’ jogam bilhões nas contas de energia. As receitas obtidas com as bandeiras amarela e vermelha não têm bancado todo o custo causado pelo acionamento das térmicas caras.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu