Educação, economia, Justiça e Lula são destaques das manchetes dos jornais

SINOPSE NACIONAL DE 13 DE JULHO DE 2018_

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS

*Manchete e destaques do jornal O Globo*: Mais da metade das escolas do Rio está em más condições. TCM dá prazo de 30 dias para Crivella responder a questionamentos.  Estudo revela ainda que a rede municipal tem, em média, 8,2 tempos sem aulas por semana em cada unidade. Só uma apresentou laudo do Corpo de Bombeiros em dia/

Câmara rejeita impeachment. Placar final da votação na Câmara de Vereadores ficou em 29 votos contrários ao processo e 16 a favor/

MP vai apurar se cargos foram para evangélicos. Promotora diz ter recebido denúncia de demissão em massa; Defensoria também pode propor ação civil pública/

Criação de sindicatos ainda é atraente. Mesmo após fim da contribuição obrigatória, ainda há 2 mil pedidos para criar associações/

Lula absolvido no caso Cerveró. Petista era acusado de obstrução da Justiça na compra de silêncio de Cerveró; Esteves também é inocentado/

Cármen Lúcia: Justiça não tem lado. Manter-se distante da luta político-partidária e das paixões que a envolvem e preservar a isenção são deveres constitucionais do magistrado. A Justiça não tem lado, protegidos nem adversários/

Elas decolam na carreira. Associação dos Empregados da Eletrobras obtém liminar que exige aval prévio do Congresso para privatização. A primeira turma feminina de pilotagem, que formou esta semana 16 novatas, já voa na Avianca, responsável pela iniciativa. Outras empresas também investem em pilotos mulheres/

Mais brasileiros nos campi de Portugal. Maioria entre estrangeiros, número de estudantes brasileiros subiu 540% desde 2005 em Portugal/

Mundo perde até US$ 30 tri com milhões de meninas fora da escola, diz Banco Mundial. Relatório do Banco Mundial diz que impedir meninas de estudar pode causar prejuízos de até US$ 30 trilhões/

Visita indigesta. Visita do presidente americano ao Reino Unido é marcada por protestos. O presidente Donald Trump chegou a Londres disparando contra a primeira-ministra britânica, Theresa May, por causa do “Brexit suave” e fazendo elogios a Boris Johnson, ex-ministro e rival dela. Houve protesto na cidade/

Arrecadação não autorizada. Apoiadores usam site fora do cadastro do TSE para aumentar influência de pré-candidatos. Beneficiados. Busca na rede social identificou uso de vaquinha em site não cadastrado pelo TSE para impulsionar apoio a Bolsonaro e Marina. Um mecanismo indireto de propaganda política na internet chamou a atenção do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e acendeu o alerta para possíveis irregularidades neste período de précampanha. Apoiadores de pré-candidatos à Presidência estão arrecadando dinheiro para promover, nas redes sociais, páginas não-oficiais, por meio de sites de financiamento coletivo que não estão autorizados pela Justiça Eleitoral/

Líderes em doações, mas distantes do Palácio do Planalto. O petista Lula, enquadrado na Lei da Ficha Limpa, e Amoêdo (Novo), que está no grupo da lanterna, somam R$ 644 mil em recursos recebidos pela internet/

PT tem apoio e rejeição em setores do PSB. Partido garante suporte de governador de Pernambuco, mas Márcio França rejeita aliança em São Paulo Neutralidade na eleição presidencial também enfrenta resistência no PSB por ser considerada omissão do partido em hora crucial para o país/

Alckmin conversa com dirigentes do PP. Tucano tenta atrair partido que está mais próximo de Ciro Gomes/

Corujão da Saúde de Doria é considerado ‘inconsistente’. Auditoria do TCM-SP diz que faltaram ‘medidas estruturantes’/

Homicídio merece ‘bala’ e não a lei. No Pará, Bolsonaro prega combate ao crime com uso de arma de fogo/

Lydia Medeiros: Porta aberta para gastar. Se for cumprida, a Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2019 vai obrigar o próximo governo a deflagrar uma revisão ampla das renúncias fiscais, já a partir do primeiro semestre. Aprovada pelo Congresso na madrugada de ontem, a nova LDO obriga o futuro governo a rever todos os benefícios fiscais concedidos, atualmente estimados em R$ 304 bilhões, ou 4% do Produto Interno Bruto. Impõe também o prazo máximo de dez anos para redução pela metade. Em tese, o próximo presidente assumiria com a perspectiva de cortar pelo menos 25% da renúncia fiscal existente, sem possibilidade de criar ou ampliar novos incentivos fiscais/

Editorial1: Frustrada tentativa de manipulação da Justiça. Ação de magistrados restabelece a ordem e segurança jurídicas, atingidas por manobras do PT inspiradas na regra do partido de que ‘os fins justificam os meios’/

Editorial2: Combate à violência tem de passar pelos presídios. Denúncia do Ministério Público de São Paulo mostra como a maior facção paulista comanda, de dentro das cadeias, crimes em todo o Brasil e até em países vizinhos.

*Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo*: Ampliar benefícios fiscais é inoportuno, diz Guardia. Ministro da Fazenda diz que crise das finanças públicas é mais grave do que na transição de governo de 2002. O ministro Eduardo Guardia (Fazenda) disse que a concessão de benefícios tributários a setores específicos da economia, por parte do Congresso, é “absolutamente inoportuna” para o País e vai exigir medidas compensatórias para fechar as contas. Ele avalia que a situação fiscal, hoje, é mais grave do que a da transição do governo de Fernando Henrique Cardoso para o de Lula, em 2002, e seria “prudente e adequado” deixar para o próximo presidente a discussão sobre projetos que tramitam na Câmara e no Senado e aumentam gastos ou abrem mão de receitas. Guardia citou a Lei Kandir, que implica a transferência de R$ 39 bilhões por ano para os Estados. “Isso é absolutamente fora da realidade fiscal do País”, disse – o tema já foi aprovado em comissão especial. Outro ponto citado é o marco regulatório do transporte de cargas, com impacto de R$ 8,5 bilhões por ano/

Alckmin sela aliança e terá apoio do PSD de Kassab. Geraldo Alckmin (PSDB) terá o apoio do PSD, do ministro Gilberto Kassab, na disputa ao Planalto. O tucano também tem promessas de aliança com PPS, PTB e PV, o que lhe garantiria mais de 20% do tempo de TV reservado aos candidatos à Presidência. Em outra frente, tucanos tentam convencer o senador Alvaro Dias (Podemos) a sair como vice de Alckmin/

Lula é absolvido em processo sobre obstrução. O juiz substituto da 10.ª Vara Federal do DF Ricardo Leite absolveu, por falta de provas, o ex-presidente Lula e mais 6 réus em processo da Lava Jato. Lula, o ex-senador Delcídio do Amaral, o banqueiro André Esteves e o pecuarista José Carlos Bumlai eram acusados de tentar comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró/

‘PCC se tornou a maior facção da América do Sul’. Entrevista. Lincoln Gakiya, promotor. Segundo o promotor Lincoln Gakiya, que denunciou 300 membros do PCC, facção ruma para se tornar uma organização mafiosa, está recrutando paraguaios e bolivianos e já matou mais de cem em guerra com rival/

Vacinação vai focar em pólio e sarampo/

PSL de Bolsonaro quer apoio do MDB no Pará/

Coluna do Estadão: Favreto manteve réu preso no plantão do Lula. Responsável por autorizar a soltura de Lula, o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, negou no mesmo plantão um habeas corpus para liberar outro preso. Um homem acusado de usar documentos falsos para sacar, na Caixa, precatórios com valores de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões pediu para sair da prisão temporária. Argumentou que precisava entregar sua tese de mestrado até domingo passado e que seu filho estava prestes a nascer. Esse foi o único caso, além do de Lula, que chegou a Favreto durante o plantão/

Coluna do Estadão: O PSDB, que tem balançado a bandeira de redução de gastos públicos, ajudou a derrubar a proibição de reajustes para servidores na votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias, na quarta-feira. Após perder a queda de braço, o líder do PSDB na Câmara, Nilson Leitão, que apresentou um projeto para diminuir o número de deputados e senadores, liberou a bancada. Dos 25 presentes, 20 ajudaram a aprovar a pauta-bomba. Quatro rejeitaram e um se absteve/

Coluna do Estadão: A cúpula do PT passou a considerar que Lula deve indicar Jaques Wagner para substituí-lo na corrida presidencial. Lembram que o coordenador de campanha do PT é Sergio Gabrielli, ex-secretário de Planejamento no governo de Wagner, de 2012 a 2015/

Coluna do Estadão: Enquanto Rodrigo Maia articula sua reeleição à presidência da Câmara com líderes do Centro, seu vice, Fábio Ramalho, pede votos para deputados para assumir o comando da Casa em 2019/

Coluna do Estadão: Prisco Bezerra assumiu a coordenação financeira da campanha do presidenciável Ciro Gomes (PDT). Ele é sócio do empresário da educação João Carlos Di Genio e irmão do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio/

Coluna do Estadão: O MDB escolheu o marqueteiro Elsinho Mouco para produzir a convenção do partido, que pode ou não consolidar a campanha de Henrique Meirelles à Presidência. A indicação de Mouco atende a pedido do ministro Moreira Franco (Minas e Energia)/

Fernando Gabeira: Escrevo de Moscou. Saindo do País, vemos como nos atrasamos e como em alguns pontos estamos retrocedendo.

Eliane Cantanhêde: A cúpula feminina do Judiciário e do MP ganhou respeito ao pôr as coisas nos seus devidos lugares depois de domingo/

Editorial1: Novos ataques ao Tesouro. Populismo, oportunismo e irresponsabilidade estão criando no Congresso uma herança desastrosa para o próximo governo e, pior, para os brasileiros, principalmente os mais pobres/

Editorial2: Um preso como outro qualquer Lula deve ter as mesmas restrições dos demais detentos/

Editorial3: Liberdade e privacidade. Seguindo o exemplo da União Europeia, que conta com um atualizado marco jurídico relativo à proteção de dados – o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados entrou em vigor no primeiro semestre deste ano –, o Senado aprovou o Projeto de Lei (PL) 53/2018, que dispõe sobre a proteção de dados pessoais, definidos como toda “informação relacionada à pessoa natural identificada ou identificável”. Como não houve alteração no texto aprovado pela Câmara, o projeto será encaminhado para a sanção presidencial.

*Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo*: Juiz absolve Lula em caso de obstrução da Justiça. ex-presidente era acusado de tentar comprar silêncio de ex-diretor da Petrobras. O ex-presidente Lula foi absolvido da acusação de obstruir investigações da Lava Jato. A decisão do juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, baseou-se principalmente em falta de provas. É a primeira vez que o petista é isentado em ação penal vinculada à operação/

Análise. Rubens Valente. Absolvição de petista expõe investigação descuidada/

Despesa extra do próximo governo pode ser de R$ 68 bi. O próximo presidente da República pode ter em 2019 uma conta extra de R$ 68 bilhões, resultado de projetos no Congresso que almejam reduzir a arrecadação de impostos e de medidas de contenção de gastos que o governo não conseguiu aprovar. A União já gasta todos os anos R$ 45 bilhões como funcionamento da máquina pública/

Painel: Dirigentes do centrão fazem apelo para que Ciro modere críticas a Temer/

Defesa de Doria erra ao identificar membro do PSB em queixa-crime/

Justiça condena Flávio Rocha a pagar R$ 153 mil por injúria a procuradora/

O poder é cruel com quem não sabe exercê-lo, e eu não soube, diz Collor/

Crivella derruba impeachment na Câmara, mas segue alvo/

Em sessão tensa, tribunal de contas pede explicações a Crivella sobre déficit no Rio/

Entrevista – Geraldo Alckmin: Se depender de mim, estaremos juntos com o DEM. O pré-candidato do PSDB à Presidência diz estar trabalhando para compor aliança com o partido, que flerta com o candidato Ciro Gomes (PDT). Com 7% das intenções de voto no Datafolha, afirma que as pesquisas vão virar. Ele defende as investigações sobre caixa dois em SP e diz ser “vida limpa”/

Entrevista – Fernando Collor : O poder é cruel com aquele que não o sabe exercer, e eu não soube/

Impeachment de Crivella é rejeitado pela Câmara do Rio. A Câmara Municipal do Rio rejeitou dois pedidos de abertura de processo de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB), acusado de privilegiar evangélicos em sua administração. Ele ainda terá de responder por supostamente ferir a laicidade do Estado, em ação do Ministério Público/

Nova Previdência em SP empaca e preocupa Covas/

Editorial1: Pilhagem do erário. Sem preocupação com as contas, Câmara e Senado atendem a lobbies com projetos perdulários/

Editorial2: Um aliado incômodo. Tarefa da Otan esbarra no comportamento errático de Trump em relação a Vladimir Putin.

Deixe uma resposta

Fechar Menu