Ecos da tragédia no Rio, economia e educação são os temas em destaque nas manchetes dos jornais

_SINOPSE NACIONAL DE 04 DE SETEMBRO DE 2018_

Edição: Sérgio Botêlho 

*_JORNAIS_*:

*Manchete e destaques do jornal O Globo*: A tragédia de erros do Museu Nacional. Verba para UFRJ aumentou, mas repasse ao museu caiu. Há 20 anos, a universidade recusou ajuda do Banco Mundial. 90% do acervo de 20 milhões de peças foram destruídos.

Portugal e França oferecem ajuda para reconstrução. Unesco também afirma que pode mobilizar equipes para “atenuar consequências deste drama”.

Míriam Leitão: Das cinzas, o país decidirá se protege outros patrimônios. É tão simbólico que grita. O incêndio do Museu Nacional em momento de tanta confusão sobre quem somos nós parece deliberado.

Arnaldo Bloch: No Brasil, o bem coletivo é supérfluo. Diferente da clássica fraude do seguro, quando o proprietário põe fogo no imóvel para embolsar a indenização — punível com prisão e multa —, o incêndio do Museu Nacional, num cenário em que governo e Congresso incineram investimentos em ciência, educação e cultura para pagar rombos e roubos, é um crime hediondo contra a Humanidade, sem pena prevista.

Bernardo Mello Franco: A tarefa da reconstrução. Os afrescos do Templo de Ísis resistiram à destruição de Pompeia, cidade romana soterrada pela erupção do Vesúvio em 79 d.C.. Não sobreviveram ao incêndio do Museu Nacional, que reduziu a cinzas a instituição científica mais antiga do Brasil.

Merval Pereira: Esticando a corda. Não foi surpresa a decisão pessoal do ex-presidente Lula de esticar a corda até onde for possível para manter sua candidatura à Presidência da República no centro do debate político. Lula está convencido de que quanto mais tempo conseguir fazer a disputa jurídica nos tribunais superiores, mais protagonizará a cena eleitoral, tornando secundária a transferência de votos para seu vice, Fernando Haddad.

Carlos Andreazza: O teto de Bolsonaro. Terá Jair Bolsonaro batido em seu teto eleitoral de primeiro turno? Para quem, como eu, não tem (nunca teve) dúvida sobre a força de transmissão de votos de Lula a seu cavalo Fernando Haddad, essa — acerca do deputado federal — impõe-se como a mais importante questão do momento. Terá o candidato do PSL encontrado seu limite em algo como 20% do eleitorado? Avalio que sim. Com prudência: sim.

Análise: Razões para concluir Angra 3. Notícias na mídia pontuam o dilema relacionado à situação do empreendimento Angra 3, para o qual a Eletronuclear não tem fluxo de caixa necessário a fim de cobrir as despesas com a retomada da obra.

Marina muda imagem para se livrar do rótulo de frágil. Orientada por marqueteiro, candidata da Rede ousa no visual e adota discurso mais forte, sobretudo para mulheres.

Marconi Perillo, do PSDB, vira réu por corrupção. O juiz Ricardo Prata, da 8ª Vara Criminal de Goiás, aceitou uma denúncia contra o ex-governador e candidato ao Senado Marconi Perillo (PSDB) por corrupção passiva, envolvendo suspeitas de favorecimento à empreiteira Delta Construções no período em que esteve à frente do estado.

Em SP, Ciro e Alckmin trocam acusações. Pedetista diz que candidato tucano ‘deixa roubar’, e ex-governador de São Paulo devolve chamando o adversário de ‘aloprado fujão’. Ibope divulga hoje nova pesquisa de intenções de voto para Presidência.

Justiça Federal julga hoje Garotinho, já condenado em 1ª instância. A 2ª Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) vai julgar, na tarde de hoje, o processo em que o ex-governador Anthony Garotinho, candidato do PRP ao governo do Rio, foi condenado em primeira instância a dois anos e seis meses de reclusão, em regime aberto, por formação de quadrilha.

PT denuncia Bolsonaro no STF por vídeo com ataques. Coligação diz que candidato cometeu ‘injúria eleitoral e incitação ao crime’. A coligação presidencial encabeçada pelo PT apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma notícia-crime contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) pela declaração em que ele defende “fuzilar a petralhada do Acre”.

TSE suspende programa do PT que exibe Lula como candidato. TSE pune propaganda que ‘confunde o eleitor’.

Avaliação do ensino médio reprova todos os estados. Ensino médio do país inteiro fica aquém da meta.

PF investiga mensagens que propagavam nova greve. Segundo ministro da Segurança Pública, mensagens que circulam pelo WhatsApp indicando nova paralisação após o feriado de 7 de setembro são falsas e configuram crime. Entidades de representantes da categoria negam movimento.

Macri corta ministérios e cria imposto para exportação. Crise profunda. Mauricio Macri anuncia as medidas de emergência: presidente, que ao assumir era bem-visto pelo mercado, hoje luta contra a desvalorização do peso e a deterioração das contas públicas. País depende de recursos do FMI.

Editorial1: Tragédia do Museu reflete má política de gastos. Corporações controlam maior parte do Orçamento, e a isso se soma o desprezo com a Cultura em geral.

Editorial2: Voto de Barroso no TSE desmonta farsa armada em órgão da ONU. Acionar um comitê administrativo faz parte do plano do PT de estender ao máximo a questão.

*Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo*: Crise econômica atinge 36% dos setores industriais. Entre o 2º semestre de 2017 e o 1º semestre de 2018, número de segmentos em crise subiu 10 pontos porcentuais. Levantamento do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) mostra que mais de um terço dos setores industriais encerrou os seis primeiros meses do ano com desempenho negativo. Entre o segundo semestre de 2017 e o primeiro semestre de 2018, a parcela de atividades consideradas em crise moderada e intensa cresceu de 26% para 36% nos 93 ramos investigados. Os piores desempenhos foram os dos fabricantes de joias e bijuterias, reservatórios metálicos e caldeiras, artigos de malharia, brinquedos e artefatos para pesca e esporte. Dados do IBGE mostram que a indústria avançou 4,9% no quarto trimestre de 2017, ante o mesmo período de 2016. No primeiro trimestre deste ano, o avanço foi de 3%. No segundo trimestre de 2018, a alta ficou em apenas 1,7%.

Museu Nacional não tinha estrutura antifogo, não tinha seguro nem hidrantes com água… Agora, só tem as paredes. O Museu Nacional, destruído por incêndio anteontem, não tinha porta antifogo nem sprinklers. O acervo, de 20 milhões de itens, não era segurado, assim como o prédio. Os detectores de fumaça não funcionaram e a água dos hidrantes não foi suficiente. E assim foram perdidos 90% das peças abrigadas ali. O MEC anunciou que destinará R$ 10 milhões a obras emergenciais. A investigação caberá à PF.

Ciro quer reforma da Previdência e defende revogar do teto de gastos. Presidenciável do PDT afirma que, se eleito, vai atuar contra limitador de despesas antes mesmo da posse no Planalto.

Cineastas vão ajudar campanha de Marina Silva. Candidata da Rede aposta em ‘filmes’ de diretores voluntários nas redes sociais.

Eliane Catanhêde: Labaredas jogaram luz no descaso, nos desvios, na simbiose entre corrupção e colapso.

TSE proíbe propaganda com Lula como protagonista. Os ministros Carlos Bastide Horbach e Luís Felipe Salomão, do TSE, determinaram a suspensão de propagandas veiculadas pelo PT no rádio e na TV que tenham como protagonista o ex-presidente Lula. As deliberações apontam tentativa de “confundir o eleitor” e “frontal oposição” ao que foi decidido pela Corte. As decisões se referem às peças veiculadas no sábado.

Alckmin tentará associar Dilma a Temer na TV. Estratégia do candidato do PSDB à Presidência é atrair o eleitor antipetista que hoje declara voto em Jair Bolsonaro (PSL). Bolsonaro, no entanto, continuará sendo o alvo principal do tucano.

Servidores vão ao STF contra adiamento do reajuste salarial. Duas associações de servidores federais entraram com ação no STF contra o adiamento do reajuste salarial, previsto para 2020. Outras devem seguir o mesmo caminho. A primeira ação foi sorteada para ser apreciada pelo ministro Ricardo Lewandowski e a segunda, por Luiz Fux. Os servidores argumentam que Lewandowski seria o “magistrado natural” do caso.

Só 23% da rede privada atinge meta do MEC.

Eliane Cantanhêde: Labaredas jogaram luz no descaso, nos desvios, na simbiose entre corrupção e colapso.

Ana Carla Abrão: Ao ver o museu ardendo é inevitável pensar nos homens públicos, sócios nessa tragédia.

Estratégia petista causa incômodo no PCdoB. Principal aliado do PT na eleição presidencial, o PCdoB divergiu da estratégia do partido de insistir na manutenção da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi vetada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Coluna do Estadão: Comissão de Cultura da Câmara ignorou museu. A situação precária do Museu Nacional, do Rio de Janeiro, que pegou fogo no domingo, não mereceu a atenção da Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados. Do ano passado para cá, o tema não entrou na pauta do colegiado, responsável por discutir e aprovar projetos de lei na área, além de determinar fiscalizações. A comissão também não é prioridade para a maioria dos partidos. A cinco meses do final da legislatura, dez vagas ainda não foram preenchidas pelas legendas, incluindo cargos de comando, como os três vice-presidentes.

Coluna do Estadão: Réu por duas vezes na Justiça Eleitoral e alvo de ação de improbidade, o candidato a vice na chapa presidencial do PT, Fernando Haddad, deve enfrentar esta semana acusação criminal do MP-SP. O motivo é o mesmo. A UTC teria pago uma dívida da campanha do petista, em 2012, de R$ 2,6 milhões com caixa 2. Haddad tem afirmado que a delação de Ricardo Pessoa, da UTC, foi rejeitada em outros casos e que ele contrariou o empresário.

Editrorial1: Atentado à soberania. Para os liberticidas petistas, o partido não é obrigado a respeitar a legislação eleitoral nem, muito menos, as decisões do Tribunal Superior Eleitoral.

Editorial2: Vergonha. A tragédia do Museu Nacional revela que o corte de gastos precisa respeitar prioridades.

Editorial3: O alerta do drama argentino. O novo desastre argentino é um instrutivo pano de fundo para a campanha eleitoral brasileira, marcada por discursos populistas e escasso compromisso, restrito a poucos candidatos, com políticas sérias e voltadas para a eficiência econômica. Forçado a pedir ajuda ao Fundo Monetário Internacional (FMI), o governo do presidente Mauricio Macri acertou em junho um pacote de US$ 50 bilhões. Menos de três meses depois, o ministro da Fazenda, Nicolas Dujovne, volta a Washington para negociar um novo programa.

*Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo*: São Paulo perde a liderança na educação básica do país. Estado cai nos ensinos fundamental e médio em indicador do governo federal.

Fogo consumiu 90% do acervo, afirma porta-voz do Museu.

Hélio Schwartsmann: Falhas de segurança no Museu Nacional remontam a pelo menos uma década.

Bruno Boghossian: Em 1901, sem teto e pedaladas, faltava dinheiro ao Museu Nacional. País não aprende a valorizar sua história e produz seus próprios infortúnios Destruição prova que, em 117 anos, país não aprendeu a valorizar sua história.

Lilian Schwarcz: Retrato da situação do Brasil, incêndio também queimou esperanças.

Em meio à fumaça e ao calor, força-tarefa entrou para resgatar acervo.

Repasses ao Museu Nacional caíram pela metade em 5 anos.

Pacote argentino provoca protestos e queda do peso.

Em sabatina, Ciro diz não “ser dessa esquerda boboca”.

Diogo Rais: Fazer enquete online, mesmo de boa fé, pode dar multa de R$ 53 mil.

Grandes financiadores de 2014 vetam ou desaconselham doação neste ano.

Marketing de influência está por trás de compra de usuários nas redes por candidatos.

Justiça proíbe propaganda que associa Jaques Wagner a corrupção.

Embora parecidos, Trump e Bolsonaro têm diferenças cruciais, dizem analistas. Falta de apoio político e posição mais ideológica do candidato brasileiro os distanciam.

Decisão do TSE obriga PT a alterar propaganda na TV.

Painel: Dodge quer que PT devolva dinheiro que gastar na campanha enquanto não substituir Lula.

Painel: Alckmin mantém Bolsonaro sob pressão e mira PT em busca de eleitor antipetista.

Alvaro Costa e Silva: O pós-Temer vem aí. Que país o atual presidente deixará para seu sucessor?

Editorial1: Museu de cinzas. Incêndio na Quinta da Boa Vista aniquila parcela importante da memória nacional

Editorial2: Orçar na escassez. Próximo presidente contará com verbas minguantes para obras de infraestrutura.

*Manchete e destaques do jornal Valor Econômico*: Argentina baixa pacote fiscal, mas peso cai mais 4,3%. Em mais um dia de forte desvalorização do peso, desta vez de 4,3% em relação ao dólar, o governo argentino anunciou ontem aumento de impostos e corte de despesas e prometeu zerar o déficit primário (que não inclui a despesa com juros da dívida) das contas públicas até o fim de 2019.

Dividido, PT segue com Lula. A decisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de prolongar a estratégia em torno de sua candidatura presidencial, em confronto aberto com a Justiça Eleitoral, contrariou uma ala expressiva do PT, que considera urgente oficializar o vice, Fernando Haddad, na cabeça de chapa.

BNDES negocia liberar R$ 2 bi para faculdades. O BNDES e o Ministério da Educação negociam a criação de uma linha de crédito, de R$ 2 bilhões, para ajudar faculdades particulares a financiar as mensalidades de seus estudantes.

Marfrig troca CEO e lança nova estratégia. A Marfrig Global Foods, segunda maior produtora de carne bovina do mundo, anunciou ampla reorganização. Eduardo Miron assume comando após redução da alavancagem.

Desembargador linha-dura corta gastos no TJ. Com jeitão linha-dura, o fazendeiro e desembargador Manoel Pereira Calças administra o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) com a convicção de que “o olho do dono engorda o boi”. Ele assumiu a presidência do Tribunal há oito meses e vem tentando torná-lo mais enxuto.

Incêndio no museu provoca embate entre UFRJ e governo. Um dia depois do incêndio que destruiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, a discussão sobre as causas do acidente evidenciou um embate entre o governo federal e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), à qual o Museu é ligado, sobre a disponibilidade de recursos para a universidade.

Conjuntura. Diesel se aproxima do preço anterior à greve. Com aumento de 13% das refinarias repassado ao consumidor final, valor fica entre R$ 0,05 e R$ 0,06 abaixo do praticado antes da paralisação.

A dificuldade de enfrentar a restrição orçamentária. O episódio mostra como o teto virou uma espécie de bode expiatório para quem reclama da estratégia atual de ajuste das contas públicas.

Importador independente se afasta, e Petrobras amplia domínio no diesel. Expectativa é que importadoras independentes se ausentem cada vez mais do mercado com atuais regras de subsídio.

Eleições. Lula resiste a sair e contraria petistas. Ex-presidente resolve prolongar a estratégia de manter candidatura presidencial indeferida pelo TSE.

Ministros do TSE vetam propagandas do PT com ex-presidente candidato.

Diminui poder de Lula para transferir votos. Falta tempo para o PT conseguir viabilizar a candidatura Haddad presidente.

Alckmin adota agenda popular e promete medidas de cunho social. Tucano promete implantar restaurantes em todo o país que ofereçam refeição ao custo de R$ 1 e subsídio para a compra do botijão de gás.

Economista da campanha de Marina critica cotas raciais. Giannetti diz que país não deve “macaquear” políticas estrangeiras de cotas raciais.

Editorial: Retratos terríveis saem das avaliações da educação. Os gastos com educação aumentaram 91% acima da inflação entre 2008 e 2016. Mas o dinheiro pode estar indo para os destinos errados.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu