Economia internacional e eleição 2018 são os destaques das manchetes dos jornais

SINOPSE NACIONAL DE 25 DE JULHO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS    :

Manchete e destaques do jornal O Globo  : China surpreende e anuncia pacote de estímulo à economia. Bolsas fecham em alta, e dólar sofre desvalorização. Brasil pode ser beneficiado. Com o objetivo de se proteger dos impactos provocados pela guerra comercial travada com os EUA, a China surpreendeu e anunciou um pacote de incentivos à sua economia. A medida tranquilizou investidores que temiam desaceleração do crescimento chinês. A meta para o aumento do PIB ficou em 6,5%. As principais Bolsas do mundo fecharam em alta, e o dólar se desvalorizou. Especialistas avaliam que o Brasil pode ser beneficiado com a manutenção da demanda por soja e outras commodities. O presidente Donald Trump anunciou ajuda de US$ 12 bilhões para agricultores americanos/

Estudante brasileira é assassinada a tiros na Nicarágua. Carro foi metralhado na capital. Itamaraty chama embaixador. A estudante de Medicina Raynéia Lima morreu após seu carro ser metralhado em Manágua, ao voltar de plantão no hospital. Testemunhas acusam paramilitares. O Itamaraty chamou o embaixador de volta/

Preso suspeito de participação na morte de Marielle. A Polícia Civil prendeu o ex-PM Alan de Morais Nogueira, o Cachorro Louco, que estaria no carro com os assassinos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Ele é suspeito de integrar a quadrilha do miliciano Orlando de Curicica/

Promotor manda Cabral à solitária durante vistoria. O ex-governador Sérgio Cabral foi enviado à solitária ontem, durante fiscalização do Ministério Público Estadual em Bangu 8. Segundo o promotor André Guilherme, ele se recusou a ficar em “posição de respeito”. A defesa de Cabral diz que houve arbitrariedade/

Empresas querem liberar aumento de planos individuais. A indefinição de Josué Alencar quanto a ser candidato a vice de Geraldo Alckmin (PSDB) divide aliados do tucano sobre o plano B. O deputado Mendonça Filho (DEM), a senadora Ana Amélia (PP)e Aldo Rebelo (SD) são opções/

Evasão é menor em universidades de pequeno porte. As universidades particulares com até três mil alunos foram as que tiveram a menor taxa de evasão, de acordo com sindicato de empresas de ensino superior. Em contrapartida, proporcionalmente, elas são as que mais deixaram de receber calouros/

Editorial1: Uso político adultera agências reguladoras. Instrumento criado para ser independente e garantir segurança jurídica a contratos de negócios precisa ser revitalizado para um novo ciclo de crescimento/

Editorial2: Crivella corta na saúde e poupa máquina burocrática. A Lei de Responsabilidade Fiscal dá aos gestores base legal para que reduzam despesas com pessoal quando os gastos ultrapassam os limites pré-estabelecidos.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo  : Ciro fala em pôr Judiciário na ‘caixinha’ e soltar Lula. Candidato do PDT diz que Lula ‘só tem chance de sair da cadeia se a gente assumir o poder e organizar a carga’. Em entrevista ao programa Resenha, da TV Difusora (MA), o candidato Ciro Gomes (PDT) afirmou que o ex-presidente Lula (PT), preso e condenado na Lava Jato, só será libertado se ele, Ciro, for eleito: “Só tem chance de sair da cadeia se a gente assumir o poder e organizar a carga. Botar juiz para voltar para a caixinha dele, botar o Ministério Público para voltar para a caixinha dele e restaurar a autoridade do poder político”, disse Ciro no dia 16, informa Gilberto Amendola. A informação foi divulgada ontem pelo estadao.com.br. Lula está preso desde 7 de abril, em Curitiba. Ele foi condenado em segunda instância pelo TRF-4 a 12 anos e um mês de prisão no caso do triplex do Guarujá. Em maio, Ciro havia declarado que propor indulto a Lula seria “loucura” porque “indulto é apenas para aqueles que já foram condenados em todas as instâncias”. Ontem, o candidato não se pronunciou/

Partido de Bolsonaro. O PSL foi a sigla que mais votou com o governo do presidente Michel Temer, de quem Jair Bolsonaro é um crítico. É o que mostra levantamento da consultoria Arko Advice. Os parlamentares do PSL foram mais fiéis até do que os do MDB/

Josué Gomes diz não e vice de Alckmin pode ser do DEM. O empresário Josué Gomes da Silva (PR-MG) recusou convite para ser o vice na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República e os partidos que compõem o Centrão já saíram em busca de um substituto. O DEM tem a preferência de Alckmin, mas o ex-governador diz que a escolha deve ser feita pelo bloco. O deputado e ex-ministro da Educação Mendonça Filho (DEM-PE) é o mais cotado/

MG e RS podem deixar ‘bomba’ fiscal de R$ 13 bi. Liminares concedidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que impedem a União de bloquear recursos para o pagamento da dívida do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais podem fazer com que os atuais governos dos dois Estados deixem para seus sucessores débitos com o Tesouro Nacional que já chegam a R$ 13 bilhões/

Brasileira é assassinada na Nicarágua. Raynéia Lima, de 31 anos, foi baleada em região controlada por paramilitares a serviço do presidente Daniel Ortega. Segundo colegas da faculdade de Medicina, ela foi morta por milicianos. A polícia diz que atirador foi segurança privado/

Presos suspeitos por execução de Marielle. Dois milicianos presos no Rio por um outro crime podem ter relação com o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março/

Vera Magalhães: Intervencionista, programa do PT é vendido por Haddad como “diálogo com a modernidade”/

Editorial1: Voto de cabresto. A compra de votos e o voto de cabresto não romperam os grilhões que mantêm porções do território nacional na República Velha e ainda desafiam o viço de nossa democracia no século 21/

Editorial2: Duas visões da insegurança. Para empresários, um quadro político obscuro; para consumidores, cotidiano difícil/

Editorial3: Reforma à cubana. Cuba continuará sendo um país cujo destino político, social e econômico é determinado pelas vontades de uma oligarquia política e militar.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo  : Somadas, campanhas presidenciais custarão 60% de Dilma em 2014. Com proibição de doação de empresas, candidatos estimam despesa de R$ 200 mi; há 4 anos, PT declarou R$ 351 milhões. Com a proibição de doações de empresas para campanhas eleitorais deste ano, candidatos à Presidência estimam despesas mais modestas na disputa. A previsão inicial das principais campanhas juntas é de cerca de R$ 200 milhões em gastos. O valor, sujeito a ajustes durante o processo, é pouco mais da metade do desembolsado para eleger Dilma Rousseff em 2014 — R$ 351 milhões. Na eleição passada, os três primeiros colocados gastaram R$ 800 milhões, diz a Justiça Eleitoral. O custeio agora pode ser feito p o r repasses do fundo eleitoral, doações de pessoas físicas e autofinanciamento. A redução também se deve ao teto de despesas, aprovado pelo Congresso, de R$ 70 milhões por candidato no primeiro turno/

Com indefinição de Josué, tucanos divergem sobre vice. A indefinição de Josué Alencar quanto a ser candidato a vice de Geraldo Alckmin (PSDB) divide aliados do tucano sobre o plano B. O deputado Mendonça Filho (DEM), a senadora Ana Amélia (PP) e Aldo Rebelo (SD) são Opções/

Josué Christiano Gomes da Silva (Josué Alencar): Não é hora de o Brasil apostar em aventuras. Geraldo Alkmin (PSDB) reúne todos os requisitos para cumprir a complexa missão que terá o presidente da República. Aplaudo os partidos que tomaram a decisão de apoiar sua candidatura/

Estudante brasileira é morta a tiros na Nicarágua. A estudante de medicina Raynéia Gabrielle Lima, 31, foi morta a tiros em Manágua em meio à convulsão social que tomou o país governado por Daniel Ortega. A brasileira teria sido metralhada enquanto voltava de carro para casa. A principal hipótese é de que o disparo tenha vindo depara miitares/

Previdência complementar não atrai servidores. A uma semana do fim do prazo de adesão à previdência complementar de servidores, menos de 5.000 funcionários do Executivo optaram pela migração, o que equivale a cerca de 2% do projetado pelo governo. O novo regime foi criado para tentar equilibrar as contas do funcionalismo alongo prazo/

Estudante brasileira é morta a tiros na NicaráguaPainel: Por aliança, Alckmin diz que fala até com a mãe de Josué, que não o quer na política/

Presidenciáveis preveem gastar 45% do declarado por Dilma há quatro anos/

Pobre não sabe fazer nada, disse Bolsonaro quando era vereador no Rio, nos anos 1990/

Elio Gaspari: Geraldo Alckmin, o besouro voador/

Indefinição lança temporada de caça ao vice de Alckmin/

Meme e like não dão voto, diz responsável por redes sociais de Alckmin/

Com gritos de ‘Lula livre’, grupo joga tinta vermelha na entrada do STF/

Rede, de Marina, negocia aliança com Romário no Rio de Janeiro/

Palanque de Marina em SP, chapa PMN-Rede tenta se entrosar/

Editorial1: Programa evasivo. Cotado para substituir Lula na eleição, Haddad parece mais preocupado em agradar à militância/

Editorial2: Parques a perigo. Em tempos de restrições, é preciso buscar alternativas; privatização pode ser promissora.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu