Economia é o tema dominante nas manchetes de jornais

SINOPSE NACIONAL DE 05 DE SETEMBRO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Governo aumenta subsídios, e conta de luz fica mais cara. Aneel aprova mais R$ 1,9 bi em encargos. Desde 2014, consumidor já pagou R$ 70 bi em subvenções.

Custo UFRJ 87% para pessoal. A UFRJ, responsável pelo Museu Nacional, destruído por incêndio no domingo, consumiu com pessoal 87% do orçamento de 2017. Desde 2013, o gasto com servidores cresce acima da inflação, ao contrário das despesas com investimentos e custeio. Especialistas veem excesso de funcionários.

Outros prédios da UFRJ estão em situação de risco. Escola de Música, que guarda 60 mil documentos, não tem sistema contra incêndio; instalações do Fundão, inclusive o Hospital Clementino Fraga Filho, apresentam problemas estruturais. Oito edifícios da universidade pegaram fogo nos últimos sete anos.

Elio Gaspari: É empulhação dos hierarcas tentar culpar quem paga impostos. Aqui vai uma sugestão para os milhares de servidores públicos que trabalham em museus federais, estaduais e municipais: a partir de hoje, organizem comissões e peçam aos seus diretores que lhes mostrem o alvará do Corpo de Bombeiros que autoriza o funcionamento da instituição. Não tem? Venceu? Tudo bem, declarem-se em greve e só voltem ao trabalho quando vier o alvará. O Museu Nacional havia sido inspecionado pelo Corpo de Bombeiros há dez anos. Diante do fogo, dos hidrantes não saía água.

Roberto da Matta: Tragédia é resultado da eleição de governantes ignorantes. Como um museu pode morrer?

Bernardo Mello Franco: A tragédia dos ministros. É difícil explicar a um estrangeiro a sucessão de erros que levou ao incêndio do Museu Nacional. É mais difícil ainda explicar como as autoridades que não agiram para impedir o desastre ainda continuam em seus cargos.

Merval Pereira: Chapa do PT é chamada de ‘sítio de Atibaia’. A candidatura fake do ex-presidente Lula à Presidência da República continua sendo propagada em vários programas eleitorais e nos cartazes espalhados pelo país, obrigando os ministros encarregados da propaganda oficial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a vetar seguidamente os anúncios e inserções do PT que insistem em vender a imagem de Lula como candidato a presidente, mesmo depois que sua candidatura foi impugnada devido à Lei da Ficha Limpa.

MP denuncia Haddad, acusado de corrupção. Ações decorrem da delação do dono da UTC; candidato a vice pelo PT questiona surgimento das acusações no período eleitoral.

No Rio, Lava-Jato mira ação de doleiros com esmeraldas. Para Procuradoria da República, empresários exportavam ilegalmente pedras preciosas e teriam movimentado US$ 44 milhões.

‘Fantasma’, candidata mais jovem do país desiste. De 18 anos recém-completados, Thamyres Martinelli abre mão da disputa sem fazer campanha. Situação da jovem que sequer conhecia as atribuições de um deputado estadual se assemelha à tática dos partidos para cumprir cota de 30% de mulheres.

Ibope e Datafolha adiam divulgação de pesquisas. Institutos haviam registrado levantamentos antes de candidatura de Lula ser indeferida; TSE pode dar aval para informar resultado.

Metade dos brasileiros é sedentária. Um quinto da população se exercita abaixo do ideal.

Países se dividem entre preservação ou caça às baleias. Reunião da Comissão Internacional, que acontece pela primeira vez no Brasil, tem embate entre os que defendem a caça, liderados pelos japoneses, e aqueles que pedem mais proteção aos mamíferos, com a criação do Santuário do Atlântico Sul.

Na Europa e nos EUA, museus buscam diversificar fontes de receita. Na Europa e nos EUA, grandes instituições combinam receitas de bilheteria e recursos públicos com captação de patrocínio, licenciamento de marcas e aluguel de espaços. Além de curadores de arte, administradores também participam de gestão.

‘Arqueólogos por acidente’, vizinhos levam ao museu itens encontrados. Crianças e vizinhos do museu incendiado preservam peças que encontraram nas ruas para devolvê-las à instituição.

Condenado em 2ª instância, Garotinho pode se tornar inelegível. Decisão do TRF-2 foi unânime. Justiça Eleitoral deve avaliar se candidato do PRP será declarado ficha-suja.

Editorial1: Ensino médio continua a ser grande desafio. Índice reprova todos os estados e mostra ser difícil atingir metas tendo como referência a OCDE.

Editorial2: Macri eleva sacrifício na Argentina, após ter adiado reformas profundas. Pacote anunciado prevê cortes de gastos, taxação de exportações e elevação das taxas de juros.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Apesar das críticas de candidatos, benefício fiscal subirá R$ 23 bi. Previsão é de que governo abrirá mão de R$ 306,4 bi de arrecadação em 2019. As renúncias tributárias, como desonerações e incentivos fiscais concedidos pelo governo a empresas, entidades filantrópicas e pessoas físicas, terão crescimento de R$ 23 bilhões em 2019 e vão atingir R$ 306,4 bilhões no primeiro ano de mandato do próximo presidente da República. Apesar de a maior parte dos candidatos se declarar contra os incentivos, estimativa da Receita Federal encaminhada ao Congresso como parte do projeto de lei orçamentária aponta que a União vai abrir mão de 4,2% do PIB. Os R$ 23 bilhões representam quase 80% do dispêndio anual projetado para o Bolsa Família. O aumento dos “gastos tributários” da União – alguns deles previstos na Constituição, como os incentivos da Zona Franca de Manaus – será de 8% em relação aos R$ 283,4 bilhões previstos para 2018. A correção do teto de gastos, mecanismo que proíbe que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação, será de 4,39% para 2019.

Luz vai subir para bancar subsídio. Para custear despesas com programas sociais, descontos tarifários e empréstimos para o setor, conta de energia elétrica terá reajuste de até 1,6%.

Prisão de PMs constrange campanha de Bolsonaro. Os irmãos gêmeos Alan e Alex Rodrigues de Oliveira, PMs que participavam de eventos da campanha do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), candidato ao Senado e filho de Jair Bolsonaro, foram presos em operação que investiga suposta quadrilha de policiais especializada em extorsões. Ontem, Flávio negou que os irmãos integrassem a sua campanha. Segundo integrantes da equipe do deputado, os PMs davam apoio de segurança.

Promotoria denuncia Haddad. O ex-prefeito Fernando Haddad, provável candidato à Presidência pelo PT, foi denunciado pelo MP de SP pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

‘Entre coxinhas e mortadelas, sou mortadela’. Ciro Gomes (PDT) lamentou, na Estadão-Faap Sabatinas, a polarização política do País e disse que PT e PSDB “se afundaram na falta de projeto”.

Governo e UFRJ trocam acusações sobre verba de museu. Enquanto o governo federal sustenta que não faltam recursos para a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), responsável pelo Museu Nacional, destruído em incêndio no domingo, a reitoria da universidade diz que seu orçamento caiu nos últimos dez anos – e, consequentemente, os repasses ao museu. Ministérios apontam que as verbas para o Museu Nacional caíram 43% de 2013 a 2017. Segundo a UFRJ, queda foi de 35%.

Candidato, Eunício aprova R$ 320 mi para reduto eleitoral. Candidato à reeleição, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), aprovou, na primeira sessão da Casa em quase um mês, empréstimo de R$ 320 milhões para Caucaia, no Ceará, seu reduto eleitoral. Senadores do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina também conseguiram a liberação de empréstimos semelhantes para suas regiões. Eunício não comentou, mas foi às redes sociais comemorar a aprovação da verba.

Marun vira alvo de investigação no STF.

Coluna do Estadão: Centrão dá aval a Alckmin para criticar Michel Temer. As críticas da campanha do tucano Geraldo Alckmin ao governo Michel Temer no horário eleitoral são incentivadas por dirigentes do Centrão. O grupo inclui partidos que ainda ocupam ministérios no atual governo ou que foram responsáveis por várias das políticas alvos de ataques do tucano. No PP, que tem Saúde e Cidades, lideranças justificam o aval: “Temer está muito desgastado e ninguém vai se chatear por isso. Faz parte”. No DEM, que controlou a Educação até abril, a avaliação é de que ou Alckmin se descola de Temer ou perde a eleição.

Coluna do Estadão: Se por um lado a artilharia de Alckmin tem o apoio da cúpula do Centrão, por outro enfrenta resistência de deputados que tentam a reeleição. Muitos estão se afastando do tucano temendo retaliação de prefeitos petistas ou de eleitores de Bolsonaro, outro alvo do tucano.

Prisão de PMs constrange campanha de Bolsonaro. Operação. Policiais detidos durante investigação do MP Estadual participaram de eventos do candidato ao Senado Flávio Bolsonaro, filho do presidenciável Jair Bolsonaro.

Câmara aprova MP para renegociar dívida rural.

Gilmar manda soltar ex-presidente da Dersa.

Monica De Bolle: Entre o voto de Fachin, o incêndio no Museu Nacional e o tempo de TV que se inicia, vejo a desordem instalada.

Editorial1: Empreitada antidemocrática. Além dos inúmeros problemas que o aguardam, o futuro governante terá de lidar com a irresponsabilidade e a truculência de petistas e bolsonaristas.

Editorial2: Os donos do incêndio. Tragédia ensina que irresponsabilidade com dinheiro público causa graves danos ao País.

Editorial3: Não é momento para tibieza. À primeira vista, causou surpresa a decisão do governo brasileiro de não subscrever um projeto de resolução do Grupo de Lima que foi entregue ao Conselho de Direitos Humanos da ONU para condenar violações de direitos humanos praticadas pelo regime de Nicolás Maduro na Venezuela. Na tarde de ontem, no entanto, o Itamaraty informou que irá votar pela aprovação da proposta de resolução no Conselho da ONU, mesmo não sendo um país “copatrocinador” do documento. É o mínimo a ser feito.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Instabilidade avança sobre emergentes, e dólar se valoriza mais. Perspectiva de recuperação sustentada dos EUA também fortalece moeda, que fecha dia em R$ 4,155; Bolsas recuam. Reflexo de notícias que apontam para recuperação mais sustentada da economia dos EUA, com perspectiva de elevação dos juros, as principais moedas de países emergentes tiveram ontem nova desvalorização ante o dólar. O acirramento de fragilidades econômicas nessas nações também contribuiu. A África do Sul anunciou sua primeira recessão desde 2009 e se somou ao grupo de emergentes em crise, que inclui Argentina e Turquia. O dólar valorizou-se em relação a 22 de 24 divisas emergentes. Diante do real, a alta foi de 0,07%, e amoeda americana fechou a R$ 4,155. O dia foi negativo nas Bolsas mundiais — no Brasil, houve recuo de 2%.

Trabalho de pesquisadores foi destruído por incêndio. Com a perda de boa parte do acervo do Museu Nacional, relevante centro de pesquisa no Rio, o trabalho de centenas de pós-graduandos foi prejudicado. Estima-se que 70% de alunos e professores tenham tido pesquisas afetadas pelo incêndio. Também foram destruídos laboratórios e salas para esses estudos.

Responsável por museu, UFRJ tem improviso e edifício precário.

Ruy Castro: Agora é cinza. Uma longa história de ausências.

Nelson de Sá: Nas capas, o incêndio se torna metáfora do ‘declínio de uma nação’. Paulo Coelho escreve no Guardian que não só o governo, ‘mas nós, o povo brasileiro, negligenciamos nossa história’.

Hélio Schwartsman: Educação emperrada. Escolas são a nossa principal esperança para construir um país mais próspero.

Bruno Boghossian: Eleições 2018. PT arrisca classe média para reter eleitor de renda mais baixa.

Antonio Delfim Netto: Fato e fake. Atribui-se ao presidente Michel Temer toda a desgraça de 2012 a 2016.

Painel: Conversa de Lula com Haddad foi conclusiva; PT vai trocar candidato em Curitiba.

Na TV e no rádio, PT inicia transição e diz ‘Haddad é Lula’. Apesar de manter defesa à candidatura do ex-presidente, vice ganha destaque no programa.

À PGR Alckmin confirma reunião com delator que negou publicamente.

Haddad é denunciado pelo Ministério Público de São Paulo sob acusação de corrupção. Ex-prefeito e provável substituto de Lula teria recebido dinheiro para pagar dívida de campanha; ele nega.

Adversários locais do PT usam Lula na TV no Nordeste. Opostos localmente a alianças com petistas, Eunício, Collor e Roseana Sarney mostram fotos e elogiam ex-presidente.

Gilmar Mendes concede habeas corpus para ex-secretário de Alckmin.

Por que tantos em Wall Street torcem por Bolsonaro? ANÁLISE – Brian Winter. Os investidores estrangeiros, como muitos brasileiros, querem crer na possibilidade de um salvador. Para a parte de Wall Street que investe no Brasil, o ano foi horrível.

Terceirização irrestrita causa dúvidas entre empregadores. A liberação pelo STF da terceirização de todas as atividades da empresa provocou dúvidas entre patrões. Eles têm consultado advogados para saber se é possível demitir celetistas e contratá-los como pessoas jurídicas.

Alckmin culpa metodologia por queda da educação de SP. O ex-governador e presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) atribui à metodologia do Ministério da Educação, que não inclui escolas técnicas no Ideb, a perda da liderança de SP no ranking. A pasta diz que não houve mudanças.

Ex-governador se contradiz sobre encontro suspeito. Apesar de ter refutado publicamente reunião com delator da Odebrecht que o acusa de caixa 2, Geraldo Alckmin confirmou o encontro à PGR. Em depoimento em julho de 2017, sua defesa mencionou a reunião. O tucano nega contradição.

Marina faz ataque ao discurso fácil durante campanha. A presidenciável Marina Silva (Rede) criticou rivais que “abrem a j anela do promessômetro”, usando o “discurso fácil” para atrair o eleitor. A forma como se ganha determina a forma como se governa, disse em sabatina da Folha em parceria com UOL e SBT.

Editorial1: Decepção tucana. Avaliação do ensino básico mostra que São Paulo, sob Alckmin, perdeu a liderança nacional.

Editorial2: Décadas perdidas. A despeito de ressalvas, desempenho do PIB dos últimos anos é nada além de vexaminoso.

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Empresas vendem ativos no exterior e trazem US$ 13,6 bi. Empresas brasileiras estão vendendo participações acionárias no exterior para trazer recursos de volta ao país, um movimento que ganhou força nos últimos meses.

Judiciário estoura teto por reajuste. Para garantir o pagamento de aumentos escalonados já concedidos a seus funcionários e reajuste de 16,38% a juízes e procuradores, Judiciário e Ministério Público da União poderão desrespeitar o teto constitucional de gastos além do previsto

Disputa entre sócios ameaça a Eldorado. A Eldorado é a grande perdedora com o conflito entre J&F, holding da família Batista que controla a empresa, e a Paper Excellence, acionista minoritária que foi à Justiça para garantir a compra do controle da produtora de celulose. Justificativa foi de que a operação não foi concluída até o dia 3.

Novos caminhos. Em alguns anos, o Citi vai ser maior no Brasil do que era até o ano passado, antes de vender os ativos de varejo no país, afirma a executiva-chefe para a América Latina, Jane Fraser. Cotada para a assumir o posto de CEO, diz que o banco quer crescer com serviços para empresas médias.

Reação nas mídias impõe perda à Nike. A Nike teve que lidar, ontem, com uma reação violenta à sua decisão de usar Colin Kaepernick como garoto-propaganda de sua nova campanha publicitária. O jogador de futebol americano está no centro de uma polêmica devido à sua recusa em ficar em pé durante a execução do hino nacional dos EUA, em 2016.

“O SUS, hoje, é o sistema da doença”. A proposta que ajudou a desenhar para reformar o Sistema Único de Saúde (SUS) – do qual foi um dos criadores como deputado constituinte em 1988 – é a menina dos olhos do médico sanitarista Eduardo Jorge (PV), candidato a vice na chapa de Marina Silva (Rede).

Marcos Elias está preso nos Estados Unidos. Marcos Elias, sócio da assessoria independente de investimentos Modena Capital, está preso nos Estados Unidos desde o dia 28, sob acusação de fraude, falsificação de documentos e roubo, e pode pegar sentença de até 30 anos, segundo informações do Departamento de Justiça americano.

Conjuntura. Valor que empresas trazem do exterior quintuplica este ano.

Dólar favorece movimento de venda de participações lá fora.

Quem ganha com os subsídios? Programas que envolvem subvenção precisam ser monitorados permanentemente para evitar desperdício de recursos públicos e corrupção.

Profissionais e entidades se unem para pedir proteção a patrimônio histórico. Governo federal convocou reuniões com bancos e empresários para tentar apresentar um plano de recuperação e ações emergenciais.

Infraestrutura. Conta de luz terá de arcar com mais R$ 2 bi. Indefinição sobre energia da Venezuela para Roraima eleva encargo para consumidores em R$ 503 milhões.

Infraestrutura. Setor elétrico terá buraco de R$ 90 bi em 2019. Levantamento da Associação de Consumidores Industriais aponta existência de passivos que podem exigir até 50% de reajuste nas tarifas no próximo ano.

Julho surpreende, mas indústria deve seguir em ritmo lento. Recuo de 0,2% na produção foi menor que o estimado por analistas.

Brasil é o 5º país mais sedentário do mundo, aponta OMS. País teve também uma das maiores taxas de crescimento de inatividade, com mais de 15 pontos percentuais de 2001 para cá.

Eleições. Haddad é alvo de terceira ação proposta pelo MP-SP. Vice na chapa presidencial do PT, ex-prefeito é acusado de corrupção, lavagem e formação de quadrilha.

Tucanos comemoram decisão do PT.

Lula explica. Petista quer ser candidato mas, antes, proclamar inocência.

Embate entre Alckmin e Bolsonaro ganha força na área jurídica. Ministro Alexandre de Moraes não levou à pauta da primeira turma denúncia por racismo contra candidato do PSL.

Editorial: A prioridade dos gastos e a tragédia do Museu Nacional. Com penduricalhos, um juiz do Supremo recebe por ano quantia quase equivalente à destinada ao Museu Nacional. O problema não é a falta de dinheiro, e sim sua alocação.

Deixe uma resposta

Fechar Menu