Economia e judiciário são os destaques das manchetes dos jornais

Primeira Hora – Anexo 6

_SINOPSE NACIONAL DE 10 DE JULHO DE 2018_

Edição: Sérgio Botêlho 

*_JORNAIS_*:

*Manchete e destaques do jornal O Globo*: Previsão para crescimento do PIB tem ‘teto’ de 1,5%. Inflação em 4,39% eleva risco de alta dos juros. Efeitos da greve dos caminhoneiros sobre principais indicadores derrubam expectativas de retomada da economia. Depois de as projeções para a alta do PIB no ano terem chegado perto de 3%, por conta do crescimento acima do esperado em 2017, os efeitos da greve dos caminhoneiros sobre os principais indicadores estão derrubando as expectativas de retomada da economia. Especialistas afirmam que um crescimento de 1,5% já é considerado “teto” para o PIB em 2018. A avaliação é que a queda de 10,9% da produção industrial em maio, em relação a abril, dificilmente será recuperada integralmente, e a subida da inflação em junho, acumulando 4,39% em 12 meses, aumenta o risco de alta dos juros antes do fim do ano/

Crivella articula sua defesa na Câmara. Depois de reportagem do GLOBO mostrar uma reunião em que o prefeito Marcelo Crivella oferecia privilégios a um grupo de pastores, vereadores de oposição se mobilizam para pedir seu afastamento. Na Câmara Municipal foram protocolados três pedidos de abertura de processo de impeachment contra Crivella, que, por sua vez, trabalha para rearticular sua base aliada na Casa/

Odebrecht fecha acordo de leniência. A Advocacia-Geral da União e a Controladoria-Geral da União fecharam acordo de leniência de R$ 2,7 bilhões com a Odebrecht, 87% do valor firmado com os procuradores da Lava-Jato. TCU discutirá os termos amanhã/

Saída de Boris Johnson abala governo britânico. Brexit divide Partido Conservador. A renúncia do chanceler britânico Boris Johnson, um dos principais defensores do Brexit, revela um Partido Conservador dividido entre “suave” e “linha dura” quanto ao processo de saída do Reino Unido da União Europeia, e enfraquece o governo de Theresa May/

Antídoto para o plantão. Procurador-geral em exercício pede que qualquer decisão sobre soltura de Lula passe pelo STJ/

Na cela, malas prontas. Frustração petista. Entre 9h e 10h, ex-presidente Lula arrumou seus pertences para possível libertação/

Trio do PT atua na Câmara para alterar delações premiadas. Deputados que pediram libertação de Lula querem mudar código penal/

Arquivo Nacional reavalia contrato polêmico. Diretora indicada por Cristiane Brasil contratou dirigente do PTB para curso/

Favreto já confirmou decisões da Lava-Jato. Desembargador que mandou soltar Lula reconhece corrupção na Petrobras/

MDB decide no dia 4 se lançará Meirelles. Governo calcula apoio de maioria em convenção para confirmar nome/

Lydia Medeiros: Os planos do PT. “Meu nome é tumulto”, escreveu o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, num dos versos de “Nosso Tempo”. No PT, e fora dele, há quem acredite que a recente ofensiva de deputados e advogados na defesa de Lula tem um objetivo quase drummondiano — tumultuar a política em defesa de um político que é réu em condições jurídicas reconhecidas como “muito difíceis”, como já qualificou a presidente do PT, Gleisi Hoffmann. A mais nova criação dos defensores de Lula é a tese da “inelegibilidade provisória”/

Bernardo Mello Franco: No caso Lula, a Justiça saiu perdendo. Lula preso, Lula livre, Lula preso, Lula livre… A gangorra jurídica de domingo não afetou tanto o ex-presidente, que nem chegou a sair da cela. Quem mais perdeu foi a Justiça, que recebeu novos arranhões numa imagem que já andava desgastada/

Editorial1: Justiça passa por um teste no caso de Lula. As idas e vindas no conflito em torno da libertação do ex-presidente no domingo demonstram que o sistema tem mecanismos de autocorreção/

Editorial2: Agenda de visitas de Trump no exterior gera tensão. A agenda de Donald Trump promete capturar a atenção da comunidade internacional esta semana. Amanhã e depois, líderes da Otan realizarão sua reunião de cúpula, na qual o presidente americano, cuja gestão tem conspícua inclinação isolacionista, deverá ouvir reclamações de velhos aliados, atingidos pelas tarifas sobre bens exportados para os EUA, como aço e alumínio. Por sua vez, Trump insistirá na exigência de que os demais sócios da Otan elevem suas contribuições à organização.

*Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo*: Após manobra, PGR quer que só STJ avalie recursos de Lula. Pedido seria ‘medida de segurança’ para manter decisão do TRF-4 em novos embates com a defesa do petista/

Odebrecht firma acordo de leniência de R$ 2,7 bilhões. A Odebrecht fechou com a União acordo de leniência de R$ 2,72 bilhões, que serão pagos em 22 anos. A negociação, primeira fechada com uma grande empreiteira envolvida na Lava Jato, está sendo contestada pelo TCU. Na prática, o acordo melhora a situação jurídica da Odebrecht e tem potencial para reduzir os entraves na disputa de licitações e na liberação de crédito público/

Datena desiste de candidatura ao Senado. Apresentador apareceu ontem em programa de TV, o que é vedado pela lei eleitoral a candidatos desde o dia 30 de junho/

Advogado é nomeado ministro do Trabalho. Indicado na cota pessoal do presidente, advogado assume pasta no lugar de Helton Yomura, afastado pelo Supremo/

Temer libera mais verbas a congressistas. Foram R$ 5,8 bi pagos em emendas individuais até a 1º semana de julho, mais do que o total de 2017 e quase o mesmo liberado em 2016/

Coluna do Estadão: Defesa quer diferenciar papéis de Temer e Lima. O avanço das investigações do Inquérito dos Portos pode alterar os rumos da defesa do presidente Michel Temer. Começa a ser costurada uma tese para responsabilizar unicamente o coronel João Baptista Lima Filho por receber supostos recursos indevidos de empresas do setor portuário. A ideia é mostrar que amigos podem trabalhar juntos, mas não necessariamente serem responsáveis pelos atos uns dos outros. Para o Ministério Público Federal, o coronel Lima tinha o papel de auxiliar na arrecadação de propina que seria destinada a Temer/

Coluna do Estadão: O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) foi convocado para fazer a contagem dos votos que o presidenciável Henrique Meirelles tem para a convenção do MDB por ser profundo conhecedor do partido, que tem histórico de divisão entre seus dirigentes. Em 2006, Anthony Garotinho teve a candidatura barrada por 25 votos. Antes, em 1998, Itamar Franco também não conseguiu. Temer passou raspando, em 2014/

MDB marca convenção para lançar Meirelles. Nome do ex-ministro deve ser homologado pelo partido como o candidato da legenda à eleição presidencial/

CNJ recebe oito representações contra plantonista. Outras 2 foram apresentadas contra Moro em razão da disputa entre os magistrados a respeito de ordem de soltura de Lula/

Eliane Cantanhêde: PT vende que Moro foi maior derrotado, mas quem ficou ilhado foi desembargador/

Ana Carla Abrão: Não validaremos na eleição o discurso do ódio, da divisão, da truculência e do preconceito.

Editorial1: O plantonista amigo. A tentativa de petistas de obter ilegalmente a soltura do cacique Lula da Silva evidencia menosprezo pelo Estado de Direito.

Editorial2: Conflitos de competência. O STF deve se debruçar sobre a validade do uso de provas de colaboração premiada/

Editorial3: O salário-esposa. A aprovação, pela Câmara Municipal de São Paulo, do Projeto de Lei 278, que reajusta em 2,84% os vencimentos dos servidores do Tribunal de Contas do Município (TCM) com retroatividade a partir de 1.° de março, acabou dando visibilidade a um privilégio corporativo que foi concedido a todo o funcionalismo paulistano há quase quatro décadas, mas que até agora era muito pouco conhecido por parte da opinião pública. Trata-se do salário-esposa.

*Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo*: Estados compensam baixa no óleo diesel com alta na gasolina. Preço de referência para o ICMS aumenta após paralisação dos caminhoneiros; em SP, ganhos devem superar perdas. Na esteira da redução do ICMS sobre o óleo diesel, 13 governos estaduais decidiram aumentar a taxação da gasolina por meio de elevação no preço de referência (PMPF) sobre o qual incide o imposto. Essa alta visa compensar a diminuição na receita provocada pela queda de arrecadação com o diesel. O ICMS dos combustíveis é cobrado sobre o PMPF, que é definido pelas secretarias estaduais de Fazenda. Nele incidem alíquotas que variam por produto e por estado. Desde o fim da paralisação dos caminhoneiros, 17 estados reduziram o PMPF do diesel, acompanhando a queda de preço provocada pelas subvenções dadas pelo governo federal para encerrar o movimento. Em alguns casos, como Goiás, Rio Grande do Sul e São Paulo,estados que aumentaram o PMPF da gasolina devem ter ganhos superiores às perdas com a redução no ICMS do diesel. Em SP, considerando a média mensal de vendas em 2017, a receita seria de R$ 68,9 milhões por mês, contra um prejuízo de R$ 45,1 milhões/

Procuradoria diz que STJ deve julgar Lula. A PGR (Procuradoria-Geral da República) enviou ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) na noite de anteontem uma manifestação em que defendeu a atribuição dessa corte para julgar pedidos de habeas corpus feitos em favor do ex-presidente Lula (PT), preso em Curitiba. A petição foi uma resposta da PGR à guerra de decisões no domingo, quando Rogério Favreto, juiz plantonista do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, que foi filiado ao PT por quase 20 anos, decidiu libertar Lula após pedido de deputados petistas. O cálculo dos parlamentares foi premeditado: souberam com antecedência que Favreto seria o plantonista do TRF-4 nesse fim de semana. Eles previam que a decisão do magistrado seria cassada, mas que o caso ilustraria a tese de que o Judiciário age contra Lula/

Governo anuncia acordo de leniência com a Odebrecht. O governo anunciou que assinou um acordo de leniência (espécie de delação premiada de empresas) com a Odebrecht por desvios de recursos da União e de estatais. A multa aplicada à empreiteira é de R$ 2,7 bilhões/

Contra lotação nas emergências, SUS se inspira em montadora. Unidades de urgência e emergência do SUS (Sistema Único de Saúde) adotaram um sistema de gestão inspirado na indústria automobilística para reduzir a superlotação. O método organiza fluxos internos. Em prontos-socorros de seis hospitais públicos de São Paulo, Belo Horizonte, Palmas,Goiânia, Florianópolis e Fortaleza, onde a novidade foi inicialmente implementada, houve redução do tempo de atendimento em até 50%/

Bruno Boghossian: Cármen foge do papel de líder enquanto Justiça vai para o abismo. Quem tem razão nas decisões sobre Lula? Não pergunte à presidente do Supremo/

Nabil Bonduki: Querem incorporar o auxílio-moradia no salário dos magistrados. Frente à crise fiscal, perda de renda e aumento da pobreza, isso é inaceitável/

Petistas pediram habeas corpus para Lula ao saber quem era juiz plantonista/

Painel: O Tribunal de Contas da União está em uma encruzilhada. Se decidir levar a cabo a ameaça de travar o acordo de leniência firmado pelo governo com a Odebrecht, poderá ficar totalmente isolado de outros órgãos de fiscalização. Técnicos da AGU e da Transparência avisam: se a corte, que já briga com o Ministério Público pelo direito de punir colaboradores da Lava Jato, partir para cima deles, abrirá caminho para que os limites de sua atuação sejam discutidos em juízo/

Centrão começa a se dividir em relação a presidenciáveis. Grupo que tinha 16 partidos está mais enxuto

Editorial1: Ex-presidente. Várzea jurídica. Intervenção descabida de magistrado desencadeia confronto de decisões em torno da soltura de Lula/

Editorial2: Reino Unido. Efeito ‘brexit’. Crise escancara a dificuldade de premiê britânica de conduzir o processo de saída da UE/

Deixe uma resposta

Fechar Menu