Economia e eleição 2018 são os dois temas mais em destaque nas manchetes dos jornais

Economia e eleição 2018 são os dois temas mais em destaque nas manchetes dos jornais. Apesar dos subsídios, preço do diesel subiu; Fux assevera inelegibilidade de Lula.

Primeira Hora – Anexo 6

SINOPSE NACIONAL DE 01 DE AGOSTO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS  :

Manchete e destaques do jornal O Globo : País gasta R$ 13,5 bi, mas diesel custa mais caro. Mesmo com subsídio, preço nas refinarias é maior do que com antiga política da Petrobras/

FGTS pode ser utilizado em imóveis de até R$ 1,5 milhão. O Conselho Monetário Nacional( CM N) reformulou as regras para a comprada casa própria. O FGTS poderá ser utilizado em imóveis novos ou usados de até R$ 1,5 milhão em todo o país, e as instituições serão incentivadas a financiar unidades de até R$ 500 mil. As medidas começam a valer em janeiro de 2019/

Turismo sobre trilhos. Projeto é investir R$ 200 milhões em linhas férreas de cinco cidades; recurso viria de multa aplicada pela ANTT a empresa que desistiu de administrar 752 quilômetros da antiga Rede Ferroviária em todo o país/

Brasil tem recorde de trabalhadores fora do mercado. País tem 37 milhões em atividades por conta própria e sem carteira/

Esquerda se divide em eleição presidencial e nos estados. Impasse de PT, PSB, PCdoB e PDT vai da Presidência à luta nos estados/

Gleisi diz que PT vai retirar apoio a Eunício para o Senado no Ceará/

‘Negar dívida com escravidão é apagar a História’. Historiadores afirmam que, ao defender ideias como ‘o português nem pisava na África’, e ‘eram os próprios negros que entregavam os escravos’, presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, comete erros básicos sobre os fatos que marcaram o país/

Marina confirma que está em negociação para que PV assuma a vice. Pré-candidata da Rede aguarda definição até sábado e aposta em Eduardo Jorge, que concorreu à Presidência em 2014/

PGR se posiciona no Supremo contra liberdade para Lula. Raquel Dodge também recorreu ao STF do habeas corpus concedido para José Dirceu em junho/

Bolsa sobe 8,88% em julho e é a melhor aplicação. Resultado é o maior desde janeiro. Analistas citam retomada do investimento estrangeiro e cenário eleitoral mais definido, mas esperam turbulência nos próximos meses. Já o dólar americano encerra o mês com uma desvalorização de 3,44%/

Míriam Leitão: Desemprego exige solução inovadora. É urgente que o Brasil entenda como funciona a nova economia para ter políticas de criação de emprego/

Merval Pereira: Insistência de Lula é estímulo a Bolsonaro. O maior estímulo à candidatura à Presidência da República de Bolsonaro é a tentativa de Lula de se manter na disputa. A estratégia do ex-presidente é clara, embora seja uma missão quase impossível colocar sua fotografia na urna eletrônica para que seja real o slogan já escolhido: Fulano é Lula, Lula é Fulano/

Elio Gaspari: Os diretores da ANS deveriam deixar os cargos. Os diretores da Agência Nacional de Saúde poderiam salvar suas biografias indo para casa. Basta que anunciem sua disposição de deixar os cargos no primeiro dia de mandato do novo presidente. Não devem fazê-lo agora porque seriam substituídos por farinha do mesmo saco/

Jussara Soares: Polêmica é a arma de Bolsonaro. Bolsonaro foi treinado para reagir de forma estratégica a perguntas e pensar só em eleitores/

Editorial1: Recuo da ANS recoloca questão dos planos. Revogação de medida sobre franquias e coparticipação abre espaço para ideias, e uma pode ser a abertura do mercado/

Editorial2: Nacionalismo de Putin é modelo para a extrema-direita americana. Líder russo inspira Trump e grupos ultraconservadores, num movimento que ameaça os valores democráticos.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo : Condenado é inelegível, diz Fux. Presidente do TSE afirmou que político enquadrado na Lei da Ficha Limpa, como Lula, ‘não pode forçar uma situação’/

Ciro e Marina tentam evitar isolamento. Na reta final das convenções, presidenciáveis do PDT e da Rede buscam atrair PSB e PV, que tendem à neutralidade no 1º turno da eleição/

Americanos reduzem investimentos no Brasil. Reforma. Participação de companhias dos EUA no total de investimento direto feito no Brasil passou de 15,7% no ano passado para 6,6% no primeiro semestre, depois que o governo americano reduziu de 35% para 21% o Imposto de Renda das empresas/

O trauma de uma criança separada. Thiago, de 5 anos, brinca com a mãe, Ana Carolina Fernandes, na Filadélfia, onde hoje moram. Depois de passar 50 dias separado da mãe na fronteira dos EUA, o garoto agora evita contato com outras pessoas e sua brincadeira favorita é revistar e prender “imigrantes” com algemas. “Ele está assim desde que o busquei”, disse Ana Carolina/

Avião cai no México e todos se salvam. Investigações. Aeronave de fabricação brasileira da companhia Aeroméxico, com 97 passageiros e 4 tripulantes, faz pouso forçado e pega fogo após decolar da cidade de Durango para a Cidade do México; 85 ficaram feridos, a maioria sem gravidade/

MDB oficializa Meirelles em convenção sem definição de vice. Partido lança amanhã ex-ministro da Fazenda como candidato ao Planalto e busca mulher para compor chapa/

Coluna do Estadão: Inquérito contra Temer causa atritos na polícia. Na decisão em que permitiu no fim de junho a prorrogação do Inquérito dos Portos, o ministro Luís Roberto Barroso foi específico. “Autorizo o delegado Cleyber Malta Lopes a prosseguir com as diligências de investigação”, escreveu. A menção ao nome do delegado, pouco usual, não passou despercebida dentro da PF e foi vista como uma blindagem para evitar sua substituição no caso. A Coluna apurou que há divergências internas sobre a forma como Lopes conduz a investigação, que tem como principal alvo o presidente Michel Temer/

Coluna do Estadão: Alckmin contou ao Centrão ter encomendado pesquisa com alguns dos nomes indicados para vice na sua chapa. Entre eles, Aldo Rebelo, Margarete Coelho e Tereza Cristina. Ana Amélia (RS) não entrou na pesquisa. O PP quer reelegê-la ao Senado/

Vera Magalhães: Adversários têm a pretensão de “desconstruir” Bolsonaro na campanha. Não será fácil/

Editorial1: Um retrato dos partidos. O PT diz ter 2,19 milhões de filiados, mas conseguiu arrecadar apenas R$ 440,8 mil de 4,6 mil doadores na chamada “vaquinha online”, mostra o Estado/

Editorial2: O emprego e as expectativas. A desocupação diminuiu 0,7% ante o 1.º trimestre/

Editorial3: Outro plano para o centro. O mais recente plano da Prefeitura para atrair moradores para a região central da capital, aproveitando as excelentes condições de infraestrutura urbana lá existentes, repete, em suas linhas gerais, os objetivos e as boas intenções de muitos outros semelhantes que se sucederam e infelizmente malograram nas últimas décadas.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo : Brasil tem 66 milhões fora da força de trabalho. Nível recorde foi divulgado pelo IBGE. Especialistas temem que crise esteja alimentando desalento do trabalhador/

Teto para financiar imóvel com FGTS sobe para R$1,5 milhão/

Avião com 101 cai no México e todos sobrevivem/

Mudança climática aumenta risco de incêndios/

Suicídios fazem USP criar escritório de saúde mental/

Mesmo com seca, Cantareira tem água para mais 1 ano/

Painel: Por Janaina, Bolsonaro admite rever proposta sobre aumento de número de ministros do STF/

Henrique Meirelles quer ProUni infantil e crédito a quem recebe Bolsa Família/

Para empresários, Boulos promete rever lei de licitações e BNDES exclusivo para pequena empresa/

Agência Lupa: Os erros e acertos de Jair Bolsonaro no Roda Viva/

Acho muito cruel a vida do político no Brasil, diz Pezão/

Na Justiça e no governo, Bicudo tinha como tarefa lutar pelos direitos humanos/

Morre advogado Hélio Bicudo, fundador do PT e autor do pedido de impeachment de Dilma/

Elio Gaspari: A diretoria da ANS deve pedir o boné/

Lilia Schwarcz: Bolsonaro contou a história que quis, não aquela dos documentos/

Hélio Schwartsman: Aborto já. Supremo Tribunal Federal fará bem se declarar inconstitucional a proibição da prática/

Bruno Boghossian: Bolsonaro precisa deixar zona de conforto e debater plataformas. Candidato surfa na polarização e se exime de responsabilidade sobre futuro do país/

Editorial1: Apagão informativo. Com receio de punições da Justiça Eleitoral, órgãos públicos deixam de fornecer dados/

Editorial2: Internet. Modelo em xeque. Facebook se distancia de insustentável posição que manteve por anos e cria riscos para a rede.

 

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu