Economia e eleição 2018 são os temas das manchetes dos jornais

Primeira Hora – Anexo 6

Economia e eleição 2018 são os temas das manchetes dos jornais. Estiagem incrementa conta de luz; 2/3 dos trabalhadores têm de fazer bico para complementar renda; jovens resolvem se inscrever como eleitores.

SINOPSE DE 28 DE JULHO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

*Manchete e destaques do jornal O Globo*: Seca gera mais sobretaxa na conta de luz. Pela primeira vez, bandeira tarifária nível 2, patamar mais elevado das cobranças adicionais, será aplicada por três meses seguidos/

ESPETÁCULO NO CÉU. Estrutura montada pelo Planetário no Forte de Copacabana reuniu centenas para ver ‘Lua de Sangue’/

O fim da era dos ‘supermarqueteiros’. Presidenciáveis gastam menos em propaganda, e publicitários perdem protagonismo/

Privilegiados. Auxílio luxuoso de grifes da comunicação. Bolsonaro teve gravação supervisionada por Medina, e Marina volta a contar com Fernando Meirelles/

Preso suspeito de matar brasileira. Polícia não dá detalhes sobre o detido; Itamaraty intensifica pressão/

Prefeito é acusado de favorecer tráfico. Prefeito de Japeri e vereadores são presos acusados de envolvimento com o tráfico/

STF suspende condenação da Petrobras. O ministro do STF Dias Toffoli acolheu pedido da Petrobras para suspender condenação do TST em processo que discute remuneração dos empregados. O impacto para a empresa seria de R$ 17,2 bilhões. A decisão poderá ser revista no fim do recesso da Corte, em agosto/

Mulheres se desfiliam da Rede após denunciarem machismo. Dissidentes da sigla de Marina alegam pressão para favorecer homens/

Rachada, esquerda faz novo esforço por unidade. Partidos devem se reunir na semana que vem, mas chance de acordo é mínima/

Tempo de TV de Alckmin é 40 vezes maior do que o de Bolsonaro. À exceção de tucano, principais candidatos têm pouco espaço por falta de alianças/

Merval Pereira: Rapidez e rigor. A decisão de Raquel Dodge, na qualidade de procuradora-geral eleitoral, de divulgar instrução normativa orientando todos os procuradores a ingressarem com ações para impugnar candidaturas de políticos condenados em segunda instância, conforme prevê a Lei da Ficha Limpa, é mais uma sinalização da Justiça de que não permitirá que a insegurança jurídica embaralhe o resultado das eleições de outubro/

Editorial1: O mundo dos monopólios digitais. Google e Facebook desafiam a regulação de sistemas antitrustes aplicados nos EUA desde o início do século XX, mas agora a atuação dessas empresas é global/

Editorial2: Hiperinflação na Venezuela sepulta ilusionismo. FMI prevê inflação de um milhão por cento este ano e total erosão do bolívar. Violência e desabastecimento continuam estimulando êxodo de refugiados.

*Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo*: Dois em cada 3 trabalhadores fazem bicos para pagar contas. No primeiro semestre do ano, 64,4% da população com mais de 18 anos teve de recorrer aos serviços extras/

Nicarágua prende vigia acusado de matar brasileira. Suspeito sob suspeita. Polícia diz que vigilante disparou contra Raynéia Gabrielle Lima, mas homem detido foi capturado com uma carabina M4, de uso exclusivo do Exército; para colegas e defensores de direitos humanos, paramilitares mataram pernambucana/

Liminar do STF suspende condenação da Petrobrás. Ministro Dias Toffoli alega que pagamento bilionário de ação trabalhista acarretará ‘notórios efeitos econômicos’ no caixa da companhia/

Mortalidade infantil cresce no Estado de SP. Saúde. Tendência de alta observada em território nacional se repetiu em 204 das 645 cidades do Estado, onde estão os principais hospitais de referência brasileiros; mas SP ainda tem uma das taxas mais baixas, ao lado dos Estados do Sul e do Distrito Federal/

Jucá tenta descolar Meirelles de Temer/

Bancos elevam juros do crédito rotativo. Em junho, taxa avançou 18,1 pontos, para 261,1%; quando BC editou norma, em abril, foi descartada alta dos juros do rotativo regular/

‘Não podemos transigir com leis vigentes’, diz general. Exército. Luiz Eduardo Ramos, comandante militar do Sudeste, cita eleição e afirma que legislação deve ser cumprida independentemente de ‘interesses político-partidários’/

Coluna do Estadão: Políticos querem evitar Cármen na 2.ª Turma. A entrada da ministra Cármen Lúcia na 2.ª Turma do Supremo no lugar de Dias Toffoli, a partir de setembro, preocupa parlamentares com processos pendentes de julgamento no colegiado. Advogados de políticos dizem que farão o possível para que seus clientes sejam julgados antes da troca/

Coluna do Estadão: O PP não indicou a senadora Ana Amélia (RS) para vice do presidenciável Geraldo Alckmin. E Aldo Rebelo falou a interlocutores que preferia ser um nome de consenso a constar de uma lista de opções. Alckmin ficou de informar a ACM Neto (DEM) sua decisão na segunda, 30/

Coluna do Estadão: Para fechar a aliança nacional com o PT, o PSB exigiria a retirada da candidatura de Marília Arraes, principal adversária de Paulo Câmara. Outra opção do PSB é Ciro Gomes/

‘Se guerrilheiro pode, por que não militar?’ diz Paulo Guedes. ‘Guru’ econômico de Bolsonaro, Paulo Guedes defende ao ‘Estado’ a participação de militares num eventual governo do presidenciável/

Uma cadela jurada de morte. Na Colômbia, a guerra a cartéis de droga tem incontáveis heróis e vilões. A história da vez é a de “Sombra”, fêmea pastor alemão que localizou toneladas de drogas em malas e frutas. Tráfico oferece US$ 70 mil pela morte dela/

João Domingos: Os esperados candidatos outsiders não vingaram. A eleição será feita com o que se tinha/

Fernando Reinach: Cientistas descobriram que, há 14,4 mil anos, homem já assava pães multigrãos/

Editorial1: Juros, câmbio e risco político. Diante de quadros muito diversos, com rápido crescimento nos EUA e atividade muito lenta no Brasil, bancos centrais devem anunciar os juros/

Editorial2: Lulopetismo na SBPC. Pode-se apenas lamentar que a entidade continue a ser usada por oportunistas/

Editorial3: Terror na Nicarágua. De acordo com a organização não governamental (ONG), ao menos 448 pessoas morreram, cerca de 2,8 mil ficaram feridas e 595 estão desaparecidas desde o início dos protestos, em 18 de abril, inicialmente contra a reforma do sistema previdenciário aprovada dois dias antes, mas que logo se transformaram em um movimento mais amplo contra o governo. O número de vítimas pode ser ainda maior, uma vez que os observadores da ONG não conseguiram confirmar suspeitas de assassinatos em áreas de difícil acesso.

*Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo*: Proporção de jovens eleitores sobe pela 1ª vez desde 2006. Levantamento mostra que quase 30% dos adolescentes de 16 e 17 anos se habilitaram para votar em outubro/

Ex-secretário de Alckmin e mais 13 são denunciados sob acusação de fraude em obra do Rodoanel/

Painel: Aliados de Bolsonaro dizem a investidores que ele aposta as fichas no primeiro turno/

Rejeitado na capital, Doria busca nova onda azul em SP/

Sem alianças partidárias, MDB lança candidatura de Skaf ao governo de SP/

Luiz Marinho aposta em racha do centro para levar PT ao 2º turno/

Luiz F. Carvalho Filho: Seja quem ganhar a eleição é bom ficar de olho no vice/

PCC faz campanha para recrutar um bandido por hora/

Doria usou cargo a fim de divulgar parceria, nunca feita, com amigo/

Tabela de preços mínimos de frete atinge padarias.

Editorial1: A ameaça das facções. PCC dá sinais de que pretende derrotar seus rivais e assumir hegemonia do crime/

Editorial2: Relações. Parceiros, mas não tanto. Imagem de sintonia dos Brics se enfraquece quando cotejada com medidas adotadas entre eles.

 

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu