Violência, economia, governança, eleições 2018 e Rio de Janeiro são destaques do noticiário nacional

Violência, economia, governança, eleições 2018 e Rio de Janeiro são destaques do noticiário nacional. Ameaça a professores cresce no Rio de Janeiro; renda de aposentados sustenta 11 milhões de pessoas; dirigentes patronais se perpetuam no poder; Crivella quer filho puxando votos evangélicos.

SINOPSE NACIONAL DE 15 DE JULHO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Estado do Rio tem um professor ameaçado a cada três dias. Em quatro anos, 624 profissionais denunciaram intimidações à Polícia Civil. De 2014 a 2017, chega a 624 o número de professores que procuraram a Polícia Civil para denunciar ameaças em escolas do Estado do Rio, média de um registro a cada três dias. Os dados foram obtidos pelo GLOBO junto ao Instituto de Segurança Pública (ISP). Em 25% dos casos, o autor da ameaça é o aluno, e as professoras são as maiores vítimas: 75% de quem sofre a violência são mulheres.  A área do 3º BPM (Méier), que engloba 20 bairros e favelas como o Complexo do Lins e Jacarezinho, concentra 6% de todas as ocorrências. As secretarias de Educação municipal e estadual não contabilizam dados de afastamento de professores por ameaças e agressões/

Advogados disputam conta bilionária da educação. A PGR quer evitar que escritórios de advocacia obtenham em honorários parte dos R$ 90 bilhões que prefeituras têm a receber da União, destinados à educação. Bancas de advocacia espalhadas pelo país, grandes e pequenas, tentam receber uma fatia bilionária de recursos destinados à educação básica, uma ofensiva que ganhou a oposição da procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Um parecer dela de 25 de maio, obtido pelo GLOBO, aponta a iniciativa como “gravíssima situação” e defende que o Ministério Público Federal (MPF) empreenda ações para barrar contratações desses escritórios de advocacia por prefeituras país afora para agilizar a liberação dos recursos federais/

Empresas buscam reduzir gasto com plano de saúde. Com alta de 21% no investimento médio em saúde por funcionário nos últimos dois anos, empresas estão apostando em prevenção para reduzir despesas com benefício/

Alemanha procura mão de obra qualificada no exterior. Economia aquecida e população idosa levam empresas alemãs a contratar headhunters para buscar talentos em outros países. Há 1,1 milhão de ofertas de empregos no país/

Ciro diz ao blocão que pode ajustar discurso econômico. Pedetista esteve com líderes de grupo, cujo apoio segue indefinido/

Disputa entre aliados ameaça imagem de bom gestor de Alckmin. Ponto de discórdia é um projeto que reforçaria o caixa do estado. Campanha. Governador aumentou gastos com obras. A candidatura do presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) ganhou mais um problema em São Paulo. O discurso do tucano de gestor preparado, que deixou em dia as contas do estado na crise econômica, está a perigo devido à disputa entre os pré-candidatos a governador João Doria (PSDB) e Márcio França (PSB)/

Partido de Marina também tem rede de dissidentes. Ex-integrantes criticam centralização de grupo da ex-ministra. Legenda tem dificuldades em SP e não terá candidato próprio. Rede tem 2,4 mil filiados no estado e deve apoiar PMN, ainda sem acordo/

PF: Fraudes no Trabalho beneficiaram Marun. Relatório detalha ação ilegal para atender a pedidos de ministro/

Ascânio Seleme: As novas inimigas do PT. Raquel Dodge, Laurita Vaz e Carolina Lebbos cumpriram seu dever. Basta tomar uma decisão, qualquer decisão, contra o partido para ganhar o ódio eterno de seus líderes e militantes/

Lauro Jardim: Nota em risco. A sanha enlouquecida do Congresso, que nas últimas semanas vem aprovando benefícios a setores da economia, cujo impacto fiscal supera os R$ 100 bilhões até agora, já rendeu os primeiros frutos (podres). A Standard & Poor’s pediu uma reunião com o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, já nesta semana. Quer entender o que significam de fato as pautas-bomba. Aliás, a agência de risco americana rebaixou em janeiro a nota de crédito do Brasil, quando ficou patente que a reforma da Previdência fora para o saco/

Elio Gaspari: Lula não pode dar entrevista, mas nada impede que seja ouvido. A juíza da Vara de Execuções Penais de Curitiba decidiu que Lula não pode receber jornalistas. Ela informou também que ele está em “situação de inelegibilidade”. Seja lá o que for o que isso signifique, a essência da decisão faz sentido. O que lhe falta é eficácia/

Miriam Leitão: O ajuste visto pelo Secretário do Tesouro. O Brasil tem que fazer um ajuste fiscal de 4 pontos do PIB, ou R$ 300 bi, diz Mansueto de Almeida, secretário do Tesouro/

Editorial: Crise dos refugiados. Êxodo forçado de populações desafia o Humanismo. Problema alimenta retórica xenófoba, preconceitos étnicos e religiosos e cria as condições que geraram, no século passado, duas guerras mundiais.

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Onze milhões dependem da renda de aposentados no País. Número de lares nesta situação foi de 5,1 milhões para 5,7 milhões, aumento de 12,2%, no último ano. Pelo menos 10,8 milhões de pessoas dependem da renda de aposentados para viver no Brasil – se forem incluídos os próprios beneficiários, esse número chega a 16,9 milhões. No último ano, a quantidade de domicílios em que mais de 75% da renda vem de aposentadorias foi de 5,1 milhões para 5,7 milhões, aumento de 12,2%, segundo estudo da LCA Consultores feito a pedido do Estado. Esse tipo de dependência sempre foi mais forte no Nordeste, mas o desemprego está levando mais lares, em outras regiões, à mesma situação. “Os avós estão virando arrimo de família”, diz o médico Alexandre Kalache, especialista em longevidade. “Essa geração dependente pode ter dificuldade para se aposentar. Em breve, serão eles os idosos. E sem renda.”/

Idosos inadimplentes. Em maio, 34,5% das pessoas com mais de 61 anos estavam com as contas atrasadas, número maior do que há dois anos. Eles se endividam com empréstimos consignados e linhas de crédito tradicionais/

Seis em cada dez votos em branco são de mulheres. As mulheres de 35 a 44 anos são hoje a maioria dos votos brancos e nulos declarados em pesquisas de intenção de voto para presidente. Segundo o Ibope, elas respondem por seis de cada dez eleitores dispostos a não escolher ninguém. O eleitorado feminino também é responsável por mais da metade dos indecisos. Para analistas, a falta de representatividade feminina na política e a indignação com a corrupção explicam o fenômeno/

Para Bolsonaro, voto na LDO não faria diferença. O deputado e pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) faltou à votação do Orçamento para 2019. Ele disse a Vera Magalhães que nenhum parlamentar iria contra o reajuste aos servidores para não ficar com “essa marca na testa”. “Meu voto não fez falta”/

Coluna do Estadão: Ciro já elogiou ‘retidão e decência’ de Temer. Em pré-campanha ao Planalto, o presidenciável Ciro Gomes (PDT) atacou Michel Temer de “golpista”, “chefe de quadrilha” e afirmou que o presidente “será preso”. Mas essa relação nem sempre foi assim. As notas taquigráficas da Câmara dos Deputados revelam que, em 15 de dezembro de 2009, Ciro tinha outra opinião. “Vossa Excelência é um constitucionalista respeitado, um eminente jurista, além de político respeitabilíssimo”, disse ao então presidente da Câmara, Michel Temer. Eles debatiam um projeto que tratava do monopólio do petróleo/

Coluna do Estadão: Nas conversas com líderes do Centro, o nome da senadora Ana Amélia (PP-RS) surge como a vice dos sonhos para uma aliança com Geraldo Alckmin (PSDB) ou com Ciro Gomes (PDT). Avaliam, porém, que ela não abriria mão da reeleição ao Senado/

Coluna do Estadão: Após enviar a mensagem colocando-se à disposição do PP para disputar a Presidência, Ricardo Barros ligou para presidentes dos partidos que formam o Centro para convencê-los de que seria o candidato ideal para o grupo/

Vera Magalhães: Todos cavando o poço. O que se viu na saideira do Congresso antes do recesso prolongado de eleição foi um show de irresponsabilidade que cobrará um preço incalculável a um País que insiste em cavar dia a dia um poço ainda mais fundo para si/

Eliane Cantanhêde: Diferentemente do que ocorre no Judiciário, a maioria do Legislativo incendeia o País/

Paulo Leme: Abertura comercial, desejável para o Brasil, ficará na penumbra da política de Trump/

Editorial1: Os custos da farra. O estrago será inevitável, mas ainda se pode tentar conter parte dos danos nos cofres da União ocasionados pela grande farra fiscal de Brasília/

Editorial2: Aberração e acinte. Ao preço mínimo para o frete rodoviário, o Congresso acrescentou o acinte da anistia das multas de trânsito/

Editorial3: Definição de prioridades. Entrou em vigor na quinta-feira passada a Lei n.º 13.675/2018, que criou a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (PNSPDS) e instituiu o Sistema Único de Segurança Pública (Susp). O advento da lei foi um grande passo dado pelo Congresso Nacional para dotar as forças de segurança do País, nas esferas federal e estadual, de meios mais eficazes para enfrentar o mal da violência, uma das maiores preocupações dos brasileiros, de acordo com as pesquisas de opinião.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Dirigentes se perpetuam em entidades do patronato. Levantamento da Folha mostra sistema envelhecido e com suspeita de desvios. O patronato brasileiro, composto hoje exclusivamente por dirigentes homens, expõe um sistema envelhecido, com baixa rotatividade e diversidade, cada vez mais político e sobre o qual pairam suspeitas de nepotismo, desvio de recursos e corrupção, relata Raquel Landim. Por duas semanas, a reportagem da Folha escrutinou as confederações e federações de agricultura, indústria, comércio e transportes do país. Das 114 entidades existentes, conseguiu coletar informações de 99. Dessas, 41 têm presidentes com mais de oito anos no cargo. Dentre eles, 17 comandam as entidades há mais de duas décadas. O recordista, Fábio de Salles Meirelles, da Federação da Agricultura de São Paulo, ocupa o cargo há 43 anos. Pelo menos nove dirigentes e ex-dirigentes de entidades são suspeitos de corrupção e de outros crimes. Entre as razões para o apego dos presidentes estão o volume de recursos movimentado pelo Sistema S (Sesi, Senac e Senai, entre outros), que recebeu R$ 16,4 bilhões em 2017, e a falta de disposição das multinacionais para assumir o comando das entidades/

‘PT pode considerar nome de Ciro’, diz governador de MG. Cercado por crise, Fernando Pimentel (PT) aposta na vitória de presidenciável de esquerda para melhorar a situação de MG. Sem Lula, avalia que o PT pode apoiar Ciro Gomes (PDT)/

Candidatos ao Planalto têm focos de rejeição que perduram no tempo. Pesquisas mostram Bolsonaro fraco entre mulheres e no NE, região que também atrapalha Alckmin; Marina e Ciro vão mal entre jovens/

Em troca de mensagens, Cristiane Brasil chama Fachin, do STF, de vagabundo. Ofensa a ministro estava em celular de deputada apreendido pela Polícia Federal/

Veja mitos e verdades no debate dos agrotóxicos. A discussão sobre o projeto que facilita a liberação de agrotóxicos acirrou ânimos de ambientalistas e ruralistas. Os primeiros afirmam que a aprovação trará riscos à saúde e ao ambiente. Para os segundos, ela ajudará o país a manter a produtividade do campo. Em meio à guerra de versões, a Folha traz a palavra da ciência e dos cientistas a respeito do assunto/

Samuel Pessôa: Ajuste fiscal amplia chance de reeleição. O próximo presidente, se fizer o ajuste fiscal, mesmo de baixa qualidade, deve entregar a economia em 2022 em situação melhor. As chances de reeleição serão elevadas/

Bruno Boghossian: As chances de Bolsonaro na corrida presidencial. Entre eleitorado cativo e espaço limitado, deputado pode chegar ao 2º turno/

Editorial1: Sem provas. Absolvição de Lula e outros quatro de obstrução da Justiça mostra os vícios de inquéritos baseados em delações/

Editorial2: Impressão confusa. Bom senso do TSE barra impressão de voto em urnas eletrônicas.

PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e destaques da hora de O Globo online: Lauro Jardim: Crivella lança filho candidato e quer puxar votos para pastores. Marcelo Hodge disputará vaga de deputado federal. Plano é que seja o mais votado do PRB fluminense e beneficie candidatos evangélicos/

Em encontro com líderes comunitários, Crivella faz ironia sobre ‘reunião secreta’. Prefeito recebeu grupos, mas nã informou quais bairros e favelas representam/

Queda de avião deixa dois mortos no Mato Grosso. Acidente aconteceu na região da cidade de Bom Despacho

Em reunião com ‘centrão’, Ciro fala em ajustar discurso para atrair o DEM. Pré-candidato se reuniu neste sábado com parlamentares na casa do empresário Benjamin Steinbruch/

No Pará, Bolsonaro defende PMs por morte de 19 sem-terra no massacre de Eldorado do Carajás. Assassinato de trabalhadores rurais por policiais chocou o país em 1996/

Ministério do Trabalho fraudava documentos para atender pedidos de Marun, conclui PF. Pleitos de sindicatos eram repassados por chefe de gabinete que pode ter recebido ‘vantagens indevidas’, diz relatório/

PF: Aécio ajudou a maquiar dados na CPI do Mensalão. Segundo delegado, objetivo era esconder vínculos de banco com empresas de Marcos Valério, operador do mensalão, e o governo de Minas, comandado na época pelo senador/

Lula pediu rapidez em verba do BNDES para JBS, diz investigado como operador de Mantega. Segundo Victor Sandri, ex-presidente prometeu ser ‘garoto-propaganda’.

Manchete e destaques da hora do Estadão online: Economia. Onze milhões de pessoas dependem da renda de aposentados no País. Com crise econômica, aposentadorias ganharam espaço no orçamento familiar/

Copa do Mundo. França tenta se firmar como potência e Croácia busca título inédito/

Abertura desejável para o Brasil ficará na penumbra da política de Trump/

Alvo de críticas. Equipe de Neymar quer ‘plano de emergência’ para salvar imagem do atacante/

‘Corrupção ativa’. PF acusa Aécio de atuar para maquiar dados enviados a CPI/

Ministério do Trabalho atendia pedidos de Marun por meio de fraudes, diz PF/

França e Malta se oferecem para receber imigrantes resgatados na Itália. 

Manchete e destaques da hora da Folha online: Baixa rotatividade. Dirigentes se perpetuam em entidades do patronato do país. Levantamento da Folha mostra sistema com comando envelhecido, formado apenas por homens e com suspeita de desvios/

Repasse de R$ 16,4 bi para Sistema S incentiva apego/

Dirigentes de entidades são acusados de corrupção/

Ciência. Veja mitos e verdades no debate dos agrotóxicos. Discussão sobre o projeto que facilita a liberação dos produtos na agricultura acirrou os ânimos de ambientalistas e ruralistas/

Ajuste fiscal amplia a chance de reeleição do próximo presidente/

Vinícius Torres Freire: Candidatos têm de definir entre pacto de estabilidade ou caos/

Entrevista. ‘PT pode considerar nome de Ciro’, diz governador de Minas. Cercado por crise, Fernando Pimentel aposta na vitória de um presidenciável de esquerda/

Elio Gaspari: A cadeia de Lula se tornou o seu melhor palanque eleitoral/

Painel: PT quer antecipar candidatura para alimentar batalha jurídica/

Trump busca troféu em cúpula com Putin, que já é vencedor. Líderes se encontram na segunda (16), na Finlândia, com poucas concessões a oferecer

‘Me recuso a chamar situação da Argentina de crise’, diz ministro. Para Nicolás Dujovne, perdas do agronegócio e impacto do dólar levaram o país ao FMI.

Deixe uma resposta

Fechar Menu