Denúncias e eleição 2018 são os destaques das manchetes dos jornais

Denúncias e eleição 2018 são os destaques das manchetes dos jornais. Há mais procura por armas enquanto cresce número de baleados; TSE terá nova direção; Bolsonaro demite fantasma após nova denúncia.

SINOPSE DE 14 DE AGOSTO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Procura por armas dispara, e número de baleados cresce. Em 2017, foram mais de 33 mil aquisições. Candidatos à Presidência divergem sobre Estatuto do Desarmamento/

Combate a crimes eleitorais terá 4 mil agentes da PF. Corporação mobiliza quatro mil policiais para estar à disposição da Justiça Eleitoral no combate a crimes como corrupção, compra de votos, caixa dois e fake news. Centros de comando e controle serão criados nos estados/

Merval Pereira: Lula tenta ser candidato contra a letra da lei. À medida que vai se aproximando a data-limite para o registro das candidaturas à Presidência da República no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a discussão sobre a possibilidade de o expresidente Lula vir a ser oficializado pelo PT como candidato provoca polêmicas em várias áreas que serão afetadas pela decisão/

Bernardo Mello Franco: O cobiçado pior cargo do mundo. Quando ainda ensaiava disputar as eleições, Joaquim Barbosa ouviu apelos para se candidatar a governador. O ex-ministro do Supremo fulminou a ideia de cara. Disse que cogitava concorrer ao Planalto. Ao Palácio Guanabara, nem pensar/

Míriam Leitão: O risco da lira é virar crise em dominó/

José Casado: O que querem as mulheres. São 77,3 milhões e têm poder decisivo nas urnas, com maioria (52,5%) dos votos. É essencial prestar atenção ao que pensam e dizem sobre eleições, candidatos à Presidência e o futuro governo. Pistas surgiram na semana passada, em atualização semestral da série Retratos da Sociedade Brasileira, pesquisa realizada pelo Ibope e Confederação Nacional da Indústria/

As mulheres (71%) se dizem céticas, mais pessimistas, mais indecisas e mais propensas a anular ou votar em branco do que os homens. Entre eles, essa proporção é bem inferior (64%), embora significativa/

Combate a crimes eleitorais terá 4 mil agentes da PF. Corporação mobiliza quatro mil policiais para estar à disposição da Justiça Eleitoral no combate a crimes como corrupção, compra de votos, caixa dois e fake news. Centros de comando e controle serão criados nos estados/

Crise da Turquia volta a pressionar países emergentes. Crise se agrava e cria instabilidade nos emergentes/

‘Quem concorre com liminar está sujeito a trovoadas’, diz Fux. Sem citar o PT, ministro afirma que candidato pode ser cobrado por gastos com eleição extra/

MPF vai investigar contratos de TI no Ministério da Integração. Processo vai incluir informações de série reportagens feita pelo GLOBO/

Mantega é réu pela primeira vez na Lava-Jato. Há suspeitas de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na edição das medidas provisórias 470 e 472, chamadas de ‘MPs da Crise’. No mesmo caso, juiz Sergio Moro rejeita acusações contra Antonio Palocci por falta de provas/

Rosa Weber assume TSE com desafio de combater fake news. No Tribunal Superior Eleitoral, nova presidente terá tarefas como a fiscalização do financiamento das campanhas políticas e a aplicação da Lei da Ficha Limpa/

Agrotóxico de ação milionária é o mais usado no Brasil. Pivô de ação milionária vencida por jardineiro vítima de câncer, no EUA, glifosato é o agrotóxico mais usado no Brasil. Fabricante e especialistas divergem sobre uso/

Editorial1: Estados precisam da reforma da Previdência. Governadores conscientes da crise têm de trabalhar para que as mudanças sejam aprovadas logo/

Editorial2: Crise turca exige que emergentes façam o dever de casa nas finanças. Briga diplomática entre Ancara e Washington abala os mercados e ameaça os países vulneráveis

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Cármen defende Ficha Limpa; Wagner lança alerta ao PT. Ministra fala às vésperas do registro de Lula; Wagner pede definição do partido/

Bolsonaro será alvo na televisão. Estrategistas tucanos vão utilizar comerciais de 30 segundos no horário eleitoral para ‘desconstruir’ adversário/

Máquina voadora de guerra. Aeronave que transporta o secretário de Defesa James Mattis é uma central de guerra alada/

Crise turca eleva dólar; Argentina sobe juro a 45%. Medidas anunciadas pelo Banco Central da Turquia não foram suficientes para acalmar o mercado e conter a alta do dólar; no Brasil, a moeda americana fechou em R$ 3,88 e, na Argentina, superou os 30 pesos, levando o governo a anunciar pacote/

Moro determina prisão de cúpula da Mendes Jr. Executivos, condenados em 2ª instância na Lava Jato, têm 24 horas para se apresentar/

Mantega vira réu na Lava Jato por corrupção. O juiz federal Sérgio Moro aceitou ontem denúncia contra o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega por lavagem de dinheiro e corrupção na edição das Medidas Provisórias 470 e 472 (“MP da Crise”). Na mesma ação, no âmbito da Operação Lava Jato, o magistrado rejeitou a acusação formal contra o ex-ministro Antonio Palocci/

PF apura uso de navios pelo tráfico em Santos. Em menos de uma semana, dois transportes de toneladas de cocaína terminaram barrados/

Ouvidoria diz que há excessos na polícia de SP. Órgão analisou 756 dos 940 óbitos causados pelas corporações do Estado em 2017, ano com recorde histórico desse tipo de ocorrência; em 1/4 dos registros sequer houve confronto. Secretaria de Segurança Pública afirma ter ações para reduzir casos/

Coluna do Estadão: Deputados desistem e abrem espaço a parentes. Um levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) já identificou que parte dos políticos que desistiram de disputar a reeleição para a Câmara e o Senado em outubro registrou seus parentes para substituí-los nas urnas. “A renovação vai se dar pela entrada de parentes, celebridades, evangélicos ou policiais linha-dura”, diz o presidente do Diap, órgão que há décadas acompanha a movimentação no Congresso, Antonio Augusto de Queiroz. Segundo ele, o eleitor que apostar na renovação de fato sairá frustrado/

Coluna do Estadão: O presidenciável Jair Bolsonaro ainda não bateu o martelo, mas o nome da sua coligação, que reúne PSL e PRTB, deve ser “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. A campanha de Henrique Meirelles batizou a sua coligação de “#Essa é a solução”; Ciro Gomes vai de “Brasil Soberano”; Geraldo Alckmin escolheu “Para Unir o Brasil”; o PT vai de “O Povo Feliz de Novo”/

Eliane Cantanhêde: Enquanto PT e PSDB miram um o outro, Bolsonaro papa votos em todas as regiões e vai comendo pelas bordas/

Ana Carla Abrão: Aumento do Supremo Tribunal Federal desrespeita dispositivo constitucional chamado teto de gastos/

Editorial1: Um voto irracional. Uma parte da elite empresarial do País começa a declarar publicamente sua intenção de voto em Jair Bolsonaro (PSL) para a Presidência da República/

Editorial2: O alerta da crise turca. Balas perdidas do tiroteio entre os governos americano e turco têm atingido também o Brasil/

Editorial3: O ocaso da Unasul. Três dias após tomar posse, o presidente Iván Duque cumpriu uma de suas promessas de campanha e anunciou a saída da Colômbia da União das Nações SulAmericanas (Unasul). A entidade, segundo ele, seria “cúmplice da ditadura venezuelana”.

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Funcionária fantasma é demitida por Bolsonaro. Depois de revelar o caso, Folha volta a encontrar a servidora no local em que ela vende açaí, em Angra dos Reis (RJ)/

Socorro a estados e municípios vai custar R$ 90 bi em 3 anos. Valor corresponde a quase duas vezes o que foi gasto em investimentos em 2017, algo crucial para a retomada da economia/

Promessa de zerar déficit em dois anos é difícil de cumprir, diz Instituição Fiscal Independente/

Ajuda federal a estados vai custar R$90 bi em três anos/

Caixa e BB liberam saque a FGTS a partir de hoje/

Bruno Boghossian: Nova chefe do TSE, Rosa tem visão rigorosa da Lei da Ficha Limpa/

Mônica Bergamo: Dias Toffoli vai propor fim de feriados que só Judiciário tem/

Magistrado, que enviará proposta ao Congresso, assumirá a presidência do STF no dia 13 de setembro/

Alckmin traça estratégia para recuperar votos no interior de São Paulo/

Agência Lupa. Em debate paralelo, Haddad exagera ao citar empregos criados pelos petistas/

Quando era jovem, experimentei, diz Haddad sobre maconha/

Plano de Ciro para tirar eleitor de lista de devedores é vago, dizem especialistas/

Não queremos ser uma seita verde, diz vice de Marina Silva/

Marina Silva critica teto de gastos e defende melhor formação de professores/

Painel: Aluno questiona Lewandowski sobre regalias de juízes durante aula na USP/

Editorial1: Retrocesso na saúde. Piora recente em indicadores indica agravamento no quadro de atenção básica/

Editorial2: Mercado para todos. Termos para compra de parte da XP pelo Itaú parecem marcar uma nova posição do BC.

 

Deixe uma resposta

Fechar Menu