Demissão de Cintra é o assunto das manchetes dos grandes jornais

Sinopse da grande mídia impressa: Sem exceção, os jornais dedicam suas manchetes à demissão do secretário da Receita, Marcos Cintra. Segundo a mídia impressa, o motivo da demissão tem a ver com a defesa que o ex-secretário fazia da recriação de um imposto aos moldes da antiga CPMF. Líderes da Câmara estavam reclamando da proposta e Bolsonaro tuitou que o imposto está fora da reforma tributária. Contudo, segundo a Folha, o ministro da Economia, Paulo Guedes, não desistiu, ainda, da proposta do novo tributo.

🖋 Edição: Sérgio Botêlho

📃 *Manchetes do dia*:

“Insistência em nova CPMF derruba chefe da Receita. Bolsonaro descarta recriação do imposto, mas Guedes não desiste da proposta”. Manchete de capa da Folha.

“CPMF derruba secretário e governo vai mudar cúpula da Receita. Guedes demite Marcos Cintra, após proposta de recriar imposto ser atacada por líderes da Câmara”. Manchete de capa do Estadão.

“Bolsonaro demite auxiliar de Guedes e descarta CPMF. Presidente tinha dito só aceitar imposto com ‘compensação para contribuintes’”. Manchete de capa do O Globo.

“Guedes demite Cintra e governo desiste da CPMF. Após a demissão do secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, Bolsonaro escreveu no Twitter: “A recriação da CPMF ou o aumento da carga tributária estão fora da reforma tributária por determinação do presidente””. Manchete de capa do Valor Econômico.

📃 *Editoriais do dia*:

“O candidato Trump demite assessor e se afasta da retórica de guerra. Representante de uma diplomacia agressivamente conservadora, Bolton defendia unilateralismo e intervenções armadas”. Editorial do O Globo.

“É preciso firme defesa da democracia. Instituições e a sociedade devem dedicar especial atenção a desvios autoritários do governo Bolsonaro”. Editorial do O Globo.

“Boa surpresa no consumo. O vigor do comércio em julho pode ser sinal de reação do organismo econômico. IBGE cita evolução do mercado de trabalho e melhora das condições de crédito”. Editorial do Estadão.

“Todos contra o mosquito. Após dois anos de relativa retração, o mosquito transmissor da dengue voltou a se proliferar pelo País”. Editorial do Estadão.

“Saudável disposição. Tasso Jereissati já mostrou disposição para rever seu relatório a fim de evitar atrasos na PEC da reforma da Previdência”. Editorial do Estadão.

“Faces da violência. Assassinatos caem e letalidade policial sobe em 2018; é cedo para ver tendência”. Editorial da Folha.

“A queda do falcão. Sai assessor de Trump linha-dura na política externa e próximo a Bolsonaro”. Editorial da Folha.

“Instituições têm de ficar alerta contra ataques à democracia. Para quem vê limites na democracia, instituições têm de mostrar que o limite é a democracia”. Editorial do Valor Econômico.

📃 *Outros destaques*:

“Sem a nova CPMF, o governo agora estuda alternativas de receitas para compensar a desoneração da folha de pagamento das empresas. Uma delas é usar verbas do Sistema S.” Na capa do Estadão.

“BNDES conclui investigações sobre caso JBS. As investigações do BNDES sobre os R$ 8,1 bilhões aportados no grupo JBS identificaram erros operacionais, mas não evidências concretas de interferência política ou da direção do banco para beneficiar a empresa. O Valor teve acesso a sete relatórios, com 324 páginas, feitos por uma comissão interna”. Na capa do Valor Econômico.

“Frutas fazem Klabin ter nova unidade no NE. A Klabin quer abrir uma nova fábrica de papelão ondulado no Nordeste, apurou o Valor. A companhia negocia incentivos com os governos de Pernambuco e Bahia – responsáveis pelo Vale do São Francisco – e do Ceará. O investimento estimado é de R$ 500 milhões”. Na capa do Valor Econômico.

“Administrador de fortunas. Após concluir ampla reestruturação no Credit Suisse, que cortou US$ 4,5 bilhões em custos e assumiu US$ 7 bilhões em perdas, o marfinense Tidjane Thiam, presidente global do banco, disse ao ‘Valor’ que agora é hora de crescer e sua maior aposta é a gestão de fortunas”. Na capa do Valor Econômico.

“Chineses lutam contra o mexilhão. Segunda maior geradora de energia privada do país, com 17 hidrelétricas, a CTG Brasil, controlada pela China Three Gorges, vai usar biotecnologia para tentar se livrar dos mexilhões-dourados, que vieram da Ásia em cascos de navios há 20 anos e viraram praga nos rios do país”. Na capa do Valor Econômico.

“Machismo ainda afasta mulheres da matemática. Especialistas afirmam que as habilidades matemáticas serão importantes em quase todos os empregos no futuro. O problema é que, por razões culturais, se isso é verdadeiro, o mundo continuará sendo dominado pelos homens”. Na capa do Valor Econômico.

“Emprego doméstico ‘ressurge’ na informalidade e bate recorde. Total de ocupadas sem carteira cresce 3% entre maio e junho em relação ao mesmo período do ano passado”. No Valor Econômico.

“Uma agenda impopular para Bolsonaro. Fim da indexação abre espaço de R$ 35 bi no Orçamento”. No Valor Econômico.

“Gasto de cidades com saúde excede em muito obrigação constitucional. Despesa média chega a 25,37%, mais de dez pontos percentuais do preceito legal”. No Valor Econômico.

“MCMV deve receber este ano R$ 26,2 bi do FGTS. Valor será aplicado nas faixas 1,5 e 2 do programa, diz ministro do Desenvolvimento”. No Valor Econômico.

“MME espera aval do TCU para leilão ainda este mês. Tribunal está prestes a liberar estudo sobre venda dos excedentes da cessão onerosa, afirma ministro”. No Valor Econômico.

“Campanha “Brazil by Brasil” rebate críticas. Voltadas para a Europa, peças vão divulgar aspectos positivos dos setores de agricultura, meio ambiente, infraestrutura e tecnologia”. No Valor Econômico.

“Crédito ajuda, e varejo reage no início do 2º semestre. Em julho, vendas no varejo restrito subiram 1% em relação a junho, feito o ajuste sazonal, melhor resultado em seis anos”. No Valor Econômico.

“BNDES aponta ‘erros’ pontuais com JBS. Investigação interna do BNDES encontra erros pontuais em operações com JBS, mas descarta “interferências indevidas””. No Valor Econômico.

“PT do Senado sinaliza apoio ao nome de Augusto Aras para a PGR. Indicação do subprocurador para o cargo começou a tramitar oficialmente na Casa”. No Valor Econômico.

“MP-RJ apura se Carlos Bolsonaro usou funcionários fantasmas. Dois procedimentos investigamse ele houve prática da chamada “rachadinha””. No Valor Econômico.

“MP apura se Carlos Bolsonaro empregou servidores fantasmas. Procedimentos criminal e cível apuram suspeitas de funcionários ‘fantasmas’, ‘rachadinha’ e improbidade administrativa no gabinete do filho do presidente”. Na capa do Estadão.

“Registros de dengue aumentam 600% no País. Saúde. Minas tem a situação mais grave, com 2,2 mil casos por 100 mil habitantes. Em todo o País, já são 1,4 milhão de ocorrências da doença desde o início do ano e 2,5 mortes por dia. Para ministério, mudança no subtipo das infecções e calor têm influência”. Na capa do Estadão.

“Governo recua e libera 3.182 bolsas da Capes”. Na capa do Estadão.

“OEA pressiona Maduro com pacto da Guerra Fria. Organização ressuscita acordo que permite intervenção militar contra um país-membro”. Na capa do Estadão.

“David Miranda na mira do Coaf. Marido do jornalista Glenn Greenwald, deputado diz ser vítima de retaliação e ter outras fontes de renda”. Na capa do Estadão.

“Coaf aponta movimentações atípicas de David Miranda. Órgão cita transações de R$ 2,5 milhões. Para deputado, investigação é retaliação à divulgação de conversas pelo Intercept”. Na capa do O Globo.

“Delegado da PF é suspeito de fraude no ‘caso Hélio Negão’”. Na capa do Estadão.

“Covas quer anistiar 150 mil imóveis irregulares em SP. Propriedades de até 150 m2 serão regularizadas automaticamente; projeto deve ser votado na Câmara Municipal na próxima semana”. Na capa do Estadão.

“Israel lança ataque a Gaza após ser alvo de foguetes. Como em um ritual, Netanyahu faz anúncios drásticos para assustar ou emocionar eleitores antes de votação”. Na capa do Estadão.

“Apagão deixa plenário da Câmara dos Deputados à meia-luz. Governo avalia aumentar fundo eleitoral de R$ 1,8 bi para R$ 3,7 bi”. Na capa do O Globo.

“Senado aprova novo marco legal do setor de telecomunicações. Projeto prevê que operação de telefonia fixa seja por autorização, não mais por concessão. Segundo estimativas da equipe econômica, mudança permitirá investimentos de até R$ 34 bi. Votação de texto sobre TV por assinatura é adiada”. Na capa do O Globo.

“Hospitais disputam médicos com cifras milionárias. Transferência do cirurgião de Bolsonaro é o retrato de um mercado que envolve pagamento de luvas e salários milionários”. Na capa do O Globo.

“Desmatamento cai, mas queimadas crescem 44% no Cerrado. Segundo maior bioma do país teve queda no desmatamento, mas aumento de queimadas”. Na capa do O Globo.

“Operação em Rondônia despeja invasores da floresta. Invasores dizem que foram estimulados pelas promessas do então candidato Jair Bolsonaro”. Na capa da Folha.

“Entrevista com Ricardo Salles: ‘Nós falhamos na comunicação de nossas ações’”. Na capa da Folha.

“Tribunal militar gasta R$100 mil com três ministros em férias”. Na capa da Folha.

“Aliança religiosa une chanceler e secretário de Estado americano”. Na capa da Folha.

“Universidades brasileiras, fora do topo, ampliam presença em lista de universidades”. Na capa da Folha.

📃 *Colunas e artigos*:

“Filhos se metem em questões de Estado. Ao contrário de Paulo Henrique, Fábio Luís, Paula e Luciana, filhos de presidentes que não se intrometiam nos assuntos do Estado, os dois, e mais o senador que empregou o Queiroz, se metem, e se metem muito.” Na coluna de Ascânio Seleme, no O Globo.

“Chegou a vez da Receita. Em poucas semanas, Jair Bolsonaro desmontou o Coaf, fritou o diretor da Polícia Federal e indicou um aliado para a Procuradoria-Geral da República. Agora chegou a vez de mexer no comando da Receita.” Na coluna de Bernardo Mello Franco, no O Globo.

“CPMF não era ideia só de Marcos Cintra. A nova CPMF não era uma ideia apenas do ex-secretário da Receita Marcos Cintra, demitido ontem. O próprio ministro Paulo Guedes a defendeu na entrevista que concedeu ao “Valor” esta semana e até revelou que foram feitas simulações de arrecadação em cada alíquota.” Na coluna de Miriam Leitão, no O Globo.

“Nuvens mudam de forma. Os interesses pessoais da família Bolsonaro passaram a ser prioritários em relação aos supostos projetos de governo”. Na coluna de Merval Pereira, no O Globo.

“Atrás do Queiroz. —Você ouviu falar no Queiroz? —Queiroz, o Desaparecido? Sim. — Queremos que você o procure. Estamos dispostos a lhe pagar o que for preciso para procurar o Queiroz.” Na coluna de crônicas de Veríssimo, no O Globo.

“A irreverência se impõe à censura. Prefeito ainda não sabe que o Rio de Janeiro é irreverente na cultura e na arte. O público da Bienal protestou”. Artigo de Rosa Maria Araujo, historiadora e coordenadora cultural da Bienal do Livro, no O Globo.

“Jogo político de Bolsonaro é mais delicado do que o de Trump. Por isso, as semelhanças entre os dois fortões enganam.” Na coluna de William Waack, no Estadão.

“Tributação em números. Do ponto de vista federativo, as ‘reformas’ alardeadas representam um retrocesso”. Artigo de José Serra, no Estadão.

“Abjuração. Falas do presidente não são meras diatribes de moleque, elas são inconstitucionais”. Artigo do jornalista Eugênio Bucci, no Estadão.

“As movimentações para derrubar o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, deixam apreensiva a corporação. O medo? Jair Bolsonaro escolher alguém afastado da categoria, como fez com Augusto Aras na PGR. Os nomes cotados são de delegados distantes do dia a dia das atividades policiais.” Na Coluna do Estadão, no Estadão.

“Carlos Bolsonaro, o pequeno príncipe. ‘Nunca esqueçamos que diâmetro e profundidade só é critério de competência para alguns’, disse o vereador”. Na coluna de Roberto Dias, na Folha.

“CPMF não era único motivo de irritação de Bolsonaro com a Receita. Antes de demitir secretário, presidente reclamou de devassa na vida de parentes”. Na coluna de Bruno Boghossian, na Folha.

“Homofóbicos. Foi uma saída do armário em massa. De forma voluntária, milhares de pessoas soltaram a franga e escancararam a homofóbica louca que têm dentro de si.” Na coluna de Mariliz Pereira Jorge, na Folha.

“Filigranas. O desrespeito às leis, por quem tem a obrigação de zelar por elas, torna tudo possível. Era o dia 9 de março de 2016, e os procuradores da Lava Jato discutiam a decisão, flagrantemente ilegal, do juiz Sérgio Moro de divulgar uma conversa entre a presidente Dilma e o antecessor Lula, gravada pela Polícia Federal.” Na coluna de Maria Hermínia Tavares de Almeida, na Folha.

“Bolsonaro degola CPMF e quebra perna de planos de Guedes. Dinheiro do imposto bancaria perda de receita com a redução da carga sobre empresas”. Na coluna de Vinícius Torres Freire, na Folha.

“Uma pedra no meio do caminho. Governo parece querer livrar-se dos deveres mínimos do Estado na educação e na saúde”. Na coluna de Laura Carvalho, na Folha.

“Marcia Tiburi vai dar aulas sobre ‘capitalização do ridículo na política’. Escritora e filósofa vai morar em Paris”. Na coluna de Mônica Bergamo, na Folha.

“A queda no preço do gás é um desafio. Monopólios serão trocados por oligopólios, ambientes de concorrência imperfeita”. Artigo de Luís Duque Dutra, no Valor Econômico, doutor em Ciências Econômicas pela Universidade de Paris XIII, Mestre em Planejamento Energético pela COPPE e Professor Adjunto da Escola de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no Valor Econômico.

“A resposta apropriada no Brasil é um ciclo de afrouxamento monetário mais profundo do que o apreçado na curva de juros”. Artigo de Nilson Teixeira é sócio-fundador da Macro Capital Gestão de Recursos, Ph.D. em economia pela Universidade da Pensilvânia, no Valor Econômico.

📊 *Mercado*: Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a quarta-feira, 11, em alta de 0,40% , em %, a 103.446 pontos. O dólar terminou o dia em baixa de -0,64%%, a R$4,07. O euro fechou em baixa de -1,04%%, a R$4,47.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Deixe um comentário

avatar
  Inscreva-se  
Notifique-me de
Fechar Menu