Delações e Justiça são os destaques das manchetes dos jornais

SINOPSE DE 25 DE ABRIL DE 2018 Edição: Sérgio Botêlho JORNAIS: Manchete e destaques do jornal O Globo: Delação da Odebrecht fica fora de processos contra Lula. Segunda Turma

SINOPSE DE 25 DE ABRIL DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Delação da Odebrecht fica fora de processos contra Lula. Segunda Turma do STF tira provas das mãos do juiz Sergio Moro. Três ministros avaliaram que casos do sítio de Atibaia e do terreno para Instituto Lula não se relacionam à Lava-Jato. Para defesa, decisão permite questionar competência para julgar petista/

Azeredo mais perto da prisão. Ex-governador de Minas foi condenado a 20 anos e 1 mês por desvios/

Presidente do PP é alvo de operação da PF. PF fez buscas no gabinete do senador Ciro Nogueira, e prendeu ex-deputado/

Macron cede a Trump para salvar acordo com o Irã. Para convencer Trump a manter acordo nuclear com Irã, francês já admite mudar termos/

Eletrobras corre risco de perder R$ 5 bi. Sem privatização, Eletrobras seguirá acumulando prejuízos e deixará de investir R$ 50 bi em 5 anos/

O milagre do peixe. Ministério do Trabalho apura liberação de 7 mil benefícios em Caxias do Sul, na Serra Gaúcha/

MP apela por presos em evento da milícia. Defensoria recorre ao STF, e Ministério Público pede revogação da prisão de 138 acusados/

Facebook divulga normas de censura. Rede social detalha pela primeira vez as regras para retirar conteúdo dos usuários do ar/

Receita apreende 100kg de heroína. Droga, pouco comum no Brasil, foi localizada por agentes da Receita em tonéis vindos de Hong Kong/

Merval Pereira: Precedente perigoso. A decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de tirar da jurisdição do juiz Sergio Moro, de Curitiba, partes da delação da Odebrecht, sob a alegação de que não têm relação com a corrupção da Petrobras, abre um caminho perigoso para a sociedade e benéfico para Lula, que pode chegar até à anulação da condenação do ex-presidente pelo TRF-4/

Bernardo Mello Franco: Investigados pela PF são herdeiros de Severino. Severino Cavalcanti era um deputado tosco nos modos e transparente nos objetivos. Ao chegar à presidência da Câmara, exigiu sua fatia no bolo da Petrobras. Ele deixou claro que não aceitaria qualquer cargo na estatal. Queria a diretoria que “fura poço e acha petróleo”/

Elio Gaspari: O PSDB está desunido e desorientado. O PT teve dois presidentes denunciados por corrupção (José Dirceu e José Genoino), o PSDB também (Aécio Neves e Eduardo Azeredo). Quando estourou o escândalo do mensalão, o PT decidiu peitar a investigação e o processo, o PSDB também. Veio a Lava-Jato, e o PT resolveu continuar na tática da negativa da autoria e no enfrentamento político. O PSDB também/

Míriam Leitão: Aécio diz ver “versões engolirem fatos”/

Editorial1: Candidatos têm de se posicionar sobre a Previdência. Aspirantes ao Planalto precisam dizer o que pensam do sistema de seguridade, para que se saiba qual será o país a partir de 2019, se melhor ou pior que o atual/

Editorial2: Explosão de violência tem de ser contida logo. Número de assassinatos não se compara com o dos anos 90, mas quantidade de roubos de carro, de carga, a pedestres e de celulares bate recorde e assusta população.

 

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: STF tira de Moro delação da Odebrecht sobre Lula. Por 3 a 2, Segunda Turma do Supremo remete casos do sítio de Atibaia e do instituto para a Justiça de SP. A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal impôs derrota ao juiz Sérgio Moro ao decidir retirar dele menções da delação da Odebrecht ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos casos do sítio de Atibaia (SP) e do Instituto Lula. Os documentos serão encaminhados à Justiça Federal de São Paulo, por decisão da maioria formada pelos ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes. Edson Fachin, relator do caso, e Celso de Mello votaram para que as menções a Lula nas delações da Odebrecht continuassem com Moro. A decisão abre a possibilidade de a defesa do ex-presidente contestar a competência de Moro para continuar no comando das investigações sobre as reformas no sítio e o suposto pagamento de propina pela Odebrecht por meio da compra de um terreno onde seria sediado o Instituto Lula. O ex-presidente já é réu nesses dois casos/

Vera Magalhães: A decisão do STF não abre brecha: escancara a porta para tentar passar a tese de que o caso do ex-presidente Lula nada tem a ver com a Lava Jato. Isso pode ter implicações sobre a condenação no caso do triplex/

Gestão Temer adia leilão de petróleo de até R$ 100 bi. O megaleilão de petróleo previsto para ocorrer até o fim do ano e que renderia entre R$ 80 bilhões e R$ 100 bilhões aos cofres públicos está praticamente riscado do cronograma e deve ficar para o próximo governo. O leilão deve ser adiado por causa de disputa envolvendo a União e a Petrobrás em torno de área chamada de “cessão onerosa”, que abrange seis blocos de pré-sal na Bacia de Santos/

Justiça de Minas mantém condenação de Azeredo. Condenado a 20 anos e um mês de prisão por peculato e lavagem de dinheiro no mensalão mineiro, o ex-governador e ex-presidente nacional do PSDB Eduardo Azeredo teve recurso negado, por 3 votos a 2, no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG). Cabe ainda último recurso, os chamados embargos de declaração/

Empreiteira deixa de pagar hoje dívida de R$ 500 milhões. A Odebrecht Engenharia e Construção anunciou que não pagará no prazo a dívida de R$ 500 milhões que vence hoje. Em nota, a empresa informou que usará parte do prazo de 30 dias de carência para negociar empréstimo bancário de até R$ 2,5 bilhões. Se não conseguir chegar a um acordo nesse prazo, entrará em default (calote)/

Editorial1: Um ornitorrinco econômico. Incentivos fiscais ou monetários poderão ser pouco eficazes, nos próximos meses, se crescer o risco de retorno à irresponsabilidade na política econômica/

Editorial2: Unasul à deriva. Dez anos após ter sido criada sob inspiração do populismo, a União de Nações Sul-Americanas caminha para a irrelevância/

 

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Condenado por mensalão do PSDB fica perto da prisão. Decisão da Justiça de MG confirma sentença que condenou Eduardo Azeredo a 20 anos de detenção. Por 3 votos a 2, desembargadores da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais negaram recurso do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB) contra sua condenação. O resultado confirmou a sentença de segunda instância que o condenou a 20 anos de prisão por peculato e lavagem de dinheiro. De acordo com a denúncia, houve desvio de verba de estatais para financiar a fracassada campanha de reeleição do tucano em 1998. Embora o principal recurso no tribunal não tenha sido acolhido e o entendimento do STF determine o cumprimento da pena após condenação em segunda instância, a prisão de Azeredo não foi decretada. Isso porque os desembargadores entendem que todos os recursos na corte devem ser esgotados antes. A defesa tentará novo recurso, o embargo de declaração. Diz que ele foi inocentado por testemunhas e que prisão é exagerada/

Supremo tira de Moro trechos de delação da Odebrecht sobre Lula. A Segunda Turma do STF decidiu enviar delações da Odebrecht sobre o ex-presidente Lula para a Justiça Federal em SP retirando-os da alçada do juiz Sergio Moro, de Curitiba. A defesa do petista argumenta que os episódios narrados não têm relação com a Petrobras. Trata-se de relatos sobre o sítio de Atibaia (SP) e o Instituto Lula. Relacionam-se com duas ações penais contra Lula, que continuam na alçada de Moro, e podem contribuir com ambas. Ontem, a PF pediu a transferência do petista de sua sede em Curitiba/

PF faz apreensão e busca no gabinete do presidente do PP. A Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão nos gabinetes do deputado Eduardo da Fonte (PP) e do senador Ciro Nogueira, presidente da sigla. Eles são suspeitos de tentar comprar o silêncio de ex-assessor que delatou esquemas de corrupção/

Casos de suicídio levam escolas de SP a se mobilizar. As taxas de suicídio entre crianças e adolescentes têm crescido desde 2000. Elas aumentam ainda mais depressa que no conjunto da população. Casos recentes envolvendo estudantes levaram à mobilização de escolas em SP/

Hélio Schwartsman: As fake news são mais um capítulo de longa disputa. Longe de mim sugerir que as fake news não são um problema. Mas é importante frisar que elas não são um problema novo. Desde que o primeiro ser vivo descobriu que podia ludibriar presas e predadores com camuflagem, há uma corrida armamentista contra o logro. As fake news são mais um capítulo dessa disputa/

Coluna do Estadão. Temer muda discurso para evitar ataques. Emedebistas que estiveram com o presidente Michel Temer nos últimos dias perceberam que ele parou de falar em reeleição. Se antes ele sempre perguntava a quem chegava ao seu gabinete sobre sua intenção de entrar na disputa, hoje não faz mais a consulta. O presidente do MDB, Romero Jucá, também deixou de citar Temer e tem indicado que o candidato da sigla será Henrique Meirelles. A posição do presidente, contudo, é estratégica. Ele percebeu que é melhor mergulhar a se expor e virar alvo preferencial dos investigadores e adversários/

Bolsonaro e Alckmin empatados em SP. Em cenário sem Lula, presidenciáveis do PSL e PSDB aparecem em 1º na pesquisa Ibope no Estado; Marina e Barbosa dividem a 2ª colocação. Nos dois cenários em que o ex-presidente Lula é incluído no cartão com o nome de candidatos, o petista é quem aparece como líder, com 20% a 22% das intenções de voto. Em um desses cenários, Alckmin e Bolsonaro vêm a seguir empatados, com 14%, seguidos de Marina e Barbosa, ambos com 9%/

Editorial1: Foro em cascata. Levantamento mostra mais de 58 mil autoridades com direito a julgamento em tribunal colegiado/

Editorial2: A incógnita Barbosa. Sabe-se pouco sobre o que o ministro aposentado pensa dos problemas que angustiam o país/

Editorial3: Recuperação gradual do emprego formal. Em março, 56,4 mil novas vagas de trabalho com carteira assinada foram criadas.

 

 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.