Delações e economia são os temas das manchetes dos jornais

Delações e economia são os temas das manchetes dos jornais. Pezão teria sido beneficiado com mesada de R$150 mil, diz delator; alta no desemprego desestimula projeções otimistas. SINOPSE DE 28

Delações e economia são os temas das manchetes dos jornais. Pezão teria sido beneficiado com mesada de R$150 mil, diz delator; alta no desemprego desestimula projeções otimistas.

SINOPSE DE 28 DE ABRIL DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Delator diz ter pago mesada de R$ 150 mil a Pezão. Delação de Carlos Miranda já foi homologada pelo STF. Reforma na casa de Piraí teria sido feita com propina extra. Governador repudia ‘mentiras’ e diz que PF já o investigou. Apontado como o principal operador do esquema de corrupção do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), o economista Carlos Miranda relatou que o governador Luiz Fernando Pezão recebeu pagamentos mensais de propina de R$ 150 mil de 2007 a 2014, “décimo terceiro salário” e dois bônus de R$ 1 milhão cada, em delação homologada pelo ministro Dias Toffoli, do STF. Miranda disse ainda que uma reforma na casa de Pezão, em Piraí, foi feita com pagamento extra de R$ 300 mil, elevando o total da propina a R$ 18,8 milhões. Além disso, revelou que, ao deixar o Palácio Guanabara, Cabral passou a receber R$ 400 mil por mês de Pezão. O governador nega as acusações, que classificou, em nota, de “mentiras”. Ele disse que a Polícia Federal já investigou amplamente sua vida/

Emprego formal tem menor nível desde 2012. O número de trabalhadores com carteira assinada no primeiro trimestre, 32,9 milhões de pessoas, é o mais baixo patamar desde o início da série histórica, em 2012. A renda não cresce há um ano. Enquanto o emprego formal perdeu quatro milhões de postos, o sem carteira teve acréscimo de dois milhões. A taxa de desemprego está em 13,1%/

Filha de Temer depõe à PF dia 3. A Polícia Federal marcou para dia 3 o depoimento de Maristela Temer no inquérito que apura suspeita de corrupção envolvendo o presidente Michel Temer e empresas do setor portuário. Temer chamou a ação da PF de “perseguição criminosa disfarçada de investigação”/

Fernando Gabeira: Peripécias na Segundona. Ações para proteger Lula aumentam a irritação popular. Em São Paulo, promotor chamou ministros de bandidos togados/

Merval Pereira: Moro respeita o STF. Enquanto a defesa do ex-presidente Lula e os procuradores de Curitiba se digladiam em torno da decisão da Segunda Turma, que mandou para a Justiça de São Paulo algumas delações de executivos da Odebrecht relativas ao sítio de Atibaia e ao prédio do Instituto Lula, o juiz Sergio Moro coloca-se como uma voz sensata, considerando que houve uma precipitação das partes em relação à decisão do STF/

Bolsa-família terão reajuste de 5%. Preocupado com o avanço das investigações da Polícia Federal que rondam o seu círculo familiar, o presidente Michel Temer vai usar o anúncio de reajuste do programa Bolsa Família para tentar se desvencilhar do noticiário político-policial. Segundo assessores do governo, o incremento nos benefícios do programa deve passar de 5%/

PF gravou ex-deputado comprando testemunha. Em ação controlada, ex-assessor de Ciro Nogueira fingiu aceitar suborno e entregou dinheiro aos policiais/

Delação da Odebrecht: Dodge cogita ir ao STF. Procuradora diz que avalia recorrer contra decisão que tirou provas de Moro/

Extradição de operador foragido opõe Moro a TRF-1. Juiz diz que tribunal ‘usurpou competência’ ao dar liminar e mantém prisão de Raul Schmidt/

Presidenciáveis unidos na cautela para escolher o vice. Reunidos em evento em São Paulo, Alckmin descarta Meirelles; Ciro nega ter se acertado com Fernando Haddad; e Marina rechaça aliança com Barbosa/

O mundo de Marielle. Câmara fará mutirão na próxima quarta-feira para votar sete projetos de lei de autoria da vereadora assassinada no Estácio/

Temer comemora ‘melhora’ em 20 crimes, mas só dez tiveram queda. Presidente cita no Twitter reportagem do site do governo sobre a estatística/

Zuenir Ventura: Nosso mal maior. Apesar da desastrada operação contra a festa dos milicianos na Zona Oeste do Rio, em que houve mais estardalhaço do que eficácia, com a polícia tendo que soltar 138 dos 159 participantes que ela mesma prendera, isso não quer dizer que o alvo estivesse errado. Errado foi o tiro. Mais do que o tráfico, as milícias são atualmente, de fato, o nosso mal maior/

UPPs passarão por mudança radical. Entre as UPPs que serão extintas, conforme anunciou o gabinete de intervenção da Segurança Pública, sem identificá-las, estão as de Cidade de Deus e Vila Kennedy, dizem fontes do setor. A UPP do Alemão vira batalhão/

Novos carros da PM reprovados em teste. O modelo Ford KA, da nova frota da PM, obteve nota zero no programa de avaliação de segurança Latin NCAP para os ocupantes dos bancos da frente/

Paz das Coreias também depende de EUA e China. Promessas de cooperação marcaram o encontro do ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in. Eles disseram que trabalharão para que o armistício que pôs fim à Guerra da Coreia torne-se tratado de paz e para livrar a região de armas nucleares. Os planos dependem de China e EUA/

Em aceno a Trump, Merkel diz que pacto com Irã ‘não é suficiente’. Na Casa Branca, a chanceler alemã, Angela Merkel, disse ao presidente Trump que o acordo nuclear com o Irã, embora um primeiro passo, “não é suficiente”. Mas Merkel destoa de Trump e apoia o pacto/

Editorial1: Supremo precisa retomar julgamento das drogas. Concluir a apreciação do processo que descriminaliza o usuário pode ajudar a conter pressões no governo para insistir-se em políticas baseadas na repressão/

Editorial2: Reunião histórica na Coreia precisa se traduzir em ação. Dificilmente se poderia conceber que os líderes da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e seu colega do Sul, Moon Jae-in, estariam trocando mesuras e salamaleques com inesperada afetuosidade na fronteira entre os dois países, como se viu ontem. Há apenas poucos meses, em meio a testes nucleares e lançamentos de mísseis balísticos, o líder norte-coreano ameaçou aniquilar o vizinho e seus aliados, evocando os piores momentos da Guerra Fria.

 

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Desemprego sobe e analistas pioram projeções para o ano. Recuperação lenta da economia fez a taxa de desocupação no 1º trimestre ir a 13,1%. O ritmo lento de recuperação da economia já se reflete no emprego. No primeiro trimestre, o total de trabalhadores com carteira assinada caiu ao menor nível já registrado na pesquisa Pnad Contínua, do IBGE, iniciada em 2012. O número de pessoas em busca de vaga chegou a 13,689 milhões. A taxa de desocupação subiu a 13,1% no primeiro trimestre. Analistas começam a rever para baixo as projeções de criação de vagas. O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) reduziu de 700 mil para 500 mil sua previsão de criação de empregos formais em 2018. O fraco desempenho na indústria, no comércio e em serviços levou a Confederação Nacional do Comércio a reduzir sua projeção de criação de vagas formais de 1,420 milhão para 1,380 milhão. Analistas consultados pelo Estado projetam, em média, abertura de 900 mil postos/

Verba cobrirá rombo de calotes. O governo vai reduzir a previsão de gastos com abono salarial e seguro-desemprego no ano para cobrir os calotes de Venezuela e Moçambique. Projeto enviado ao Congresso prevê abertura de crédito suplementar de R$ 1,2 bilhão/

PGR indica que pode contestar delação fechada por Palocci. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse ontem que o acordo de delação fechado entre o ex-ministro Antonio Palocci e a Polícia Federal tem de ser visto “com cuidado” e que pode ser contestado. Ela afirmou desconhecer os termos e a “extensão das cláusulas”. A possibilidade de a PF firmar delação é tema controverso e está sob análise do Supremo Tribunal Federal (STF)/

Empresário diz ter recebido do PSDB na Suíça. O empresário Ronaldo Cezar Coelho afirmou à PF que, em 2009 e 2010, recebeu na Suíça ¤ 6,5 milhões como pagamento pelo empréstimo de avião de sua propriedade para a campanha presidencial do PSDB. O partido não se pronunciou/

Justiça bloqueia recursos de Picciani. Ao todo foram retidos R$ 37,4 mi do presidente afastado da Assembleia do Rio e de quatro conselheiros do Tribunal de Contas do Estado/

Presidenciáveis divergem sobre reforma trabalhista. Em evento com sindicalistas, pré-candidatos afirmam que é preciso rediscutir ou aperfeiçoar o texto aprovado pelo Congresso em 2017/

Jungmann diz que UPPs serão reduzidas/

‘Arrumarei outro brinquedo para investir’. Entrevista – Abilio Diniz. Abilio Diniz sai da disputa com os sócios na BRF satisfeito pela forma como se comportou. “Tenho orgulho de mim”, disse a Renata Agostini e Mônica Scaramuzzo, após a eleição do novo conselho de administração da dona da Sadia e da Perdigão. “Hoje sou muito mais um pacificador do que um cara de briga”, afirmou. Aos 81 anos, ele deve investir em novos negócios/

Fifa bane Del Nero do futebol e cobra multa. A Fifa anunciou que baniu das atividades relacionadas ao futebol o ex-presidente da CBF Marco Polo Del por suborno, corrupção e gestão desleal. O dirigente, multado em cerca de R$ 3,5 milhões, disse que vai recorrer/

Kim não explica como arsenal nuclear será eliminado. Sem especificar como, os líderes das duas Coreias, Kim Jong-un e Moon Jae-in, prometeram trabalhar pelo fim do conflito entre os dois países, iniciado em 1950. Também não ficou claro como o arsenal nuclear norte-coreano será eliminado. Com isso, temas mais espinhosos ficarão para o encontro entre Kim e Trump, ainda sem data/

Coluna do Estadão: Brecha pode tirar de Barroso caso de Temer. Investigados no Inquérito dos Portos enxergam uma chance de tirar o caso das mãos do ministro-relator Luís Roberto Barroso. A brecha estaria no fato de a PF ter anexado em relatório preliminar dados do Inquérito 3105, de 2011, que também relacionava Michel Temer a suposto pagamento de propina no Porto de Santos, e era relatado pelo ministro Marco Aurélio Mello. A PF citou esse mesmo inquérito no pedido de prorrogação das investigações em curso. O entendimento dos alvos é que, se o 3105 for desarquivado, por prevenção, qualquer fato relacionado a ele deve ser encaminhado para Marco Aurélio/

Temer fala em ‘perseguição’ e PF pede ‘serenidade’ ao presidente. Emedebista reclama de vazamento de inquérito sobre o decreto dos Portos e delegados reagem à declaração/

Raquel pede ‘cuidado’ com delação de Palocci. Lava Jato. Procuradora-geral da República afirma que desconhece e pode contestar os termos da colaboração premiada do ex-ministro de Lula e Dilma; tema está no Supremo/

João Domingos: No presidencialismo de coalizão, o partido que eleger número razoável de deputados pode garantir um pedaço do governo/

Editorial1: Uma articulação bem-vinda. As conversas ainda parecem incipientes, mas são animadores os sinais de que PSDB e MDB se aproximam para a formação de chapa para a disputa presidencial/

Editorial2: Perdendo o fôlego. A recuperação do emprego que se observou se deveu à geração de vagas de menor qualidade, o que afeta renda e consumo/

Editorial3: Encontro histórico. Ao final da Conferência de Potsdam, em 22 de agosto de 1945, ficou estabelecido que a Península Coreana, até então controlada pelo Japão, seria dividida pelo paralelo 38. A porção norte da Coreia tornou-se zona de influência da então União Soviética. A porção sul, dos Estados Unidos. Cinco anos após o arranjo geopolítico que marcou o fim da 2.ª Guerra, tropas norte-coreanas cruzaram o paralelo 38 e invadiram a Coreia do Sul. Começava uma guerra que até hoje não terminou do ponto de vista formal. Em 1953, com suas tropas exauridas pelo conflito, os dois países assinaram um armistício.

 

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Brasil perde um milhão de vagas formais por ano. Postos com carteira assinada caem desde 2014; cenários político e econômico inibem contratação, diz especialista. O Brasil perdeu quase 4 milhões de vagas com carteira assinada desde o começo da crise no mercado de trabalho, em 2014, média de 1 milhão por ano, diz o IBGE. Em março, o número de empregados formais foi de 32,9 milhões, o menor desde 2012, início da série histórica. No primeiro trimestre, o desemprego foi de 13,1%, alta de 1,3 ponto percentual em relação ao anterior. Durante o período, 13,7 milhões procuraram emprego no país. “Desde que começou a crise, não se recuperou um posto com carteira de trabalho”, diz Cimar Azeredo, do IBGE. Bruno Ottoni, do Ibre/FGV, afirma que as incertezas no cenário eleitoral e a frustração relacionada à recuperação econômica podem influenciar a contratação formal. Azeredo diz que a carteira traz estabilidade e estimula o consumo, e sua falta atrasa a retomada/

Temer diz ser alvo de perseguição criminosa. O presidente Michel Temer afirmou ser alvo de perseguição criminosa disfarçada de investigação. Irritado com a divulgação, pela Folha, de que investigadores suspeitam que ele tenha lavado dinheiro de propina em imóveis, Temer determinou investigação do suposto vazamento. O inquérito apura decreto para o setor portuário/

Governo federal vai extinguir parte das UPPs no Rio. O ministro da Segurança, Raul Jungmann, afirmou que cerca de metade das 38 UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) do Rio será extinta. O objetivo é reforçar o policiamento das unidades que continuarem ativas e de outras regiões do estado/

Prisão que desafia facções criminosas planeja expansão. Baseada em modelo de prisão humanizada, a Fraternidade Brasileira de Assistência aos Condenados planeja elevar o número de unidades de 48 para 100 até 2020. Nelas não há polícia e os detentos controlam a disciplina e têm a chave das celas/

Foto-legenda: Maior feira pecuária do País, Expozebu projeta alta no faturamento. Gado em pavilhão de Uberaba (MG); tradicional evento, que começa hoje, planeja movimentar R$170 milhões e receberá visita de Michel Temer/

Burocracia trava o avanço do porto de Mariel, em Cuba. Quatro anos depois de inaugurado, o porto de Mariel, que recebeu US$ 682 milhões do BNDES nas gestões Lula e Dilma, é circundado por obras. A burocracia para investir em Cuba prejudica a atração de investimentos/

Julianna Sofia: Presidente seguirá obstinado em defender sua honra. Nos dois meses até o desfecho da investigação da PF sobre ele, Temer seguirá obstinado em defender sua honra, incapaz de governar. O prazo coincide com o calendário fixado pelo MDB para decidir sobre sua descabida candidatura à reeleição/

Editorial1: No limite das Coreias. Reunião entre líderes do Sul e do Norte constitui passo importante para pacificar a península/

Editorial2: Receita ineficiente. Posição defendida pela Fazenda deve prevalecer no programa que substituirá o Inovar-Auto.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.