Aumento ao Judiciário e economia são os destaques das manchetes do jornais

Primeira Hora – Anexo 6

SINOPSE NACIONAL DE 02 DE NOVEMBRO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho

JORNAIS:

*Manchete e destaques do jornal O Globo*: Aumento do STF sai após limite de benefício a juízes. Fux revoga sua liminar que garantia auxílio-moradia a todos os magistrados. Após o ministro Luiz Fux, do STF, revogar a liminar que havia concedido em 2014 e que permitia o pagamento do auxílio-moradia a todos os juízes, o presidente Michel Temer sancionou o aumento de 16,38% para ministros do Supremo. O salário passa de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil, com impacto de R$ 4 bilhões por causa do efeito cascata. Fux estabeleceu que a decisão de limitar o benefício entrará em vigor em janeiro, quando o reajuste chegar aos contracheques. Só receberá auxílio o juiz que não tiver casa no seu local de atuação.

Novo general no Ministério reduz poder de Onyx. Jair Bolsonaro escolheu o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz para a Secretaria de Governo. Dedicada à articulação com o Congresso, a pasta deve mudar de perfil. Cruz é o terceiro general do Ministério. A decisão foi vista como um esvaziamento das funções do futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Filho de Bolsonaro estuda ação contra Cuba e Venezuela. O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse, após se reunir com assessores do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, que estuda ações conjuntas com o governo americano para investigar crimes financeiros de Cuba e Venezuela. Ontem, Caracas cedeu ao apelo da ONU e aceitou ajuda humanitária.

Míriam Leitão: Os termos de troca para a alta de salário do STF.

Merval Pereira: Indulto a ser julgado pelo STF esvazia Lava-Jato.

Nova secretaria de Moro vai integrar trabalho das polícias. O futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, anunciou a criação da Secretaria de Operações Policiais Integradas, para coordenar ações das polícias de diferentes estados.

Editorial1: Segurança precisa ter prioridade na pasta de Moro. Criação de secretaria de integração e escolha de policiais experientes para a equipe são ações positivas.

Editorial2: Cidade tem de se preparar para reduzir danos das chuvas de verão. Temporal dos últimos dois dias causou alagamentos de ruas e transtornos para os cidadãos.

*Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo*: Auxílio-moradia cai após STF receber aumento de 16,38%. Temer sanciona reajuste aprovado pelo Senado, que vai gerar efeito cascata nas contas; Fux revoga liminar que determinava o pagamento do ‘penduricalho’. O presidente Michel Temer sancionou reajuste salarial de 16,38% para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Também ontem, o ministro Luiz Fux, da Corte, revogou o pagamento do auxílio-moradia para juízes, integrantes do Ministério Público, defensorias públicas e tribunais de contas. Com o aumento, o salário no STF passará de R$ 33 mil para R$ 39,2 mil. Como o valor é considerado o teto do funcionalismo, haverá efeito cascata que pode ter impacto de R$ 4,1 bilhões nas contas da União e de Estados. O aumento foi aprovado pelo Senado no último dia 7. Temer tinha até amanhã para sancionar ou vetar a proposta. Em agosto, os ministros Dias Toffoli, atual presidente do STF, e Fux tinham feito acordo com Temer para que fosse concedido o reajuste. Em troca, o Supremo faria uma revisão do auxílio-moradia, de cerca de R$ 4,3 mil mensais. O presidente eleito, Jair Bolsonaro, se manifestou contra o projeto.

Benefício não termina já. Luiz Fux decidiu que pagamento do auxílio-moradia só será extinto quando reajuste salarial for pago.

Bolsonaro põe general na Secretaria de Governo. Em decisão surpreendente, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, escolheu o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz para a Secretaria de Governo. No Planalto, a função tem entre suas atribuições fazer a articulação política com o Congresso. O general disse ao Estado que não vê problema em assumir a função e “não irá trombar” com Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

Gasto com inativos nos Estados sobe 7,5% em 1 ano. Dados do Ipea mostram que, entre setembro de 2017 e agosto de 2018, o gasto dos Estados com aposentados cresceu quase dez vezes mais do que a despesa com servidores da ativa. Na soma de todos os Estados, as despesas com funcionários ativos aumentaram 0,8% e os gastos com aposentados e pensionistas, 7,5%. De 2014 a 2017, 20 Estados reduziram o número de funcionários. Já o total de inativos subiu em 24.

Eliane Cantanhêde: General na articulação com o Congresso ou é para mudar tudo ou é para inibir pedidos de verbas e cargos.

No Planalto, de olho na reforma. Especialista em Previdência, Abraham Weintraub deve ser indicado para a secretaria executiva da Casa Civil.

Delegado da PF vai chefiar Operações na pasta de Moro. O futuro ministro da Justiça, Sérgio Moro, anunciou o delegado Rosalvo Franco, ex-superintendente da PF no Paraná, para a Secretaria de Operações Policiais Integradas do novo superministério. Luciano Flores assume a PF no Estado.

Lava Jato denuncia Lula por lavagem de R$ 1 milhão.

Guedes promete mais diálogo com a indústria.

Venezuela recua e aceita remédios e comida da ONU. O anúncio foi feito após sinal verde dado por Nicolás Maduro. Presidente venezuelano recusava ajuda por temer que ela servisse de pretexto para intervenção militar.

Acordo com indústria prevê menos açúcar em alimentos. Acordo entre o governo e a indústria de alimentos e de bebidas prevê a retirada, até 2022, de 144 mil toneladas de açúcar de biscoitos, bolos, produtos lácteos e achocolatados.

Editorial1: Apostas a favor do novo governo. As apostas a favor continuam aumentando. Se os apostadores estiverem certos, o futuro presidente começará seu mandato com inflação e juros mais baixos que o previsto.

Editorial2: A volta da confiança. Os empresários industriais nunca estiveram tão confiantes.

Editorial3: Degradação a olhos vistos. Especialistas advertem que construções como viadutos deveriam ser vistoriadas pelo menos uma vez por ano.

*Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo*: Juizes têm aumento, e auxílio para moradia cai. Temer sanciona reajuste de 16,38%, com impacto de R$ 4 bi por ano, e Fux derruba liminares que davam benefício. O presidente Michel Temer (MDB) sancionou nesta segunda (26) projeto de lei que reajusta em 16,38% o salário dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Temer concedeu o aumento no mesmo dia em que o ministro Luiz Fux revogou liminares concedendo auxílio-moradia a membros da magistratura. Com a sanção, o salário de ministro do STF passará de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil. A medida deve gerar efeito cascata cujo impacto ao erário, calculado por técnicos do Congresso, é de cerca de R$ 4 bilhões por ano. O aumento foi aprovado no Senado no dia 7. Antes da votação, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse que o momento não era apropriado parao reajuste. Em agosto, o presidente do STF, Dias Toffoli, fez acordo com Temer para que fosse dado o aumento. Em troca, o Supremo reveria o auxilio-moradia de R$ 4.377. O benefício é concedido atualmente a todos os juizes e membros do Ministério Público, mesmo a aqueles que têm casa própria na cidade em que trabalham. Fux afirmou em sua decisão ser necessário levar em consideração as dificuldades financeiras do Estado diante do reajuste para os ministros do STF— e, como conseqüência, para toda a magistratura.

Lava Jato denuncia Lula em caso ligado à Guiné Equatorial.

Na articulação, general diz que vai dar atenção a todos. Sem trajetória na política, o futuro ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, afirma à Folha não ver dificuldade na articulação com o Legislativo, hoje função da pasta. “Dar atenção é obrigação”, diz. Ele é o terceiro general confirmado no Planalto no governo Bolsonaro.

Bruno Boghossian: Turma de Brasília não quer ficar mal com quem poderá julgá-la.

Venezuela vai ter ajuda de US$ 9 mi das Nações Unidas. As Nações Unidas liberaram US$ 9,2 milhões em ajuda humanitária à Venezuela, na primeira alocação do tipo para mitigar a crise no país. O ditador Nicolás Maduro vinha recusando auxílio internacional e negando haver crise. O dinheiro será usado para programas de assistência nutricional.

Mônica Bergamo: Bruno Covas terá novo homem forte em seu governo. Mauro Ricardo será o novo secretário de Governo do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Secretário municipal da Fazenda (2007-2010), ele deve se transformar no homem forte da gestão.

Editorial1: Haja elite. Haddad retoma o discurso petista anterior à eleição, que evita a autocrítica e esconde os reais motivos da derrota.

Editorial2: Não é destino. Consistência da política econômica ao longo de décadas ajuda a explicar sucesso chileno.

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Lucro de empresas abertas cresce 16%. Levantamento feito pelo Valor Data mostra que, no terceiro trimestre, o lucro líquido combinado de 281 companhias de capital aberto somou R$ 21,3 bilhões, alta de 16,3% em relação ao mesmo período do ano passado. A receita líquida das 281 companhias avançou 17%, para R$ 406,6 bilhões.

Para G-20, há sinais ruins na economia. Os líderes das maiores economias desenvolvidas e emergentes, que se reúnem no fim da semana na cúpula do G-20, em Buenos Aires, vão reconhecer que já há impactos negativos na economia global e que o quadro exige maior atenção, segundo rascunho do comunicado ao qual o Valor teve acesso.

Nova direção. A Totvs, maior companhia brasileira de software, está sob novo comando. A empresa anunciou com efeito imediato, a nomeação de Dennis Herszkowicz, ex-diretor da Linx, para suceder o fundador Laércio Cosentino no cargo de diretor-presidente

Desembolso do BNDES é o menor em 20 anos. O BNDES deve fechar 2018 com um total de desembolsos de R$ 70 bilhões, já considerando uma expectativa de crescimento dos empréstimos em novembro e dezembro. O número é o mais baixo em quase 20 anos.

General vai comandar as negociações no Congresso. O presidente eleito, Jair Bolsonaro, escolheu o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz para comandar a Secretaria de Governo, responsável hoje pela articulação com o Congresso e a negociação de emendas parlamentares ao Orçamento.

Construtora da Odebrecht não paga bônus. A Odebrecht Engenharia e Construção (OEC) tornou-se inadimplente ontem ao anunciar que não pagará US$ 11,5 milhões em juros vencidos aos detentores de US$ 3 bilhões em bônus no mercado externo. Com a decisão, agências de classificação de risco rebaixaram a nota da empresa.

Fim do estímulo monetário. O programa europeu de estímulos à economia, de € 2,6 trilhões, deve acabar em dezembro, apesar do crescimento mais fraco que o esperado, segundo Mario Draghi, do BCE.

Temer aprova reajuste e STF corta auxílio. À revelia de pareceres internos da área econômica do governo, o presidente Michel Temer sancionou ontem o reajuste de 16,38% ao Judiciário aprovado pelo Congresso. Em contrapartida, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, cortou auxílio-moradia.

OCDE pode ser 1º teste para Bolsonaro-Trump. Alinhamento do presidente eleito no Brasil aos EUA tira possibilidade de país atuar como mediar na guerra comercial com a China, mas não garante apoio americano à entrada na OCDE.

Retomada será mais lenta do que esperam os otimistas, afirma Mendonça de Barros. Economista classifica como infeliz ideia de transferir embaixada em Israel e “afronta” à China.

Bolsonaro prepara guerra contra facções. Ações policiais seriam populares em início de mandato.

Comissão avalia MP sobre fundos patrimoniais.

Organizações sociais buscam alternativas para possível redução de apoio governamental. Cessão onerosa tem alta chance de aprovação

Cúpula. Alguns riscos globais estão se materializando, avalia o G-20. Rascunho do comunicado final da cúpula de líderes do G-20 alerta para riscos crescentes à economia global. Não está claro que governo Trump vai endossar texto. Reunião ocorre nesta semana, em Buenos Aires.

Editorial: Disputa por receita do pré-sal pode atrapalhar o ajuste. É importante evitar que o dinheiro do Fundo Social seja desvirtuado e exigir contrapartidas de Estados e municípios

Deixe uma resposta

Fechar Menu