64% contra demissão de Mandetta; STF libera corte salarial

64% contra demissão de Mandetta; STF libera corte salarial. Esses são destaques da grande mídia, neste sábado, 18 de abril de 2020, na seção DESTAQUES DA GRANDE MÍDIA IMPRESSA, do Anexo 6.

🖋 Edição: _Sérgio Botêlho_

📃 *Manchetes do dia*:

“Para 64% demitir Mandetta foi erro. Ex-ministro deixa o governo com 70% de aprovação, e avaliação de Bolsonaro ganha fôlego, aponta pesquisa Data.” *Manchete de capa da Folha*.

“STF valida acordos para redução de salário na crise. Plenário manteve íntegra da MP que flexibiliza normas trabalhstas.” *Manchete de capa do O Globo*.

“STF dá aval a acordo individual para corte de salário e jornada. Supremo mantém os termos de MP editada pelo governo que permite redução de até 70% por até três meses.” *Manchete de capa do Estadão*.

“STf libera corte salarial sem passar por sindicato. ” *Manchete de capa do Correio Braziliense*.

📃 *Destaques de capa*:

*O GLOBO*

“Governo estuda formar ‘cartel da crise’ para aéreas. Enquanto o socorro do BNDES ao setor aéreo não vem, o governo estuda permitir que as empresas atuem sob a forma de um “cartel de crise”, compartilhando ofertas de voos e venda de bilhetes. A ideia é garantir que Gol, Azul e Latam, que acumulam prejuízos na crise do coronavírus, possam continuar operando.”.

“PIB da China despenca e mundo teme consequências”.

“Após revisão em Wuhan, mortes sobem 40%”.

“Doria estende quarentena até 10 de maio”.

“Crivella proíbe pessoas nas ruas sem máscara”.

“Um batalhão de voluntários para nova experiência. Ao menos 90 pessoas atenderam ao chamado em São Paulo para participar de um tratamento em estudo que pode reduzir a internação. Eles foram curados e doarão plasma a pacientes graves. “É uma esperança real”, diz o hematologista e voluntário Ruddy Dalfeor.”.

“Merval Pereira: STF e Congresso, instituições que funcionam na crise”.

“Eurípedes Alcântara: Isolamento seria insuportável sem a ilusão de acabar logo”.

“Ascânio Seleme: Alinhamento de Teich com Bolsonaro pode ser perigoso”.

“Míriam Leitão: Ministro tem que dizer a que veio”.

*ESTADÃO*

“SP estende quarentena, mas interior fura isolamento. Fechamento do comércio passa a vigorar até 10 de maio e vale para os 645 municípios do Estado. Guarujá, Indaiatuba, Sertãozinho e outros governos locais, porém, decidiram flexibilizar o funcionamento dos estabelecimentos, enquanto outros recuaram em liber”.

“Mortes já superam as por H1N1 em 2009. País ainda atingiu ontem o maior número de mortes em 24 horas, 217, e de casos confirmados, 3.257 novos”.

“Contra Maia, Bolsonaro oferece cargos a partidos. Presidente faz gesto a bloco informal formado por PP, PL, PSD e Republicanos em troca de sustentação no Congresso; legenda do presidente da Câmara fica fora das tratativas”.

“Número de mortos em Wuhan foi 50% maior, diz China. Governo chinês adiciona 1,2 mil óbitos em Wuhan depois de líderes mundiais questionarem iniciativas do país para lidar com pandemia”.

“Ministro assume sem revelar plano contra a covid-19. Na posse, ministro da Saúde afirma que falta de dados sobre vírus causa medo; Bolsonaro defende reabertura de fronteiras e comércio”.

“Adriano Pires: O day after da crise nos trará outro mundo, com outros hábitos e outra organização dos setores produtivos.”.

“Adriana Fernandes: Crise federativa pode ter consequências graves no combate à disseminação do vírus nas próximas semanas.”.

“Marcelo Rubens Paiva: Pandemia mudará a torcida no futebol. No gol, os torcedores se olharão e, sem se encostar, piscarão uns para os outros.”.

“US$ 29 BI mais rico. Com ações da empresa batendo recorde graças à demanda, executivo hoje amealha fortuna de US$ 143,1 bi, diz revista”.

*FOLHA*

“País já tem mais de 2.000 mortos e 33.682 casos confirmados”.

“PIB da China apresenta queda histórica de 6,8% no primeiro trimestre”.

“STF dá aval a pacto pessoal  por jornada e salário menor”.

“Senado barra minereforma e aprova PEC do Orçamento”.

“São Paulo tem quarentena estendida até 10 de maio”.

“Presidente fala em reabrir comércios na posse de Teich”.

“Varejistas aceleram estratégias digitais durante pandemia”.

“Óbitos em Wuhan aumentam em 50% após revisão de dados”.

“Brasil registra primeiro presidiário vítima de coronavírus”.

“Mauro Zafalon: Ódio agrícola quer ministra fora. Surge uma versão agrícola do gabinete do ódio, voltada contra a China. Para essa minoria,é hora de mirar em Teresa Cristina, vista como defensora do agronegócio”.

“Com ruas cheias, Brasilândia lidera morte por vírus”.

“Ministro passa primeiro dia em reuniões sob vigilância”.

*CORREIO BRAZILIENSE*

“José Roberto Afonso: Na direção errada. Não é de hoje que a ala econômica do governo federal demonstra desejo cego de desconstruir o Sistema S. *José Roberto Afonso é economista e contabilista, professor de Mestrado do IDP*”.

“Bares e restaurantes de Brasília fazem pressão para abrir as portas em 30 de maio”.

“Número de mortes por coronavírus em Brasília chega a 24 e há 756 pessoas infectadas”.

“Brasil rompe a marca de 2 mil óbitos; o total de casos confirmados vai a 33.682”.

“A força do amor. Em nome de moradores do Jardim Botânico, Francely entrega cupons de compra para família de Francisca, no projeto Cestas do Bem”.

“Após ataques a Maia, Senado adia votação de MP”.

“Mais crianças infectadas. Estudo indica casos subestimados”.

“China: erro e mortes. Governo de Pequim corrige informações e eleva em 1,3 mil o número de mortes por coronavírus. EUA criticam”.

“Mais cuidado no dentista.Com mais equipamentos de proteção e limpeza, clínicas aumentam a prevenção para profissionais e pacientes”.

“Doria ironiza Bolsonaro. Governador de São Paulo estende quarentena até 10 de maio. E desafia: ‘Aqui nós não brigamos com a ciência’”.

“No colo do presidente. Em clima cordial, Nelson Teich assumiu a vaga de Mandetta no Ministério da Saúde. Mas foi Bolsonaro quem deu o tom da mudança e defendeu o afrouxamento do isolamento: ‘Se agravar, bem para o meu colo’”.

📃 *Editoriais do dia*:

“Mergulho chinês. PIB do gigante asiático desaba no 1º tri; retomada ainda não é aposta segura.” *Editorial da Folha*.

“Menos mortes. Queda aguda de homicídios reforça aposta em inteligência, apuração e prevenção​.” *Editorial da Folha*.

“Falta um plano para o fim do isolamento. A volta do país à normalidade, desejo de todos, não pode ser feita sem fundamentação técnica.” *Editorial do O Globo*.

“O bom exemplo de ação que vem da comunidade de Paraisópolis. Sem esperar pelo poder público, moradores criaram estratégia para conter propagação da Covid-19.” *Editorial do O Globo*.

“Insensibilidade estarrecedora. Espantoso que até mesmo a pandemia do novo coronavírus não seja capaz de frear a ânsia de corporações do funcionalismo por reajuste salarial..” *Editorial do Estadão*.

“Responsabilidade intransferível. O presidente da República, Jair Bolsonaro, terá de arcar com o peso de suas decisões sobre a vida de todos os cidadãos.” *Editorial do Estadão*.

“Financiar e evitar o pior. É preciso continuar olhando também as empresas menores e as famílias pobres..”. *Editorial do Estadão*.

“Troca de comando. Troca de ministros não constitui nenhum fato excepcional. A saída de Luiz Henrique Mandetta não foge à regra. A excepcionalidade reside no contexto. Mudou-se o comandante no transcorrer da batalha. Pior: no momento mais crítico do confronto.” *Editorial do Correio Braziliense*.

📈 *Bolsa de Valores*

Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou a sexta-feira, 17, em alta de 1,58%, a 78.990 pontos. O dólar terminou o dia em baixa de -0,32%, a R$ 5,24.

Receba todas as novidades do Anexo6diretamente em seu email


Inscreva-se
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments