Ondas de calor frequentes já afetam vida de 559 milhões de crianças e jovens

Mundo internacional categoria

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) alerta que, até 2050, todas as crianças e todos os adolescentes do mundo estarão expostos a ondas de calor.

Atualmente, 559 milhões de crianças e adolescentes estão expostos a ondas de calor frequentes*, de acordo com um novo estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Além disso, 624 milhões de crianças e adolescentes estão expostos a um dos outros três indicadores específicos de altas temperaturas – episódios de ondas de calor de longa duração e alta intensidade ou temperaturas extremamente elevadas (veja as definições para cada um desses indicadores no fim desta publicação). 

Durante um ano em que as ondas de calor bateram recordes tanto no hemisfério sul quanto no hemisfério norte, o relatório “O Ano Mais Frio do Resto da Vida Deles: Protegendo Crianças e Adolescentes dos Impactos Crescentes das Ondas de Calor” (disponível somente em inglês) destaca o já extenso impacto das ondas de calor para meninas e meninos e revela que, mesmo nos níveis mais baixos de aquecimento global, em apenas três décadas, ondas de calor mais regulares são inevitáveis para crianças e adolescentes em todos os lugares.

Ainda não há muitos estudos sobre o impacto das ondas de calor em crianças, mas já se sabe que elas estão entre os principais grupos afetados, junto com idosos. Elas são menos capazes de regular a temperatura do corpo em comparação com os adultos. A quanto mais ondas de calor meninas e meninos estiverem expostos, maior a chance de problemas de saúde, incluindo doenças respiratórias crônicas, asma e doenças cardiovasculares. Bebês e crianças pequenas correm o maior risco de mortalidade relacionada ao calor.

Além dos efeitos diretos na saúde das crianças e dos adolescentes, as ondas de calor podem impactar os ambientes em que eles vivem, a segurança alimentar, a mobilidade, o acesso à água, a educação e os meios de subsistência futuros.

“Uma em cada três crianças vive em países que enfrentam temperaturas extremamente elevadas e quase uma em cada quatro crianças está exposta a ondas de calor frequentes, e isso só vai piorar”, disse a diretora executiva do UNICEF, Catherine Russell. “Mais crianças e adolescentes serão afetados por ondas de calor mais longas, mais intensas e mais frequentes nos próximos trinta anos, o que colocará em risco sua saúde e seu bem-estar. Quão devastadoras essas mudanças serão, depende das ações que tomarmos agora. No mínimo, os governos devem limitar urgentemente o aquecimento global a 1,5°C e dobrar o financiamento da adaptação até 2025. Essa é a única maneira de salvar a vida e o futuro das crianças e dos adolescentes – e o futuro do planeta”.

“Os choques climáticos de 2022 forneceram um forte alerta sobre o crescente perigo que se aproxima de nós”, disse a jovem ativista climática e embaixadora do UNICEF, Vanessa Nakate. “As ondas de calor são um exemplo claro. Por mais quente que este ano tenha sido em quase todos os cantos do mundo, provavelmente será o ano mais frio do resto de nossa vida. Os líderes mundiais precisam corrigir o curso em que o mundo está, levando o tema à COP27, focando nas crianças e nos adolescentes de todo o mundo, especialmente aqueles mais vulneráveis, que vivem nos lugares mais afetados. A menos que eles ajam, e logo, este relatório deixa claro que as ondas de calor se tornarão ainda mais duras do que já estão destinadas a ser”, alerta. 

Estimativas – O relatório estima que, até 2050, todos os 2,02 bilhões de crianças e adolescentes do mundo serão atingidos por ondas de calor cada vez mais frequentes, seja como parte de um cenário de ‘baixas emissões de gases de efeito estufa’ com um aquecimento global estimado de 1,7°C ou um ‘cenário de emissões muito elevadas de gases de efeito estufa’ com aquecimento global de 2,4°C em 2050.

O número de crianças e adolescentes afetados por ondas de calor de longa duração subirá de atualmente 538 milhões para 1,6 bilhão em 2050, no caso de um aquecimento de 1,7°C, e para 1,9 bilhão, no caso de um aquecimento de 2,4°C.

Além disso, milhões a mais de crianças e adolescentes serão expostos a ondas de calor de alta intensidade e temperaturas extremamente elevadas, dependendo do grau de aquecimento global alcançado.

Produzido em colaboração com The Data Collaborative for Children e lançado em parceria com a embaixadora do UNICEF Vanessa Nakate e o Rise Up Movement, com sede na África, o estudo ressalta a necessidade urgente de adaptação dos serviços dos quais crianças e adolescentes dependem à medida que os impactos inevitáveis do aquecimento global se desenrolam. Também defende a continuação das medidas de mitigação, para evitar os efeitos mais nefastos do calor elevado.

O UNICEF está pedindo aos governos para:

PROTEGER as crianças e os adolescentes da devastação climática adaptando os serviços públicos. Cada país deve adaptar os serviços públicos essenciais aos impactos do aumento das temperaturas – água, saneamento e higiene, saúde, educação, nutrição, proteção social e proteção infantil – para proteger crianças, adolescentes e jovens. Por exemplo, os sistemas alimentares devem ser fortalecidos para resistir às ameaças e garantir o acesso contínuo a dietas saudáveis. Maiores investimentos devem ser feitos na prevenção, detecção e tratamento precoce da desnutrição grave em crianças, mães e populações vulneráveis. Na COP27, crianças, adolescentes e seus direitos devem ser priorizados nas decisões sobre adaptação.

PREPARAR crianças e adolescentes para que vivam em um mundo marcado pelas mudanças climáticas. Cada país deve fornecer a crianças, adolescentes e jovens educação sobre mudanças climáticas, educação sobre redução de risco de desastres, treinamento em habilidades verdes e oportunidades para que participem de forma significativa e influenciem a formulação de políticas climáticas. A COP27 deve ver os países fortalecerem o foco na educação climática e empoderamento das crianças e dos adolescentes no plano de ação da Ação para Empoderamento Climático, adotá-lo e implementar compromissos anteriores para desenvolver a capacidade dos jovens.

PRIORIZAR crianças, adolescentes e jovens no financiamento e recursos climáticos. Os países desenvolvidos devem cumprir seu acordo COP26 para dobrar o financiamento de adaptação para US$ 40 bilhões por ano até 2025, no mínimo, como um passo para entregar pelo menos US$ 300 bilhões por ano para adaptação até 2030. O financiamento de adaptação deve representar metade de todo o financiamento climático. A COP27 deve desbloquear o progresso em perdas e danos, colocando a resiliência de crianças, adolescentes e suas comunidades no centro das discussões sobre ação e apoio.

PREVENIR uma catástrofe climática reduzindo drasticamente as emissões de gases de efeito estufa e respeitando o limite de 1,5° C. Prevê-se que as emissões aumentem 14% nesta década, colocando-nos no caminho para um aquecimento global catastrófico. Todos os governos precisam ser mais ambiciosos e intensificar as medidas em suas políticas e planos nacionais de mudanças climáticas. É imperativo que eles reduzam suas emissões em pelo menos 45% até 2030 para que o aquecimento global não ultrapasse o limite de 1,5°C.

Edição do Anexo 6: Sérgio Botêlho, com informações das Nações Unidas

Compartilhe este artigo:

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Zoom-+=